quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Você deseja realmente vencer o estresse?

Para você vencer o estresse, deixe Deus ser o Senhor da sua vida espiritual, emocional, física e material. Entregue todas as suas preocupações ao Todo-poderoso. Ele o susterá e jamais permitirá que você fique abalado ou desorientado, sem saber o caminho certo a seguir (leia o Salmo 55.22).

Atualmente, a palavra estresse tem sido excessivamente mencionada. Ele é o vilão destruidor da saúde física, emocional e até espiritual para algumas pessoas. Hoje, existem muitos artigos, textos, documentários e muitas entrevistas que dedicam grande parte do seu espaço a conscientizar as pessoas sobre os efeitos maléficos do estresse, além da urgência e da importância de encontrar as soluções para tal problema.

O estresse é de fato um mal dos tempos atuais e da vida agitada nos grandes centros urbanos ou uma possibilidade natural do ser humano, quando exposto a determinadas situações?

O estresse existe independente da época e do lugar. Esta é a chave da questão: o ser humano reage aos acontecimentos da vida de acordo com os fatos, as circunstâncias e a sua subjetividade — o seu padrão interno de reação, o qual varia de pessoa para pessoa, conforme a história de vida de cada uma.

Percebemos pessoas altamente irritadiças, intolerantes e raivosas frente a situações corriqueiras, e outras serenas e ponderadas diante de situações limites. O que faz esta diferença?
Há múltiplos fatores envolvidos, desde biológicos até a elevação de propósitos, significados e sabedoria. Acredito firmemente que podemos determinar padrões saudáveis de vida espiritual, emocional, física e material, ainda que contrarie a “maré”, o ritmo e os valores do mundo moderno.

Para ilustrar isso, comentarei um episódio que aconteceu este mês enquanto eu aguardava no aeroporto o meu embarque. Quando cheguei à sala vip, deparei-me com uma senhora aos gritos, nervosa, reclamando. Ela havia optado por fazer escala no Rio porque desejava viajar em um avião no qual a cadeira inclina 180 graus. Como ela reclamou, falou alto, resmungou revoltada, fiquei observando-a. Quando aquela senhora foi ao toalete, eu a segui. No banheiro, ela lavava as mãos, nervosa e reclamando. Perguntei-lhe calmamente: “Como é o seu nome?” Dali para frente, iniciamos uma conversa, e comecei a acalmá-la. Disse-lhe que a viagem seria maravilhosa e que seus pés não ficariam inchados, pois esta era sua maior preocupação. Falei também que Deus estava conosco e que tudo daria certo.

Naquele momento, eu estava com uma amiga cristã, que gosta de cantar. Sabe o que aconteceu? Ao sairmos do toalete, esta se sentou junto a um bonito piano preto, que enfeitava a sala vip do aeroporto, e começou a tocar músicas lindas. Nós a aplaudimos. Aquela senhora que acalmei disse: “Poxa, como estou tranquila, graças a Deus e a vocês duas! Sei que a viagem será ótima”. E realmente foi. Aquela mulher dormiu a viagem inteira.

Essa experiência mostra-nos como muitas pessoas sofrem por antecedência, só porque algumas vezes seus planos não saem como desejavam. Foi bom o estresse daquela senhora, porque pude falar de Deus, que tocou no coração aflito dela.

Dra Elizete Malafaia

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz