segunda-feira, 2 de julho de 2012

O que diferencia o conhecimento do engano?


Filho meu, se aceitares as minhas palavras, e entesourares contigo os meus mandamentos, para fazeres atento à sabedoria o teu ouvido, e para inclinares o teu coração ao entendimento; sim, se clamares por discernimento, e por entendimento alçares a tua voz; se o buscares como a prata e o procurares como a tesouros escondidos; então entenderás o temor do Senhor, e acharás o conhecimento de Deus. Porque o Senhor dá a sabedoria; da sua boca procedem o conhecimento e o entendimento (Pv. 2.1-6)

Que tipo de conhecimento você tem acumulado?

A Bíblia diz em João 8.32: E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.

Engano não liberta ninguém, somente a verdade liberta e essa só pode ser conseguida através da Palavra do Senhor e do Senhor da Palavra. E estava vestido de uma veste salpicada de sangue; e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus. (Ap. 19.13)

Não adianta ser catedrático em inúmeros assuntos e desconhecer o principal que é a Palavra da Vida.

Tenho presenciado muita confusão entre “Conhecimento” e informação, ela é importante, sem dúvida, afinal vivemos em sociedade, todavia não é o principal.


A informação nos torna cultos, sociáveis e até admirados pela bagagem cultural, porém, sozinha, bloqueia o nosso relacionamento com Deus, tornando-nos céticos, uma vez que o justo vive por fé, com os olhos voltados para o sobrenatural divino, que por sua vez é gerado pelo conhecimento das coisas do alto, adquiridos através do relacionamento pessoal com Senhor e sua Palavra, o que contraria o racional, normalmente produzido pela informação.

O conhecimento da Palavra da vida mostra nossas limitações, a necessidade de uma dependência contínua do Espírito Santo do Senhor, para que seja real o texto bíblico de João 8.36: Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres,  daí não estaremos mais ligados às coisas desse mundo, mas ansiosos pelas maravilhas eternas da Jerusalém Celestial.

A informação incha, ensoberbece e motiva o orgulho nos tornando alvos de engano e manipulação tão em evidência nos meios de comunicação, o que é comprovado pelo alerta do texto bíblico de 2Corintios 4.3,4: Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus.

Claro que não podemos nos isolar das coisas desse mundo, mas precisamos estar vigilantes quanto ao que temos ingerido, pois para poder exercitar o livre arbítrio é preciso estar consciente.

A opção é nossa, o tipo de alimento ingerido nos tornará verdadeiramente livres ou nos aprisionara, por conta de valores considerados indispensáveis aos que querem passar uma eternidade no céu com o Senhor Jesus, ou...


Reflita sobre isso, pois ainda há tempo para mudar e, lembre-se é uma decisão pessoal.

Lidiomar T. Granatti

Graça e Paz