sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Por que Jesus disse que esse Reino já estava entre nós se ainda não fomos para o céu?

Resumidamente, podemos afirmar que um reino é constituído de um rei, seus representantes (conselheiros, embaixadores, governadores) e súditos (o povo), que vivem num território sob uma constituição, um conjunto de leis que regem todos os aspectos da vida nacional dos cidadãos.

O tipo de governo que caracteriza o reino é o monárquico, em que o líder máximo, o rei, detém poderes ilimitados sobre o Estado, tendo autonomia para, inclusive, ditar as leis que regerão a nação por ele comandada. Em outras palavras, a monarquia absolutista confere poderes ao rei sobre todos os demais poderes constituídos — o Legislativo, o Executivo e o Judiciário, podendo ele governar por decretos, promulgar leis e impor punições.

Por que é importante falar sobre essa forma de governo humano?
Porque, do ponto de vista espiritual, aqueles que estão em Cristo fazem parte do Reino de Deus — cujo monarca absoluto, com direitos primordiais e soberanos, é Deus —, estando sujeitos às Suas leis e à Sua vontade e devendo submeter-se a elas de forma plena, afim de que não haja usurpações por parte de alguns e todos os danos inerentes.

É bom ressaltar que, apesar de haver hierarquias, com delegações de poderes e funções, o Reino de Deus nunca mudou e jamais mudará. Seu Soberano sempre foi e sempre será Deus, o Criador do mundo e de tudo que nele há; o Rei eterno e imortal, onipotente, onisciente e onipresente, que rege tudo e todos de forma justa, misericordiosa, benevolente e perfeita.

Então, quais são as marcas desse Reino? Vamos atentar para o que é dito sobre isso na própria Bíblia: O SENHOR tem estabelecido o seu trono nos céus, e o seu reino domina sobre tudo (Salmo 103.19). Deus reina sobre as nações; Deus se assenta sobre o trono da sua santidade (Salmo 47.8). O teu trono, ó Deus, é eterno e perpétuo; o cetro do teu reino é um cetro de eqüidade (Salmo 45.6). Veja também o Salmo 89.14 e Romanos 14.17.

Nesses versículos, distinguimos pelo menos três características do Reino de Deus (confirmadas por outros textos bíblicos):
1) Está acima de todos os outros reinos;
2) É perpétuo, imutável e eterno como o próprio Deus;
3) É um governo marcado pela santidade, equidade, misericórdia e verdade de seu Soberano; um governo que promove a justiça, a paz e o bem-estar de todos os que fazem parte dele, resultando em alegria e contentamento.

Há outra importante característica do Reino de Deus que pode ser apreendida desse último texto citado: esse reino é essencialmente espiritual; é estabelecido primeiro dentro de cada um que faz parte dele, em seus pensamentos, sentimentos e na sua vontade, estendendo-se a todas as demais esferas da vida, refletindo na maneira de ser e de agir de cada um, em conformidade com os princípios do Reino.

Por isso, ao pregar o evangelho, curar enfermos e libertar pessoas cativas por espíritos demoníacos, Jesus dizia que o Reino de amor, justiça, verdade, santidade de Deus havia chegado àquelas pessoas contempladas com o milagre (Lucas 11.20).

O que é necessário fazer para pertencer ao Reino de Deus?
É preciso reconhecer o Criador como soberano Rei e Salvador, firmar-se na casa do Senhor, prosseguir em conhecê-lo, obedecer à Sua Palavra, não dar brechas nem legalidade ao diabo para agir na sua vida ou por intermédio de você, ser um instrumento de Deus e comportar-se como um verdadeiro embaixador do Reino dos céus, um representante de Cristo na terra.

SUGESTÕES DE LEITURA:
Marcos 1.14,15; 4.1-32; 10.13-15,23-25; Lucas 6.20; 9.61,62; 16.15,16; 17.20,21; 18.28-30; 21.29-31; João 3.1-7; 18.36; 1 Coríntios 4.20; 6.9,10; 15.50; Gálatas 5.19-21; Efésios 5.5

Livros Aplicando o Reino de Deus e Compreendendo o Reino de Deus, de Myles Munroe

Autoria: Pr. Silas Malafaia

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz