sábado, 20 de novembro de 2010

Entregue o comando a Deus

“Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. Porque a lei do Espírito da Vida em Cristo Jesus te livrou da lei do pecado e da morte. Porquanto o que fora impossível à lei, no que estava enferma pela carne, isso fez Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança de carne pecaminosa e no tocante ao pecado; e, com efeito, condenou Deus, na carne, o pecado” (Rm. 8.1-3).

A admissão de que necessitamos de orientação é o início do andar com Deus. Até os crentes caem na armadilha de confiar em algo, em vez de confiar em Deus, para determinar o seu curso.

Deus nos encontrou e nos presenteou com o Dom da salvação, Ele amorosamente nos trouxe Jesus, por meio da família, de amigos da Escritura e das circunstâncias, até que pudéssemos fazer um pouco mais do que dizer “Obrigado, Senhor, aceito o Teu Dom”. “Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus” (Rm. 8.14).

Você quer que Jesus o guie?

Uma das responsabilidades da filiação é confiar na Sua paternidade. Entregar o Controle exige decidir de uma vez quem vai dirigir, daí a cada dia entregamos a Ele o volante e confiamos na Sua direção.

Quando algo acontece que nos desagrada não devemos entrar em conflito, mas confiar na direção do Pai Celestial, pois ele sabe muito melhor do que nós o que o amanhã trará e, portanto, o que o hoje deve ser.

Deus quer colocar o planejamento da nossa vida em suas mãos, mas só quando admitirmos não poder tratar do assunto sozinhos, quando finalmente digo: “Deus, desisto. Não consigo fazer tudo isso.”

Nunca poderemos seguir a direção do Senhor se acreditamos que não precisamos da sua liderança. Não podemos ser salvos enquanto não reconhecemos a nossa insuficiência.

Ao Colocarmos o volante e a nossa confiança firmemente nas mãos do Pai, boas coisas irão acontecer. Os velhos hábitos serão vencidos e novos desafios enfrentados. Oportunidades surgirão e portas irão se abrir. O perigo é que essas vitórias e bênçãos podem fazer com que nós, como em Israel de antigamente, comecemos a aceitar o crédito por essas coisas boas; em lugar de louvar o Espírito, podemos começar a exigir o crédito pela boa direção de Deus.

Quando nos sentimos ameaçados, nossos terminais nervosos começam a vibrar, agarramo-nos ao poder e aos bens ate os nós dos dedos ficarem brancos.

Quando o perigo ameaça, nos agarramos a uma arma, a uma garota, ou, a um copo de bebida forte e ficamos ali pendurados até que a tempestade passe. Todavia, precisamos aprender a abandonar tudo isto, parar de ficar sentados, nos lamentando, e tomar as mãos de Deus que estão estendidas para nós.

Deus não dá apenas alimento e abrigo, a Sua mão irá satisfazer as necessidades emocionais e psicológicas mais profundas de nossas vidas.

“O Senhor firma os passos do homem bom, e no seu caminho se compraz; se cai, não ficará prostrado, porque o Senhor o segura pela mão.” (Salmos 37.23-24)

Lidiomar T. Granatti

Graça e Paz