quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

DOM DE DISCERNIMENTO DE ESPÍRITOS

É um dom do Espírito Santo para conhecermos a verdade e o erro.

Tratando-se de um dom, o discernimento dos espíritos, I Coríntios 12:10, só pode ser discernido pelo Espírito Santo. Muitos têm-se deixado enganar por falsas profecias e por ensino de demônios. Precisamos pois estar atentos ao que ouvimos, vemos,tocamos, provamos ou saboreamos e até cheiramos.

Na Carta aos Coríntios, nos é recomendado buscarmos os dons espirituais a fim de que possamos cooperar para o Bem, e não nos deixarmos enganar pela dissimulação de espíritos enganadores, que muito têm perturbado  os desatentos, deixando-se envolver por falsas profecias e enganos quanto à sã doutrina. Procuramos pois tecer-vos os ensinamentos acerca deste dom do “discernimento de espíritos”, como segue:

“Quem tem ouvidos para ouvir que ouça”. Esta recomendação deverá ser compreendida de que ouvimos muitas vozes, mas é preciso escutarmos aquilo que o Espírito Santo nos fala ao coração. São muitas as palavras persuasivas de homens fraudulentos, pregadores de mentiras e de falsas profecias, que nos procuram enganar. O que ouvimos deverá sempre ser entendido pelo coração, que é a nossa consciência, porque com ele é que acreditamos, ou não. Um coração puro é sensível à verdade e um coração inconstante é sujeito ao erro.

Lembro-me de muitas profecias de homens, popularmente famosos, a quem nunca escutei. Um dos erros consiste em misturar certas verdades com mentiras. Procuram camuflar os erros com certas verdades, mas quem conhece Jesus, sabe que a verdade nunca poderá ser poluída com o erro.

A visão é um dos sentidos do homem natural, e com ela vemos apenas o que é aparente.  Certamente que o leitor está recordado de que Deus não vê pela aparência, porque Ele sonda os corações. A cosmética é uma “arte de disfarce”, e não poucos têm sido enganados  por ela.  O paladar é um outro dos sentidos que precisamos cuidar no discernimento dos espíritos. Jesus ensinou-nos de que o sal tem a função de dar sabor, mas se ele se tornar insípido, para nada mais serve.

Nunca se esqueça de que a boca fala do que está no coração, e que a boa e agradável Palavra de Deus, é sempre temperada com a virtude. Um outro dos sentidos naturais é o tacto.  Também o homem espiritual reconhece o espírito da verdade e do erro, pelo tacto. Jesus revelou-se a Tomé pelo tacto, satisfazendo-lhe a maneira como O desejou conhecer.  Finalmente o olfacto é também um sentido espiritual pelo qual “cheiramos a Cristo”. Há pessoas que não cheiram a  ovelha, mas a cabrito.

Nunca devemos cultivar um espírito crítico, e julgar o próximo, como se por um processo de psicanálise se tratasse. O que acima referimos serve somente para despertar espiritualmente os nossos sentidos, e estarmos cientes de que só as ovelhas do Senhor conhecem a Sua voz e O seguem, e não a estranhos. João 10.

Amílcar e Isabel Rodrigues

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz