domingo, 4 de março de 2012

Dia Internacional da Mulher


08 de março, é uma ocasião celebrada por grupos de mulheres em todo o mundo. Esta data também é comemorada pela ONU – Organização das Nações Unidas, e em muitos países, ela é observada como feriado nacional. É quando mulheres em todos os continentes, freqüentemente separadas por limites, etnias, línguas, culturas, economia e diferenças políticas, juntam-se para celebrar seu Dia, quando podem olhar para trás, e lembrar uma tradição que representa no mínimo nove décadas de lutas por igualdade, justiça, paz e desenvolvimento da mulher.

O Dia Internacional da Mulher é a história de mulheres comuns que fazem História; ela está enraizada suas lutas em séculos passados para participar na sociedade em pé de igualdade com os homens.


Na Grécia antiga elas os forçaram a acabar com a guerra; durante a Revolução Francesa, as mulheres parisienses clamando por liberdade, igualdade e fraternidade, marcharam sobre Versailles reivindicando o direito de votar.

A idéia de um Dia Internacional da Mulher primeiro surgiu no início do século XX, quando o mundo industrializado passava por um período de expansão, turbulência, explosão do crescimento populacional e ideologias radicais.

A seguir há uma breve cronologia dos eventos mais importantes:

1909- De acordo com a declaração do Partido Socialista da América, o primeiro Dia Internacional da mulher foi observado por todos os Estados Unidos em 28 de fevereiro. As mulheres continuaram a celebrá-lo no último domingo daquele mês até 1913.

1910 - A Internacional Socialista, reunindo-se em Copenhagem, estabeleceu que o Dia da Mulher em caráter internacional, para honrar o movimento pelos direitos das mulheres e para ajudar na conquista do voto universal para as mulheres. A proposta foi aclamada por unanimidade pela conferência por mais de 100 mulheres de 17 países, entre as quais estavam as primeiras três mulheres eleitas para o Parlamento Finlandês. Não foi estabelecida uma data de observância.


1911 - Como um resultado da decisão tomada em Copenhagem no ano anterior, O Dia Internacional da Mulher foi estabelecido pela primeira vez para 19 de março na Áustria, Dinamarca, Alemanha e Suíça, onde mais de um milhão de mulheres compareceram nas manifestações. Além do direito de votar e ocupar cargos públicos elas exigiam o direito de trabalhar, de treinamento vocacional, e um fim na discriminação no emprego.

Menos de uma semana mais tarde, em 25 de março o trágico incêndio no Triângulo, ceifou as vidas de mais de 140 jovens operárias, na cidade de Nova York, a maioria delas de imigrantes judias e italianas. Este acontecimento teve um impacto significativo na legislação trabalhista dos Estados Unidos, e as condições de trabalho que culminaram com o desastre foram invocadas durante as comemorações subseqüentes do Dia Internacional da Mulher.

1913-1914 - Como parte dos preparativos do movimento de paz na véspera da Primeira Guerra Mundial, as mulheres Russas observaram seu primeiro Dia Internacional da Mulher no último domingo de fevereiro de 1913. Em outros lugares na Europa por volta de 8 de março do ano seguinte, mulheres fizeram manifestações tanto para protestar contra a guerra quanto para expressar solidariedade com suas irmãs.


1917- Com dois milhões de soldados russos mortos na guerra, as mulheres russas escolheram novamente o último domingo de fevereiro para fazer uma greve pela paz e pelo pão. Líderes políticos se opuseram quanto ao tempo da greve, mas as mulheres seguiram em frente de qualquer maneira. O resto faz parte da história: Quatro dias mais tarde o Czar foi forçado a abdicar-se e um governo provisório outorgou às mulheres o direito de votar. Aquele domingo histórico caiu em 23 de fevereiro do Calendário Juliano, então em uso na Rússia, mas em 8 de março pelo Calendário Gregoriano em uso nos demais lugares.

Desde aqueles primeiros anos, O Dia Internacional da Mulher tem assumido uma nova dimensão global para as mulheres em países desenvolvidos quanto em desenvolvimento.


O crescimento internacional do movimento feminino, que tem sido fortalecido pelas quatro conferencias femininas mundiais das Nações Unidas, tem ajudado a fazer da comemoração um “point” para esforços coordenados pela reivindicação dos direitos femininos e participação nos processos econômicos e políticos.

De modo crescente, o Dia Internacional da Mulher é um tempo para refletir nos progressos conquistados, para exigir mudanças e para celebrar atos de coragem e determinação de mulheres comuns que têm exercido um extraordinário papel na história dos direitos das mulheres.

Publicado pelas Nações Unidas Department of Public Information--DPI/1878--January 1997

Transcrito por Litrazini

Graça e Paz