segunda-feira, 8 de agosto de 2011

O sal e a luz

Vocês são o sal da terra... Vocês são a luz do mundo... Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens. Mateus 5.13-14,16 

Sal e luz são duas das maiores necessidades nos lares. Certamente Jesus deve ter visto, inúmeras vezes, sua mãe usar o sal na cozinha. Naqueles dias, antes de existir a refrigeração, o sal era usado normalmente com propósitos anticépticos e de preservação. Assim, Maria deixava peixe e carne mergulhados em água salgada, e acendia lamparinas a óleo quando o sol se punha. 

Jesus escolheu essas imagens para indicar a influência que ele desejava que seus seguidores exercessem no mundo. 

O que ele quis dizer? O que é legítimo para nós deduzir dessa sua escolha de metáforas? 

Acredito que ele estava ensinando quatro verdades. 

Primeiro, os cristãos são radicalmente diferentes dos não-cristãos. 

Ambas as imagens estabelecem as duas comunidades em contraste uma com a outra. Por um lado, há o mundo; por outro, há você, que deve ser luz na escuridão do mundo. 

Novamente, o mundo é como carne apodrecida e peixe em decomposição, mas você deve ser o seu sal, detendo a deterioração da sociedade. As duas comunidades são tão diferentes uma da outra quanto a luz é da escuridão, e o sal, da corrupção

Segundo, os cristãos devem penetrar na sociedade não-cristã. 

Embora espiritual e moralmente distintos, não devemos ser socialmente segregados. Uma lâmpada não traz nenhum benefício se for guardada no armário; e o sal não faz bem se ficar dentro do saleiro.

A luz deve brilhar na escuridão; o sal deve penetrar na carne. Ambos os modelos ilustram o processo de penetração. 

Terceiro, os cristãos podem influenciar e mudar a sociedade não-cristã. 

Sal e luz são ambos mercadorias eficazes. Eles mudam o seu ambiente. Quando o sal é introduzido na carne, algo acontece; a deterioração bacteriológica é contida. Do mesmo modo, quando a luz é acesa, algo acontece; a escuridão é dissipada. 

Não apenas indivíduos podem ser mudados; sociedades também podem ser transformadas. 

É claro que não podemos tornar a sociedade perfeita, mas podemos melhorá-la. 

A história está cheia de exemplos de melhora social por meio da influência cristã.

Quarto, os cristãos devem conservar as características cristãs. 

O sal deve reter sua salinidade; caso contrário, será inútil. 

A luz deve reter seu brilho; caso contrário, nunca dissipará a escuridão. 

E quais são nossas características cristãs? 

O restante do sermão do monte nos diz. 

Leitura recomendada: Mateus 5.13-16 

Retirado de A Bíblia Toda, O Ano Todo (Editora Ultimato, 2007) 

Por Lidiomar 

Graça e Paz