sábado, 29 de setembro de 2012

O CORAÇÃO DE CRISTO


O coração de Jesus foi puro.
Milhares adoravam o Salvador, porém Ele estava feliz com uma vida simples. Havia mulheres que o atendiam (Lc 8:1-3), contudo jamais foi acusado de pensamentos luxuriosos; sua própria criação o desprezou, porém voluntariamente os perdoou, antes mesmo que pedissem misericórdia.

Pedro, que acompanhou Jesus por três anos e meio, o descreve como "um cordeiro sem mácula e sem contaminação" (1 Pedro 1:19). Depois de passar o mesmo tempo com Jesus, João concluiu: "não há pecado nEle" (1 Jo 3:5).

O coração de Jesus foi pacífico.
Os discípulos se preocuparam como a necessidade de alimentar milhares de pessoas, mas Jesus não. Agradeceu a Deus pelo problema. Os discípulos gritaram de medo diante da tempestade, mas Jesus não. Ele dormia. Pedro levantou sua espada para enfrentar os soldados, mas Jesus não. Jesus levantou sua mão para curar. Seu coração tinha paz.

Quando seus discípulos o abandonaram, Ele se zangou e foi embora? Quando Pedro o negou, Jesus perdeu a paciência? Quando os soldados cuspiram no seu rosto, vomitou fogo sobre eles?

Nem pensar. Tinha paz. Os perdoou. Recusou a se deixar levar pela vingança.

Também recusou se deixar levar por nada que não fosse seu chamado do alto.

Seu coração estava cheio de propósitos.
A maioria das vidas não se planejam para nada em particular, e nada conseguem. Jesus se planejou para uma única meta: salvar a humanidade de seus pecados. Pôde resumir sua vida com uma frase: "o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido" (Lc 19:10, ACF).

Jesus se concentrou de tal modo na sua tarefa que soube quando devia dizer: "Ainda não é chegada a minha hora" (Jo 2:4, ACF) e quando "Está consumado" (Jo 19:30, ACF). Mas não se concentrou em seu objetivo a ponto de ser desagradável.

Ao contrário. Que agradáveis foram seus pensamentos! As crianças amavam sua companhia. Jesus pôde achar beleza nos lírios, alegria na adoração e possibilidades nos problemas. Podia passar dias com multidões de doentes e ainda sentir compaixão deles. Passou mais de três décadas vadeando entre o lodo e o lamaçal de nosso pecado, e ainda assim viu em nós suficiente beleza para morrer pelos nossos erros.

Mas o tributo que coroa a Cristo é este:
seu coração foi espiritual. Seus pensamentos refletiam sua íntima relação com o Pai. "Estou no Pai, e o Pai em mim", afirmou (Jo 14:11, ACF). Seu primeiro sermão registrado começa com as palavras: "O Espírito do Senhor é sobre mim" (Lc 4:18, ACF). Era "conduzido Jesus pelo Espírito" (Mt 4:1, ACF), e estava "cheio do Espírito Santo" (Lc 4:1, ACF). Do deserto voltou "pela virtude do Espírito" (Lc 4:14, ACF).

Jesus recebia suas instruções de Deus.

Era seu hábito ir adorar (Lucas 4:16). Era seu costume memorizar as Escrituras (Lucas 4:4). Lucas diz que Jesus "retirava-se para os desertos, e ali orava" (Lc 5:16, ACF). Seus momentos de oração o guiavam. Uma vez regressou depois de orar e anunciou que era tempo de passar para outra cidade (Mc 1:38). Outro tempo de oração resultou na seleção dos discípulos (Lc 6:12-13).

Jesus era guiado por uma mão invisível.
"Tudo quanto ele [o Pai] faz, o Filho o faz igualmente" (Jo 5:19, ACF). No mesmo capítulo afirmou: "Eu não posso de mim mesmo fazer coisa alguma. Como ouço, assim julgo" (Jo 5:30, ACF).

O coração de Jesus foi espiritual.

Extraído do Livro Simplesmente Como Jesus de Max Lucado

Por Litrazini

Graça e Paz