segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

DESEJO REALIZADO

Ele realiza os desejos daqueles que o temem. (Sl 145.19.)

O ser humano é dotado de desejo. Deus o fez assim. Ele tem vontade de comer, vontade de beber, vontade de trabalhar, vontade de descansar, vontade de amar, vontade de adorar. Foi só depois da queda que apareceram os tais desejos pecaminosos.

Porém, mesmo agora, nem todo desejo é mal. Há desejos infantis, desejos inocentes, desejos nobres. Como o desejo de Davi de beber água conquanto que fosse do poço de Belém (2 Sm 23.15) e o desejo de Jesus de comer a Páscoa com os discípulos antes de sofrer (Lc 22.15).

O desejo realizado produz a saudável sensação de realização, que, por sua vez, gera maturidade e segurança emocional.

É preciso saber julgar cada desejo e ter a coragem de abrir mão daquele que está manchado pelo pecado.

Uma das virtudes de Deus salientadas pelo salmista é que “Ele realiza os desejos daqueles que o temem” (Sl 145.19).

Parece incrível, mas é verdade: Deus abre a sua mão e satisfaz os desejos de seu povo (Sl 145.16). Esse princípio é reforçado pelo profeta Isaías: “Desde os tempos antigos ninguém ouviu, nenhum ouvido percebeu, e olho nenhum viu outro Deus, além de ti, que trabalha para aqueles que nele esperam” (Is 64.4).

Se num poema o salmista trata do assunto de modo genérico (“Ele satisfaz os desejos daqueles que o temem”), noutro o salmista se refere a ele mesmo: “O rei se alegra na tua força, ó Senhor! Como é grande a sua exultação pelas vitórias que lhe dás! Tu lhe concedeste o desejo do seu coração e não lhe rejeitaste o pedido dos seus lábios” (Sl 21.1,2).

Cirurgicamente separado do pecado, do egoísmo, da autopromoção e do esbanjamento, o desejo que sobrar pode e deve ser levado a Deus em oração para que Ele o satisfaça.

Retirado de Refeições Diárias com os Salmos. Editora Ultimato.

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz