sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Armar Defender e Resistir

Podermos evitar problemas maiores que nos separem da comunhão com Deus, crescer espiritualmente, tomar posse das bênçãos que o Senhor nos tem reservados, seguindo alguns passos. “Antes, crescei na Graça e no conhecimento do Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo...” (2 Pe. 3.18)

Pela tomamos posse da vitória que Cristo obteve por nós na cruz do Calvário.
Ali foi cumprida a mais antiga promessa feita por Deus, ainda no Éden. Foi pela fé que os setenta discípulos tomaram posse da autoridade que Jesus lhes havia dado “Eis aí vos dei autoridade para pisardes serpentes e escorpiões e sobre todo o poder do inimigo, e nada absolutamente vos causará dano” (Lc. 10.17,19). Através do escudo da fé que apagamos todos os dardos inflamados do Maligno (Ef. 6.16). É através dela que atacamos e contra-atacamos o diabo.

Ter uma vida de SUJEIÇÃO PLENA AO SENHOR.
A fim de experimentarmos verdadeiras e duradouras vitórias. Devemos colocar tudo o que somos e temos inteiramente à disposição do Senhor. Ao consagrar tudo totalmente a Deus, estaremos evitando laços e maldições que poderiam levar ao fracasso e derrota.

Qualidades são importantes no reino de Deus quando rendidas, submetidas e inteiramente consagradas a ele. “... Não temais; aquietai-vos e vede o livramento do Senhor, que, hoje, vos fará... O Senhor pelejará por vós, e vós vos calareis.” (Ex. 14.13,14).“A minha palavra e a minha pregação não consistiram em linguagem persuasiva de sabedoria, mas em demonstração do Espírito e de poder, para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria humana e sim no poder de Deus” (1 Co. 2.4,5).

“Sem mim nada podeis fazer”. É tolice insistir em fazer qualquer coisa, principalmente de cunho espiritual como evangelizar; pregar; cantar; lecionar, orar, etc., sem o aval, a graça, sem a bênção de Jesus, sem a aprovação e unção do Espírito Santo. Jesus conquistou a vitória por nós, sujeitemos a ele as nossas armas e a nossa vida, e ele pelejará por nós.

Infelizmente a igreja de Cristo não tem obtido maiores vitórias, porque, em muitas vezes, em vez de lutar contra o pecado, o inimigo e o mundo, os cristãos se põe a guerrear contra os irmãos. Falam mal um dos outros, pois discordam da maneira de pensar e agir. Jesus disse: “... Todo reino dividido contra si mesmo ficará deserto, e toda cidade ou casa (ou igreja) dividida contra si mesma não subsistirá” (Mt. 12.25).

A UNIDADE da igreja, do corpo de Cristo, é a pregação contundente de um evangelho eficaz.
É o indício de que ele tem o poder de unir e reunir em torno de si pessoas com diferenças sócio-econômicas, e indivíduos de raça, língua e cor diversas. Foi assim com os primeiros cristãos, depois que o Espírito Santo foi derramado sobre eles.

Precisamos dar ouvidos à severa exortação da Palavra de Deus que diz: “Vivei, acima de tudo, por modo digno do evangelho de Cristo, para que, ou indo ver-vos ou estando ausente, ouça, no tocante a vós outros, que estais firmes em um só espírito, como uma só alma, lutando juntos pela fé evangélica; e que em nada estais intimidados pelos adversários...” (Fl. 1.27,28).

A união em torno da pessoa de Jesus é uma das armas mais poderosas que Deus concedeu à sua igreja. Unidos, os cristãos podem desarticular e fazer estremecer as bases do inferno. O mais triste é que o diabo sabe disso e mobiliza uma boa parte do seu exército para causar divisão, facção, desunião, atrito, malquerença, etc.

Se quisermos RESISTIR ao inimigo e obter a vitória sobre ele, precisamos desalojar e expulsar os pecados hospedados em nosso coração.
Eles agem em nossa vida espiritual, como o vírus da Aids, o HIV, que destrói toda a resistência do organismo, tornando-nos vulnerável. Para nos manter cativos, ele pode usar uma mágoa crônica guardada contra a esposa, contra o marido, filhos, pais, irmãos, ou o próximo.

Ele pode nos dominar através de pensamentos impuros, desejos carnais e mundanos. Ele usa pecados de nossa vida cotidiana, que temos vergonha de pedir perdão a Deus por tê-los repetido tantas vezes. Entretanto, precisamos resistir em nome de Jesus. Não esquecer que maior é aquele que está conosco.

Precisamos ser simples como as pombas, mas, também, PRUDENTES como as serpentes.
Nesse mundo, somos cercados, muitas vezes por pessoas falsas, maldosas, maliciosas, hipócritas, perversas e mentirosas, que se aproximam de nós, dizendo-se verdadeiros,porém são lobos em pele de ovelha; são demônios disfarçados de anjos de luz. “Eis que vos enviou como ovelhas para o meio de lobos; sede portanto, prudentes como as serpentes e simplices como as pombas.“ (Mt. 10.16).

A melhor maneira de ser prudente é saber a hora certa de abrir e fechar as portas do coração e da nossa casa. Portas tais como: A ira (Gn. 4.4-7; Sl. 4.4). A cobiça (Ex. 20.17; Tg. 1.14,15). A maledicência (Ef. 4.29; Sl. 141.3; 1 Pe. 3.10; 1 Co. 10.9,10; Fp. 2.14,15) A impureza ((1 Ts. 4.3-8; Gl. 5.19; Ef. 4.17,19; Ef. 5.3; Ap. 21.8;22.15). A avareza (Lc. 12.15; Hb. 13.5,6)

Sem o DISCERNIMENTO estamos sujeitos ao fracasso e até mesmo à morte espiritual.
Corremos o risco de lutar contra nós mesmos, contra Deus, e consequentemente, a favor do inimigo. Devemos discernir o que é ação de Deus. “Porque, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim sãos os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os vossos pensamentos” (Is. 55.9).

Devemos estar atentos, para não atribuir um ato de Deus que não entendemos, a algo ou alguém que não Ele.(At. 16.6-10). Nem tudo que aparentemente dá errado, é necessariamente obra do diabo ou maldição. Existem coisas que Deus permite que aconteçam com o objetivo de transformar nossa fraqueza em força, derrota em vitória “...O que faço não o sabes agora; compreendê-lo-ás depois.” (Jo. 13.7).

Discernir o que é ação do maligno “Amados, não deis crédito a qualquer espírito; antes, provai os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo afora” (1 Jo. 4.1). Eis alguns textos bíblicos que exemplificam o engano de espírito maligno (At. 16.17; 1 Sm. 16.14-23; 1 Ts. 2.18).

Discernimento do que é a ação da carne“Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer.” (Gl. 5.17)

Aproprie-se dessas dicas e torne mais fácil o seu convívio na sociedade moderna
.

Lidiomar T. Granatti

Graça e Paz