sexta-feira, 10 de outubro de 2014

PRATICANDO A PALAVRA DE DEUS

Sejam praticantes da palavra, e não apenas ouvintes, enganando-se a si mesmos. [Tiago 1.22]

Logo no primeiro capítulo da carta de Tiago somos impactados por três advertências contra o engano (v. 16, 22, 26). O antídoto de Tiago contra o engano é a Palavra de Deus ou “palavra da verdade” (v. 18), isto é, a revelação que Deus nos deu em Cristo e através do testemunho bíblico acerca de Cristo.

Se prestarmos atenção à Palavra de Deus evitaremos a tragédia de sermos enganados. NOSSA RESPOSTA À PALAVRA DEVE SE DAR EM DUAS ETAPAS.

PRIMEIRO, OUVIR ATENTAMENTE O QUE A PALAVRA ESTÁ DIZENDO. “SEJAM TODOS PRONTOS PARA OUVIR, TARDIOS PARA FALAR” (v. 19).
Nossa tendência natural em todas as situações é responder precipitadamente. Expressamos de imediato nossa opinião, esquecendo-nos de que “a boca dos tolos derrama insensatez” (Pv 15.2).

Quase sempre, a última coisa que fazemos (e que deveria ser a primeira) é fechar a boca e escutar. É melhor escutar do que falar — este certamente é um princípio geral de ampla aplicação.

Ouvir com atenção é a chave para um relacionamento harmonioso, e isso ainda é mais verdadeiro quando se trata do nosso relacionamento com Deus, pois ele nos exorta a ouvirmos a sua voz. Às vezes, porém, ouvimos apenas aquilo que queremos ouvir das Escrituras — os ruídos que ecoam dos nossos preconceitos culturais — e não percebemos o trovejar de sua Palavra desafiando-nos a ouvi-la.

SEGUNDO, AGIR DE ACORDO COM A PALAVRA DE DEUS.
A metáfora do espelho empregada por Tiago é bastante reveladora (v. 22-23), pois o espelho nos transmite duas informações: ele nos diz como somos e, ao mesmo tempo, como devemos ser. O espelho diz: “Você está com uma mancha de lama no lado direito do rosto”, mas além de revelar a sujeira em meu rosto, ele também me diz que é melhor retirá-la. Sempre que nos olhamos no espelho devemos agir de acordo com aquilo que vemos.

Semelhantemente, se contemplarmos atentamente o espelho da Palavra de Deus, ela nos dirá não somente como somos, mas também como devemos ser.

A Palavra de Deus deve ser ouvida, aceita e obedecida. Enquanto isso não acontece, não há verdadeiro discipulado.

Não erreis, meus amados irmãos. Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação. Segundo a sua vontade, ele nos gerou ela palavra da verdade, para que fôssemos como primícias das suas criaturas. Portanto, meus amados irmãos, todo o homem seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar. Porque a ira do homem não opera a justiça de Deus.

Por isso, rejeitando toda a imundícia e superfluidade de malícia, recebei com mansidão a palavra em vós enxertada, a qual pode salvar as vossas almas. E sede cumpridores da palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos. Porque, se alguém é ouvinte da palavra, e não cumpridor, é semelhante ao homem que contempla ao espelho o seu rosto natural; Porque se contempla a si mesmo, e vai-se, e logo se esquece de como era.

Aquele, porém, que atenta bem para a lei perfeita da liberdade, e nisso persevera, não sendo ouvinte esquecediço, mas fazedor da obra, este tal será bem-aventurado no seu feito. Se alguém entre vós cuida ser religioso, e não refreia a sua língua, antes engana o seu coração, a religião desse é vã. A religião pura e imaculada para com Deus e Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo. (Tiago 1.16-27)

Retirado de A Bíblia Toda, o Ano Todo [John Stott]. Editora Ultimato


Por Litrazini


Graça e Paz