quarta-feira, 18 de setembro de 2013

A NATUREZA DA VIDA ETERNA

O substantivo "vida" em grego pode ser bíos ou zoê. Bíos significa a vida física, biológica e zoê aquela qualidade espiritual de vida eterna que só Jesus é capaz de oferecer. Em João zoê pode vir ou não acompanhado do adjetivo "eterno", que em grego é aiõnios. Na maioria das vezes temos zoê aiõnios (vida eterna), e mesmo quando zoê está sozinho, em João sempre significa vida eterna.

A vida eterna é uma obra da livre graça de Deus. A salvação em sua maior expressão. Nem mesmo a morte física serve de obstáculo para a vida eterna; pelo contrário, a morte, para os cristãos, é "uma libertação do pecado e um passo para a vida eterna" (Catecismo de Heidelberg). Disse Jesus: "Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim, não morrerá, eternamente" (Jo 11.25,26).

Ter a vida eterna é o mesmo que estar salvo num processo irreversível (cf. Jo 5.24; 6.47; 10.27,28). Como o próprio nome indica, vida eterna não é uma coisa que temos hoje e perdemos amanhã. Neste caso seria vida temporária e passageira, jamais eterna!

A natureza essencial da vida eterna foi descrita pelo Senhor Jesus assim: "E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo a quem enviaste" (Jo 17.3). Esta passagem "não define vida eterna, mas mostra como se manifesta e quão maravilhosa é" (William Hendriksen). E de que forma ela se manifesta? Hendriksen explica: "A vida eterna por meio da qual tanto o Pai como o Filho são glorificados se manifesta no verdadeiro conhecimento do que envia e do enviado".

Segundo George Ladd, "Em João, o conhecimento é uma relação com base na experiência. Existe uma relação íntima, mútua, entre o Pai e o Filho; por sua vez, Jesus conhece seus discípulos e por eles é conhecido; e, em conhecê-lO, eles também conhecem a Deus". Disse Jesus: "Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem a mim, assim como o Pai me conhece a mim e eu conheço o Pai; e dou a minha vida pelas ovelhas" (Jo 10.14,15).

Em se tratando de nossa relação com Jesus, é preciso entender que este conhecimento, longe de ser uma simples questão de compreensão intelectual, envolve sempre um relacionamento pessoal de íntima comunhão com nosso Senhor. Este é o significado básico do verbo conhecer em João.

Conhecer a Deus é conhecer a verdade libertadora. "Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vós permanecerdes nas minhas palavras, sois verdadeiramente meus discípulos; e conhecereis a verdade e a verdade vos libertará" (Jo 8.32).

Conhecer a verdade "significa chegar a compreender o propósito salvador de Deus, incorporado em Cristo, e a liberdade prometida é a liberdade do pecado (Jo 8.34), liberdade essa que não poderia ser realizada sob as condições da antiga aliança, mas somente através do Filho [Jo 8.36]" (Ladd). E ainda: "A verdade de Deus não está apenas incorporada em Cristo, mas é também manifesta em Sua palavra, pois Ele fala a verdade (Jo 8.40,45) e veio para dar testemunho da verdade (Jo 18.37). Esta verdade não é simplesmente a revelação daquilo que Deus é, mas a manifestação da presença salvadora de Deus no mundo.

Portanto, tudo o que Jesus fez e oferece é verdadeiro (Jo 7.18; 8.16), isto é, está de acordo com a Sua natureza e com o plano de Deus. Este propósito redentor é a palavra de Deus (Jo 17.6,14) é a própria verdade (Jo 17.17), a qual é uma com a pessoa do próprio Jesus (Jo 1.1)".

Rev. Josivaldo de França Pereira

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz