segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Santificação (Maturidade Cristã)

Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz; I Pedro 2.9

O desafio da vida cristã leva-nos a desejar sermos santos na presença de Deus. Nesta busca, precisamos disciplinar-nos numa constante comunhão com Deus através de uma hora devocional. Deus nos chamou para a santificação (I Ts 4.7) deu-nos a ordem de santificar-nos (I Pe 1.15), portanto temos que alcançar tal benção. Ter um tempo com Deus através da hora devocional é muito importante: veja só:

1. Os grandes homens e mulheres da Bíblia que alcançaram vitória e muita comunhão com Deus tinha sua hora devocional. Mc 1.35-39; Mt 6.5-8; Gn 5.24.

2. Sua hora devocional deve incluir: Oração, leitura bíblica e momentos de louvor e gratidão a Deus.

3. Procure vencer os seguintes obstáculos para que sua hora devocional seja um momento precioso de comunhão íntima com Deus:

a) Falta de tempo – reserve um tempo (dia e hora) para este momento, não deixe ao acaso. (Dn 6.1; Sl 5.3)

b) Interrupções – escolha um lugar tranqüilo onde ninguém possa incomoda-lo e longe de telefone.

c) Pensamentos vagos – ore sempre em voz alta e seja específicos assim seus pensamentos não o afastarão da comunhão com Deus.

d) Falta de perseverança – muitos começam e param, estão sempre começando e fazendo novos propósitos. Seja perseverante pois é na perseverança que ganhará sua alma (Lc 21.19).

Com um tempo devocional específico e periódico, certamente você viverá em santidade com Deus.

O que é santificação?

Não é nosso propósito analisar teologicamente a doutrina santificação, mas sim declarar que: Santificação é o ato de Deus em nos separar para um fim específico. Deus nos separa e nos faz andar segundo a sua vontade, mas este ato deve estar em harmonia com a nossa vontade, Deus não nos violenta. A santificação é vivida, pelo menos em dois aspectos:

1. Santificação instantânea – (Hb 10.28-8; 13.12) Quando nascemos de novo, Jesus nos separa do pecado, nos purifica, nos justifica e assim nos tornamos santos diante dele separados, mortos para o mundo e vivos para Deus. (Rm 6.11).

2. Santificação progressiva – ( I Tm 2.21; Rm 6.22). Cristo nos separa do pecado, nos dá poder sobre o pecado, porém nos deixa a missão de nos livrarmos dos efeitos dos pecados. Somos libertos dos efeitos do pecado através da oração, da meditação na Palavra de Deus, quando nos submetemos ao Espírito Santo para que ele nos ensine todas as coisas. Assim vamos nos separando cada vez mais do pecado, das coisas do mundo a caminho da santificação pela até chegarmos a estatura de Cristo. Esta caminhada é a santificação. Fl 2.12; I Tm 4.5; I Co 10.23; Jo 14.26.

Porque a santificação é necessária?

1. Porque é a vontade de Deus para seus filhos – I Ts 4.3
2. Porque sem a santificação ninguém verá a Deus – Hb 12.14
3. Porque através da santificação abandonamos o pecado e as coisas que aborrecem a Deus. Ap 21.8; I Co 6.9-10; Gl 5.11,19; Ef 5.3-5; At 5.11; 20.33.

Como alcançar a santificação?
Tudo começa quando você toma a decisão de nascer de novo.

Santificação não é um tema para estudo e debate, é um estilo de vida a ser vivido pelos cristãos, é um estado de pureza onde a presença do Espírito Santo é uma realidade transformando nosso corpo em templo do Espírito Santo.

Observações:

1. Se você deseja ver Deus, desfrutar da presença maravilhosa do Espírito Santo, precisa ser santo.

2. Ser santo é uma ordem e portanto temos que obedece-la.

3. A santidade não implica em perfeição, mas, em separar-nos das coisas que podem levar-nos ao pecado.

4. É Deus quem opera primeiramente em nós o ato da santificação e cabe a nós dar continuidade, desenvolvendo a nossa salvação. Fl 2.12.

5. Quando se busca a Deus e a santificação, ele opera maravilhas na nossa vida, pois a santificação é parte fundamental do caráter de Cristo na vida dos cristãos

Fonte: Explicando as Escrituras

Por Lidiomar

Graça e Paz

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Ei, você é imperfeito!!!

Quando eu ainda era um menino, ocasionalmente, minha mãe gostava de fazer um lanche, tipo café da manhã, na hora do jantar. E eu me lembro especialmente de uma noite, quando ela fez um lanche desses, depois de um dia de trabalho, muito duro.

Naquela noite longínqua, minha mãe pôs um prato de ovos, linguiça e torradas bastante queimadas, defronte ao meu pai. Eu me lembro de ter esperado um pouco, para ver se alguém notava o fato. Tudo o que meu pai fez, foi pegar a sua torrada, sorrir para minha mãe e me perguntar como tinha sido o meu dia, na escola.

Eu não me lembro do que respondi, mas me lembro de ter olhado para ele lambuzando a torrada com manteiga e geléia e engolindo cada bocado.

Quando eu deixei a mesa naquela noite, ouvi minha mãe se desculpando por haver queimado a torrada. E eu nunca esquecerei o que ele disse:

"- Baby, eu adoro torrada queimada..."

Mais tarde, naquela noite, quando fui dar um beijo de boa noite em meu pai, eu lhe perguntei se ele tinha realmente gostado da torrada queimada. Ele me envolveu em seus braços e me disse:

"- Companheiro, sua mãe teve hoje, um dia de trabalho muito pesado e estava realmente cansada... Além disso, uma torrada queimada não faz mal a ninguém. A vida é cheia de imperfeições e as pessoas não são perfeitas. E eu também não sou um melhor empregado, ou cozinheiro!"

O que tenho aprendido através dos anos é que saber aceitar as falhas alheias, escolhendo relevar as diferenças entre uns e outros, é uma das chaves mais importantes para criar relacionamentos saudáveis e duradouros.

De fato, poderíamos estender esta lição para qualquer tipo de relacionamento: entre marido e mulher, pais e filhos - e com amigos.

Não ponha a chave de sua felicidade no bolso de outra pessoa, mas no seu próprio. Veja pelos olhos de Deus e sinta pelo coração dele; você apreciará o calor de cada alma, incluindo a sua.

As pessoas sempre se esquecerão do que você lhes fez, ou do que lhes disse. Mas nunca esquecerão o modo pelo qual você as fez se sentir.
 
(Autor desconhecido)
 
A Graça e a Paz do Senhor Jesus Cristo,
 
Moacir Neto

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Dormindo com os inimigos


“Habitando, pois, os filhos de Israel no meio dos cananeus, dos heteus, e amorreus, e perizeus, e heveus, e jebuseus”(Juízes 3.5)

Podemos considerar essas nações como representantes de diversos tipos de comportamento em termos espirituais, respectivamente: negociação com a verdade, timidez, falar sem praticar (ou seja, hipocrisia), confiança na força humana, estabelecimento de um sistema religioso de castas, e esmagamento das Escrituras.

Se você se encontra em uma posição onde quaisquer desses comportamentos são comumente praticados, então sabe o que é estar na mesma circunstância espiritual que Israel estava.

Os cananitas, “negociadores”, simbolizam os que não têm qualquer interesse pela verdade divina, mas apenas se valem dela para proveito próprio, seja por ganhos financeiros, por influência social, ou até satisfação intelectual. Se buscarmos o conhecimento bíblico somente de forma intelectual, sem de fato estarmos dispostos a obedecer a Deus de coração e alma, estaremos negociando com a verdade divina.

Os heteus, “filhos do terror”, simbolizam os que são tímidos, controlados pelo medo. O medo do homem, da opinião alheia e das conseqüências de se andar no estreito caminho da obediência pode nos fazer retroceder quando Deus nos pressiona a seguir em frente.

O medo pode nos impossibilitar de combatermos o bom combate no poder do Espírito Santo e na Sua força!

O medo está em todos os lugares.

Por que o testemunho do Evangelho é tão pobre?

Por que há ministrações tão pouco efetivas entre os santos?

Tão poucas vozes orando e louvando com poder neste mundo tenebroso?

Por que tememos falar sobre o Senhor Jesus, levantar a nossa voz em ações de graças, tomar uma posição clara por Cristo e confessá-Lo publicamente?

Não é por medo?

Como a intelectualização da verdade de Deus e o temor de assumir um compromisso real e inabalável com Cristo tem nos tornado pessoas fracas, sem expressão e inúteis

“Habitando, pois, os filhos de Israel no meio dos cananeus, dos heteus, e amorreus, e perizeus, e heveus, e jebuseus, tomaram de suas filhas para si por mulheres, e deram as suas filhas aos filhos deles; e serviram aos seus deuses. E os filhos de Israel fizeram o que era mau aos olhos do Senhor, e se esqueceram do Senhor seu Deus”(Juízes 3.5-7)

Vimos que essas nações mencionadas acima representam princípios espirituais – os cananitas são os negociadores da verdade, e os heteus, os tímidos. Agora vejamos os outros povos.

Os amorreus, “faladores”, são os que pregam a Palavra sem poder. Falar é fácil. Transmitir nossos próprios pensamentos é fácil. Confessar Cristo não significa simplesmente falar e nada mais. Onde houver princípios elevados e um agir desprezível, muita pregação e pouca prática, temos de perceber que estamos entre amorreus, inimigos a serem combatidos.

Os perizeus representam os que confiam no poder humano de governar e não no divino. Também representam os que não se submetem a Deus, à Sua vontade nem à Sua Palavra. São a classe dos que detêm o poder, dos que têm de ser consultados, cujas ordens têm de ser obedecidas, não pelo que são espiritualmente, mas pela posição que ocupam no mundo.

Os heveus simbolizam a contraparte dos perizeus – os que se permitem ser guiados por religiosos e que aceitam para si mesmos uma função espiritual de natureza inferior.

Por fim, os jebuseus são os que pisam, esmagam as Escrituras, e se recusam a obedecer ao ensino explícito da Palavra de Deus.

É interessante notar que nenhum desses povos é mencionado como sendo conquistador. Os israelitas se casaram com as mulheres deles, unindo-se da maneira mais íntima com os inimigos.

Literalmente, os israelitas dormiram com os inimigos. E isso trouxe destruição para várias gerações.

Hoje isso também acontece quando permitimos práticas comuns, mas contrárias à Bíblia em nossas congregações. Tal atitude é tão má aos olhos de Deus quanto foi a dos israelitas.

Extraído do devocional Boa semente

Por Lidiomar

Graça e Paz

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Buscando Adoradores

“No entanto, está chegando a hora, e de fato já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade. São estes os adoradores que o Pai procura” – João 4:23.

Essas palavras, proferidas pelo Senhor, revelam o desejo de Deus de ter para si um povo que realmente o ame e o adore em espírito e em verdade. Esse é o grande desafio para a Igreja de Jesus em nossos dias.

Com essa afirmação, Jesus quer nos ensinar que existem falsos adoradores, uma vez que Deus está à procura dos verdadeiros adoradores. Num certo sentido, todos nós somos adoradores. Todos nós adoramos alguma coisa. Alguns adoram seu carro, outros adoram a música e a colocam como prioridade em sua vida. Há maridos que adoram mais as esposas do que a Deus, outros adoram o dinheiro, enfim, todos nós temos um objeto de adoração. No entanto, Deus está à procura de verdadeiros adoradores, aqueles que o adorem em espírito e em verdade.

Sabemos que nos altos céus os anjos adoram a Deus dia e noite, declarando sua glória e santidade.
A Igreja é chamada a adorar a Deus na Terra, unindo sua voz a toda Criação, que proclama seu poder e majestade.

Podemos, no entanto, perceber que uma concepção totalmente equivocada a respeito do que seja adoração tem invadido as igrejas evangélicas, de um modo geral. Por essa razão, muitos têm confundido adoração com música.

Até mesmo entre os músicos que ministram na Casa do Senhor tem se disseminado essa percepção distorcida a respeito do que seja adorar a Deus.

Muitos pensam que adoração é simplesmente música e, por isso, ao deixarem seus instrumentos agem como se pudessem viver da forma como querem, não se importando com o próprio caráter ou até mesmo o compromisso com Deus. Pensam que são adoradores pelo simples fato de cantarem ou tocarem um instrumento.

Porém, Deus não está à procura de músicos ou cantores – Deus está à procura de verdadeiros adoradores.

Temos, então, uma pergunta: encontraria o Senhor em mim um verdadeiro adorador? Seria eu achado entre aqueles que realmente o amam e glorificam seu nome?

O Senhor quer levantar uma nação que o adore e o ame acima de qualquer coisa. No entanto, para que isso aconteça, precisamos esclarecer, antes de tudo, o que é adoração. E ninguém melhor do que o próprio Deus para nos ensinar. Portanto, é a Palavra de Deus que serve como base e fundamento para tudo o que se refere a vida de um adorador. A Bíblia é o nosso manual de instrução para todas as áreas da nossa vida.

Devemos abrir o nosso coração e permitir que o Espírito de Deus fale conosco através de Sua Palavra, a fim de que o Pai encontre amor, devoção, gratidão, temor e adoração em tudo o que pensamos, falamos, fazemos, cantamos, enfim, em tudo o que somos.

Baseados nisto, vamos meditar em 4 perguntas básicas que nos ajudarão a entender mais claramente o que significa uma vida de verdadeira adoração:

1- Qual a finalidade da adoração?

A adoração visa agradar a Deus (Ef 6:5-8).

2- Como é a adoração que agrada a Deus?

É aquela realizada em espírito e em verdade.

Em espírito, fala da nossa posição em Cristo Jesus (Gl 5:25; I Jo 2:6; Jo 1:14).

Em verdade, fala de experiência, prática e vida aprovada (II Tm 2:15; I Ts 2:4).

3- Quem são os verdadeiros adoradores?

São os filhos de Deus. Somente poderão adorar a Deus verdadeiramente os que agora receberam um novo coração (Jo 1:12; 3:3).
4- Como ser um verdadeiro adorador na prática?

Olhando para Jesus, ele é o modelo! Recebeu testemunho do Pai (MT 3:11-17; 17:1-5).

Adoremos ao Senhor!

Autor: Ronaldo Bezerra

Por Lidiomar

Graça e Paz


quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Como superar as dores do passado

O passado pode nos influenciar mais do que gostaríamos. Há dores do passado que, muitas vezes, não conseguimos superar. Há feridas na alma que demoram a sarar, há traumas que se recusam a ir embora e se levantam como fantasmas para nos atormentar.

No livro de 1 Cr. 4.9,10 lemos a história de Jabez, um homem que superou as dores do seu passado. Ele foi mais nobre do que seus irmãos porque não se conformou com a decretação da derrota em sua vida. Sua mãe lhe deu esse nome, porque com dores o deu à luz. Muito embora Jabez estivesse carimbado por um passado de dor, reagiu a essa situação e superou esses traumas.

A solução não veio da psicologia de auto-ajuda, mas da ajuda do alto. Ele invocou o Deus de Israel e, dos céus brotou a sua cura.

Jabez fez quatro coisas para superar as dores do seu passado:

1. Ele clamou pela bênção de Deus


Seu pedido foi: “Oh! Tomara que me abençoes…”. Em vez de olhar pelas lentes do retrovisor, ferido pelas lembranças amargas do seu passado, Jabez olhou para o alto e rogou a bênção de Deus.

Em vez de viver preso no cipoal da amargura, curtindo os traumas da sua infância, ele buscou a Deus e rogou sua bênção. Jabez reagiu.

Ele não se conformou com o caos.

Ele sacudiu o jugo do passado.

Ele entendeu que sua vida não precisaria ser uma jornada de dor, mas uma caminhada sob a bênção de Deus.

De modo semelhante podemos, também, buscar a bênção de Deus em vez de vivermos prisioneiros de um passado de dor.

2. Ele clamou pela prosperidade de Deus

Jabez prosseguiu: “… e me alargues as fronteiras”. Jabez não se encolheu diante de um passado de dor, mas olhou para frente e avançou com mais ousadia. Ele não quis ser influenciado pelos acontecimentos dolorosos do ontem, mas um influenciador no futuro.

Jabez quer mais espaço, mais influência, mais oportunidade para ser uma bênção nas mãos de Deus.

Jabez é um homem com visão do farol alto. Em vez de ficar lamentando seus pesares nos vales da vida, ele sobe nos ombros dos gigantes para divisar horizontes ainda mais largos.

3. Ele clamou pela presença de Deus

Jabez continuou: “… que seja comigo a tua mão”. Jabez não quer apenas as bênçãos de Deus, ele quer, sobretudo, o Deus das bênçãos.

O doador é mais importante do que suas dádivas.

O abençoador é mais importante do que suas bênçãos.

Mais do que coisas, Jabez ansiava por Deus.

Mais do que ajuda dos homens, ele queria a mão de Deus conduzindo sua vida.

Para superar as dores do passado nós precisamos da presença de Deus e da fortaleza do seu braço para nos sustentar.

4. Ele clamou pela proteção de Deus

Jabez concluiu, dizendo: “… e me preserves do mal, de modo que não me sobrevenha aflição…”. Jabez entende que a vida é cheia de perigos. Há inimigos de fora e temores de dentro tentando nos manter prisioneiros no calabouço do medo.

A vida não se processa num parque de diversões, mas num campo de batalha.

Jabez anseia pela proteção divina. Ele deseja proteção tanto do maligno como da aflição provocada por ele.

A breve, mas intensa biografia de Jabez termina dizendo: “… e Deus lhe concedeu o que lhe tinha pedido”.

Como Jabez, você também, pode superar as dores do seu passado!

Rev. Hernandes Dias Lopes

Por Lidiomar!

Graça e Paz

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Abra logo!

Por que razão vim eu, e ninguém apareceu? Chamei, e ninguém respondeu? Porventura tanto se encolheu a minha mão, que já não possa remir? Ou não há mais força em mim para livrar?”(Isaías 50.2)

Havia uma mulher que estava em grandes dificuldades financeiras. Certo dia, ela recebeu a visita de um homem disposto a ajudá-la. Ele bateu à porta da casa dela, mas como ninguém abriu, pensou que ela tivesse saído e foi embora.

Algum tempo depois, ele a encontrou e mencionou a visita e o propósito dela.

- “Então era o senhor!

- Desculpe. Eu pensei que era o dono da casa onde moro querendo receber o aluguel. Como não tinha dinheiro para pagar, não abri a porta.”

Existem milhares de homens e mulheres hoje que agem de maneira semelhante em relação a Deus, cujo desejo é ajudá-los.

Pensam que, quando Deus bate à porta do coração deles, é para lhes exigir algo. Que erro!

Pelo contrário, Deus vem para dar o que Ele tem, e não para reclamar o pagamento de nossa dívida.

Ele oferece a libertação das coisas que o atormentam e lhe oferece também uma herança eterna. “Porque o Filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos” (Marcos 10.45).

Por um longo tempo, Ele tem batido à porta com amor, esperando uma resposta. Mas chegará um momento em que as batidas cessarão e Ele irá embora.

Então será tarde demais. Não haverá qualquer possibilidade de um novo encontro com Ele.

“Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores” (Romanos 5.8)

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3.16).

Extraído devocional Boa Semente

Por Lidiomar

Graça e Paz

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

OS FRUTOS DE UMA SEMENTE

Ora, aquele que dá a semente ao que semeia, também vos dê pão para comer, e multiplique a vossa sementeira, e aumente os frutos da vossa justiça (2 corintios 9.10)

Maio de 1995, um pastor, responsável por inúmeras conversões, mas que até então, devido à grande resistência da família em ouvir as boas novas do Evangelho de Cristo, pois havia todo tipo de envolvimento com ocultismo, espiritismo, esoterismo entre outras - sem saber as proporções que aquele ato teria – entregou como presente no dia das mães uma Bíblia para a sua irmã.

Como todo bom jornalista, ela começou a ler a Bíblia, o que para ela seria mais um livro; todavia a Palavra de Deus não volta vazia e, em menos de um ano, para HONRA E GLÓRIA DO SENHOR, aquela família se convertera ao cristianismo, através daquele presente entregue no segundo domingo de maio de1995.

Após a conversão, veio a necessidade da ida á um templo para LOUVAR AO SENHOR; porém, faltava algo, por maiores que fossem os esforços, estavam incompletos.

Em 21 de janeiro de 1997, um mês e três dias, após o batismo nas águas, inesperada e espontaneamente, foi iniciada uma célula no lar daquela família.

O SENHOR ESTARIA INICIANDO UMA GRANDE OBRA NAQUELE LUGAR.

Devido ao alto número de CONVERSÕES e a PROVIDÊNCIA DIVINA inexplicáveis, em menos de dois meses, foi inaugurado o templo da Igreja IMW, tendo por Pastor oficial JESUS CRISTO.

O desenrolar dos fatos, mostrava que a DIREÇÃO DIVINA era indiscutível, pois uma Igreja que contava com a presença de Pastores apenas nos horários de cultos; sem junta diaconal, sem presbitério, sem obreiros, desenvolvia-se de forma extraordinária

Somente depois de 04 meses, houve a nomeação de um Pastor para cuidar daquele rebanho.

Após dois anos, do início desse trabalho, já totalmente estruturado, essa família novamente foi levantada para iniciar uma nova igreja em outro lugar, começando do zero novamente.

Essa família é a minha família, essa irmã sou eu; sou fruto de uma semente que aos olhos de muitos não germinaria. Hoje, dedico todo o meu tempo para o Senhor.

Por que estou falando isso?

Porque tenho visto pessoas apáticas, abatidas, desanimadas, achando que não precisa fazer nada, que o ato dela não vai fazer diferença na vida de ninguém. Eu sou uma testemunha viva que esse sentimento e/ou pensamento, vem do maligno e não de Deus.

Se você sente vontade de fazer alguma coisa que divulgue o Evangelho, mas acha que aquele ato é insignificante e, que não irá mudar nada, engano seu, pois, DEUS é soberano, tem controle de todas as coisas. Tenha certeza, mesmo que você não tenha conhecimento, o seu pequeno ato poderá frutificar e gerar uma grandiosa obra em qualquer lugar.

Portanto, cumpra o IDE, obedeça a vontade do SENHOR, por menor que seja: faça e aja. O amanhã não nos pertence e, se cada um fizer a sua parte, teremos uma cidade, um país e uma nação melhor para se viver.

Teremos problemas?

Com certeza sim, porém o nosso galardão está reservado junto ao SENHOR. E, “...SE DEUS É POR NÓS, QUEM SERÁ CONTRA NÓS”. Romanos 8.31.

Lidiomar Trazini Granatti

Graça e Paz



segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

O que Deus fez em Jesus

No principio Deus criou o homem. Quase imediatamente o homem falhou através da rebelião. Então, depois de milhares de anos de preparação, em um momento preciso, Deus fez com que uma jovem virgem chamada Maria ficasse grávida, ela estava comprometida com um carpinteiro chamado José.

O filho que nasceu era o Filho do próprio Deus. Na juventude Jesus trabalhou na carpintaria de seu pai. Enfrentando as tentações que cada um de nós enfrenta, ele cresceu sem nenhum pecado.

Quando tinha por volta de 30 anos de idade, deixou seu oficio para começar a proclamar a mensagem do Reino de seu Pai celestial.

Dezenas de milhares o seguiram, um grande número foi curado, e inclusive houve mortos que foram ressuscitados. Os lideres religiosos e do governo o consideravam uma ameaça. Por isto colaboraram e arranjaram mentiras para acusá-lo e matá-lo.

Jesus é traído, preso, julgado, acoitado e pregado em uma cruz. Sua sentença de morte por crucificação era destinada aos criminosos comuns.

Ele não se defendeu, mas foi voluntariamente, mesmo podendo chamar a um imenso número de anjos para o resgatar. Nas palavras do profeta Isaias, foi como um cordeiro ao matadouro.
E morreu.

Na cruz Jesus disse, “está consumado” Este é o ponto mais dramático em toda a História, porque Jesus não estava referindo-se apenas à sua vida, mas ao problema do pecado.

Jesus tornou-se o remédio de Deus.

Por sua obediência, ele satisfez as exigências de Deus como o “sacrifício perfeito para o pecado”.

Por isso, o Cristianismo despojado da cruz não tem nada de Cristianismo.

Jesus foi colocado em uma sepultura de um influente líder judeu. Lacraram o túmulo.

Três dias mais tarde, para perplexidade até de seus seguidores mais próximos, ressuscitou dentre os mortos.

Seus discípulos encontraram o sepulcro vazio e sentiram-se sacudidos até o mais profundo de seu ser.

Mas Jesus apareceu a eles, e depois centenas de outros. Ele os consolou e tranqüilizou, lhes afirmando que este evento incrível era o propósito do coração de Deus. Depois de 40 dias, subiu aos céus, onde se juntou a Deus, seu Pai.

Então o Pai concedeu a seu Filho a honra mais alta e suprema de ser o cabeça de tudo o que há na terra e nos céus.

Assim, Jesus foi feito tanto Senhor e Cristo, posições que segue tendo hoje. “Senhor” é uma palavra que se refere a domínio. “Cristo” se refere a sua capacidade para salvar. Ele e somente Ele tornou-se o Salvador da humanidade.

Deste lugar de autoridade, Jesus nos convida a tornarmos seus seguidores – novas criaturas!

Como não dizer que isto é algo totalmente maravilhoso?

Não estou seguro de que a mente humana pode captar por completo.

Que tipo de amor é este, em que um Pai sacrifica seu único Filho?

No entanto isto ocorreu, e muito literalmente, por uma razão central e majestosa: para que você e eu pudéssemos restabelecer o tipo de ralação pessoal com Deus que Ele queria que existisse desde o principio.

Ele tornou isto possível para retornarmos ao lar. Ele tornou a resposta para a grande questão da vida.

Este processo – a forma como voltamos espiritualmente ao lar – é o que agora queremos ver mais de perto.

Esta é a consumação e o propósito da nossa jornada.

Autora: Kenia

Por Lidiomar

Graça e Paz

domingo, 20 de fevereiro de 2011

A reunião para os planos de Satanás

Satanás convocou uma Convenção de demônios.
Em seu discurso de abertura, ele disse:
"Não podemos impedir os cristãos de irem à igreja. Não podemos impedi-los de ler as suas Bíblias e conhecerem a verdade. Nem mesmo podemos impedi-los de formar um relacionamento íntimo com o seu Salvador. E, uma vez que eles ganham essa conexão com Jesus, o nosso poder sobre eles está quebrado.
Então vamos deixá-los ir para suas igrejas, vamos deixá-los com os almoços e jantares que nelas organizam, MAS, vamos roubar-lhes o TEMPO que têm, de maneira que não sobre tempo algum para desenvolver um relacionamento com Jesus Cristo.
O que quero que vocês façam é o seguinte", disse o diabo:
Distraia-os a ponto de que não consigam aproximar-se do seu Salvador".
- “Como vamos fazer isto?” Gritaram os seus demônios.
Respondeu-lhes:
"Mantenham-nos ocupados nas coisas não essenciais da vida, e inventem inumeráveis assuntos e situações que ocupem as suas mentes. Tentem-nos a gastarem, gastarem, gastarem, e tomar emprestado, tomar emprestado. Persuadam as suas esposas a irem trabalhar durante longas horas, e os maridos a trabalharem de 6 à 7 dias por semana, durante 10 à 12 horas por dia, a fim de que eles tenham capacidade financeira para manter os seus estilos de vida fúteis e vazios. Criem situações que os impeçam de passar algum tempo com os filhos. À medida que suas famílias forem se fragmentando, muito em breve seus lares já não mais oferecerão um lugar de paz para se refugiarem das pressões do trabalho.
Estimulem suas mentes com tanta intensidade, que eles não possam mais escutar aquela voz suave e tranqüila que orienta seus espíritos. Encham as mesinhas de centro de todos os lugares com revistas e jornais.
Bombardeiem as suas mentes com noticias, 24 horas por dia.
Invadam os momentos em que estão dirigindo, fazendo-os prestar atenção a cartazes chamativos. Inundem as caixas de correio deles com papéis totalmente inúteis, catálogos de lojas que oferecem vendas pelo correio, loterias, bolos de apostas, ofertas de produtos gratuitos, serviços, e falsas esperanças.
Mantenham lindas e delgadas modelos nas revistas e na TV, para que seus maridos acreditem que a beleza externa é o que é importante, e eles se tornarão insatisfeitos com suas próprias esposas.
Mantenham as esposas demasiadamente cansadas para amarem seus maridos à noite, e dê-lhes dor de cabeça também. Se elas não dão a seus maridos o amor que eles necessitam, eles então começam a procurá-lo em outro lugar e isto, sem dúvida, fragmentará as suas famílias rapidamente.
Dê-lhes Papai Noel, para que esqueçam da necessidade de ensinarem aos seus filhos, o significado real do Natal.
Dê-lhes o Coelho da Páscoa, para que eles não falem sobre a ressurreição de Jesus, e o Seu poder sobre o pecado e a morte.
Até mesmo quando estiverem se divertindo, se distraindo, que seja tudo feito com excessos, para que ao voltarem dali estejam exaustos!
Mantenha-os de tal modo ocupados que nem pensem em andar ou ficar na natureza, para refletirem na criação de Deus. Ao invés disso, mande-os para Parques de Diversão, acontecimentos esportivos, peças de teatro, concertos e ao cinema. Mantenha-os ocupados, ocupados!
E, quando se reunirem para um encontro, ou uma reunião espiritual, envolva-os em mexericos e conversas sem importância, para que, ao saírem, o façam com as consciências pesadas.
Encham as vidas de todos eles com tantas causas nobres e importantes a serem defendidas que não tenham nenhum tempo para buscarem o poder de Jesus.
Muito em breve, eles estarão buscando em suas próprias forças, as soluções para seus problemas e causas que defendem,  sacrificando sua saúde e suas famílias pelo bem da causa.
Isto vai funcionar!!! Vai funcionar !!!”
Os demônios ansiosamente partiram para cumprirem as determinações do chefe, fazendo com que os cristãos, em todo o mundo, ficassem mais ocupados, e mais apressados, indo daqui para ali e vice-versa, tendo pouco tempo para Deus e para suas famílias.
Não tendo nenhum tempo para contar  à outros sobre o poder de Jesus para transformar vidas.
Creio que a pergunta é:
Teve o diabo sucesso nas suas maquinações?
(Autor Desconhecido)

A Graça e a Paz de Cristo Jesus.

Moacir Neto