domingo, 10 de abril de 2011

Guerra Espiritual - Parte 3 - Experiências sem Respaldo Bíblico

Este é o terceiro artigo do nosso blog sobre o tema "Guerra Espiritual" e os que têm acompanhado nossas postagens tem notado a preocupação de estabelecer a Bíblia como a única fonte infalível de informação. E é com esta visão e entendimento que queremos tratar mais uma das preocupações que temos, as narradas "experiências espirituais" colocadas acima da Palavra de Deus.

Irmãos, mais ou menos entre 2004 e 2006 começou uma febre por seminários e livros de um escritor que se identificava como ex-satanista. Não quero entrar no mérito deste escritor ter sido ou não satanista, e por questão de ética não vou citar o nome dele aqui. A intenção de citarmos o episódio é por algo que foi escrito por este escritor e que levou a muitos na internet e nas Igrejas menos estudiosas da Bíblia, a literalmente "idolatrar" os escritos deste cidadão. Me lembro que tinha um rapaz no Orkut que leu e releu os livros, ajuntou desenhos dos demônios que este escritor dizia incorporar e passou a criar comunidades com os nomes dos livros e grupos de estudos, com debates de assuntos tais como: Portais dimensionais, clones humanos e pasmem, tinham pessoas que defendiam que Caim (filho de Adão e assassino de Abel) havia virado vampiro.

Deixando as patacoadas de lado, o que gostaria de compartilhar com o amado leitor é a respeito da afirmação feita por este escritor, e que não encontra apoio na Bíblia, de que o nome do deus cananeu Baal, seria a junção das primeiras letras dos nomes de quatro príncipes do inferno, sendo B de Belzebu, A de Asmodeo, A de Astarote e L de Leviatã. Irmãos, antes de trazer o texto bíblico que demonstra que isso não existe, quero falar da história dos cananeus em relação a Baal. Na Bíblia, Baal é descrito como um deus semita e era adorado pelos Cananeus e Fenícios. Baal significa "O Senhor" e na cultura destes povos era principalmente um deus do sol, chuva, trovões, fertilidade e da agricultura. Ainda na cultura destes povos, quando este deus era morto e Astarote (em alguns estudos, sua esposa, em outras sua filha) conseguia ressuscitá-lo era um bom ano da agricultura para os seus adoradores.

O texto que mostra que se trata de demônios diferentes está em Juízes 2.13 - Porquanto deixaram ao SENHOR, e serviram a Baal e a Astarote. Irmãos, ensinamento nenhum está acima da Bíblia. Isto em minha opinião, é querer entrar novamente nas "profundezas de Satanás" que advertimos no artigo de ontem. Um comparativo interessante entre os dois escritores, a de ontem e o de hoje é que para a escritora, o diabo era mau para seus seguidores, e para o escritor o diabo era bonzinho... Para nós ele é o que a Bíblia diz que ele é, adversário, maligno, mentiroso, homicida, etc.

Outra coisa que este escritor disse era que ele havia recebido de Deus para sua guarda pessoal, o Arcanjo Mikael, uma variante do nome Miguel. O camarada afirmou que o guardião de Israel (que para receber tal incumbência de Deus, devia estar ocioso naquela "pacífica" região) era seu protetor pessoal. Bom, vamos ao texto bíblico que contradiz tal afirmação e diz que o Arcanjo Miguel é o protetor de Israel:

Daniel 12.1 - Nesse tempo, se levantará Miguel, o grande príncipe, o defensor dos filhos do teu povo, e haverá tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas, naquele tempo, será salvo o teu povo, todo aquele que for achado inscrito no livro.

Afirmou ainda que foi ministrado com óleo por este "Mikael", entretanto não encontramos nada semelhante na Palavra de Deus. Ou seja, o camarada comeu feijoada de noite, angú ou uma comida bem pesada. Irmãos, em outra oportunidade quero tratar a respeito dos anjos, pois infelizmente está havendo no nosso meio inversão de valores em relação a estes seres celestiais e a sua missão em relação ao Reino do Senhor.

Hoje amados, quando alguém vier lhes contar algo que não cabe na Palavra de Deus, tenham em seus corações tranquilidade para dizer que não acreditam e refutar com a Bíblia. Nós que somos Pentecostais e acreditamos nas manifestações do Espírito Santo, precisamos buscar junto ao Senhor Jesus o Dom de Discernimento para melhor servirmos em nossa Igreja. Assim, o Espírito Santo conforme sua soberania irá nos trazer verdadeira revelação sobre este tipo de experiência e sobre a base bíblica.


A Graça e a Paz de Cristo Jesus,

Moacir Neto