domingo, 21 de abril de 2013

LIBERTADO


“Do SENHOR vem a salvação.” “Todo aquele que comete pecado é servo do pecado… Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” (Jonas 2.9; João 8.34-36)

Buba nasceu em uma aldeia africana. Formado durante longos anos em uma escola religiosa, ele se tornou chefe de sua aldeia. Era conhecido por seu caráter violento e ódio contra os cristãos. Como muitos de seus conterrâneos, tinha medo dos espíritos, pois acreditava que cada infortúnio era consequência da raiva dos seres espirituais. Por isso, muito esforço e dinheiro era necessário para apaziguá-los. Era obrigatório consultar os feiticeiros e obedecer a eles… uma verdadeira escravidão.

Porém, um dia algo aconteceu. De repente tudo escureceu ao seu redor; ele perdeu a visão. Desesperado, consultou todos os religiosos e curandeiros que conhecia, mas nem a magia nem a religião puderam ajudá-lo. Não havia o menor sinal de cura nem de melhora. Quanto mais suplicava e se debatia nas trevas, mais triste sua situação moral ficava. Tudo era escuridão! Depois de muitos meses de cegueira resolveu dar fim à sua vida. Mas não obteve êxito. Desorientado e abalado, começou a se fazer as perguntas que realmente importam: Deus existe? Quem Ele é? Será que pode me curar?

Buba pediu que outra pessoa lesse a Bíblia para ele, e assim encontrou Jesus Cristo, o Senhor, o Deus todo-poderoso, que nos livra do medo do diabo e da morte. Buba entregou seu coração ao Senhor Jesus. Que transformação ocorreu! Mas continuou cego…

“Ele nos tirou da potestade das trevas e nos transportou para o Reino do Filho do seu amor.” Colossenses 1.13

“Ele (Jesus) participou das mesmas coisas, para que, pela morte, aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo, e livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão” (Hb 2.14-15)

Depois de uma tentativa de suicídio, Buba se converteu ao Senhor. E começou a se questionar se Deus podia usá-lo, um homem cego, em Sua obra.

Buba não foi curado, e supôs que essa era a vontade de Deus para ele. Mas isso não o impediu de ser um homem que transbordava de alegria, e de ser ativo para seu Mestre. Muitos aldeões conheceram o Senhor por meio de seu testemunho. E uma mudança na vida social se tornou visível: os campos passaram a ser cultivados corretamente; as casas e espaços comunitários receberam cuidados que nunca tiveram antes; os habitantes daquele local começaram a se comportar de forma diferente. Os fetiches foram destruídos.

Certo dia se ouviram prantos na aldeia. Uma jovem mulher acabara de morrer durante o parto e iam enterrá-la. Segundo a tradição do lugar, o bebê recém-nascido deveria ser enterrado vivo junto com a mãe. Indignado com tal ideia, Buba decidiu cuidar do menino.

Foi o início do que mais tarde se tornaria um orfanato. Ali as crianças eram bem alimentadas, felizes e aprendiam sobre o verdadeiro Deus e Seu Filho, Jesus Cristo. A atmosfera espiritual da aldeia era agradável graças àquele cego que conhecia o Deus da paz.

Do mesmo modo, Deus quer que todos sejam libertados de seus temores, que O conheçam como único e verdadeiro Deus, que experimentem uma vida plena nEle, e que sejam úteis, apesar das dificuldades e limitações que possam ter

Extraído Devocional Boa Semente

Por Litrazini

Graça e Paz