sábado, 31 de março de 2012

Dúvida: a semente do Diabo

 “Chegando, então, o tentador, disse-lhe: Se tu és Filho de Deus manda que estas pedras se tornem em pães (Mt 4.3)”.

A dúvida é o maior inimigo de Deus, pois o Senhor opera na certeza, na convicção, ou seja, na fé.  “Ora, sem fé é impossível agradar a Deus; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam (Hb 11.6)”.

Este trecho em Hebreus nos dá a clara visão de como podemos alcançar as nossas bênçãos, pois sendo Deus galardoador daqueles que o buscam, logo ele lhe dará vitória sobre todas as áreas de sua vida. Mas onde há duvida, incerteza, incredulidade, o Espírito Santo de Deus não pode atuar.

O próprio Jesus em seu Ministério terreno, quando esteve em sua própria pátria, enfrentou de frente o fantasma da incredulidade e veja o que aconteceu: “E não podia fazer ali nenhum milagre, a não ser curar alguns poucos enfermos, impondo-lhes as mãos. E admirou-se da incredulidade deles. Em seguida percorria as aldeias circunvizinhas, ensinando (Mc 6.5,6)”.

Isso nos mostra mais uma vez porque a dúvida tem sido a maior arma do inimigo de nossas almas, pois estando ela no coração, impede a ação do Espírito Santo de Deus.

Levando ao âmbito feminino, vemos mulheres que sofrem preconceitos, às vezes recebem palavras de desânimo, pessoas que dizem que elas são incapazes e algumas aceitam esta maldição, mas por isso que as benções não alcançam as suas vidas. 

Você não pode aceitar isso, a Palavra de Deus está cheia de versículos que encorajam o povo de Deus, como: “Posso todas as coisas naquele que me fortalece (Fp 4.13)”. Você é muito especial para Deus e o Senhor lhe confere autoridade do Espírito tal, que disse que faríamos sinais maiores que Ele fazia. Por isso nada de aceitar a derrota.

O inimigo sabe o peso que estas palavras tem no coração e por isso as utilizam as mais variadas formas.  “Então o levou a Jerusalém e o colocou sobre o pináculo do templo e lhe disse: Se tu és Filho de Deus, lança-te daqui abaixo (Lc 4.9)”.

Vemos então mais uma vez o inimigo vir com duvida, plantando semente de incredulidade, mas neste caso ele estava falando com o Filho de Deus e por isso levou aquilo que merecia.

Para reconhecer as Palavras do inimigo, devemos estar ligados no trono da graça. Isso é possível através do exercício da fé, repreenda as palavras negativas, não deixe que elas tomem conta de você, acredite em Deus, pois: “e tudo o que pedirdes na oração, crendo, recebereis (Mt 21.22)”.

Não de glória ao inimigo, afaste a dúvida de seu pensamento, creia em Deus, coloque a sua fé em ação e quando vier com palavras de derrota, incapacidade, dúvida, incredulidade para você, como: “você não é capaz”, “você não vai conseguir”.

Use a sua autoridade do Espírito e repreenda essas coisas em nome de Jesus dizendo: “Mas em todas estas coisas somos mais que vencedores, por aquele que nos amou (Rm 8.37)”.

Que o Espírito Santo de Deus possa falar melhor a cada coração e enchê-las de ousadia e coragem na fé. 

Miss.Adriana Fontes

Por Litrazini

Graça e Paz




sexta-feira, 30 de março de 2012

O Equilíbrio Requer Sabedoria

As pessoas têm o poder de gastar dinheiro e de guardar di­nheiro. Algumas tentam economizar todo o seu dinheiro. Não gastam nada consigo ou com a família. Ou são gananciosas, ou temem o futuro, pensando que precisam economizar tudo para se protegerem de uma calamidade imprevisível. Mas agindo assim, ficam sem equilíbrio.

Outros gastam dinheiro com a família, mas nunca consigo mesmos. Mas um dia terão de acordar e perceber que, se não fizerem o mesmo com eles próprios, ficarão ressentidos, sentin­do-se mártires.

O mártir é a pessoa que faz tudo para os outros, mas com uma atitude de quem foi lesado. As pessoas com esse tipo de atitude também estão sem equilíbrio.

Outras ficam sem equilíbrio em relação ao próprio dinheiro por gastarem tudo. Quando isso acontece, elas começam a usar o cartão de crédito, estourando o limite. Então, tentam saldar as dívidas repreendendo o "demônio das dívidas". Querem um mi­lagre para corrigir a falta de disciplina.

Geralmente esse é nosso problema. Envolvemo-nos numa enrascada e tentamos sair dela por meio de algum recurso mira­culoso. Então, caímos em outra enrascada e tentamos fazer a mesma coisa novamente. E assim vamos de enrascada em enras­cada, nunca assumindo a responsabilidade por nosso próprio erro.

Precisamos de equilíbrio, exercitando a autodisciplina.

Não podemos andar em estupidez e passar a vida inteira igno­rando as conseqüências. Deus nos dá sabedoria para que a usemos.

Creio em resistir ao diabo, como Tiago 4.7 nos diz para fa­zer, mas também creio em nos submetermos a Deus como a Bí­blia nos ensina. Não podemos desobedecer a Deus, tendo conse­qüências indesejadas, e depois resistir ao diabo, achando que isso fará com que as conseqüências do que fizemos desapareçam.

Levei muito tempo para aprender essa lição. Como nova convertida, fui ensinada sobre minha autoridade sobre Satanás. Aprendi que deveria exercer essa autoridade para não permitir que ele trouxesse coisas ruins para minha vida. Entusiasmada por saber disso, imediatamente comecei a dar ordens ao diabo o tem­po todo. Mas percebi que não estava obtendo resultados e, final­mente, aprendi que não podia abrir a porta ao inimigo e depois simplesmente resistir às circunstâncias que eu mesma tinha cau­sado.

Tive de aprender a me submeter a Deus. Então, e só então, eu poderia ter autoridade para resistir ao diabo.

Essa é uma preciosa lição para todos nós. Se nos comportar­mos sem sabedoria e colhermos conseqüências negativas, preci­samos assumir as responsabilidades por nossa conduta incorreta e fazer o que for necessário para corrigir o erro que cometemos.

Por exemplo, se alguém não consegue organizar bem sua vida financeira e contrai uma dívida, precisa saldá-la. Talvez isso exija muita disciplina e um período de tempo sem comprar nada além do essencial. Não é hora de sentirmos auto piedade ou nos sentirmos desencorajados. Gastar demais causa problemas, e so­mente gastando menos poderemos corrigir o erro.

Leva tempo para que nos endividemos, e também leva tem­po para saldarmos as dívidas. Levamos anos para nos colocar numa enrascada, e depois ficamos impacientes com Deus se em poucas semanas Ele não nos livrar de uma forma miraculosa.

Deus é misericordioso. Às vezes Ele nos tira de imediato dos problemas que causamos. Mas há outras vezes em que Ele não nos livra tão depressa porque se o fizer, nunca iremos apren­der a não criar problemas para nós mesmos.

Extraído do livro A Formação de um Líder de autoria de Joyce Meyer

Por Litrazini

Graça e Paz



quinta-feira, 29 de março de 2012

Exorcizar ou expulsar demônios?


Em Efésios 6:12 está escrito: Pois não é contra carne e sangue que temos que lutar, mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes do mundo destas trevas, contra as hostes espirituais da iniqüidade nas regiões celestes.

Este versículo nos mostra que Satanás e os seus demônios estão bastante ativos no mundo e que eles (Satanás e os demônios) estão em guerra declarada contra os servos de Deus.

Devido o fato de estarmos em guerra contra as potestades malignas, Jesus nos deu autoridade para expulsar os demônios, em nome Dele, conforme está escrito em Mateus 10:8, que diz: Curai os enfermos, ressuscitai os mortos, limpai os leprosos, EXPULSAI OS DEMÔNIOS; de graça recebestes, de graça daí.

Além deste versículo, temos Marcos 16:17-18, que nos diz: E estes sinais acompanharão aos que crerem: EM MEU NOME EXPULSARÃO DEMÔNIOS; falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e estes serão curados.

Todo cristão tem a autoridade de expulsar demônios e de repreender o maligno. Além de tudo isto, temos a proteção divina, que nos livra de todo ataque maligno, conforme nos mostra 2 João 5:18, que diz: Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive pecando; antes o guarda aquele que nasceu de Deus, e O MALIGNO NÃO LHE TOCA.

Mas o que significa “Expulsar”? Expulsar significa repelir ou fazer sair à força alguém ou alguma coisa; expulsar um inimigo (www.dicio.com.br/expulsar).

Quando Jesus diz que em nome Dele expulsaremos demônios, Ele está querendo dizer o seguinte: o demônio não tem escolha; ele (o demônio) vai sair e pronto, quer ele queira, quer não. Quem expulsa, não dá direito de escolha para aquele que está sendo expulso; ele vai sair à força, mesmo que seja contra vontade dele. 

É assim que precisamos tratar os demônios: devemos expulsá-los e os demônios sairão, porque os expulsamos na autoridade do nome de Jesus. Mas observem o seguinte: para que uma pessoa tenha autoridade de expulsar demônios, é necessário que esta pessoa tenha entregado sua vida a Jesus, e O tenha aceitado como Senhor e Salvador pessoal.

Alguém que não tem Jesus no coração, não possui autoridade de expulsar demônios. É necessário que a pessoa tenha Jesus no coração, para assim, poder usar a autoridade do nome Dele (Atos 19:13-17).

Jesus nos deu autoridade de expulsar os demônios, mas também necessitamos fazer a nossa parte: precisamos nos consagrar, tendo os nossos momentos de jejum e oração, como nos mostra Mateus 17:21, que nos diz: Mas esta casta de demônios não se expulsa senão à força de oração e de jejum.

Para finalizar, eu gostaria de explicar a diferença de expulsar e exorcizar. O termo exorcismo é um termo específico da Igreja Católica e designa o ato de expulsar demônios por intermédio de rezas e esconjuros (pt.wikipedia.org/wiki/Exorcismo).

A Igreja Católica possui todo um ritual de exorcismo, que faz uso de rezas em latim e de água benta, dentre outras coisas. Inclusive, a Igreja Católica ensina o seguinte: o responsável pelo exorcismo precisa de uma autorização especial do clero para realizar o ritual de exorcismo. Por mais que eu respeite os nossos irmãos católicos, tudo o que a Igreja Católica ensina sobre exorcismo não serve para nada, muito menos para expulsar um demônio. 


Não há necessidade de água benta ou rezas em latim para expulsar um demônio: basta usar o nome de Jesus e nada mais. O nome de Jesus é poderoso o suficiente para expulsar todo e qualquer demônio

Não precisamos da autorização ou da benção de homem nenhum, nem mesmo do clero romano. A autorização dada por Jesus está acima de qualquer clero, até mesmo acima do Papa, Sumo Pontífice da Igreja Católica. É exatamente aí que está a diferença entre expulsar e exorcizar:

O exorcismo se faz com uma autorização especial do clero romano e faz uso de rituais inúteis; já quem expulsa os demônios em nome de Jesus, faz na autoridade do Nome que é sobre todo o nome: o nome de Jesus.

Irmãos amados, vocês tem autoridade de expulsar demônios e de repreender o maligno, e vocês não necessitam de autorização de homem algum: a autorização e a autoridade vêm do nome de Jesus, e isto já é mais do que suficiente.

Autoria: Hugo Aquino (Bereshit)

Por Litrazini

Graça e Paz

quarta-feira, 28 de março de 2012

Passando da Morte para a Vida


“Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e purificar de toda injustiça. Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós” (I João 1.8 a 10)

“Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso que todos pecaram”: Rm 5.12. “Pois todos pecaram e destituídos estão da Glória de Deus”: Rm 3.23 “Porque, assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem. Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo”: I Co. 15.21,22. Todos os homens cometem atos de pecado, consciente ou inconscientemente, e são por eles responsáveis.

A separação do homem de Deus é a primeira conseqüência dos nossos pecados: “Certamente a mão do Senhor não está encolhida, para que não possa salvar. Nem surdo o seu ouvido, para que não possa ouvir Mas as vossas iniqüidades fazem a divisão entre vós e o vosso Deus, e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça”:Isaías 59.1,2.

Mas o homem não apenas passa pela morte espiritual. Ele também tornou-se FISICAMENTE MORTAL. A MORTE FÍSICA diz respeito à separação da alma do corpo.“E o pó volte á terra como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu.”: Ecl. 12.7. 

O grande amor de Deus providenciou para estes dois tipos de MORTE um santo remédio. Romanos 6.23: “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus, nosso Senhor”. O Remédio?  É dom gratuito de Deus.

Uma coisa é afirmar que todo homem é pecador. Outra, bem diferente, é o homem estar convicto disto. Sim, pesa sobre o homem uma responsabilidade pessoal, pois poderia alguém dizer que o homem não é responsável pelo pecado: nem pelo pecado de Adão, nem pelo seu pecado atual. Mas a Bíblia afirma que o homem é responsável pelo seu pecado e, a nossa consciência também afirma isto quando pecamos. “Pois já as minhas iniqüidades ultrapassam a minha cabeça; como carga pesada são demais para as minhas forças”: Sl 38.4 – O pecado era uma carga muito pesada.

Além do Salmista, muitos outros servos de Deus, reconheceram-se pecadores. Veja em casa Josué 7.20 (Acã); I Samuel 15.24 (Saul); Lucas 15.21 (Filho pródigo). Mas, entre todos, foi o Apóstolo Paulo, um grande homem de Deus, que reconheceu a força e o poder do pecado sobre a sua vida.

Certa mocinha, sentindo que era crente no Senhor Jesus Cristo, apresentou-se a seu pastor a quem pediu para ser batizada e recebida como membro da Igreja Militante.
– Já experimentaste alguma mudança em teu coração? Perguntou-lhe o pastor.
– Já, sim senhor.
– Reconheces que antes foste pecadora?
– Reconheço, sim senhor.
– És presentemente pecadora?
– Sou, sim senhor. – Então, se tudo isto é verdade, como ousas dizer que estás agora mudada?

A mocinha refletiu um pouco, respondendo, depois, com o rosto saturado da mais santa alegria:

- Antes de me converter a Cristo, eu era uma pecadora que corria, procurando o pecado. Presentemente, depois que fui mudada pelo Espírito Santo, continuo a ser uma pecadora, fugindo sempre do pecado. (A.D)


Vivemos num mundo de pecados, mas não devemos nos manchar com práticas pecaminosas. Cristo na oração sacerdotal rogou a Deus: “Eu não te peço que os tires do mundo, mas, sim, que os livres do mal.”

Enquanto estamos no mundo, cometemos pecados, mas não podemos viver na prática do pecado (fazer sempre), porque Cristo está em nós e, Ele não está sob o jugo do pecado “Quem comete o pecado é do diabo, porque o diabo peca desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou para desfazer as obras do diabo”: I João 3.8. O cristão é um ser humano sujeito a cair, tem falhas e erros comuns a todos, porém ele é vencedor sobre o pecado.

Biblicamente, tão importante quanto reconhecer nossos pecados, é confessá-los a Deus. É dizer a Deus, sinceramente, que precisamos do perdão divino. O mesmo Salmista Davi, que tanto reconhecia seus pecados, com a mesma sinceridade os confessava; “Enquanto me calei, envelheceram os meus ossos pelo meu bramido o dia todo. Pois, de dia e de noite, a tua mão pesava sobre mim; o meu humor se tornou sequidão de estio. Confessei-te o meu pecado, e a minha maldade não encobri. Disse: Confessarei ao Senhor as minhas transgressões, e tu perdoaste a culpa do meu  pecado” Salmo 32.3 a 5

Lidiomar T. Granatti (Litrazini)

Graça e Paz


terça-feira, 27 de março de 2012

Salvação antes de Jesus? Como?


Como as pessoas eram salvas antes de Jesus morrer por nossos pecados?"

Desde a queda do homem, a base da salvação sempre foi a morte de Cristo. Ninguém, mesmo antes da cruz ou desde a cruz, poderia ser salvo sem este acontecimento indispensável na história do mundo. A morte de Cristo pagou a pena por pecados do passado, cometidos pelos “santos” do Velho Testamento e também de pecados futuros, dos “santos” do Novo Testamento.

A condição para a salvação sempre foi a fé. O alvo da fé de alguém para a salvação sempre foi Deus. Escreveu o salmista: “...bem-aventurados todos aqueles que nele confiam” (Salmos 2:12). Gênesis 15:6 nos diz que Abraão creu em Deus e que isto foi suficiente para Deus imputar-lhe isto por justiça (veja também Romanos 4:3-8).

O sistema sacrificial do Velho Testamento não tirava o pecado, como claramente ensina Hebreus 9:1-10; 10:4, mas apontava para o dia em que o Filho de Deus verteria Seu sangue pela pecaminosa raça humana.

O que mudou através das gerações foi o conteúdo da fé do crente. A exigência de Deus sobre o alvo da fé se baseia na quantidade de revelação que Ele deu, até determinado momento, à humanidade. A isto se chama revelação progressiva. Adão cria na promessa dada por Deus em Gênesis 3:15, que a Semente da mulher conquistaria Satanás. Adão Nele creu, demonstrado pelo nome que deu a Eva (v.20) e o Senhor indicou Sua aceitação imediatamente, cobrindo-os com túnicas de peles (v.21). Naquele momento, era tudo que Adão sabia, mas nisto ele creu.

Abraão creu em Deus de acordo com as promessas e novas revelações a ele dadas por Deus em Gênesis 12 e 15. Antes de Moisés, nenhuma Escritura existia, mas a humanidade foi responsável pelo que Deus tinha revelado. Através do Velho Testamento, os crentes eram salvos porque criam que Deus iria, um dia, tomar conta deste problema, o pecado. Hoje, olhando para trás, cremos que Ele já tomou conta de nossos pecados no Calvário (João 3:16; Hebreus 9:28).

E quanto aos crentes nos dias de Cristo, antes da cruz e ressurreição, criam em quê?

Será que entendiam por completo a morte de Cristo na cruz por seus pecados? Mais tarde em seu ministério, “... começou Jesus a mostrar aos seus discípulos que convinha ir a Jerusalém, e padecer muitas coisas dos anciãos, e dos principais dos sacerdotes, e dos escribas, e ser morto, e ressuscitar ao terceiro dia” (Mateus 16:21).

Qual foi a reação de Seus discípulos a esta mensagem? “E Pedro, tomando-o de parte, começou a repreendê-lo, dizendo: Senhor, tem compaixão de ti; de modo nenhum te acontecerá isso.” (Mateus 16:22).

Pedro e os outros discípulos não sabiam toda a verdade, mas mesmo assim foram salvos, pois creram que Deus tomaria conta do problema de seus pecados. Não sabiam exatamente como Ele conseguiria isto, não mais que Adão, Abraão, Moisés ou Davi, mas creram em Deus.

Hoje, temos mais revelações do que tinham as pessoas que viveram antes da ressurreição de Cristo, pois nós sabemos por completo. “Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez também o mundo” (Hebreus 1:1-2).

Nossa salvação ainda é baseada na morte de Cristo, nossa fé ainda é condição para salvação, e o alvo de nossa fé ainda é Deus. Hoje, para nós, o conteúdo de nossa fé é que Cristo morreu por nossos pecados, que Ele foi sepultado, e que Ele se levantou no terceiro dia (I Coríntios 15:3-4).

GotQuestions

Por Litrazini

Graça e Paz



segunda-feira, 26 de março de 2012

A Vereda do Cristão


Nossa, essa pessoa está falando comigo, Deus mostrou para ela tudo que eu estou passando!

Ihh!! Ela esta mandando ir pra frente; e agora? Vou ou não vou? Bom, já estou aqui mesmo, eu vou.

Que lindo!! Que alegria em meu peito! Quer dizer que agora Deus mora em meu coração, que sou outra pessoa?

Éh, nosso amigo entrou na vereda do céu, Que grande avenida tem pela frente, cheia de semáforos, cruzamentos, desvios, atalhos; Ahh se não fossem esses desvios e atalhos, tudo seria mais fácil.

Logo no início, o cruzamento do amor de Deus. Abraços, palavras de incentivo, amor, carinho, confraternização. Maravilhoso! Pena que não podemos ficar parado, por conta de gerar congestionamento.

Cruzamento dos DONS
Uma parcela da graça que recebemos de Deus na forma de dons e devemos gerenciá-los sabiamente, ou agir como administradores. Nossas dádivas divinas, ou dons espirituais, não nos são dadas para que as retenhamos conosco. São nossas para serem usadas no sentido de promover o reino de Deus no mundo presente.

É o Espírito Santo quem decide quem recebe os dons e, os distribui como quer. Em 1Co.12.4-10 lemos: “Ora, os dons são diversos... mas a manifestação do Espírito é concedida a cada um, visando a um fim proveitoso. Porque a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência; E a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar; E a outro a operação de maravilhas; e a outro a profecia; e a outro o dom de discernir os espíritos; e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas. 
 
Olha a placa de indica o cruzamento do FRUTO
O fruto do Espírito é o resultado da operação do Espírito na vida do salvo, o qual, ligado intimamente à vida de Jesus, produz em sua própria vida aquelas características preciosas da personalidade e dos sentimentos que havia em Jesus: “Pois nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que também a vida de Jesus se manifeste em nossa carne mortal” - II Co.4.11.São qualidades do caráter de Deus que o Espírito Santo nos transmite quando confiamos em Jesus e obedecemos suas ordens. O fruto é o que resulta da vida de plena comunhão com Cristo. Ao passo que os dons são dados, o fruto é gerado em nosso interior. O mais interessante é que os dons podem ser imitados, porem o fruto nunca o será; em seu todo é um e indivisível. Os dons identificam o que fazemos, e o fruto mostra o que somos, a saber: a alegria, amor, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão e domínio próprio.

A avenida está ficando mais estreita, mas olha esse cruzamento é o das Obras da carne
Enquanto o fruto do Espírito é um e indivisível, as obras da carne são mais de uma. As obras da carne podem ser caracterizadas como pecados da carne. Conforme Galatas 5.19 a 21, são elas: adultério, prostituição, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus. 

Quando o ser humano peca, quando faz alguma coisa que seja errada ou condenável pela Bíblia, nada estará fazendo contrária à sua natureza. Gritar, xingar, amaldiçoar, mentir, aproveitar-se da situação, roubar, e coisas tais, são inerentes à condição humana.

O natural é cometer pecado, e ter as obras da carne presentes em nossa vida. O sobrenatural é vencer a carne. “Os que andam em espírito, não se curvam aos desejos da carne” (Gl. 5.16)

Se não lutarmos contra a nossa natureza vil e perversa, seremos dominados por ela, e as obras da carne se farão presentes em nossa vida, isso significa que nosso espírito carnal dominará nosso ser. Então, o Espírito de Deus se entristece, deixando-nos um vazio, e uma angústia em nossas almas e em nossos corações.

O detalhe que não pode ser esquecido nessa vereda do cristão é que as obras da carne fazem desvios e ou atalhos que pode complicar e comprometer o sucesso dessa caminhada para o céu. Normalmente, esses desvios ou atalhos, além de atrasar trazem muita dor sofrimento, impedindo o cumprimento dos propósitos e promessas de Deus em nossa vida.

A avenida virou rua, ficou estreita e escura? Tá doendo?

Qual será o atalho que você pegou? Será  o do orgulho da soberba, da desonra...?

Mas ainda há tempo, basta arrepender-se, confessar o pecado, pedir perdão ao Senhor e voltar para  a vereda do cristão. 1João.1.9  Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.

Lidiomar T. Granatti - (Litrazini)

Graça e Paz

domingo, 25 de março de 2012

As Dez coisas Mais Poderosas no Universo


Em um mundo de terrorismo, ditadura e armas de destruição em massa, como podem eventos que aconteceram a 2 mil anos atrás em um vale próximo a Jerusalém realmente fazer diferença em nossas vidas hoje?

O sofrimento de Jesus Cristo na cruz e Sua ressurreição três dias mais tarde têm ainda poder para derrotar os inimigos de tudo o que é bom e certo?

A resposta é um triunfante “Sim!”

É importante lembrar que as últimas palavras de Jesus antes de sua morte foram, “Está consumado.” A dívida de nossos pecados foi totalmente paga. Mesmo que a obra da redenção tivesse terminado, Jesus não estava acabado. Três dias depois, Jesus levantou da morte pelo poder de Deus.

O poder de Deus é maior que qualquer outro poder que exista no mundo hoje. Mais que qualquer exército, mais que qualquer armamento, mais que qualquer governante, Jesus é Senhor sobre tudo e tem mais poder do que todas as coisas.

A seguir você tem uma lista das dez coisas mais poderosas no universo que estão à sua disposição hoje como um cristão verdadeiro em Cristo Jesus.

1. O Poder do Sangue de Jesus – Nada mais pode lhe conceder o perdão.
“Nele temos a redenção por meio de seu sangue, o perdão dos pecados, de acordo com as riquezas da graça de Deus” Efésios 1:7

2. O Poder do Evangelho – Nada mais pode salvar sua alma.
“Não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê ” Romanos 1:16.”

3. O Poder da Cruz – Nada mais pode libertá-lo da escravidão do pecado.
Pois sabemos que o nosso velho homem foi crucificado com ele, para que o corpo do pecado seja destruido, e não mais sejamos escravos do pecado.” Romanos 6:6

4. O Poder da Palavra – Nada mais pode lhe revelar a verdade transformadora.
“Pois a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais afiada que qualquer espada de dois gumes; ela penetra até o ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e julga os pensamentos e intenções do coração.” Hebreus 4:12

5. O Poder do reino de Deus – Nada mais pode proteger você contra o mal.
“E não nos deixe cair em tentação, mas livra-nos do mal, porque teu é o reino, o poder e a glória para sempre.” Mateus 6:13

6. O Poder do Espírito Santo – Nada mais poderá torná-lo mais conforme a imagem de Cristo.
“Estamos sendo transformados com glória cada vez maior, a qual vem do Senhor, que é o Espírito.” II Coríntios 3:18

7. O Poder da Ressurreição Nada mais pode lhe dar esperança eterna.
“Ele nos regenerou para uma esperança viva, por meio da ressurreição.” I Pedro 1:3

8. O Poder da Oração – Nada mais pode mover a mão de Deus.
“E tudo o que pedirem em oração, se crerem, vocês receberão.” Mateus 21:22

9. O Poder da Graça – Nada mais pode dar livremente tudo o que você precisa.
“Deus é poderoso para fazer que lhes seja acrescentada toda a graça, para que em todas as coisas, em todo o tempo, tendo tudo o que é necessário.” II Coríntios 9:8

10. O Poder da Fé – Nada mais pode mantê-lo firme até o fim.
“Herança guardada nos céus para vocês que, mediante a fé, são protegidos pelo poder de Deus até chegar a salvação prestes a ser relada no último tempo.” I Pedro 1:1-5

Finalmente, esteja certo de que Jesus Cristo está nesse momento sentado à mão direita do Pai, que Seu nome está acima de todo nome, que ele é o Rei dos reis e Senhor dos senhores, de que todos inimigos estão aos seus pés, e que seu governo e paz jamais terão fim. Muito em breve ele levantará de Seu trono e voltará à terra para reinar em justiça. Até àquele dia, continue firme Nele, porque a sua redenção está próxima.

Autoria: Roy Lessin

Por Litrazini

Graça e Paz


sábado, 24 de março de 2012

A Bela Arte de Errar


Acontece a todos nós. Professores e alunos. Policiais e criminosos. Chefes e secretarias. Pais e filhos. Os diligentes e os preguiçosos. Nem mesmo os presidentes estão imunes. Os chefes de nossa corporação que ganham salários de seis algarismos. O mesmo se verifica com os arquitetos bem-intenciona­dos e os construtores que trabalham duro e os engenheiros de pensamento claro. . . para não mencionar os profissionais da bola, os políticos e os pregadores.

O quê? Errar? Sim, fazer coisas erradas, ge­ralmente com a melhor das intenções. E isso acontece com notável regularidade.

Sejamos objetivos: o sucesso é superestima­do. E todos nós o desejamos a despeito da prova diária de que o pendor real do homem reside em direção bem oposta. Realmente, somos profissionais da incompetência.

O que me leva a uma pergunta fundamental que tem estado ardendo dentro em mim por me­ses. Por que nos surpreendemos quando vemos a incompetência em outros e nos devas­tamos quando ela ocorre em nós mesmos?

Mostre-me quem inventou o perfeccionis­mo e garanto que ele é um roedor de unhas com um rosto cheio de tiques. . . cuja esposa tem horror quando o vê entrar em casa. Além do mais, ele perde o direito de ser respeitado porque ou é culpado de não admitir que errou, ou se tornou um especialista em cober­tura.

Pode acontecer com você. Pare e pense nos meios como certas pessoas conseguem evitar de confessar suas falhas. Os médicos podem sepultar seus erros. Os erros dos advogados calam-se na prisão — literalmente. Os erros dos dentistas são extraídos. Os erros dos enca­nadores são entupidos. Os carpinteiros transformam os seus em serragem. Gosto do que li numa revista recentemente:

Caso você encontre quaisquer erros nesta revis­ta, por favor lembre-se de que eles foram coloca­dos ali de propósito. Tentamos oferecer algo para todos. Algumas pessoas estão sempre pro­curando erros e não desejamos desapontá-las!

E tem havido alguns erros notáveis!.
O que dizer daquela famosa torre na Itália? A "torre inclinada", quase seis metros fora da linha perpendicular. O cara que planejou aquele alicerce de somente dez metros de profundidade (para um edifício de 56 metros de altura) não possuía o maior cérebro do mundo. Que acha você de ter arrolado no currículo de sua vida profissional "Desenhou a Torre Inclinada de Pisa"?

Dentre os muitos desregrados e malucos relatórios estão coisas tais como a menos bem-sucedida previsão do tempo, o pior computa­dor, a mais enfadonha preleção, a menor de todas as audiências, o mais feio edifício já construído, a mais caótica cerimônia de casamento, e algumas das piores declarações. . que a posteridade provou estarem erradas. Algumas dessas declarações foram, por exem­plo:

A única coisa que podemos agradecer quando se trata de errar é que nin­guém guarda um registro dos nossos erros. Ou guardam? Ou você guarda o dos outros? Não se você leva o encorajamento a sério.

Vamos lá, acalme-se. Se nosso gracioso Se­nhor é suficiente para remover o que temos de pior, de mais feio, de mais enfadonho, de menos bem-sucedido, nossos fracassos de tor­re inclinada, e perdoa-os sepultando-os nas profundezas do mar do es­quecimento, então está na hora de darmos aos outros uma oportunidade.

Com efeito, ele promete plena aceitação juntamente com pleno perdão em forma impressa para que todos leiam. . . sem anexar folha de errata. Não é isso encorajador?

Não podemos ser esse tipo de encorajador para algum outro?

Afinal de contas, a imperfeição é uma das poucas coisas que ainda temos em comum. Ela vincula-nos à mesma família!

Assim, quando um de nós errar e não puder ocultá-lo, que tal um pouco de apoio por parte daqueles que ainda não foram apanhados?

Opa, correção. Que tal bastante apoio?

Extraído do livro Dê-me ânimo de Charles R. Swindoll

Por Litrazini

Graça e Paz



sexta-feira, 23 de março de 2012

Vida Nova Rompendo os laços do passado


Quando nos entregamos a Cristo, nascemos de novo. Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. Não te maravilhes de te ter dito: Necessário vos é nascer de novo (Jo.3.3,7). É uma experiência que rompe com os laços do passado.

Fomos soltos do pecado, antes vivíamos perdidos na transgressão, sem ter como saudar o débito, mas na cruz, esta dívida foi paga quando Jesus tomou as nossas contas e, desafiando quem as cobrava cravou-as na cruz.

Há cerca de dois mil anos atrás, Jesus pagou todos os nossos débitos. Todos os nossos pecados foram perdoados. Precisamos somente aceitar a salvação em Cristo.   

O computador tem a tecla delete, que apaga todo arquivo selecionado; mesmo depois de muitas horas de trabalho contínuo, ao acionar a tecla delete, tudo desaparece. Jesus em seu infinito amor deletou todos os arquivos contra nós. No dia da nossa conversão, os pecados cometidos foram selecionados e a tecla delete acionada.

Um novo arquivo foi formado para substituir o antigo. Em Cristo, nossos pecados foram perdoados, estamos livres de toda acusação, se continuarmos na fé. “No corpo da sua carne, pela morte, para perante ele vos apresentar santos, e irrepreensíveis, e inculpáveis,
Se, na verdade, permanecerdes fundados e firmes na fé, e não vos moverdes da esperança do evangelho que tendes ouvido...”(Cl. 1.22,23).


DEUS TEM UMA GRANDE BORRACHA, UM GRANDE APAGADOR.

Antes de Jesus, As normas da Lei eram desobedecidas aqui e ali, mas diante da cruz de Cristo a lei foi cancelada e a graça de Deus concedida aos homens.

A CRUZ DE CRISTO É A ESCADA QUE NOS CONDUZ AO CÉU.

Quando nascemos de novo, somos resgatados do reino e domínio satânicos e trazidos para o reino Divino. Podemos até fazer coisas que costumávamos realizar quando estávamos sob o governo maligno, mas não fazemos mais parte dele. Fomos resgatados e transferidos para outro território.

Sem Cristo, éramos cegos, desesperançados, vivíamos tropeçando em busca de respostas às questões da vida. Hoje, estamos na luz e Jesus é o guia que nos leva ao lugar seguro. Agora somos filhos de Deus.

Quando nos entregamos verdadeiramente e totalmente a Cristo, alcançamos a liberdade das acusações demoníacas.“Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus” (Rm. 8.1).

Depois dos pecados perdoados, ficamos livres do juízo de Deus. Não que nos esqueçamos das transgressões cometidas nos passado; mas o diabo, para nos intimidar, remexe o lixo onde foram sepultadas e leva-nos a pensar que ainda existem.

A certeza de que fomos perdoados vem do que Deus diz em sua fiel e imutável Palavra: E, quando vós estáveis mortos nos pecados, e na incircuncisão da vossa carne, vos vivificou juntamente com ele, perdoando-vos todas as ofensas,Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz. E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo. (Cl. 2.13.15)

A cruz de Cristo realizou uma guinada na história e afetou a vida de todo mundo, para sempre.

Por conta da cruz de Cristo, existe esperança para o mundo. A batalha foi ganha.

Lidiomar T. Granatti (Litrazini)

Graça e Paz





quinta-feira, 22 de março de 2012

Vencendo as influências de Mamom


Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom. (Mt. 6:24)

Jesus está falando sobre duas coisas opostas, de um lado Deus e do outro lado Mamom. Desta forma, se você serve a Deus, não pode servir a Mamom.


Mamom é mais que as riquezas, são as nossas fontes.

Mamom é um deus concorrente ao Deus verdadeiro, ele busca fazer aquilo que somente o Senhor Deus pode fazer em nossas vidas:

1- Um deus dá segurança:

As pessoas se sentem seguras com o dinheiro, mas não se sentem seguras com Deus apenas.

2- Um deus exige o melhor:

Podemos perceber como se exige integridade e transparência daqueles que lidam com o dinheiro?

Aqueles que lidam com dinheiro são os mais bem treinados. Isto porque Mamom exige o melhor.

3- Um deus determina o valor das coisas:

Se uma pessoa tem dinheiro, sente-se valorizada. Se não sente-se sem importância.

Algumas características de pessoas que são influenciadas por Mamom

Porque não ignoramos os seus ardis(II Co. 2.11):

1-QUANDO HÁ PREOCUPAÇÃO EXAGERADA EM RELAÇÃO AO DINHEIRO:
Esse espírito não se restringe a pessoas apenas, mas atuam fortemente em empresas, organizações e infelizmente até nas igrejas. A influência deste espírito maligno trabalha assim: “quanto mais a pessoa tem, mais ela quer”, onde pessoas ricas temem perder o que tem, e pessoas pobres temem nunca ter o suficiente.

Três Pensamentos para Ficar Livre das Preocupações

Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.  (I Pe.5.7):
a-Tudo o que tenho é um presente de Deus;
b-Tudo o que tenho são cuidados por Deus;
c-Tudo o que tenho está disponível ao Reino de Deus;

2- QUANDO HÁ FALTA CONSTANTE DE PROVISÃO FINANCEIRA:
Este problema normalmente ocorre, porque a pessoa gasta mais do que ganha. Ex. Todo final de mês, falta dinheiro.

3- QUANDO HÁ INCAPACIDADE DE RESISTIR O DESEJO DE COMPRAR:
Você costuma comprar algo que não precisa só porque está barato? Este é um forte sinal da influencia de Mamom.

4- QUANDO HÁ ESPÍRITO DE AVAREZA:
Mortificai, pois, os vossos membros, que estão sobre a terra: a prostituição, a impureza, o afeição desordenada, a vil concupiscência, e a avareza, que é idolatria (Cl.3.5)

Muitos trabalham duro para possuir uma quantidade razoável de dinheiro, mas por outro lado não sabem gastar, não sabem utilizar aquilo que conquistaram, este é um sintoma crônico da influência de Mamom.

5- DESCONTENTAMENTO CONSTANTE:
Não digo isto como por necessidade, porque já aprendi a contentar-me com o que tenho.
Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade. (Fp 4:11-12)

E não murmureis, como também alguns deles murmuraram, e pereceram pelo destruidor. Ora, tudo isto lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos. (1 Co 10:10-11)

Você vive contente com o que tem? O remédio contra a murmuração é um coração grato, quando agradecemos dizemos a Deus que confiamos Nele, independente das circunstâncias. Porém, estar contente é diferente de estar satisfeito.

6- QUANDO HÁ SERVIDÃO AS DÍVIDAS:

A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei. (Rm. 13:8)

Através dos pontos citados, você percebe a influencia de Mamom em sua vida, de que forma?

Você tem usado as armas dízimos e ofertas para combatê-lo?

Você está satisfeito com sua situação financeira? O que precisa fazer para que ela mude?

Autoria: Pr. Silvio Galli

Por Litrazini

Graça e Paz