sábado, 28 de fevereiro de 2015

PROFECIAS DADAS POR JESUS SOBRE A SUA VOLTA

A profecia mais clara sobre o fim dos tempos é esta, porém poucos entendem o seu significado.

“Aprendam com a parábola da figueira: quando seus ramos se renovam e suas folhas começam a brotar, vocês sabem que o verão está próximo. Assim também, quando virem todas estas coisas, saibam que ele está próximo, às portas. (Mateus 24:32-33)

Nosso Rabi nos orientou a aprender com a parábola da figueira, pois ela nos mostraria quando o tempo do fim estaria próximo. Mas o que nos fala de tão importante assim esta parábola? vejamos:

“E passou a narrar esta parábola: Certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha; e indo procurar fruto nela, e não o achou. Disse então ao viticultor: Eis que há três anos venho procurar fruto nesta figueira, e não o acho; corta-a; para que ocupa ela ainda a terra inutilmente? Respondeu-lhe ele: Senhor, deixa-a este ano ainda, até que eu cave em derredor, e lhe deite estrume; e se no futuro der fruto, bem; mas, se não, cortá-la-ás.” (Lucas 13:6-9)

Note que o homem que procurava fruto na figueira, já o fazia há TRÊS ANOS, ou seja, o tempo que durou o ministério de Jesus, e a figueira é Israel, que é o local onde o ungido veio para resgatar seu povo pra Deus. Inicialmente ele não foi aceito pelo povo de Deus (Pela maioria, pois muitos judeus creram nele como vemos nos textos), por isso o próprio Deus, arrancaria fora a figueira, porém, no final, este o viticultor convence o homem a esperar que após a terra fosse devidamente adubada(a palavra pregada), e se desse fruto no futuro, bem, se não, a cortaria.

Perceba que Jesus fala que quando os ramos da figueira (Israel) se renovarem, e suas folhas novamente brotarem, saberemos que o fim estaria próximo, e que o filho do homem estaria ás portas.

Para entendermos vejamos esta profecia do próprio Messias:
“Quando virem Jerusalém rodeada de exércitos, vocês saberão que a sua devastação está próxima. Então os que estiverem na Judéia fujam para os montes, os que estiverem na cidade saiam, e os que estiverem no campo não entrem na cidade. Pois esses são os dias da vingança, em cumprimento de tudo o que foi escrito. Como serão terríveis aqueles dias para as grávidas e para as que estiverem amamentando! Haverá grande aflição na terra e ira contra este povo. Cairão pela espada e serão levados como prisioneiros para todas as nações. Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos deles se cumpram. (Lucas 21:20-24)

Note agora como estão mais claras as ligações com a figueira, a profecia acima citada se cumpriu no ano 70dc, quando o exército romano destruiu jerusalém e matou milhões de judeus por se rebelarem contra o império, após isso o povo judeu foi espalhado pra diversas partes do mundo, sendo massacrados na Alemanha por Hitler e em outros países.

Em 1948, foi declarado o Estado de Israel, e desde então os Judeus puderam voltar a sua terra, a um país naturalmente judaico. Assim sendo, tem aumentado o seguimento judaico chamado de “messiânico” e outros semelhantes seguimentos judaicos em Israel e no mundo, que acreditam que Yeshua é o verdadeiro messias de Israel, assim sendo a figueira está florescendo, e seus ramos dando frutos, e o próprio messias disse que viria quando isso acontecesse em outra profecia:

“Jerusalém, Jerusalém, você, que mata os profetas e apedreja os que lhe são enviados! Quantas vezes eu quis reunir os seus filhos, como a galinha reúne os seus pintinhos debaixo das suas asas, mas vocês não quiseram. Eis que a casa de vocês ficará deserta. Pois eu lhes digo que vocês não me verão desde agora, até que digam: ‘Bendito é o que vem em nome do Senhor’” (Baruk raba beshen Adonai). (Mateus 23:37-39)

A figueira floresceu!! Israel é o relógio da humanidade! e o filho do homem está às portas!!!

” Aprendam com a parábola da figueira!”

Raimundo Padilha
           
Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

ENTENDENDO A ORAÇÃO

A personalidade dos indivíduos é formada nos primeiros anos de vida. E a família exerce uma grande influência nessa formação. Até mesmo a nossa abordagem à oração é influenciada pela imagem que temos dos nossos pais.

Uma pessoa pode ter sido emocionalmente manipulada por um dos pais contra o outro, ter sido mimada ou ter recebido o sentimento de ser um tanto “diferente” das outras pessoas.

Há muitas maneiras pelas quais nossas emoções podem ser distorcidas, impedindo-nos de ver a vida com clareza. Essas influências afetam a nossa atitude diante da oração porque oração antes de tudo é relacionamento. Por causa disso, precisamos passar por um longo processo de retificação de nossas atitudes danificadas.

Muitos têm a impressão de que a oração é apenas um outro “algo” que fazemos, sendo tratada da mesma maneira como são tratadas as demais atividades do dia-a-dia. Quando isso ocorre, a oração torna-se uma finalidade em si mesma, e perdemos de vista o relacionamento que queríamos ter com Deus.

A ideia de oração como uma técnica que realizamos desmorona-se quando examinamos certas orações na Bíblia. Em uma das parábolas, Jesus contou a história de dois homens que foram orar no templo. Um deles, fariseu, era bem versado na linguagem religiosa e no ritual, mas seu coração estava afastado de Deus. O outro homem era um cobrador de impostos muito desprezado, sem qualquer sofisticação religiosa, mas dotado de um forte sentimento de sua própria culpa diante de Deus. Este simplesmente murmurava: “Deus, tem misericórdia de mim, pecador”. Jesus disse, entretanto: “Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele” (Lucas 18.14). 

Fica claro, pois, que a oração é mais uma postura e atitude diante de Deus do que uma maneira certa de fazer ou de dizer as coisas.

Hábitos são importantes na edificação do caráter. Mas quando se tornam impensados e automáticos, podem exercer um efeito amortecedor sobre nossas vidas. A verdadeira comunicação com Deus envolve mais do que proferir palavras. Envolve dar e receber de ambas as partes, para que elas se sintonizem uma à outra. Aqueles que são insensíveis para com a necessidade de sintonia com outras pessoas são chamados de “tagarelas” – sem se importar com quem estão falando, estão simplesmente falando. E por causa da insensibilidade com o próximo, nenhuma comunicação verdadeira tem lugar. A verdadeira oração trabalha exatamente da mesma maneira.

É alarmantemente fácil para a oração tornar-se uma espécie de artifício “mágico”, usado para obtermos aquilo que desejamos. Mas ainda que as pessoas que oram assim estejam sendo sinceras, será que essa é uma maneira de se conhecer a Deus mais intimamente?

No Ocidente, saúde e riquezas são obsessões modernas. Outra tendência, portanto, é supor que Deus quer que tenhamos esses bens. Julgamos ter todo o direito de pedir por eles, e assim a oração é introduzida para fazer a “mágica” atuar em nosso favor.

A “mágica” também entra quando as pessoas usam a oração para evitarem suas responsabilidades. Uma pessoa pede à outra uma verdadeira ajuda, mas a resposta que ela obtém é algo como: “Bem, terei de orar a respeito disso”. A resposta soa impressionante, mas pode mascarar um certo número de abusos em oração. Estarei simplesmente evitando algo que eu não quero fazer?

A ORAÇÃO NÃO É COMO SIMPATIA, AMULETO, PALAVRA OU FÓRMULA MÁGICA. ELA É FRUTO DO RELACIONAMENTO COM DEUS; É O RESULTADO DA INTIMIDADE DE DUAS PESSOAS: VOCÊ E DEUS !

Em Mateus 4.1-11, Jesus está no deserto jejuando e orando por quarenta dias antes do início do seu ministério se tornar público e famoso. O Espírito o levou ali para ser tentado, e isto nos leva a pensar que só podemos vencer a tentação e qualquer provação através da oração. Vigilância e oração nos manterão ligados ao Deus que tudo pode, produzindo intimidade com ele, resultando em vitória sobre a tentação e aprovação nas provas – (Mt. 26.41).

A palavra de Deus nos mostra, em diferentes passagens, o poder da oração. Além da sua importância como instrumento de contato entre nós e Deus, a oração é também uma arma do cristão na guerra espiritual.

Em II Crônicas vemos um exemplo de resposta de oração. Salomão havia, no capítulo 6, pedido ao Senhor que viesse ao templo que ele construíra, trazendo sua glória. A resposta a essa oração está no capítulo 7. O verso um diz: “Tendo Salomão acabado de orar… a glória do Senhor encheu a casa”. O resultado disso foi que todos adoraram a Deus, como vemos no verso três. A manifestação da glória de Deus gera adoração e louvor. Salomão sabia que não havia espaço físico que pudesse conter a glória de Deus. Hoje essa glória se manifesta em nossas vidas, devemos gerar adoração e louvor.                                  .
Deus deseja que a nossa vida seja um lugar de adoração, um lugar onde Sua glória se manifeste. A glória do Senhor se manifesta apenas onde há oração. Sua vida tem sido uma vida de oração?

A oração é uma arma espiritual. Porém quando pecamos precisamos primeiro nos arrepender, cair em si, como o Filho Pródigo, isso em oração, e depois agir. Deus está buscando dois tipos de pessoas : adoradores  ( João 4:23 ) e intercessores ( Ezequiel 22:30 ). Fomos criados para adorar porém agora temos também que interceder por causa do pecado.

Tiago nos diz que a oração do justo pode muito em seus efeitos. Nossa oração move o coração de Deus. O Senhor fala que se orarmos e nos convertermos de nossos maus caminhos ele ouvirá as nossas preces. Use essa arma poderosa que Deus colocou em nossas mãos. Faça da sua vida uma vida de oração e adoração a Deus.

Pr. Luzimani Abdias e Luzia Nunes

Por Litrazini


Graça e Paz

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

MÉTODOS DE TREINAMENTO DE DEUS

Então disse José a seus irmãos: “Eu sou José! Meu pai ainda está vivo?” Mas os seus irmãos ficaram tão pasmados diante dele que não conseguiam responder-lhe. [Gênesis 45.3]

O clímax emocional da história de José foi essa revelação súbita aos seus irmãos. Eles haviam pensado que José era um tirano horrível e aterrorizante, pois ele os havia tratado como estranhos e os deixou morrendo de medo.

Apesar de ele ter dado muitos indícios, eles não podiam imaginar que houvesse qualquer bondade oculta sob a sua aparência hostil. Mas, depois, ele se revelou diretamente. Sem usar intérprete, ele disse: “Eu sou José!”

Essa história é um exemplo bonito de como Deus trata o seu povo fiel. Algumas vezes ele nos pune e age como se não fosse nosso Deus e Pai. Algumas vezes ele até parece ser um tirano ou um juiz severo, que quer nos torturar ou até mesmo nos destruir.

Mas, no tempo certo – quando ele estiver pronto –, nos dirá: “Eu sou o Senhor, seu Deus. Até agora eu o tratei como se eu quisesse rejeitá-lo ou mandá-lo para o inferno, mas é apenas um exercício que utilizo para treinar o meu povo. Eu nunca teria treinado você dessa forma se não o amasse do fundo do meu coração”.

Nessa história bíblica, Deus nos mostra os métodos de treinamento que ele usa com o seu povo.

Isso deve nos confortar. Devemos nos acostumar com o modo como Deus nos prova e nos instrui.

Também devemos nos humilhar, para que o mal horrível, chamado pecado original, possa ser contido.

Deus não quer nos condenar nem nos rejeitar, mesmo quando nosso sofrimento e punição quase nos destroem e nos matam.

Ao contrário, ele deseja nos livrar do pecado que está grudado em nós. Somente então entenderemos o que significa quando Deus diz: “O Senhor mata e preserva a vida; ele faz descer à sepultura e dela resgata” (1Sm 2.6).

Retirado de Somente a Fé – Um Ano com Lutero. Editora Ultimato.

Por Litrazini

Graça e Paz


quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

O GRANDE RISCO EM ESCOLHER UMA PORTA ERRADA

A salvação da alma, como tudo o mais em nossa vida, possui também a sua porta de entrada. Esta porta é única, eterna e insubstituível.

Corremos portanto, um sério risco em nos darmos por satisfeitos com alguma porta religiosa, filosófica, ou qualquer outra que tenhamos escolhido como porta para a nossa salvação, e no fim da nossa vida, quando esta for aberta, não nos conduzir para o céu, para o nirvana, ou para outras condições agradáveis em relação ao destino eterno do nosso espírito, uma vez que este tiver deixado o nosso corpo pela morte.

Ora, é bem patente que se fosse deixado por Deus, que por nossa própria escolha, viéssemos a adotar o modo de vida ou pensamento que nos conduzirá ao céu, é bem certo que todos nós nos perderíamos, porque, afinal, Deus é espírito invisível, e seus caminhos não são os nossos caminhos e nem os seus pensamentos os nossos pensamentos.

Se no próprio mundo físico em que vivemos e apalpamos pelo nosso tato, e vemos com os nossos olhos, muitas coisas permanecem encobertas ao nosso conhecimento e entendimento, quanto mais isto não é verdadeiro de modo absoluto quanto ao que se refere ao mundo espiritual, celestial e invisível.

Por isso, Deus, em Sua infinita bondade e misericórdia para conosco, não nos deixou sem a sua ajuda e direção para nos levar à porta que se abre para o cominho da salvação, do céu, da vida eterna.

Ele não somente nos deu o Senhor Jesus Cristo para morrer no nosso lugar, pagando o preço exigido pela Sua justiça quanto aos nossos pecados, como também nos atrai para Ele, revelando a Sua pessoa divina, para que pelo poder da Sua graça, possa não somente desvendar os nossos olhos para o mundo espiritual verdadeiramente santo e celestial, como também operar a transformação de nossas vidas, segundo o caráter e virtudes que foram por Ele descritas na Sua Palavra que foi revelada a nós para confirmar o Seu propósito eterno relativo ao modo da nossa salvação.

Assim, as Escrituras não contêm apenas mandamentos de Deus, mas também descrevem as características que passam a existir nas vidas dos que são salvos, pela Sua graça e mediante o arrependimento e fé em Jesus.

Elas, portanto, confirmam se estamos ou não entrando pela única porta e caminho que conduz à salvação, a saber, a pessoa do próprio Senhor Jesus Cristo, que passa a viver em nós em espírito.

É sobretudo neste sentido que Jesus afirma que não fomos nós que o escolhemos, mas Ele que nos escolheu. Não meramente num sentido eletivo, mas revelador, diretivo, instrutivo, operativo, porque se não fosse pelo Seu trabalho de nos trazer para a porta e caminho da salvação, jamais conheceríamos aquela vida espiritual, celestial e divina, que é comum a todos que dela têm participado pela fé nEle.

Então, não é pela escolha que faço de uma determinada filosofia de vida ou de religião, que posso estar seguro de ir para o céu, ou de estar vivendo do modo que seja agradável a Deus.

Não nos foi dado por Deus escolher o modo de vida que me conduzirá à Sua presença, em espírito, pois este caminho já foi estabelecido por Ele desde antes da fundação do mundo, e não há outros caminhos que possam conduzir ao mesmo objetivo.

Posso orar, louvar, ler a Bíblia, ser caridoso, frequentar os cultos de uma igreja, e ainda assim estar fora do caminho, porque posso fazer tudo isto sem ter tido um encontro pessoal com Cristo, e por conseguinte, não ter sido regenerado e santificado pelo Espírito Santo, que é quem testifica com o nosso espírito que fomos tornados filhos de Deus pela nossa comunhão com Jesus Cristo.

João 15:16 - Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda.

João 15:19 -  Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; como, todavia, não sois do mundo, pelo contrário, dele vos escolhi, por isso, o mundo vos odeia.

Pr. Silvio Dutra

Por Litrazini

Graça e Paz

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

O SEGREDO: TEMOR DO SENHOR!

Temer ao Senhor não é ter medo d´Ele. Deus é pai. Quando você vai mergulhando no coração paterno de Deus, você vai compreendendo o Seu amor, o Seu carinho.

Temor não é ter medo de Deus, é ter respeito, reverência, é aquela paixão amorosa, aquele respeito que extravasa de maneira tão grande.  Está escrito no Salmo 34:11: “Vinde, filhos, e escutai-me; eu vos ensinarei o temor do Senhor.”

O temor do Senhor precisa ser aprendido, precisa ser vivenciado. O versículo 7 deste mesmo Salmo diz: “O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem e os livra.” A falta é um sintoma de que alguma coisa está errada em nossa vida.

No mundo espiritual, a falta é um sintoma de que alguma coisa na nossa vida espiritual não está indo bem. O Salmo 23 começa dizendo: “O Senhor é o meu pastor; nada me faltará.” Se está havendo falta, alguma coisa não está funcionando corretamente.

O Salmo 34:9-10 completa, dizendo: “Temei o Senhor, vós os seus santos, pois nada falta aos que o temem. Os leõezinhos sofrem necessidade e passam fome, porém aos que buscam ao Senhor bem nenhum lhes faltará.” Deus não deixa faltar nada. Tudo que vem d´Ele é grande, é abundante. N´Ele há abundância de alegria.

Deus podia ter feito o mundo de uma só cor, mas ele é abundante nas cores. Podia ter feito todas as pessoas iguais, mas não as fez. Somos todos parecidos, mas não iguais. Somos diferentes. Deus é criativo. Veja o que está escrito em Provérbios 15:16: “Melhor é o pouco com o temor do Senhor, do que um grande tesouro, e com ele a inquietação.”

Quando você mergulha no temor do Senhor, começa a compreender que o temor do Senhor é o princípio para sua vida. “O temor do Senhor é o princípio da sabedoria; revelam prudência todos os que o praticam. O seu louvor permanece para sempre.” (Salmo 111:10.) O princípio para a vida que você tem sonhado flui pelo temor do Senhor.

Uma definição do que é o temor do Senhor está em Provérbios 8:13: “O temor do Senhor consiste em aborrecer o mal; a soberba, a arrogância, o mau caminho e a boca perversa, eu os aborreço.”

“Aleluia! Bem-aventurado o homem que teme ao Senhor e se compraz nos seus mandamentos. A sua descendência será poderosa na terra; será abençoada a geração dos justos. Na sua casa há prosperidade e riqueza, e a sua justiça permanece para sempre. Ao justo nasce luz nas trevas; ele é benigno, misericordioso e justo. Ditoso o homem que se compadece e empresta; ele defenderá a sua causa em juízo; não será jamais abalado; será tido em memória eterna. Não se atemoriza de más notícias; o seu coração é firme, confiante no Senhor. O seu coração, bem firmado, não teme, até ver cumprido, nos seus adversários, o seu desejo.  Distribui, dá aos pobres; a sua justiça permanece para sempre, e o seu poder se exaltará em glória. O perverso vê isso e se enraivece; range os dentes e se consome; o desejo dos perversos perecerá.”  (Sl. 112)

Você sabe o que significa “sua descendência”? São os filhos. A sua descendência será poderosa na terra, será abençoada. Quando você teme ao Senhor, vai vivendo assim: seus filhos, seus netos, seus bisnetos são prósperos, são abençoados, porque Deus honra, Deus faz.

Se você temer ao Senhor, seus filhos, netos e bisnetos serão abençoados. (Sl.112.3).

Prosperidade significa ausência de necessidade. Próspero é aquele que tem para si e para suprir a necessidade dos outros. O temor do Senhor é o diferencial.

“Bem-aventurado aquele que teme ao Senhor e anda nos seus caminhos! Do trabalho de tuas mãos comerás; feliz serás, e tudo te irá bem. Tua esposa, no interior da tua casa, será como a videira frutífera; teus filhos, como rebentos da oliveira, à roda da tua mesa. Eis como será abençoado o homem que teme ao Senhor! O Senhor abençoe desde Sião, para que vejas a prosperidade de Jerusalém durante os dias da tua vida, e vejas os filhos de teus filhos. Paz sobre Israel.” (Sl.128)

VOCÊ TEME AO SENHOR? ANDA NOS CAMINHOS DO SENHOR?
“Bem-aventurado aquele que teme ao Senhor e anda nos seus caminhos. Do trabalho das tuas mãos comerás; feliz serás, e tudo te irá bem.”

O temor do Senhor prolonga os dias da vida, mas os anos dos perversos serão abreviados.” (Provérbios 10:27.) Quando você tem o temor do Senhor, tem aqui uma promessa.

Lidiomar Trazini Granatti

Por Litrazini

Graça e Paz

 

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

O AMIGO DE DEUS

E Abraão foi chamado de “amigo de Deus”. (Tg 2.23)

Apesar de uma ou duas mentirinhas (Gn 12.13; 20.5), apesar de ter tomado Agar como sua concubina (Gn 16.3) e apesar de alguns tropeços na fé (Gn 15.3), Abraão é chamado de “amigo de Deus”.

Sabe-se disso por causa de Josafá. A certa altura, o rei disse ao Senhor: “deste a terra deles para sempre a nós, os descendentes de Abraão, teu amigo” (2Cr 20.7).

Sabe-se disso também por causa da palavra do próprio Deus dirigida ao povo na época do profeta Isaías: “Vocês são descendentes de Abraão, meu amigo” (Is 41.8).

Seria Abraão o servo predileto de Deus? Por que não Enoque, que “viveu sempre em comunhão com Deus” (Gn 5.24)? Por que não Noé, o pregoeiro da justiça?

Por que não Davi, o homem segundo o coração de Deus? Por que não Moisés, o homem que preferiu “sofrer com o povo de Deus em vez de gozar, por pouco tempo, os prazeres do pecado” (Hb 11.25)?

Por que não o profeta Elias, o profeta Isaías, o profeta Jeremias, ou qualquer um dos outros profetas? Por que não João Batista, o precursor de Jesus? Por que não João, o discípulo amado de Jesus? Por que não Paulo, aquele que confessa “para mim viver é Cristo” (Fp 1.21)?

Essa distinção dada a Abraão tem muito a ver com a sua fé. Isso porque a Bíblia diz que “sem fé ninguém pode agradar a Deus, porque quem vai a ele precisa crer que ele existe e que recompensa os que procuram conhecê-lo melhor” (Hb 11.6).

Uma fé crescente, uma fé robusta, uma fé precisa, uma fé corajosa, uma fé continuada, uma fé viva, uma fé teórica e prática, uma fé que crê e faz – só pode agradar a Deus.


Deus não pode deixar de se agradar de um homem disposto a sacrificar para ele o filho que custou a nascer, o filho que ele tanto amava, o filho que seria seu herdeiro.

Abraão amou tanto a Deus que lhe deu seu único filho e Deus amou tanto o mundo que lhe deu seu único Filho!

– Ser amigo de Deus é mais do que ser servo de Deus!

Retirado de Refeições Diárias com os Discípulos. Editora Ultimato.

Por Litrazini


Graça e Paz

domingo, 22 de fevereiro de 2015

CONQUISTANDO O IMPOSSÍVEL

“Jesus, porém, olhando para eles, disse: Para os homens é impossível, mas não para Deus, porque para Deus todas as coisas são possíveis.” –  Marcos 10:27

Quando pensamos na palavra “impossível” o que nos sobre vem é que, isto é algo que não vai acontecer, é apenas uma quimera, mais quimera também é sonho, e todo sonho é algo que acontece dentro de nós, automaticamente pode ou não ser realizado.

MUITOS DE NÓS TEMOS O SONHO DE CONHECER A DEUS, MAIS SERÁ QUE ISTO É POSSÍVEL? ALGUÉM DE NÓS JÁ VIU DEUS PESSOALMENTE?

Sim e não, Porque, a face de Deus nunca vimos, mais, já vivenciamos fatos e acontecimentos em que vimos claramente a presença de Deus sobre nós, foram livramentos incontestáveis, coisas que para muitos seriam impossível, tantos outros presenciaram, então o irreal, tornou-se real. O fator primordial para isto acontecesse, foi à fé, qualquer coisa pode acontecer na vida dos que acreditam. Simplesmente, confiar é essencial, quando cremos, de alguma forma tende a acontecer.

Pois, conseguimos transportar do invisível o que precisamos no material. Seria como se existisse dois de nós, um aqui neste mundo e outro na dimensão que não podemos ver, e por uma ligação simultânea no mesmo desejo, conseguíssemos untar as mãos transportando o que estava lá no espiritual para cá, fazendo com que o nosso impossível venha a existir.

Na verdade é assim mesmo, somos duas pessoas, o Ser espiritual e o Ser Material/humano, quando equilibramos os dois podemos viver em um patamar de união e consequentemente ver a Deus, não como vemos outro ser humano, mais a sua presença que incendeia dentro de nós, mesmo não visível aos olhos mais convicto que está conosco, simplesmente porque, o nosso espiritual é proveniente da respiração de Deus, ou seja, o nosso verdadeiro ser, o que nos traz a vida, nada mais é que, parte do nosso criador.

Quando o nosso ser humano se coloca na posição que o nosso ser espiritual deseja, então, o Ser espiritual ganha mais forças, logo, ele consegue enviar para nós os nossos sonhos, melhor dizendo, aquilo que nos é impossível, você pode até dizer; que coisa estranha. Esta é mais pura verdade, e é, exatamente por isso que se torna imprescindível essa ligação de harmonia em nossa existência. O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito. João 3:6.

Se procurarmos fortalecer apenas nossa carne o que acontece? Logicamente que os prazeres da carne irá sufocar o nosso espirito, porque os anseios proveniente da carne alimenta o material, e se, o carnal está mais forte, o espiritual fica fraco, consequentemente, o que poderia então mandar daqui para lá? Nada! Porque a carne não tem domínio no mundo espiritual, a carne é coisa da terra, visível, então, a tendência será o nosso espirito ficar triste, aprisionado, cansado, desiludido e outras coisas mais que são geradas em nossa mente e coração.

Isto fará em nosso espirito, apenas um engodamento, podemos até pensar que está tudo bem, mais não estar, e, em consequência disto que acontece com o nosso espirito?

Ele fica oprimido é impossibilitado de chegar até Deus para pedir os nossos desejos, pois, pelo motivo da carne está alimentada o espirito fica fraco e sedento, e, algo sedento fica manipulado, e quando se esta manipulado não se faz o que se quer, se faz o que o outro quer, neste caso como o espirito não tem como fazer o que a carne quer, por exatamente está em outra dimensão que a carne não alcança, nisto surge um afastamento entre um e outro, então, enquanto a carne faz festa, o espirito fica oprimido, impossibilitando então o agir de Deus em nossas vidas. Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis. Romanos 8:13.

Por isso que, se o lado espiritual estive forte, tudo que pedirmos com fé crendo em oração podemos receber, E, tudo o que pedirdes em oração, crendo, o recebereis. Mateus 21:22, porque a nossa vitória não provem das nossas forças mais da comunhão que temos com Deus, nisto o impossível fica fácil, Porque para Deus nada é impossível. Lucas 1:37, justamente porque, a ligação que faz um espirito fortificado em Deus, torna-se, uma ponte onde podemos ter acesso ao trono da graça, logo flui em nós uma certeza plena que as nossas orações são ouvida por Deus.

Por mais difícil que seja a situação ao nosso redor, não impedira que, o milagre venha acontecer, pois estaremos certos que Deus está a nos ouvir, E, se sabemos que nos ouve em tudo o que pedimos, sabemos que alcançamos as petições que lhe fizemos. 1 João 5:15.

Alcançar o impossível, só é possível se Confiarmos na pessoa certa, e esta pessoa é O Senhor Jesus Cristo. E Jesus disse-lhe: Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê. Marcos 9:23

Pra Elza Carvalho

Por Litrazini


Graça e Paz

sábado, 21 de fevereiro de 2015

PROSSIGA PARA O ALVO

“Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.” (Filipenses  3.13 e 14)

Não conseguimos esquecer todas as perdas e derrotas da vida. Mas podemos viver sem aquilo que nos fez sofrer nos atrapalhando nosso presente ou futuro.

Existem pessoas que vivem se lamentando por aquilo que perderam. É como uma ferida que todos os dias é cutucada.

A Bíblia diz: “Não andeis ansiosos por coisa alguma.” Se o próprio Jesus disse isso, é porque é possível não andar ansioso. Se a Bíblia diz para perdoarmos é porque é possível perdoar. Se a Bíblia diz para esquecermos as coisas que ficaram para trás, é porque é possível.

Precisamos ter alvos na nossa vida. Se alcançarmos 70% dos nossos objetivos, poderemos até ficar tristes pelos 30% que não foram alcançados. Mas se não tivermos nenhum alvo o que alcançaremos?

Sem falar que a ótica de Deus é diferente da nossa. O que para nós pode ser uma pendência que não foi conquistada, para Deus pode ser 100% de aproveitamento.

A Bíblia nos orienta a sermos equilibrados, prosseguindo para o alvo. Deus nos diz para vivermos de acordo com o que já alcançamos. Filipense 3.16.

Para termos alvos, precisamos de um objetivo definido e uma razão especifica para vencer. Jesus tinha um alvo que era o de morrer na cruz pela salvação da humanidade. Ele foi o único homem que pisou nessa terra que sabia do seu destino.

Se não tivermos alvos na nossa vida nunca estaremos satisfeitos com o que já conquistamos.

Talvez você esteja carregando uma cruz que não é sua e por isso não consegue olhar para o alvo. Depois as pessoas conseguem resolver seus problemas e você fica sofrendo. Carregue sua própria cruz e prossiga para o alvo.

Se não der para fazer agora tudo o que você deseja, faça o que estiver em suas mãos, não fique desesperado se não puder ajudar a todos. Jesus disse: “Cada um tome a sua cruz e segue-me.” Pegue sua cruz, e prossiga para o alvo.

Que o Senhor nos ajude a olhar pra Cristo e nos desfazer dos pesos mortos, das tristezas que ficaram para trás!

Pr. Jorge Linhares

Por Litrazini

Graça e Paz

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

O TEMPO DE DEUS NÃO É O NOSSO TEMPO

Hoje com a chamada vida moderna tudo é muito rápido em frações de segundos podemos nos comunicar com o outro lado do mundo. Saber o que esta acontecendo no mundo inteiro, conversar com qualquer pessoa de qualquer lugar do planeta num piscar de olhos.

Através o computador, televisão, telefones e muitas vezes não temos paciência para esperar as bênçãos de Deus em nossas vidas.

Queremos que tudo aconteça assim em um estralo de dedos. Mas tudo tem o tempo certo. Às vezes recebemos uma palavra de Deus e aquilo começa a demorar para acontecer ai começamos a ficar ansiosos e duvidosos será que foi comigo que Deus falou aquele dia? Faz tanto tempo e nada aconteceu ate agora.

Saiba que o tempo de Deus não é o nosso tempo assim como seus pensamentos e os seus caminhos não são os nossos. Nós vivemos o Chronos que é o nosso tempo, o tempo de Deus é o Kairos. Deus sabe o momento certo de nos abençoar os seus caminhos assim como seus pensamentos são totalmente diferentes do que nos pensamos ser.

Por que os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o Senhor. Por que, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meu caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os vossos pensamentos. (Isaías 55.8,9)

Se Deus falou vai se cumprir no tempo certo de Deus. Por que?  Deus não é homem, para que minta; nem filho de homem, para que se arrependa; porventura, diria ele e não o faria? Ou falaria e não confirmaria? (Números 23.19)

No capítulo 12 de Gênesis Deus começar uma grande obra na vida de Abraão manda que Abraão saia de sua terra e do meio de sua parentela e promete que faria dele uma grande nação que o abençoaria, que ele seria uma benção e mais abençoaria os que os que os abençoarem e amaldiçoaria os que os que o amaldiçoassem.

Ora, o Senhor disse a Abraão: Sai-te da tua terra, e da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que te mostrarei far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome, e tu serás uma benção.E abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra. (Gênesis 12.1,2,3).

No verso 16 do capítulo 17 vem a promessa de que Abraão teria um filho: Porque eu a hei de abençoar e te hei de dar a ti dela um filho; e a abençoarei, e será mãe das nações; reis de povos sairão dela. (Gênesis 17.16) Abraão na época com 100 anos e Sara com 90 quando Deus lhe prometeu um filho olha que disse Abraão – Então caiu Abrão sobre o seu rosto, e riu-se, e disse no seu coração: A um homem de cem anos há de nascer um filho? E conceberá Sara na idade de noventa anos? Gênesis 17.17

Por isso o nome isaque no hebraico, é “riso”.
Pois quando apareceram três anjos a ele para dizer que por este tempo de vida Sara teria um filho ela também riu. Gn 18.10,11,12

Talvez você esteja também rindo e pensando será possível. Às vezes seu problema é muito grande e já se passou muito tempo. Do chamado de Abraão ate o nascimento de Isaque seu filho passaram-se 25 anos, Abraão também achou impossível já que a idade dele e de Sara era muito avançada para poderem ter um filho gostaria que você lesse Gênesis 18.10ao16, no versículo 14 na parte A do versículo diz assim:“Haveira coisa alguma difícil ao Senhor?” Gn 18.14ª (RC)

O que é difícil para mim e para você é fácil para Deus. O que é humanamente impossível para Deus é possível

Por que para Deus nada é impossível. (Lucas 1.37)

Se o seu problema é grande saiba que para Deus é pequeno, o que é grande para você para Deus é insignificante, não existe problema que ele não possa resolver. Por que o nosso Deus é soberano, não a porta que não possa abrir, basta você crer, confiar e saber esperar o tempo de Deus buscando adorando a Deus a cada dia em Oração.

No capítulo 21 de Gênesis podemos ver a chegado do tempo de Deus na vida de Abraão e Sara.E o Senhor visitou a Sara, como tinha dito; e fez o Senhor a Sara como tinha falado, e concebeu Sara e deu a Abraão um filho na sua velhice, ao tempo determinado, que Deus lhe tinha dito. (Gênesis 21:1,2)

Pr.Luciano Pinheiro

Por Litrazini

Graça e Paz

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

JEOVÁ RAFÁ

É Ele que sara todas as tuas enfermidades. -Salmo 103.3.

Muitos pensam que ser “sarados de todas as nossas enfermidades”, significa ser realmente livres delas, e chegar a ser tão puro quanto Cristo é, o que somente se realizará nos céus. Isso, obviamente não está correto, ao contrário, é um grande erro assim pensar.

O texto não diz: “Ele nos sarou”, como se fosse algo que Deus fez de uma vez por todas e assim não necessita mais fazê-lo. Mas, assim diz: “Ele nos sara”, significando que nossa cura acontece continuamente.

Este processo purificador começa quando Deus acusa, golpeia e derruba o “velho homem” em nós, a nossa “carne”, ou a nossa natureza pecaminosa. Logo, então, o processo continua quando Deus nos levanta do pó, nos consola, reconforta e nos anima a seguir caminhando pela boa vereda, com mais prudência que antes. Ele nos disse: “eu mato, e faço viver; eu firo, e eu curo”.

Podemos ver o desenvolver deste processo claramente na vida de Davi. Ademais de suas faltas menores, houve ocasiões nas quais ele caiu em verdadeiras enfermidades espirituais, em pecados e iniquidades mui graves.

Cobiçou a mulher de seu próximo e fez com que seu marido fosse morto.

O Senhor o feriu, mas logo, quando o profeta denunciou seu pecado e Davi se arrependeu, o Senhor o curou.

Em outra oportunidade, ele se deixou levar pelo orgulho e fez passar um censo entre o povo. Novamente o Senhor o feriu, e mais pra frente o curou.

Oh Amado Deus, não nos chame a prestar contas porque diante de ti ninguém pode justificar-se.

Cada dia pecamos mais do que nos damos conta ou possamos entender.

Não olhes o quão bom ou mal somos e lembre-se de tua infinita misericórdia obtida para nós por teu amado Filho. Amem.

C.O.Rosenius (1816-1858) – Nuevo Dia – Trad. Sóstenes Ferreira da Silva

Por Litrazini

Graça e Paz

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

DEUS ACREDITA EM VOCÊ!

Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós (João 15.16).

A prova da confiança de Deus no ser humano foi a vinda de Seu único filho, Jesus Cristo, a este mundo para nos garantir a vitória nesta vida e na futura. E o segredo para sermos abençoados e bem-sucedidos é estarmos ligados à videira, Jesus, que nos fornece apoio, alimento, graça, força, energia e ousadia para frutificarmos neste mundo, cumprindo o propósito para o qual Deus nos criou.


Deus acredita em você e quer que você tenha o mesmo pensamento que Ele tem a seu respeito (Jeremias 29.11). Nas Escrituras, o Senhor usa adjetivos como belo, honrado, valorizado, especial, precioso, abençoado, entre outros, para se referir ao Seu povo. Ele acredita no potencial do ser humano, pois fomos criados a Sua imagem e semelhança e temos o espírito divino em nosso ser (Gênesis 1.26).

Somos tão especiais para Deus que Ele nos criou um pouco menores do que os seres celestiais (Salmos 8.5,6) e Seu objetivo é trabalhar em parceria conosco a fim de que o Seu propósito para a humanidade seja cumprido. Contudo, só conseguiremos atender a esse plano quando confiarmos que Ele mesmo nos capacitou para essa missão. Se você ainda não tem essa confiança, declare em alta voz: Não sou nada sem Jesus, mas nele e por Ele tenho grande valor e posso fazer grandes coisas (1Coríntios 15.57,58).

C.S. Lewis declarou certa vez que alguns cristãos não desejam tudo o que podem conquistar. Ele não se referia aos carros, às casas, ao vestuário e aos bens materiais, mas às riquezas celestiais. “Somos criaturas insensatas que desperdiçam o tempo com bebida, sexo ilícito, ambições egoístas, quando a alegria suprema nos é oferecida. Somos como uma criança ignorante que prefere fazer torta de barro na rua suja porque não consegue imaginar o que representa a oferta de férias à beira-mar. Nós nos satisfazemos com pouco. É fácil demais nos satisfazer".

Deus deseja que compreendamos o quanto Ele é grande e que ousemos o bastante para sermos abençoados e para abençoar, pois pessoas estão morrendo sem saber o que vieram fazer aqui, por não acreditarem em si nem no que Deus declarou a seu respeito. Precisamos aprender a pensar como o nosso Deus e a nos identificar com Cristo e com a nova criatura que Ele nos tornou (1Coríntios 15.17; 2Coríntios 5.17).

Infelizmente, há quem se identifique com a sua história de vida passada e aceite os rótulos que lhes foram atribuídos. Dizem, "sou divorciado”, “sou falido”, “sou vítima de abuso”, “sou alcoólatra”, “sou infeliz”, “sou azarado”, “nada dá certo”, “tudo de ruim acontece comigo”. Quando deveriam dizer, “fui alcoólatra, mas hoje tenho disciplina e domínio próprio”, “fui vítima de abuso, mas agora tenho nova vida e nova identidade”, “fui divorciado, mas agora sou uma nova criatura em Cristo”.

Permita que a sua mente seja renovada por Cristo diariamente e experimente as ricas promessas de Deus (Romanos 12.2). Acredite em seu potencial e deixe Deus conduzi-la em seus caminhos, pois os que são guiados pelo Espírito de Deus têm vida e paz (Romanos. 8.6).

Pra Elizete Malafaia

Por Litrazini


Graça e Paz

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

MALDIÇÃO EM BENÇÃO!

Eliseu torna as águas saudáveis de Jericó

E os homens da cidade disseram a Eliseu: Eis que é boa a situação desta cidade, como o meu senhor vê; porém as águas são más, e a terra é estéril. E ele disse: Trazei-me um prato novo, e ponde nele sal. E lho trouxeram. Então saiu ele ao manancial das águas, e deitou sal nele; e disse: Assim diz o Senhor: Sararei a estas águas; e não haverá mais nelas morte nem esterilidade. Ficaram, pois, sãs aquelas águas, até ao dia de hoje, conforme a palavra que Eliseu tinha falado. (2Re 2.19-22)

VAMOS ENTENDER O PROBLEMA DA CIDADE:
Jericó foi uma das primeiras cidades conquistadas pelos hebreus na retomada das terras pós cativeiro egípcio, que perdurou por 430 anos.

O líder que vemos se chama Josué, homem de uma extrema habilidade militar, pois em algumas ocasiões, Josué ganhou guerras apenas com ferramentas de trabalhos agrícolas, como enxadas e pás. Agora em seu capitulo 6 o exímio comandante recebe uma ordem que o leva a tomar uma atitude fora de sua tática militar, porém a palavra de ordem vinha do próprio Senhor Deus, o Senhor dos Exércitos. Ele é levado a dar 13 voltas na cidade de Jericó, pois a cidade conforme registrado no versículo 1 do capitulo 6 de seu livro, era uma fortaleza com dois muros que cercavam a cidade, segundo historiadores a muralha era dupla, os dois muros ficavam separados um do outro por uma distancia de cinco metros.

O muro exterior tinha dois metros de largura e o interno quatro metros de largura, e ambos tinham dez metros de altura.

Pra entendermos um pouco dessa amplitude que era as muralhas, é só entendermos haviam casas construídas em cima dos muros, isto se dá ao fato de que era algo muito engenhoso. Enfim, eles rodeiam a cidade, os muros caem, e eles invadem a cidade conquistando-a, neste tempo de conquista o comandante Josué lançou a palavra de maldição sobre aquela cidade (Josué 6: 26 e 27), uma cidade que era bem situada por causa do Rio Jordão que passava próximo, realmente um oásis em meio ao deserto, agora era apenas uma ruína em uma boa localização. Tudo agora passa a ser estéril naquele ambiente e o oásis passa a ser maldito.

500 anos depois da maldição Hiel o betelita, edifica a cidade 1 Reis 16:34, mas, a maldição ainda estava presente na cidade e nos dias de Acabe, quando Hiel vai lançar o fundamento, seu filho primogênito Abirão morre, e quando ele vai por as portas da cidade seu filho mais novo Segube também é morto, para que se cumpra apalavra do Senhor pela boca de Josué.

A maldição parecia ser predominante, até passar o homem de Deus naquele lugar, os homens da cidade o procuraram e relataram sobre a dificuldade em que a cidade se encontrava, bem situada, porém maldita e suas águas más,

Eliseu faz algo que parece inusitado aos olhos de quem vê, ele pede um prato novo; vamos abrir aqui uns parênteses, (Prato, representa servir, Novo, indica que Deus nunca serve ninguém com algo velho), e ponha nele sal! Sal representa tempero, sabor, equilíbrio. E o o mais importante que ele faz é, ir até o manancial das águas, na fonte, no inicio, e profetizar lançando sobre aquelas águas algo novo e equilibrado.

Talvez esta seja a tua vida! Você até pode ser bem aparentado(a), pode até morar em um lugar luxuoso, pode ser que até frequente em uma igreja, mas por dentro sua cidade que é o seu interior, você carrega uma maldição, um trauma, talves você não seja feliz, suas decisões por mais que sejam satisfatórias não tem um retorno pleno para tua vida.

Eu tenho algo pra lhe contar! Você precisa de algo novo! Só algo novo pode quebrar as maldições! E o que é esse algo novo? Se chama Evangelho! Não uma religião! Evangelho no grego significa Boa nova…

Jesus Cristo é essa boa nova! algo novo capaz de quebrar a maldição que lhe prendia, que lhe consumia. deixa ele mudar a sua vida só ele é capaz de ir na fonte do problema! Só ele é capaz de tornar a maldição em Benção!

Pr Jonas Rodrigo Bezerra

Por Litrazini


Graça e Paz

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

APARE AS ASAS DA SABEDORIA

Respondeu Jesus: Parem de me criticar. Ninguém pode vir a mim, se o Pai, que me enviou, não o atrair; e eu o ressuscitarei no último dia. [João 6.43-44]

Quando Jesus disse: “Parem de me criticar”, ele desejava restringir a sabedoria ou razão humana.

Nós também precisamos aparar as asas da razão humana quando ela vem para a doutrina cristã.

A Palavra de Deus não é o tipo de ensino que você pode compreender com a razão. Ela não alcança o coração humano assim.

Quanto mais educada e afiada for a habilidade de raciocínio das pessoas, menos elas entenderão.

O ensino cristão não apela para a razão. É por isso que a nossa razão reclama sobre isso, como que dizendo: “Eu não quero tirar a minha salvação das minhas próprias mãos e lançar fora todas as minhas boas obras para alcançar a vida eterna. Eu não quero colocar as minhas mãos e firmar os meus pés em alguém que não seja eu mesmo, alguém que foi tolo e estúpido o suficiente para se deixar ser crucificado.

Como alguém pode esperar que eu creia que esse Jesus é o meu Salvador?”.

A razão não consegue entender isso. Precisamos levar todo pensamento cativo a Deus, de forma que ele seja obediente a Cristo (2Co 10.5).

Jesus está dizendo: “Parem de reclamar por eu afirmar que sou o pão do céu. Vocês querem entender isso por si mesmos. Vocês querem ser mais sábios do que eu quando perguntam: ‘não conhecemos sua mãe e seu pai?’. Mas quando eu digo a vocês como o Pai os tem atraído a mim, isso não pode ser compreendido pela razão. Quando vocês ouvem sobre como o Pai atrai vocês, a razão atrai vocês em uma direção oposta.

Aqueles que querem entender essas palavras devem fechar os seus olhos, trancar os portões da razão e permitirem-se ser como uma pessoa cega”. Isso é o que Deus quer.

Aqueles que se recusam a ser levados por Deus, mas, ao contrário, desejam ser levados pela razão, ficarão irritados com a mensagem de Jesus e reclamarão continuamente dela.

Retirado de Somente a Fé – Um Ano com Lutero. Editora Ultimato.

Por Litrazini


Graça e Paz