sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

O Outro Evangelho

“Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema [amaldiçoado]” (Gálatas 1.8).

Falsos mestres foram aos gálatas, procurando persuadi-los a rejeitar os ensinos de Paulo e aceitar “outro evangelho”. Este evangelho diferente consistia não somente em crer em Cristo, mas também ligar-se à fé judaica mediante a circuncisão (Gl 5.2), as obras da lei (3.5) e a guarda dos dias santos judaicos (4.10).

(1) A Bíblia afirma claramente que há um só evangelho, “o evangelho de Cristo” (v.7).

Este evangelho nos veio pela revelação de Jesus Cristo (v.12) 

(2) Quaisquer ensinos, doutrinas, ou ideias que, originados em pessoas, igrejas ou tradições, e que não estejam expressos ou subentendidos na Palavra de Deus, não podem ser incluídos no evangelho de Cristo (v.11).

Misturá-los com o conteúdo original é “transtornar o evangelho de Cristo” (v.7).

SEJA ANÁTEMA – A palavra “anátema” (gr anathema) significa alguém que está sob maldição divina, condenado à destruição e que será alvo da ira divina e da condenação eterna.

(1) O apóstolo Paulo revela a atitude, inspirada pelo Espírito Santo, de julgamento e indignação para com aqueles que procurar perverter o evangelho original de Cristo e mudar a verdade do testemunho apostólico.
Igual atitude evidenciava-se em Jesus Cristo, em Pedro (2 Pe 2), em João (2 Jo 7-11) e em Judas (Jd 3, 4,12-19), e se achará no coração de todo seguidor de cristo que ama o seu evangelho, conforme é revelado na Palavra de Deus, e crê que o evangelho é a imprescindível boa nova da salvação Pra o mundo perdido no pecado (Rm 10. 14 15).

(2) Malditos (“anátema”) são todos que pregam um evangelho contrário à mensagem que Paulo pregava de acordo com a revelação que Cristo lhe dera.
Quem acrescenta ou tira algo do evangelho original e fundamental de Cristo e dos apóstolos, fica sujeito à maldição divina: “Deus tirará a sua parte do livro da vida” (Ap 22.18,19). 

(3) Deus ordena os crentes a defenderem a fé, a corrigirem os errados com amor (2 Tm 2.25,26) e a se separarem dos mestres, pastores e outros que na igreja negam as verdades bíblicas fundamentais ensinadas por Jesus e os apóstolos (Gl 1.8,9; Rm 16.17,18; 2 Co 6.17). Essas verdades incluem:
a) A deidade de Cristo e seu nascimento virginal (Mt 1.23);
b) A plena inspiração e autoridade da Palavra de Deus em tudo quanto ela ensina;
c) A historicidade da queda de Adão e Eva (Rm 5.12-19);
d) A corrupção inerente na natureza humana (Gn 6.5; 8.21; Rm 1.21-32; 3.10-18; 7.14,21);
e) A condição perdida da raça humana sem Cristo (Rm 1.16-32; 10.13-15);
f) A salvação pela graça mediante a fé em Cristo como senhor e Salvador efetuada pela expiação através de sua morte e do seu sangue (Rm 3.24-25; 5.10);
g) A ressurreição corporal de Cristo (1 Co 15.3,4);
h) A realidade histórica dos milagres, tanto do AT como do NT (1 Co 10.1);
i) A realidade da existência de Satanás e dos demônios como seres de ordem espiritual (Mt 4.1; 8.28; 2 Co 4,4; Ef 2,2; 6.11-18; 1 Pe 5.8);
j) O ensino bíblico a respeito do inferno;
l) A volta literal de Jesus Cristo à terra (Jo 14.3; At 1.11). 

Outros textos que advertem sobre os falsos mestres: Rm 16.17; 2 Pe 2.17-22; 2 Jo 9,11; Jd 12, 13). 

Comentários da Bíblia de Estudo Pentecostal

Por Litrazini

Graça e Paz

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

A Bíblia é uma carta de amor de Deus?

Já ouvi algumas vezes dizerem que a Bíblia é uma carta de amor de Deus para nós.

Por mais que eu entenda o sentimento por trás dessa afirmação, não penso que ela seja particularmente correta. Aqui está o porquê.

Uma carta de amor é escrita por um rapaz (ou uma garota) que está apaixonado. Ele não se satisfaz com o que tem: ele não a vê o suficiente, ele não pensa nela o suficiente, ele não diz coisas maravilhosas sobre ela o suficiente. Seu amor transborda de seu coração no papel. Ele precisa dizer à garota como ele se sente, precisa expressar seu intenso amor e afeição que estão ameaçando tomar conta completamente de seu ser.

A carta de amor é o rapaz dizendo à garota o quão sublime, fantástica e maravilhosa ela é.

A carta de amor é completamente sobre a garota.

A Bíblia não é uma carta de amor.

A Bíblia nos fala do imenso amor de Deus por nós?

É claro. Mas a Bíblia não fala primariamente sobre nós, a Bíblia fala primariamente sobre Deus.

A Bíblia não é um relato subjetivo dos sentimentos de Deus por nós; é um relato objetivo do divino, glorioso e magnífico plano de redenção orquestrado por Deus.

A Bíblia não existe para que eu me sinta bem comigo mesmo. A Bíblia existe para estimular nossas afeições pelo nosso glorioso Deus.

Deus não está impressionado conosco, ele está impressionado consigo mesmo.

A Bíblia não é Deus nos dizendo o quão maravilhosos nós somos; a Bíblia é Deus nos dizendo o quão maravilhoso ele é.

Talvez devêssemos parar de chamar a Bíblia de carta de amor de Deus.

STEPHEN ALTROGGE / Traduzido por Filipe Schulz | Reforma21.org

Por Litrazini


Graça e Paz

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Se é para Deus, Faça o Melhor

“Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por Ele” (Jo. 3.17).

Você é o melhor de Deus, ninguém é inferior e insignificante. “O mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam. Porque: Todo aquele que invocar o nome do Senhor, será salvo” (Rm 10.12,13)

Se você formar o hábito de falar acerca do julgamento e da condenação, você produzirá aqueles que julgam e condenam você. Se você pronunciar críticas contra os outros, ceifará o tipo de pessoa que se levantará para criticá-lo. Seja o que for que você semear nas mentes de seus ouvintes e de seus familiares, será o que você colherá. É impossível negar essa lei. 

À medida que você alcança os outros, Deus o alcança. É quando você abençoa os outros que Deus te abençoa. Portanto, quando você olhar para as outras pessoas; Plante nelas o que você quer para si próprio. È só plantar, colher e, Deus realizará os seus maiores sonhos.

Quando você descobre que Deus atribui alto valor a você, e que Ele pagou um preço supremo porque o ama, daí você descobre a porta para a verdadeira felicidade, paz, e sucesso.

Jesus Cristo é o único que tem as chagas dos pregos em Suas mãos. Nem Confúcio, Nem Maomé, nem Buda, e nenhum outro as têm. Somente Jesus leva as chagas eternas que comprovam o seu e o meu valor para Deus.

A Bíblia diz: “Você pode todas as coisas em Cristo que o fortalece” (FP 4.13). A força, o poder e o amor de Deus operando em ti. “Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo  a sua boa vontade.” (Fp. 2.13).

O que você faz aos outros, você faz a Cristo. Amar a Deus é amar aos outros. “Não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade.” (I Jo 3.17)

Se realmente quisermos descobrir Jesus Cristo, nós O acharemos nas prisões, entre enfermos, nus e necessitados. Descobrimos Cristo e servimos a Ele à medida que servimos aos outros. Dizer que alguém é um caso perdido, é dizer que Deus não se importa com ele, mas Ele se importa, e cuida dele através de nós.

Jesus está presente nos lugares onde há pessoas necessitadas. Ao correspondermos a elas, estaremos correspondendo a Ele. Quanto mais amor você possuir, mais amor fluirá através de você. As pessoas pobres não podem ajudar pessoas pobres. Quem está derrotado não pode animar aos derrotados. Pessoas positivas motivam outras a serem positivas.

Somos salvos para salvar os outros. Somos erguidos para erguer os outros. Somos abençoados para abençoar os outros. Se você semear amor e gentileza, isto é o que você colherá. Se você semear julgamento e condenação, será julgado e condenado pelas pessoas. “Se você for misericordioso, ceifará misericórdia” (Mt. 5.7). “Aquilo que você semear, isso também ceifará.” (GL. 6.7). “A Semente é a palavra” (Lc. 8.11). “E o campo é o mundo” (Mt. 13.38). O mundo das pessoas ao nosso redor.

Quando você diz SIM a Deus, Ele é liberado dentro de você para desenvolver seu potencial supremo. Quando você diz NÂO, não sou digno, não presto para nada, sou incapaz, sou inferior; estará impedindo a ação divina. Entregue se ao Seu desenvolvimento mais pleno. Creia no pleno potencial de Deus operando em você.

Você é o melhor que Ele tem. Deus não te criou para seu um NINGUÉM, mas um real ALGUÉM. (Litrazini)

Litrazini


Graça e Paz

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Que Voz é essa, que tudo calam para ouvir?


A voz do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é cheia de majestade. (Sl. 29.4)

Você já ouviu a voz de Deus, hoje?

Com certeza muito de nós acordamos hoje porque ouvimos algum tipo som, alguns suaves e agradáveis, outros tristes, outros ainda foram sons que jamais queríamos ouvir, alguns foram de suma importância, outros passaram despercebidos, alguns deixaram muitos com raiva, outros, muitos fizeram questão em guardar em sua mente por muito tempo, mais de todos os sons que ouvimos você consegue discernir se algum que veio de Deus?

Deus fala conosco todos os dias, de forma particular, ou ainda usa intermediários, Deus usa quem Ele quer, da forma que quiser, quando lhe convém, pois ele não esta dogmatizado com conceito humano, ou achismo.

Quando Deus fala toda a terra se cala. Mas o Senhor está no seu santo templo; cale-se diante dele toda a terra. Habacuque 2:20, a voz do Senhor é clara, não deixa duvida nem causa dor; a voz do Senhor é concerto, advertência, é amor, Ele exalta quem Ele quer e humilha os que a si próprio exaltam, quando Deus fala, aquele que o ouve rasga a alma em adoração.

Muitas vezes a voz de Deus ecoa dentro de nós, mais não conseguimos ouvi-lo, porque nosso coração está insensível, não há espaço para algo tão sublime, vivemos preocupados com as coisas do dia a dia, ansiosos em como fazer o nosso amanha. Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal. Mateus 6:34.

Fazemos mil planos para o futuro, eu vou ser isso, vou conseguir aquilo, vou te aquilo, mais acaso sabemos o que irá acontecer daqui a pouco? Louco! Esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Lucas 12:20,

Se os nossos sonhos e projetos não estiverem alicerçados em Deus, Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão de dores, pois assim dá ele aos seus amados o sono. (Sl 127.2),

Antes de planejarmos qualquer coisa, precisamos atentar para o que Deus quer nos instruir, precisamos ouvir a voz de Deus, senão seremos como um tolo que edifica sua casa na areia, E aquele que ouve estas minhas palavras, e não as cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia;  (Mt. 7.26),

Deus fala conosco de diversas formas, até mesmo no tocar do vento sobre a nossa pele, talvez Ele esteja dizendo seja sensível a mim. No choro de uma criança a madrugada, Ele pode está querendo nos advertir. Vigiai e Orai, vosso adversário brama como leão querendo te tragar. Em um grito que surge do nada, quem sabe, se Ele não está dizendo, Desperta tu que dormes! A maneira de Deus é diferente da nossa e nem sempre é como pensamos, a mente de Deus é inatingível a nós. Porque, quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? ICo. 2.16)
.
Se você quer aprender a ouvir a voz de Deus e quer ter a certeza que Ele fala contigo, leia a Bíblia! Através dela Deus fala conosco a qualquer instante. Nela está todas as instruções que precisamos para sermos sábios, conhecendo a palavra, ninguém vai nos ludibriar com filosofia ou paradoxo de homens cheios de vazio. O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento; (Os.4.6);  tenha o conhecimento quem vem dos altos Céus lá é onde reina o soberano aquele que tem todo o domínio sobre tudo. Porque o Senhor Altíssimo é tremendo, e Rei grande sobre toda a terra. (Sl. 47.2). Exaltado está o Senhor acima de todas as nações, e a sua glória sobre os céus. (Sl.113.4).

Eu não sei o que você está querendo ouvir, Mas, neste momento o Senhor está falando contigo, vinde a mim todos que estás cansados e oprimidos e vos aliviarei, Ele está soprando ao teu coração, não temas se as tempestades da vida estão te assolando, Eu Sou o Senhor Teu Deus e já ordenei que haja bonança em tua vida; já passou a noite de choro, chegou o teu amanhecer de vitorias. Desde os céus o Senhor te fez ouvir a sua voz, para te ensinar, e sobre a terra te mostrou o seu grande fogo, e ouviste as suas palavras do meio do fogo. (Dt.4.36)

O fogo de Deus hoje vai arder dentro de você e vai destruir tudo que lhe aflige. Creia nisso!

Pra Elza Carvalho

Por Litrazini


Graça e Paz

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

O Poder da Gratidão

O homem por detrás do balcão olhava a rua de forma distraída. Uma garotinha se aproximava da loja e amassou o narizinho contra o vidro da vitrina. Os olhos da cor do céu brilhavam quando viu determinado objeto. Entrou na loja e pediu para ver o colar de turquesas azuis. É para minha irmã. Pode fazer um pacote bem bonito?

O dono da loja olhou desconfiado para a garotinha e lhe perguntou:

- Quanto dinheiro você tem?

Sem hesitar ela tirou do bolso da saia um lenço todo amarradinho e foi desfazendo os nós. Colocou-o sobre o balcão, e feliz disse:

- Isto dá, não dá?

Eram apenas algumas moedas que ela exibia orgulhosa.

- Sabe, continuou. Eu quero dar este presente para minha irmã mais velha. Desde que morreu nossa mãe, ela cuida da gente e não tem tempo para ela. É aniversário dela e tenho certeza que ela ficará feliz com o colar que é da cor dos seus olhos.

O homem foi para o interior da loja. Colocou o colar em um estojo, embrulhou com um vistoso papel vermelho e fez um laço caprichado com uma fita verde.

- Tome! Disse para a garota. Leve com cuidado. Ela saiu feliz saltitando pela rua abaixo.

Ainda não acabara o dia, quando uma linda jovem de cabelos loiros e maravilhosos olhos azuis adentrou a loja. Colocou sobre o balcão o já conhecido embrulho desfeito e indagou:
- Este colar foi comprado aqui?
- Sim senhora.
- E quanto custou?
- Ah! Falou o dono da loja. O preço de qualquer produto da minha loja é sempre um assunto confidencial entre o vendedor e o freguês.

A moça continuou:

- Mas minha irmã somente tinha algumas moedas. O colar é verdadeiro, não é? Ela não teria dinheiro para pagá-lo.

O homem tomou o estojo, refez o embrulho com extremo carinho, colocou a fita e o devolveu à jovem.

- Ela pagou o preço mais alto que qualquer pessoa pode pagar.

Ela deu tudo que tinha! O silêncio encheu a pequena loja, e duas lágrimas rolaram pelas faces jovens. Enquanto suas mãos tomavam o embrulho ela retornava ao lar, emocionada.

Verdadeira doação é dar-se por inteiro sem restrições. Gratidão de quem ama não coloca limites para os gestos de ternura.

E a gratidão é sempre a manifestação de Deus para com pessoas que tem riqueza de emoções e altruísmo. 

Sê sempre grato, mas não espere pelo reconhecimento de ninguém. Gratidão como Amor é também dever que não apenas aquece quem recebe, como reconforta quem oferece.

Autor Desconhecido – Fonte: Palavra da Verdade

Por Litrazini

Graça e Paz

domingo, 26 de janeiro de 2014

A DIVINDADE DE JESUS CRISTO

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus… E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós (João 1.1 e 14).

Uma verdade atacada desde o início do cristianismo é a divindade do Senhor Jesus. Os homens querem reduzi-Lo a um homem de bem, um grande profeta, ou espírito de luz, etc. No entanto, a Bíblia afirma Sua essência divina intimamente unida à Sua humanidade. Nossa mente limitada não pode compreender este mistério…

O Senhor Jesus afirmou ser Deus.
Ele proclamou ser “um” com o Pai (João.10.30), e aquele que O via, via o próprio Pai (João 14.9).Afirmou Sua preexistência (João 8.58), além de ser o “EU SOU O QUE SOU” do Antigo Testamento (Êx.3.14).

O Senhor Jesus declarou: “Meu Pai é maior do que eu” (João 14.28). Isso não é uma contradição com o que foi dito acima, e sim é uma manifestação perfeita de Sua profunda humildade. Ele concordou em assumir nossa humanidade para morrer na cruz. 

O Senhor Jesus recebeu adoração como Deus.
Inúmeros textos da Bíblia dão testemunho da divindade de Jesus Cristo.
Quando era menino, os magos se prostraram diante dEle (Mt.2.11); os discípulos O adoraram depois que acalmou a tempestade (Mt.14.33). Citemos igualmente a adoração prestada pelo cego de nascimento, a quem o Senhor Jesus curou (João 9.38), e a adoração de Tomé quando constatou a realidade da ressurreição do Senhor (João 20.28).

Jesus é chamado Deus pelo próprio Pai
Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho… o qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder (Hb.1.1-3)

O salmo 102 é comovente, pois Jesus Cristo declara profeticamente: “Meu Deus, não me leves no meio dos meus dias, os teus anos são por todas as gerações” (v. 24). Então o Pai responde: “Os teus anos nunca terão fim”. E logo relembra sua glória de Criador dos céus e da terra, e afirma que Ele é “o mesmo”, Aquele que não está sujeito ao tempo.

Os primeiros versículos da epístola de Hebreus expõem a grandeza de Deus filho, superior aos profetas, através dos quais Deus falou nos tempos antigos, e também superior aos “anjos”, que Lhe devem adoração. O contraste com eles é acentuado pela declaração do Pai acerca do Filho: “O teu trono, ó Deus, é eterno e perpétuo” (v. 8 e Salmo 45:6).

Deus também disse: “Tu és meu Filho, hoje te gerei” (v. 5). Mediante estas palavras sabemos que após os judeus terem recusado a mensagem divina entregue pelos profetas, o Pai introduziu o Filho no tempo e O enviou ao mundo. “E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós” (João 1:14). Deus Pai nos falou pelo Filho.

Que mistério o da encarnação! Deus Filho entrou em nossa natureza, porém a Bíblia afirma que não conheceu nem cometeu pecado. Por isso podia ser o Sacrifício santo, o único capaz de nos substituir para expiar nossos pecados na cruz.

Jesus é chamado Deus pelos apóstolos
Tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele (Col. 1.16-17)

Em Romanos 9:5, Paulo declara que Cristo “é sobre todos, Deus bendito eternamente”. Em Tito 2:13 diz: “Aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Salvador Jesus Cristo”. O apóstolo João nos adverte contra os ídolos e em contraste proclama: “E sabemos que já o Filho de Deus é vindo, e nos deu entendimento para conhecermos o que é verdadeiro; e no que é verdadeiro estamos, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna” (1 João 5:20).

Como Deus, o Senhor Jesus dominará sobre tudo
O salmo 8 contrasta a grandeza da criação com a debilidade do primeiro homem; e seguidamente introduz a grandeza do segundo homem, Cristo, sob cujos pés todas as coisas serão submetidas.  “Tudo foi criado por ele”. Ou seja, sem Sua intervenção, nem a matéria poderia existir, porque a prerrogativa de Deus é criar a partir do nada. Da mesma forma, sem Seu permanente sustento (Hb.1:3), o mundo físico onde estamos voltaria rapidamente em um caos.

No Apocalipse, o apóstolo João vê o Senhor como a “raiz de Davi” (5:5), isto é, o que existe antes de Davi, o Único digno de abrir o livro dos juízos divinos que vão recair sobre o mundo. Diante de tal majestade, o conjunto dos crentes entoa um cântico novo, miríades de anjos anunciam as sete características de Sua excelência. Toda a criação proclama Sua glória pelos séculos dos séculos (v. 9-13). Chegará o dia em que todo joelho se dobrará diante dEle (Filipenses 2:10). Que possamos fazer isso desde hoje!

Extraído Devocional Boa Semente

Por Litrazini


Graça e Paz

sábado, 25 de janeiro de 2014

COMO IMITAR A VIDA DO APÓSTOLO PAULO?

1)Sendo imitador de Cristo como Paulo foi. (I Co.11:1) e podendo dizer: Para mim o viver e Cristo, e o morrer e ganho. Fil. 1:21.

2) Dizendo:Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora a coroa da justiça me esta guardada. (Fil 4:7 e 8).

3)Podendo dizer: Procura apresentar-te a Deus aprovado (a) como obreiro (a) que não tem do que se envergonhar mais maneja bem a Palavra da verdade. (2Tm) 2:15. Dizendo: Nos que somos Fortes devemos Suportar as Fraquezas dos Fracos e não Agradar a nós mesmos. Rom 15:1

4)Sabendo que cada um de nos dará conta de si mesmo a Deus. Rm, 14:12. Dizendo: Sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor. 1Co. 15:58, Vamos ter experiências de tudo e dizer Posso todas as coisas naquele que me fortalece.Fil 4:12 e 13

5)Falando: Se esperarmos em Cristo só, nesta vida, somo os mais miseráveis de todos os homens. I Cor 15:19 Ensinando :Assim se alguém está em Cristo nova Criatura é, as coisas Velhas já passaram e eis que Tudo se fez novo. Novo sentir - Novo agir - Novo Viver, (2Cor 5:17)

6)Falando, depois de tanto sofrer como Paulo: A nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente. 2Co. 4:17.

7)Vamos saber que Todas as Coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que Amam a Deus. (Rm. 8:28)

8)Saberemos que: Somos em tudo; Atribulados mais não Angustiados, perplexos mais não Desanimados, Perseguidos, mais não Desamparados, Abatidos mais não Destruídos. (2Cor 4: 8 e 9). Estas adversidades vão nos trazer experiências de tudo e poderemos dizer: Posso todas as coisas naquele que me Fortalece.

9)Saberemos que: todas as coisas são licitas, mas nem todas convém, todas as coisas são licitas mas nem todas Edificam. (1Cor 20:23) Temos que escolher as que Convém e Edificam e que não causem dano aos crentes mais fracos. Nós temos que agradar os crentes mais fracos: pois somos Fortes.

10)Nunca esquecer: Devemos ser: Irrepreensíveis, sinceros, inculpáveis, ser luz, brilhar como astro no meio da geração corrompida e perversa. Fil. 2:15

11)No final poderemos dizer: Já estou crucificado com Cristo, e vivo não mais eu mas Cristo vive em mim. Gal 2:20A. Nunca esqueceremos que Nosso Deus suprirá todas nossas necessidades em Glória, por Cristo Jesus. Fil 4:19. E teremos em nossa mente o cântico da Vitoria de Rom 8:31A39

QUE AS BÊNÇÃOS DE DEUS TRANSBORDE EM SUA VIDA, GUERREIRA (0)DE DEUS. QUE VOCE REFLITA ONDE ANDA A GLÓRIA DE DEUS NA TERRA.

AUTOR ELI AZEVEDO

Por Litrazini

Graça e Paz

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

9 razões para orar

Por que devemos orar? Deus já conhece os nossos corações. Ele já sabe os nossos anseios. Então, por que orar? Podemos dizer facilmente: porque a Bíblia ordena isso. Paulo chega a dizer “Orai sem cessar” (1 Tessalonicenses 5.17) – essa é razão suficiente. Mas vamos explorar algumas outras razões para o porquê da oração.

1. Oramos porque amamos:
Um relacionamento de amor é aquele em que há gozo um no outro. Se eu digo “eu amo minha esposa” mas nunca falo com ela, é provável que eu não a ame. Se eu a amo, então terei vontade de conversar com ela, passar tempo com ela e desejá-la. É por isso que Marcos escreve que Jesus “tendo-se levantado alta madrugada, saiu, foi para um lugar deserto e ali orava”. Jesus ama o Pai. O Pai o ama; então, ele quer passar tempo falando com Deus antes do dia começar.

2. Oramos por gratidão:
Tiago diz: “toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança”. Paulo diz em Filipenses 4.6: “não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças”. Como aquele leproso que retornou a Jesus, devemos tornar a Deus em ações de graça. Tudo que recebemos, tudo o que ganhamos, é dádiva de Suas mãos. A oração demonstra e provê um veículo para oferecermos nossa gratidão.

3. Oramos porque queremos conhecer a Deus mais profundamente:
Não há nada mais amável, nada mais majestoso que nosso coração possa procurar, nada mais satisfatório do que o próprio Deus. E quando falamos com Ele, passamos a conhecê-lo mais. Como o salmista diz “uma coisa peço ao SENHOR, e a buscarei: que eu possa morar na Casa do SENHOR todos os dias da minha vida, para contemplar a beleza do SENHOR e meditar no seu templo” (Salmos 27.4). Queremos conhecê-lo. Queremos conhecer a Deus em toda a Sua glória. Se esse é o caso, então, como uma jovem namorada tentando conhecer seu namorado, desejaremos falar mais com Ele.

4. Oramos para conhecermos nossos próprios corações:
Penso nas palavras de Habacuque: “o SENHOR, porém, está no seu santo templo; cale-se diante dele toda a terra” (Habacuque 2.20). Há um beneficio real de se achegar ao Senhor em silêncio. É verdade que passamos a conhecê-lo melhor em oração, mas também passamos a nos conhecer mais completamente. Quantas vezes nós oramos e nos reconhecemos culpados por um pecado que antes não percebíamos. Ouvimos  proferido por nossos lábios ou descobrimos nossas mentes embaraçadas por ele quando vamos a Deus em oração. Como Pedro no telhado, nos tornamos conhecedores de que o que nós praticamos, acreditamos ou sonhamos é profano. A oração abre nossos corações não somente perante a Deus, mas perante nós mesmos. Deus já sabe o que há dentro dos nossos corações; nós, geralmente, não.

5. Oramos para sermos conformados à Sua imagem:
Alguns disseram que o propósito da oração não é que nós possamos mudar Deus, mas que Deus possa nos mudar. E há tanta verdade nisso. Calvino disse que nós oramos no nome de Jesus para “para que nenhuma paixão e nenhum desejo sequer nos suba ao coração, com vergonha de tê-lo por testemunha, enquanto aprendemos a diante de seus olhos colocar todos os nossos desejos, e até mesmo a derramar todo nosso coração”. Na oração, nossos corações são conformados e moldados, nossas afeições são agitadas e nossas mentes são transformadas. A oração é a academia da retidão. Uma pessoa pode entrar como um aluno negligente e sair como um cadete.

6. Oramos para reconhecer nossa dependência nEle:
Não somos seres independentes. Como Paulo pregou no Areópago “nele vivemos, e nos movemos, e existimos”. Não somos e não podemos ser nada longe dele. A oração reconhece isso. Ursino comentou uma vez que “a oração é tão necessária para nós como é necessário para um pedinte o pedir esmolas”. Um pedinte é por definição aquele que pede esmolas. Somos pessoas, seres humanos, criados na Sua imagem; por definição, somos dependentes e devemos orar.

7. Oramos para receber dEle:
Tiago diz “se, porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e nada lhes impropera; e ser-lhe-á concedida” (Tg 1.5). Pedimos para receber. Jesus segue seu ensinamento do “Pai nosso” em Lucas 11 com a história do homem que é acordado por um amigo que deseja três pães. E Jesus diz “ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais o Pai celestial dará o Espírito Santo àqueles que lho pedirem?”. Isso acontece no contexto da oração do Pai nosso, que é repleta de pedidos para receber. De fato, oramos para receber. E temos um Pai celestial que ama dar. É Ele quem dá todas as boas dádivas. Se tudo de bom vem dele, então, em oração, nós corretamente buscamos e rogamos a Ele.

8. Oramos porque Deus escolheu usar meios:
Muitos dizem “por que orar se Deus já predestina todas as coisas? Por que orar pela conversão de alguém, por que orar para que Deus cure o meu corpo, por que orar para qualquer coisa?” Porque Deus escolheu usar meios. Ele usa a chuva para fazer a grama crescer. Ele usa o sol para iluminar o mundo. Ele usa nossas orações para alcançar os seus propósitos. Essa é uma das realidades mais maravilhosas e humildes no universo, mas é verdade. Deus escolhe usar a nós para concluir seus propósitos. Nossas orações podem ser o exato meio que ele utiliza para salvar nossas crianças, providenciar saúde para a pessoa na lista de oração ou manter a unidade na igreja local. Tiago diz “confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo”.

Não temos ideia do quanto nossas orações estão sendo eficazes para o bem do reino, da nossa igreja, de nossas famílias e de nossas pessoas. Francamente, ficaríamos impressionados se soubéssemos o quanto Deus  tornou nossas orações significativas, importantes e essenciais. É humilhante. E é terrivelmente empolgante.

9. Oramos para que Deus receba glória:
Quando o homem coxo é sarado em Atos 3 pela oração de Pedro, sua resposta é se levantar, saltar de alegria e louvar a Deus. Quando Deus responde as nossas orações, nós oferecemos louvor. Deus recebe glória enquanto os homens recebem dele e respondem corretamente. A oração é um presente de um Pai celestial que ama escutar seus filhos.

Existem inúmeras razões para orar. Sejamos pessoas de oração. Nunca um minuto de oração será um minuto desperdiçado ou lamentado.

JASON HELOPOULOS / Traduzido por Kimberly Anastacio | Reforma21

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Como é o Céu?

A Bíblia descreve o Céu como um lugar real. A palavra céu é mencionada 276 vezes apenas no Novo Testamento. As Escrituras se referem a três céus. O Apóstolo Paulo “foi arrebatado até ao terceiro céu”, mas foi proibido de revelar o que lá presenciou (2 Coríntios 12:1-9).

Se existe um terceiro céu, então também deve existir dois outros céus. O primeiro é geralmente chamado no Velho Testamento de firmamento, o qual aparece como um arco que cobre toda a terra. Esse é o céu que contém nuvens, a área onde os passarinhos voam. O secundo céu é o espaço interestelar, o qual é a residência de seres angélicos supernaturais e objetos celestiais (Gênesis 1:14-18).

O terceiro céu, cuja localidade não é revelada, é a residência do Deus Triúno. O plano de Deus é de encher o céu com os seguidores de Jesus Cristo. Não é de estranhar que a palavra céu é usada com o mesmo sentido que vida eterna! Jesus prometeu preparar um lugar para os Cristãos verdadeiros no céu (João 14:2).

Céu também é o destino dos santos do Velho Testamento que morreram confiando na promessa de Deus de um Redentor (Efésios 4:8). Aquele que crê em Cristo não vai perecer, mas vai ter vida eterna (João 3:16).

O Apóstolo João foi muito privilegiado em ver e relatar sobre a cidade celestial (Apocalipse 21:10-27). João viu que o céu possui a “glória de Deus” (Apocalipse 21:11). Essa é a glória do Shekinah, quer dizer, a presença de Deus.

Porque o céu não tem noite e o Senhor é a luz, o sol e a lua não serão mais necessários (Apocalipse 22:5).

A cidade é cheia do brilho de pedras preciosas e jaspes claros como os cristais. O céu tem 12 portas (Apocalipse 21:12) e 12 fundamentos (Apocalipse 21:14).

O paraíso do Jardim do Éden é restaurado: o rio da água da vida corre livremente e a árvore da vida está disponível novamente, dando fruto mensalmente com folhas que são para “a cura dos povos” (Apocalipse 22:1-2).

Por mais eloquente que João tenha sido em sua descrição do céu, a realidade do céu vai muito além do que um homem finito pode descrever (1 Coríntios 2:9). No entanto, podemos saber que o céu é mais real do que essa terra que um dia passará.

O Céu é um lugar de “não mais”. No Céu, não vai ter mais lágrimas, não mais dores e não mais sofrimento (Apocalipse 21:4). Não haverá mais separação porque a morte vai ser conquistada (Apocalipse 20:6).

A melhor coisa sobre o Céu é a presença do nosso Senhor e Salvador. Estaremos face a face com o Cordeiro de Deus que tanto nos amou e Se sacrificou para que pudéssemos gozar de Sua presença por toda a eternidade.

Fonte: GotQuestion

Por Litrazini

Graça e Paz

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

O manifesto de Nazaré

O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para pregar boas novas aos pobres. [Lucas 4.18]

Mateus e Marcos situam a visita de Jesus à sinagoga de Nazaré mais adiante em seu ministério. Lucas, no entanto, a coloca deliberadamente bem no início de seu ministério, porque ele a vê como um prenúncio profético da mensagem de Jesus e de sua rejeição por parte de seu próprio povo.

Jesus leu os dois primeiros versículos de Isaías 61 e imediatamente afirmou que Isaías estava se referindo a ele. “Hoje se cumpriu a Escritura que vocês acabaram de ouvir” (Lc 4.21). Ele era o Messias, o ungido, que havia sido designado para trazer libertação a quatro categorias de pessoas — aos pobres, aos cativos, aos cegos e aos oprimidos.

A questão crucial é se a condição desses grupos é espiritual ou sociopolítica. Há respostas diferentes. Alguns espiritualizam o evangelho, como se ele oferecesse somente salvação do pecado. Outros politizam o evangelho, como se ele oferecesse somente libertação da opressão. Nenhuma dessas posições, no entanto, é satisfatória, pois nenhuma das duas faz justiça ao texto.

Os que o espiritualizam se esquecem de que Jesus teve comunhão com os pobres, ao passo que os que o politizam se esquecem de que a palavra grega para liberdade (v. 18) pode também significar “perdão”.

A única maneira de resolver esse dilema é dizer que ambos estão corretos, uma vez que Jesus ensinou ambas as coisas. Os pobres no Antigo Testamento eram pessoas humildes, que clamavam a Deus por misericórdia, e pessoas oprimidas, que necessitavam ser libertas.

Além disso, “o evangelho vem como boas novas para ambos. Os espiritualmente pobres, que… se humilham diante de Deus, recebem pela fé o dom gratuito da salvação… Os materialmente pobres e sem forças encontram, além da nova dignidade como filhos de Deus, o amor de irmãos e irmãs, que lutarão para a sua libertação de tudo que os rebaixa e oprime”.

O que é verdadeiro acerca dos pobres (tanto material quanto espiritualmente) é também verdadeiro sobre os cativos, os cegos e os oprimidos. O evangelho é boa nova para eles também em ambos os sentidos.

Então, pela virtude do Espírito, voltou Jesus para a Galiléia, e a sua fama correu por todas as terras em derredor. E ensinava nas suas sinagogas, e por todos era louvado. E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler. E foi-lhe dado o livro do profeta Isaías; e, quando abriu o livro, achou o lugar em que estava escrito: O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados de coração, A pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do Senhor. E, cerrando o livro, e tornando-o a dar ao ministro, assentou-se; e os olhos de todos na sinagoga estavam fitos nele. Então começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu esta Escritura em vossos ouvidos. Lucas 4.14-21

Retirado de A Bíblia Toda, o Ano Todo  [John Stott]. Editora Ultimato.

Por Litrazini


Graça e Paz

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

E depois, senhor?

Um homem de negócios americano, no ancoradouro de uma aldeia da costa mexicana, observou um pequeno barco de pesca que atracava naquele momento, trazendo um único pescador. No barco, vários grandes atuns de barbatana amarela. O americano deu parabéns ao pescador pela qualidade dos peixes e lhe perguntou quanto tempo levara para pescá-los.
- "Pouco tempo", respondeu o mexicano.

Em seguida, o americano perguntou por que ele não permanecia no mar mais tempo, o que lhe teria permitido uma pesca mais abundante. O mexicano respondeu que tinha o bastante para atender as necessidades imediatas de sua família. O americano voltou à carga:

- "Mas o que é que você faz com o resto de seu tempo”?

O mexicano respondeu:

- "Durmo até tarde, pesco um pouco, brinco com os meus filhos, tiro a sesta com minha mulher, Maria, vou todas as noites à aldeia, bebo um pouco de vinho e toco violão com meus amigos. Levo uma vida cheia e ocupada, senhor".

O americano assumiu um ar de pouco caso e disse:

- "Eu sou formado em Administração de empresas em Harvard, e poderia ajudá-lo. Você deveria passar mais tempo pescando e, com o lucro, comprar um barco maior. Com a renda produzida pelo novo barco, poderia comprar vários outros. No fim, teria uma frota de barcos pesqueiros. Em vez de vender pescado a um intermediário, venderia diretamente à uma indústria processadora e, no fim, poderia ter sua própria indústria. Poderia controlar o produto, o processamento e a distribuição. Precisaria deixar esta pequena aldeia costeira de pescadores e mudar-se para a Cidade do México, em seguida para Los Angeles e, finalmente, para Nova York, de onde dirigiria sua empresa em expansão".

- "Mas senhor, quanto tempo isso levaria?" - perguntou o pescador.

- "15 ou 20 anos" - respondeu o americano.
- "E depois, senhor?"

O americano riu, e disse que essa seria a melhor parte.

- "Quando chegar a ocasião certa, você poderá abrir o capital de sua empresa ao público e ficar muito rico. Ganharia milhões".
- "Milhões, senhor? E depois?"
“Iria à aldeia todas as noites, onde poderia tomar vinho e tocar violão com os amigos...”

(Autor desconhecido)

[A ansiedade pela riqueza subtrai as coisas boas da vida. O pior: tira a paz com Deus. Jesus disse: Não andeis ansiosos por coisa alguma. Não se trata de um estímulo à ociosidade, mas à fé no Criador. )

Por Litrazini

Graça e Paz

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Você É Moradia de Deus?

Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? (1Co.6.19)

Não são poucas as vezes que muitos de nós repetimos estas frases, “quem manda em mim sou eu”, “a vida é minha, faço o que eu quero”, “eu sou meu dono”, mais será que isso é verdade? Se usarmos nossas mentes cuidadosamente para analisar este versículo concluiremos que, estamos redondamente enganados. Se uma vez em nossa historia erguemos a nossa mão ou fizemos um ato de fé dizendo que aceitamos Jesus como Senhor das nossas vidas, então todo esse pensamento perde o efeito.

Quando digo que alguém é meu Senhor, estou dando esta pessoa à autonomia de utilizar-me como queria, ou melhor, estou passando poderes para que Este venha fazer uso de mim como Ele achar melhor, eu simplesmente torno-me seu servo, e servo é para servir, ser útil, obedecer às ordenanças, cumprir seu legado, então como que eu posso dizer que sou dono de mim, se um dia já nomeei Jesus como meu Senhor?

Algo então está errado, ou meu comprometimento com ele foi uma mera emoção ou então, eu não tenho noção daquilo que empenhei, porque a partir do instante que deleguei a Jesus meu Senhorio, eu me fiz coadjuvante Dele, só posso ir onde Ele me ordenar, só poderei falar o que Ele me outorgar, eu passei a ser, seu porta-voz, onde eu estiver Ele, tem que ser notado em mim, pois passei a ser seu representante legal, por onde eu for, tudo que eu venha dizer, tem que estar condizente com a vontade Dele.

Se, tenho consciência, e se, de fato ratifiquei que minha vida é de Deus, isto ficou registrado no livro de Deus, Tu contas as minhas vagueações; põe as minhas lágrimas no teu odre. Não estão elas no teu livro? Salmos 56.8, eu declarei diante dos homens, dos anjos e de Deus, que daquele momento em diante eu iria submeter-me a fazer o que Ele ordenar. Já não vivo mais eu, então tudo que outrora eu fiz, já não devo mais fazer, só poderei fazer algo se o meu Senhor permitir. Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a pela fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim.  (Gl. 2.20).

Já não tenho mais nenhum direito sobre minha vida, sobre minha família, sobre meus negócios, tudo passou a ser regido debaixo da autonomia de Deus, será Ele quem dirá o que posso e o que não posso fazer. Já não nos convém andarmos erroneamente, pois, deixamos de ser bastardos para sermos co herdeiros pela promessa da fé, A saber, que os gentios são co herdeiros, e de um mesmo corpo, e participantes da promessa em Cristo pelo evangelho; (Ef.3.6), logicamente o nosso viver passou a ser como uma correspondente oriunda do Céu, onde Deus falara para com a humanidade através das nossas vidas, Porque já é manifesto que vós sois a carta de Cristo, ministrada por nós, e escrita, não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do coração. (2Co.3.3).

Devemos estar adequados dentro do patamar de Deus, então, o nosso coração ira fazer transbordar através dos nossos lábios as palavras que produz vida eterna, e, todos que nos ouvirem sentirão sede de Deus. Não podemos mais fazer de nosso corpo aquilo que queremos, não temos mais domínio sobre nós, mais o Espirito Santo que passou a viver em nos será o condutor das nossas vidas, dos nossos atos. Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? (1Co.3.16).

Porém se vivemos desordenadamente ao nosso bel prazer, nos deleites deste mundo, não há como sermos a morada de Deus, se houver em nos, coisas impuras, adultério, fornicação, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus. (Gl. 5.19-21), o templo do Senhor está sujo, certamente Ele não está lá dentro, todas essas coisas nos levam para distante de Deus. Com Deus não há meio termo, ou somos Dele ou não, Ele não aceita paliativos.


Se as nossas vidas não condiz com o que diz as escrituras precisamos restaurar o altar de Deus que é o nosso coração, atrair sua presença para o santuário que somos nós, Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão. (Gl. 5:1).

Se formos uma vez lavados pelo sangue de Cristo, não podemos voltar a rudimentos do pecado, se há em nos qualquer aparência do mal, certamente falta a presença de Deus. Para sabermos se de fato Deus habita em nós, basta analisarmos como anda a nossa vida, o que estamos produzindo, Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. (Gl.5.22)
.
Agora, responda-me: O Espirito de Deus habita em você? Se a palavra Santo quer dizer separado, e, se acaso sua vida estiver contaminada, Ele pode habitar em você? Pode por acaso andam juntos à luz e as trevas?
Se dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos em trevas, mentimos, e não praticamos a verdade. (1Jo.1.6), dois corpos podem ocupar o mesmo espaços? Infelizmente, muitos Cristãos têm sido roubados espiritualmente por não atentar para a palavra de Deus, por mais doloroso que pareça ser dizer isto; mais a verdade é que, se concordamos com as coisas deste mundo, estamos afastados de Deus.

Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? (2Co.6.14), Jugo é uma peça de madeira pesada que encaixa-se por cima do pescoço de dois animais e é ligada a um arado, significando submissão e escravidão; então aquele que um dia teve um encontro com Jesus não pode voltar a está debaixo de opressão das trevas, mesmo estando dentro de templo e cantando louvores, dizendo ser cristão.

Se acaso, fazermos parceira com qualquer coisa que não seja de Deus, estamos sendo engodados pelo abismo, porque a palavra nos diz que não podemos nos aliar, compactuar com nada que inspire escuridão, e tudo que há neste mundo está debaixo do jugo da escravidão das trevas. Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno. (1João 5.19).

Pra Elza Carvalho

Por Litrazini


Graça e Paz