domingo, 12 de abril de 2015

COMO DEUS TRABALHA COM MORTOS EM PECADOS?

Como Deus trabalha na vida daqueles que estão mortos em seus pecados? A resposta é ministrada da seguinte maneira:

A morte de Cristo fornece graça suficiente para todas as pessoas através do Espírito Santo. A Bíblia de Estudo Pentecostal, em sua nota de rodapé do texto de João 16.8 explica o processo de convencimento feito pelo Espírito Santo que vai ao encontro do perdido pecador.

CONVENCERÁ O MUNDO
Quando o Espírito Santo vier, i.e., por ocasião do Pentecoste (ver 16.7 nota; At 2.4), sua obra principal no tocante ao testemunho e à proclamação do evangelho, será a de “convencer” do pecado. Este termo “convencer” (gr. elencho) significa “expor”, “reprovar”, “refutar” e “convencer” (do pecado).

(1) A OBRA DE CONVICÇÃO REALIZADA PELO ESPÍRITO SANTO OPERA EM TRÊS ASPECTOS EM RELAÇÃO AO PECADOR:

(A) O PECADO.
O Espírito Santo desmascara e reprova a incredulidade e o pecado, a fim de despertar a consciência da culpa e da necessidade de perdão. Isto, constantemente, leva o pecador ao arrependimento genuíno e à conversão a Jesus como Salvador e Senhor (At 2.37,38).

A convicção não somente desmascara o pecado, como também torna claro quais serão os resultados pavorosos se os culpados persistirem na prática do mal. Uma vez convicto, necessário é que o pecador faça sua escolha.

(B) A JUSTIÇA.
O Espírito Santo convence os homens de que Jesus é o santo Filho de Deus que os torna conscientes do padrão divino da justiça em Cristo. Esse padrão divino da justiça é confrontado contra o pecado e a pessoa recebe poder para vencer o mundo (At 3.12-16; 7.51-60; 17.31; 1 Pe 3.18).

(C) O JUÍZO.
Trata-se da obra do Espírito ao convencer os homens da derrota de Satanás na cruz (12.31; 16.11), do juízo atual do mundo por Deus (Rm 1.18-32), do juízo futuro de todos os homens (Mt 16.27; At 17.31; 24.25; Rm 14.10; 6.2; 2 Co 5.10; Jd 14).

(2) A OBRA DO ESPÍRITO DE CONVENCER DO PECADO E DA JUSTIÇA E DO JUÍZO SERÁ MANIFESTADA EM TODOS OS CRENTES VERDADEIRAMENTE CHEIOS DO ESPÍRITO.
Cristo, cheio do Espírito (Lc 4.1), testificou ao mundo “que as suas obras são más” (ver 7.7; 15.18) e chamava os homens ao arrependimento do pecado (Mt 4.17).

João Batista, “cheio do Espírito Santo” desde seu nascimento (ver Lc 1.15 nota), expunha os pecados do povo judaico (ver Mt 11.7 nota; Lc 3.1-20) e Pedro, “cheio do Espírito Santo” (At 2.4), convencia os corações de 3.000 pecadores, ao pregar o arrependimento e o perdão dos pecados (At 2.37-41).

(3) ESSE TRECHO DEIXA BEM CLARO QUE QUALQUER PREGADOR OU IGREJA QUE NÃO EXPÕE PUBLICAMENTE O PECADO, NEM A RESPONSABILIDADE DO PECADOR, NEM O CONCLAMA AO ARREPENDIMENTO E À RETIDÃO BÍBLICA, NÃO PROCEDE DO ESPÍRITO SANTO.
Em 1 Co 14.24,25 declara explicitamente que a presença de Deus na congregação é reconhecida pela manifestação do pecado do infiel (i.e., os segredos do seu coração), pela sua conseqüente convicção (v. 24) e pela sua salvação (v. 25).

Bíblia de Estudo Pentecostal, págs. 1604-1605.

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz