quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

A Bíblia é uma carta de amor de Deus?

Já ouvi algumas vezes dizerem que a Bíblia é uma carta de amor de Deus para nós.

Por mais que eu entenda o sentimento por trás dessa afirmação, não penso que ela seja particularmente correta. Aqui está o porquê.

Uma carta de amor é escrita por um rapaz (ou uma garota) que está apaixonado. Ele não se satisfaz com o que tem: ele não a vê o suficiente, ele não pensa nela o suficiente, ele não diz coisas maravilhosas sobre ela o suficiente. Seu amor transborda de seu coração no papel. Ele precisa dizer à garota como ele se sente, precisa expressar seu intenso amor e afeição que estão ameaçando tomar conta completamente de seu ser.

A carta de amor é o rapaz dizendo à garota o quão sublime, fantástica e maravilhosa ela é.

A carta de amor é completamente sobre a garota.

A Bíblia não é uma carta de amor.

A Bíblia nos fala do imenso amor de Deus por nós?

É claro. Mas a Bíblia não fala primariamente sobre nós, a Bíblia fala primariamente sobre Deus.

A Bíblia não é um relato subjetivo dos sentimentos de Deus por nós; é um relato objetivo do divino, glorioso e magnífico plano de redenção orquestrado por Deus.

A Bíblia não existe para que eu me sinta bem comigo mesmo. A Bíblia existe para estimular nossas afeições pelo nosso glorioso Deus.

Deus não está impressionado conosco, ele está impressionado consigo mesmo.

A Bíblia não é Deus nos dizendo o quão maravilhosos nós somos; a Bíblia é Deus nos dizendo o quão maravilhoso ele é.

Talvez devêssemos parar de chamar a Bíblia de carta de amor de Deus.

STEPHEN ALTROGGE / Traduzido por Filipe Schulz | Reforma21.org

Por Litrazini


Graça e Paz