domingo, 30 de setembro de 2012

O que significa entristecer / apagar o Espírito?



Quando a palavra "apagar" é usada nas Escrituras, está falando de suprimir fogo. Quando os crentes embraçam o escudo da fé, como parte da armadura de Deus (Efésios 6:16), eles estão suprimindo o poder dos dardos inflamados de Satanás.

Cristo descreveu o inferno como um lugar onde o fogo não seria "apagado" (Marcos 9:44, 46, 48). Do mesmo modo, o Espírito Santo é uma chama que habita dentro de cada Cristão. Ele quer Se expressar através de nossas ações e atitudes.

Quando os crentes não permitem que o Espírito seja visto através das suas ações, quando fazemos o que é errado, então suprimimos ou “apagamos” o Espírito. Não permitimos que o Espírito Se revele do que jeito que Ele quer.

Para entendermos o que significa "entristecer" o Espírito, precisamos primeiramente entender que isso é uma característica de alguém que tem personalidade. Só uma pessoa pode ser "entristecida"; portanto, o Espírito tem que ser uma pessoa para poder ter tal emoção. Quando entendemos esse aspecto, podemos entender melhor como Ele é "entristecido", especialmente porque nós também somos entristecidos.

Efésios 4:30 nos diz que não devemos "entristecer" o Espírito. Vamos permanecer naquela passagem para entender o que Paulo estava tentando nos dizer. Podemos "entristecer" o Espírito quando andamos como os gentios (4:17-19), quando nos rendemos à nossa natureza pecaminosa (4:22-24), quando mentimos (4:25), quando nos iramos (4:26-27), quando furtamos (4:28), quando usamos linguagem torpe (4:29), quando temos amargura (4:31), quando não perdoamos (4:32), quando cometemos imoralidade sexual (5:3-5).

"Entristecer" o Espírito é agir de uma forma pecaminosa, quer seja em pensamento e ação, ou em pensamento apenas.

Tanto "apagar" quanto "entristecer" o Espírito são parecidos quanto aos seus efeitos; os dois atrapalham os crentes de viverem um estilo de vida que agrade a Deus. Os dois acontecem quando o crente peca contra Deus e segue os seus desejos mundanos.

A única estrada correta a ser seguida é a estrada que guia o Cristão para mais perto de Deus e pureza, e mais longe do mundo e do pecado.

Assim como não gostamos de ser entristecidos, e assim como não procuramos apagar aquilo que é bom – não devemos entristecer ou apagar o Espírito Santo por nos recusarmos a escutar a Sua liderança.

Fonte: GotQuestion

Por Litrazini

Graça e Paz

sábado, 29 de setembro de 2012

O CORAÇÃO DE CRISTO


O coração de Jesus foi puro.
Milhares adoravam o Salvador, porém Ele estava feliz com uma vida simples. Havia mulheres que o atendiam (Lc 8:1-3), contudo jamais foi acusado de pensamentos luxuriosos; sua própria criação o desprezou, porém voluntariamente os perdoou, antes mesmo que pedissem misericórdia.

Pedro, que acompanhou Jesus por três anos e meio, o descreve como "um cordeiro sem mácula e sem contaminação" (1 Pedro 1:19). Depois de passar o mesmo tempo com Jesus, João concluiu: "não há pecado nEle" (1 Jo 3:5).

O coração de Jesus foi pacífico.
Os discípulos se preocuparam como a necessidade de alimentar milhares de pessoas, mas Jesus não. Agradeceu a Deus pelo problema. Os discípulos gritaram de medo diante da tempestade, mas Jesus não. Ele dormia. Pedro levantou sua espada para enfrentar os soldados, mas Jesus não. Jesus levantou sua mão para curar. Seu coração tinha paz.

Quando seus discípulos o abandonaram, Ele se zangou e foi embora? Quando Pedro o negou, Jesus perdeu a paciência? Quando os soldados cuspiram no seu rosto, vomitou fogo sobre eles?

Nem pensar. Tinha paz. Os perdoou. Recusou a se deixar levar pela vingança.

Também recusou se deixar levar por nada que não fosse seu chamado do alto.

Seu coração estava cheio de propósitos.
A maioria das vidas não se planejam para nada em particular, e nada conseguem. Jesus se planejou para uma única meta: salvar a humanidade de seus pecados. Pôde resumir sua vida com uma frase: "o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido" (Lc 19:10, ACF).

Jesus se concentrou de tal modo na sua tarefa que soube quando devia dizer: "Ainda não é chegada a minha hora" (Jo 2:4, ACF) e quando "Está consumado" (Jo 19:30, ACF). Mas não se concentrou em seu objetivo a ponto de ser desagradável.

Ao contrário. Que agradáveis foram seus pensamentos! As crianças amavam sua companhia. Jesus pôde achar beleza nos lírios, alegria na adoração e possibilidades nos problemas. Podia passar dias com multidões de doentes e ainda sentir compaixão deles. Passou mais de três décadas vadeando entre o lodo e o lamaçal de nosso pecado, e ainda assim viu em nós suficiente beleza para morrer pelos nossos erros.

Mas o tributo que coroa a Cristo é este:
seu coração foi espiritual. Seus pensamentos refletiam sua íntima relação com o Pai. "Estou no Pai, e o Pai em mim", afirmou (Jo 14:11, ACF). Seu primeiro sermão registrado começa com as palavras: "O Espírito do Senhor é sobre mim" (Lc 4:18, ACF). Era "conduzido Jesus pelo Espírito" (Mt 4:1, ACF), e estava "cheio do Espírito Santo" (Lc 4:1, ACF). Do deserto voltou "pela virtude do Espírito" (Lc 4:14, ACF).

Jesus recebia suas instruções de Deus.

Era seu hábito ir adorar (Lucas 4:16). Era seu costume memorizar as Escrituras (Lucas 4:4). Lucas diz que Jesus "retirava-se para os desertos, e ali orava" (Lc 5:16, ACF). Seus momentos de oração o guiavam. Uma vez regressou depois de orar e anunciou que era tempo de passar para outra cidade (Mc 1:38). Outro tempo de oração resultou na seleção dos discípulos (Lc 6:12-13).

Jesus era guiado por uma mão invisível.
"Tudo quanto ele [o Pai] faz, o Filho o faz igualmente" (Jo 5:19, ACF). No mesmo capítulo afirmou: "Eu não posso de mim mesmo fazer coisa alguma. Como ouço, assim julgo" (Jo 5:30, ACF).

O coração de Jesus foi espiritual.

Extraído do Livro Simplesmente Como Jesus de Max Lucado

Por Litrazini

Graça e Paz 


sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Mais de Deus! Mais de Deus?


Disse mais o SENHOR: Eis aqui um lugar junto a mim; aqui te porás sobre a penha. E acontecerá que, quando a minha glória passar, pôr numa fenda da penha, e te cobrirei com a minha mão, até que eu haja passado. E, havendo eu tirado a minha mão, me verás pelas costas; mas a minha face não se verá. (Êxodo 33:21-23)

Deus deu um lugar para Moisés ficar; Deus colocou Moisés na fenda; Deus cobriu Moisés com a mão; Deus passou; Deus revelou-se.

Tudo o que Moisés fez foi pedir. Tudo o que podemos fazer é pedir. A promessa da presença de Deus junto a Moisés também está à nossa disposição.

Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á.( Mt. 7.7).Somente pedindo é que receberemos, somente buscando é que acharemos.

E, tudo o que pedirdes na oração, crendo, o recebereis. (Mt. 21.22)

Na verdade, na verdade vos digo que tudo quanto pedirdes a meu Pai, em meu nome, ele vo-lo há de dar. (João 16.23)

Todavia o ser humano, seja por que motivo for, normalmente, se priva da presença de Deus, é mais cômodo fazer como os Israelitas fizeram, buscar um intermediário e não ao próprio Deus:

E acontecia que, saindo Moisés à tenda, todo o povo se levantava, e cada um ficava em pé à porta da sua tenda; e olhava para Moisés pelas costas, até ele entrar na tenda.

E sucedia que, entrando Moisés na tenda, descia a coluna de nuvem, e punha-se à porta da tenda; e o SENHOR falava com Moisés. E, vendo todo o povo a coluna de nuvem que estava à porta da tenda, todo o povo se levantava e cada um, à porta da sua tenda, adorava.

falava o SENHOR a Moisés face a face, como qualquer fala com o seu amigo; depois tornava-se ao arraial; mas o seu servidor, o jovem Josué, filho de Num, nunca se apartava do meio da tenda.  (Êxodo 33:8-11)

Precisamos deixar a zona de conforto, o comodismo e buscar ao Pai, ter um relacionamento pessoal com Ele, pois somente através dessa comunhão seremos, restaurados, renovados, curados e libertos.

Chega de viver de migalhas, quando podemos desfrutar com abundancia das promessas de Deus e de sua presença, sem contar que será o diferencial na nossa vida, assim como foi com Moisés, veja em Êxodo 34.29-35:

“...Sim, quando desceu do monte, Moisés não sabia que a pele do seu rosto resplandecia, depois que falara com ele. Olhando, pois, Arão e todos os filhos de Israel para Moisés, eis que a pele do seu rosto resplandecia; por isso temeram chegar-se a ele. Então Moisés os chamou, e Arão e todos os príncipes da congregação tornaram-se a ele; [...] Assim que Moisés acabou de falar com eles, pôs um véu sobre o seu rosto.

Porém, entrando Moisés perante o SENHOR, para falar com ele, tirava o véu até sair; e, saindo, falava com os filhos de Israel o que lhe era ordenado. Assim, pois, viam os filhos de Israel o rosto de Moisés, e que resplandecia a pele do seu rosto; e tornava Moisés a pôr o véu sobre o seu rosto, até entrar para falar com ele. (Êxodo 34:29-35).

Quando temos a presença do Espírito Santo do Senhor somos transformados, refletimos a Glória do Pai em nosso semblante, a ponto das pessoas verem algo diferente em nós. O que gera o desejo de descobrir o diferencial na nossa vida. Mas isso só será conseguido através de uma vida com Deus.

Através do reflexo da Glória do Pai em nós, vidas serão acrescentadas ao aprisco do Senhor.

O que você tem refletido?

Litrazini

Graça e Paz






quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Apanhai-me as raposas, as raposinhas


“Apanhai-me as raposas, as raposinhas, que devastam os vinhedos...(Cantares 2.15)

Engana-se quem imagina que são os grandes problemas que destroem um casamento, uma família ou uma grande amizade. Pelo contrário, quando uma grave tormenta se abate sobre o lar, tal como um acidente de um dos familiares, ou uma doença grave e repentina, a tendência é dos membros da família se unirem e estreitarem seu relacionamento para lutar com todas as forças contra aquele “inimigo” indesejável.

Muitas vezes situações ameaçadoras vindo de fora ajudam a despertar da letargia membros da família que passam a se posicionar mais firmemente nesses tempos.

Agora, difícil mesmo é lutar contra as “pequenas raposinhas” que aparecem sob o vinhedo, e pouco a pouco vão destruindo sua formosura, até que ele seque completamente.

O que o poeta bíblico quis dizer com “raposinhas”?
Parece que elas gostavam de cavoucar ao redor das videiras cobertas de flores. Elas são as pequenas coisas que não damos muita importância, mas que, infelizmente, teimam estar presentes em nossa vida – é aquela palavra a mais, ao final da discussão, que não precisava ser dita, e você insiste sempre em dizer, é o gesto desprovido de mansidão, é a dureza de julgamento, são os ciúmes que a esposa não consegue esconder ou o perfeccionismo do marido que insiste em que tudo seja feito do jeito que ele gosta.

Na vida da igreja, as “raposinhas” são aqueles pequenos acontecimentos desagradáveis, à princípio sem maior importância, mas se não damos cabo deles, logo começam a perturbar o relacionamento dos irmãos e pequenas intrigas surgem aqui e acolá, e quando o pastor vê todo o vinhedo construído com tanto amor foi destruído – não pela ação maléfica do mundo nem por uma investida insidiosa de Satanás.

Tudo isso são como imperceptíveis “raposinhas”, que às vezes nem nos damos conta de sua existência em nossas vidas. Mas uma coisa é certa – o resultado é sempre devastador. Não há jejum e oração que mantenha o vinhedo bonito se, por outro lado, ele estiver sendo devastado pelas pequenas raposas.

Sansão derrotou inimigos fortíssimos mas depois foi vencido porque permitiu a ação destruidora de uma delas em sua vida.

Gideão, grande herói da Bíblia que venceu batalhas com poucos homens, ao final de sua vida permitiu que uma pequena vaidade levasse Israel de volta à idolatria.

Crentes amarram Satanás todos os dias nas grandes concentrações mas não apanham as raposinhas que estão destruindo sua vida familiar.

É interessante observar como há cristãos hoje preocupados com a besta do Apocalipse, com maldição hereditária, com demônios territoriais, com a temperatura do inferno, e não fazem a menor ideia que aquilo que eles devem temer e se preocupar de verdade é com aquele olhar de soslaio que lançam sorrateiramente ao sexo oposto, tem de se preocupar é com aquele sentimento de auto suficiência que, devagarzinho, devagarzinho, os tem afastado do Deus vivo.
 
Só há uma maneira de manter a videira bonita, a família saudável e a igreja abençoada: “apanhando” tudo aquilo que destrói uma relação de amor. Sim, apanhe tudo isso e dê um fim em nome de Jesus.

Talvez o que o cristão mais precisa hoje é reconhecer a existência dessas “raposinhas” em sua vida.

Não é bom sinal se não estamos conseguindo dar cabo delas. É sinal de que alguma coisa vai mal lá dentro de nós, é sinal que há um “sabotador” em nosso interior que está destruindo aquilo que levou anos para erigir. É sinal de que não estamos bem conosco nem com Deus.

As vinhas estão em flor; não deixemos que elas sejam destruídas por pequenas coisas.

Daniel Rocha

Por Litrazini

Graça e Paz

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Ajudando outros a crescer



É importante estarmos sempre prontos a ajudar o nosso próximo a crescer. Contudo, para isto, é fundamental que a pessoa a ser ajudada tenha força de vontade e permita-se ser ajudada.
Em Isaías 41.6, há incentivo à solidariedade: Um ao outro ajudou e ao seu companheiro disse: esforça-te e tem bom ânimo (adaptação da autora).

Embora o profeta se referisse à formação de alianças para o cumprimento dos propósitos de Deus na vida do povo judeu, este texto será usado como base para o tema que abordaremos nessa seção, incentivando-nos a compreender, acreditar e ajudar as pessoas a tornarem-se especiais e serem tudo aquilo que realmente gostariam de ser.

Não há homem ou mulher que seja bem-sucedido sozinho. Todos nós precisamos de amizade, encorajamento, ajuda e intercessão. O que as pessoas podem conquistar sozinhas para si é quase nada se comparado ao que poderiam alcançar quando trabalham em equipe, seja na família, no trabalho ou na igreja.
Salomão, um dos mais sábios reis de Israel, declarou o valor do trabalho em equipe desse modo:

É melhor ter companhia do que estar sozinho; porque maior é a recompensa do trabalho de duas pessoas. Se um cair, o amigo pode ajudá-lo a levantar-se. Mas pobre do homem que cai e não tem quem o ajude a levantar-se! E se dois dormirem juntos, vão manter-se aquecidos. Como, porém, manter-se aquecido sozinho? Um homem sozinho pode ser vencido, mas dois conseguem defender-se. Um cordão de três dobras não se rompe com facilidade. Eclesiastes 4.9-12 (NVI)

Infelizmente, o individualismo tem direcionado muitas pessoas, principalmente no mundo capitalista e competitivo em que vivemos.

Hoje muitas pessoas apregoam que o individualismo assegura-lhes independência e autonomia. Pregam que podem atingir suas metas sozinhas, desde que sejam disciplinadas. Por outro lado, aumentam as queixas de falta de amor e interesse nos relacionamentos.

Quem é individualista pensa que não precisa de ninguém, porém é comum queixar-se de não conseguir sentir-se feliz sozinho. Ele tem de conscientizar-se de que ele não poderá crescer nas áreas espiritual, emocional, física e material sozinho. É fundamental ter boas companhias, aprender a relacionar-se melhor e fazer parte do Corpo de Cristo, a Igreja.

Deus nos deu o maior exemplo de doação, para um relacionamento sólido, feliz e abençoador. O Pai fez o maior investimento em nós ao enviar ao mundo o Seu amado Unigênito, Jesus Cristo, porque nos ama e tem prazer em relacionar-se conosco.

Quando duas pessoas se amam é impossível não se envolverem com a vida uma da outra, apoiando-se ou desafiando-se, conforme a necessidade, a fim de que possam crescer juntas. Trata-se, é claro, de um processo de mão dupla, que não pode ser visto como invasão ou cobrança. Afinal, quem ama tem prazer de fazer a diferença na vida do outro (seu cônjuge, dos seus filhos, amigos, pais, parentes e/ou irmãos em Cristo).

Ora, se uma pessoa se envolve com outra é porque deseja fazer a diferença na vida dela. Embora “batida”, essa frase traduz bem o que várias pesquisas apontam: acrescentar valor e influenciar para melhor a vida de alguém são fatores cruciais para a felicidade.

Acredito que essa deve ser a principal razão para a união das pessoas. No entanto, para ajudar alguém a crescer, é preciso tirá-lo da zona de conforto, do lugar comum que o leva a acomodar-se ao que é, ao que faz e ao que tem. Assim, muitas pessoas não se permitem serem desafiadas para o novo, preferindo a “segurança” da acomodação. Elas resistem às mudanças, consideram uma cobrança o que lhes é proposto, e acabam evitando o compromisso do desafio e desistindo de lutar por seus objetivos e sonhos.

É difícil e doloroso crescer nos dias de hoje, ainda mais sozinho. No entanto, com força de vontade, confiança em Deus e em si mesmo, você irá superar limites e acomodações.
Em momentos de crises — e Jesus nos alertou em João 16.33 que passaríamos por eles — , não desanime. E lembre-se: todos nós precisamos de alguém que caminhe ao nosso lado. Tenha sempre ao seu lado pessoas que possam animá-lo e que se comprometam com o seu crescimento em todas as áreas.

Se você estiver aberto para o agir de Deus e mantiver a motivação correta, tendo o Pai como prioridade, a sua vida não somente mudará para melhor como também a de outros próximos a você.

Quando suas palavras e ações forem coerentes com aquilo que afirma crer, as pessoas irão confiar em você.

Que Deus o abençoe! Seja bênção!

Autora: Dra Elizete Malafaia

Por Litrazini

Graça e Paz


terça-feira, 25 de setembro de 2012

A origem e o propósito do Jejum


Original do Hebraico ( Y (Tsom), no Grego? (Nesteía), ambos com o significado de Jejum como um rito cultual entre as reuniões religiosas. É um verbo no particípio, presente, ativa, nominativo, masculino, Segunda pessoa singular.

Jejum segundo Aurélio é a abstinência, total ou parcial, de alimentação ou bebidas em determinados dias, por penitência ou prescrição religiosa ou médica. Quando diz abster-se é o mesmo que conter-se, refrear-se, privar-se (de alimento como; açúcar, carne, óleo entre outros, de bebida; alcoólicas, refrigerantes etc.).

Tem sido praticado pela humanidade em praticamente todas as épocas, nações, culturas e religiões.

Pode ser com finalidade espiritual ou até mesmo medicinal, visto que o jejum traz tremendos benefícios físicos com a desintoxicação que produz no corpo. Mas nosso enfoque é o jejum bíblico.

Sem dúvida, é uma arma poderosa para o cristão.

Não há regras fixas na Bíblia sobre quando jejuar ou qual tipo de jejum praticar, isto é algo pessoal.

O PROPÓSITO DO JEJUM

Kenneth Hagin afirma que: "O jejum não muda a Deus. Ele é o mesmo antes, durante e depois de seu jejum. Mas, jejuar mudará você; vai lhe ajudar a manter-se mais suscetível ao Espírito de Deus".

O jejum não tornará Deus mais bondoso ou misericordioso para conosco, ele está ligado diretamente a nós, à nossa necessidade de romper com as barreiras e limitações da carne.

O jejum deixará nosso espírito atento, pois mortifica a carne e aflige nossa alma.

Jesus deixou-nos um ensino precioso acerca disto quando falava sobre o jejum: "Ninguém põe vinho novo em odres velhos; do contrário, o vinho romperá os odres; e tanto se perde o vinho como os odres. Mas põe-se vinho novo em odres novos." (Mc.2:22). O odre era um recipiente feito com pele de animais, que era devidamente preparada mas, com o passar do tempo envelhecia e ressecava. O vinho era o suco extraído da uva que fermentava naturalmente dentro do odre. Portanto, quando se fazia o vinho novo, era sábio colocá-lo num recipiente de pele (o odre) que não arrebentasse na hora em que o vinho começasse a fermentar, e o melhor recipiente era o odre novo.

Com essa ilustração Jesus estava ensinado que o vinho novo que Ele traria (o Espírito Santo) deveria ser colocado em odres novos, e o odre (ou recipiente do vinho) é nosso corpo. A Bíblia está dizendo com isto que o jejum tem o poder de "renovar" nosso corpo.

A Escritura ensina que a carne milita contra o espírito, e a melhor maneira de receber o vinho, o Espírito, é dentro de um processo de mortificação da carne.

Alguns acham que o jejum é uma "varinha de condão" que resolve as coisas por si mesmo, mas não podemos ter o enfoque errado.

Vai lhe ajudar a manter-se mais suscetível ao Espírito de Deus".

A resposta às orações flui melhor quando jejuamos porque através desta prática estamos liberando nosso espírito na disputada batalha contra a carne, e por isso algumas coisas acontecem.

Quando Jesus disse aos discípulos que não puderam expulsar um demônio por falta de jejum (Mt.17:21), ele não limitou o problema somente a isto mas falou sobre a falta de fé (Mt.17:19,20) como um fator decisivo no fracasso daquela tentativa de libertação.

O jejum ajuda a liberar a fé!

O que nos dá vitória sobre o inimigo é o que Cristo fez na cruz e a autoridade de seu nome.

O jejum em si não me faz vencer, mas libera a fé para o combate e nos fortalece, fazendo-nos mais conscientes da autoridade que nos foi delegada.

Litrazini
Graça e Paz



segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Andando no Espírito


“Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim que sou manso e humilde”…Mt.11:29-30

Vida no Espírito é lago que se renova a cada manhã. Infelizmente, hoje existem pessoas sobrecarregadas e até mesmo dentro da igreja. Sobrecarregadas por: circunstâncias, problemas, etc… Deus quer nos liberar de toda carga através desta vida no Espírito. (Gl 5.25-26)

COMO FAZER PARA NÃO DEIXAR DE ANDAR NO ESPÍRITO?

1) SENDO FERVOROSO NO ESPÍRITO – RM.12:11 – SERVINDO AO SENHOR.
Ser fervoroso no Espírito é ser  apaixonado pelo Senhor e o seu propósito.
• Infelizmente, hoje a igreja tem perdido esta paixão.

2) COMO A IGREJA TEM PERDIDO ESTA PAIXÃO?
A) Quando nós deixamos as coisas preciosas ser tornarem coisas comuns.
• Hoje em dia o diabo tem tirado o valor de tudo o que tem valor para Deus – Jo.10:10
• O povo de Deus sempre foi conhecido pela sua alegria em toda história.
• A igreja perdeu o fervor na humanização

B) Quando começamos a depender das coisas externas, de fora, e não do fluir verdadeiro de Deus – Jo.4:23-24
• Para os filhos de Deus a base de tudo tem que vir de DEUS, Ele é a única fonte dentro de nós

• Somos o seu templo, e temos que viver como tal
• A cada manhã temos que acordar cheios do Espírito

3) VIVEMOS EM UM MUNDO APÁTICO = RM 12:1-2
• A apatia vem sobre nós quando nós nos conformamos com a situação.
• Temos que tomar muito cuidado com os nosso filhos.

4) A IGREJA TEM PERDIDO A VISÃO DO PROPÓSITO DE DEUS, ELA PERDEU O ALVO.
• Uma Igreja que vê o propósito de Deus com clareza é uma Igreja fervorosa – (Num.13:14)
• Os que perdem o alvo morrem no deserto.
• O alvo de Deus deve estar estampado em nós.
• Hoje em dia a Igreja tem se voltado mais para a estrutura do que para as vidas.

5) PORQUE O FERVOR É TÃO IMPORTANTE?

R: Porque ele é primordial na vida da Igreja, é uma prioridade.

Líderes, pastores, músicos, cada serviço deve ser realizado com paixão a Deus. Amor e paixão pelo os irmãos – (Jo.13:34-35)
• Não podemos fazer a obra de Deus sem paixão!
• Deve ser uma prioridade na minha vida o que eu amo. Temos que observar na vida dos discípulos o que é prioridade.
• O que queima por dentro deve fazer diferença por fora
• O que queima por dentro você sente o cheiro por fora, e o cheiro deve ser o cheiro de Cristo.
• Eu sei o quanto custou o preço da minha vida para Jesus.
• Eu não devo ficar preocupado em ser o melhor, mas em dar o melhor para Deus, o melhor para o Senhor da minha vida.
• Ser apaixonado por tudo aquilo que Deus ama.

COMO RESTAURAR A PAIXÃO PELO O MOVER?

1) OLHANDO PARA JESUS – É IMPOSSÍVEL ALGUÉM OLHAR PARA JESUS E NÃO FICAR APAIXONADO POR ELE . – EF.5:14/ HEB.12:2/ II COR.3:18
• Nós contemplamos o Senhor Jesus, contemplando o verbo = a palavra.
• Contemplar Jesus é contemplar a palavra de Deus.
• Podemos contemplar Jesus olhando para os nosso irmãos – Mt.18:20

2) PODEMOS RESTAURAR A PAIXÃO RETORNADO AO PRIMEIRO AMOR.
• Deve ser uma prioridade – Ap. 2:4
• Voltar ao primeiro amor fala de valores que se perderam
• Temos que resgatar os valores perdidos
• Primeiro amor é comunhão com Deus

3) DEIXE O ESPÍRITO SANTO ATIVAR OS SEUS DONS.
• Muitos não aprendem a desenvolver os seus dons – Ef.4:8
• Muitos enterraram os seus dons
• Temos que ajudar cada discípulo a desenvolver os dons

• Cada um tem um dom pelo menos – I Pe.4:10
• A partir do natural Deus dá o sobrenatural

4) FAÇA TUDO, AINDA QUE SEJA POUCO, FAÇA TUDO PARA A GLÓRIA DE DEUS
• Identifique os dons
• Santifique
• Deus unge tudo isso
• Submeta os seus dons ao corpo
• Submeta os seus dons aos líderes
• Submeta os seus dons a palavra de Deus
- Não agrada a Deus o enterrar os talentos – Mt.25:14-30
- A Igreja deve ser um lugar onde os dons precisam ser despertados

5) VIVA E ANDE PERTO DE GENTE APAIXONADA POR DEUS.
• Jovens, olhem para pessoas apaixonadas por Deus
• No trabalho, seja sócio de pessoas apaixonadas por Deus

6) NUNCA SE ESQUEÇA DE TUDO O QUE DEUS FEZ POR VOCÊ
• Um exemplo negativo – o povo de Israel – Num.12 e 14
• Sl.103 – Seja sempre grato ao Senhor por tudo, e nunca se esqueça do que Ele já fez por você.

Andar no Espírito, ser cheio do Espírito, plenitude do Espírito

Autor: Asaph Borba

Por Litrazini

Graça e Paz


domingo, 23 de setembro de 2012

O que você está ouvindo?


Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. (Mt.6.19,20)

Um nativo da América e seu amigo estavam na cidade de Nova York e se encontravam caminhando perto da Times Square, em Manhattan. 

Era a hora do almoço, por volta de 12 horas, e as ruas estavam muito cheias. Os carros buzinavam, os táxis cantavam pneus ao dobrar as esquinas e o som da cidade era ensurdecedor, ao ponto de surdez. De repente, o nativo disse:

- “Eu ouvi um grilo”. Seu amigo, admirado e espantado, exclamou:

- “O que! Você deve estar louco. É simplesmente impossível conseguir ouvir um grilo no meio de todo este barulho.”

- “Não, eu tenho certeza de Ter ouvido um grilo”, disse o índio.

- “Isto é loucura”, disse o amigo.

O índio ouviu atentamente por alguns instantes e, com passos firmes, atravessou a rua e dirigiu-se a um lugar onde havia um arbusto.  Ele colocou a sua mão no meio do mato e ali, debaixo de algumas plantas, localizou o pequeno grilo. Seu amigo não podia acreditar no que via.

- “Isto é incrível!” ele disse. “Seus ouvidos não são humanos.” Não, ele disse:

- “Meus ouvidos não são diferentes dos seus. Tudo depende daquilo que lhe interessa ouvir.


- “Isto não pode ser!” disse o amigo. “Eu nunca conseguiria ouvir um grilo no meio de todo este barulho.” 

- “Sim, é verdade, ele respondeu. “Tudo depende daquilo que é realmente importante para você. Deixe-me mostrar-lhe o que estou tentando dizer.

“Ele colocou a mão no bolso, tirou algumas moedas e as deixou cair na calçada. Então, mesmo com todo o barulho da rua cheia de pessoas, eles observaram que todas as pessoas, a uma distância razoável de onde as moedas caíram, voltaram as suas cabeças para ver se elas lhes pertenciam.

- “Você entende o que estou tentando lhe dizer”? perguntou o nativo. “Tudo depende daquilo que é mais importante para você.”

O QUE É IMPORTANTE PARA VOCÊ? O QUE VOCÊ PROCURA OUVIR?O QUE DESPERTA O SEU INTERESSE?

Algumas pessoas dizem que não há Deus, e que Ele não fala mais nos dias de hoje. Mas, talvez elas não consigam vê-lo ou ouvi-lo por não estarem ouvindo a Ele. Elas estão vivendo para si mesmas, e não para Deus. 

Se você estiver sintonizado com Deus, você estará apto a percebê-lo trabalhando em sua vida e no mundo ao seu redor. E estará apto para ouvi-Lo quando Ele falar.

Inclinai os ouvidos, e ouvi a minha voz; atendei bem e ouvi o meu discurso. Porventura lavra todo o dia o lavrador, para semear? [...] O seu Deus o ensina, e o instrui acerca do que há de fazer. Porque a ervilhaca não se trilha com trilho, nem sobre o cominho passa roda de carro; mas com uma vara se sacode a ervilhaca, e o cominho com um pau. O trigo é esmiuçado, mas não se trilha continuamente, nem se esmiuça com as rodas do seu carro, nem se quebra com os seus cavaleiros. Até isto procede do SENHOR dos Exércitos; porque é maravilhoso em conselho e grande em obra. Isaías 28:23-29

Buscai antes o reino de Deus, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Não temais, ó pequeno rebanho, porque a vosso Pai agradou dar-vos o reino. [...] Porque, onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração. Estejam cingidos os vossos lombos, e acesas as vossas candeias.[...] Bem-aventurados aqueles servos, os quais, quando o Senhor vier, achar vigiando! Em verdade vos digo que se cingirá, e os fará assentar à mesa e, chegando-se, os servirá.  (Lucas 12:31-37)

Litrazini

Graça e Paz


sábado, 22 de setembro de 2012

Vencendo o Complexo de Inferioridade


Forjai espadas das vossas enxadas, e lanças das vossas foices; diga o fraco: Eu sou forte”. (Joel 3:10)

Por que pessoas inteligentes, bonitas, criativas, bem articuladas fracassam?

Uma das causas é o complexo de inferioridade que elas nutrem dentro de si. Segundo o calculo do escritor Maxwell Maltz, 95% de todas as pessoas em nossa sociedade sentem-se inferiores.

Dicas para vencer o complexo de inferioridade:

- Viva consciente da sua identidade como filho de Deus.
Você é príncipe porque o seu pai é o Rei da Glória (Rm 8:14;. Mt 6:9).

- Não confunda amor próprio com atitude de superioridade, vontade própria obstinada ou orgulho (Mc 12:31).

-  Maximize o seu potencial (Mt 25:15).

- Afirme para você mesmo eu fui criado à imagem e semelhança de Deus, tenho capacidade intelectual, liberdade para fazer escolhas, conhecimento do que é certo e errado. Eu tenho valor para Deus.

- Feche os ouvidos do teu coração para as palavras negativas que visam destruir sua auto imagem e estima.
-  Vença os pensamentos “de inferioridade” recitando textos das Escrituras (1Co 15:10; Fp 4:11-13; Sl 8:4,5; 91:11; Jr 29:11).

- Nunca diga “não valho nada, sou um fracasso” porque isso não é verdade. Você nasceu com potencial para ser um vencedor.

- Tenha alvos na vida e estabeleça metas para alcançá-los.


- Seja uma pessoa que aceita desafios, que não tem medo de assumir riscos com responsabilidade.

- Supere suas limitações com dedicação, esforço e determinação. Pense como o apóstolo Paulo: “Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece”. (Fp 4:13)

- Não meça o seu valor com base no que os outros pensam a seu respeito.
“E uma voz dos céus disse: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo”. (Mateus 3:17)

Jesus nunca mediu seu valor com base no que as pessoas pensavam e diziam a seu respeito. Se ele tivesse feito isso, com certeza ele seria um fracasso, um homem sem uma grande história.

Se você quer medir o seu valor, faça uma auto avaliação usando como referência aquilo que diz as Escritura a seu respeito.

Pr. Josué Gonçalves

Por Litrazini

Graça e Paz