domingo, 26 de abril de 2015

NO MEU BRAÇO ESPERAM. (Isaías 51.5)

Em épocas de tentação severa, o cristão não tem nada na terra em que possa confiar, e, portanto, é obrigado a lançar-se somente em seu Deus.

Quando seu barco está em situação desesperadora, e nenhuma ajuda humana pode ser proveitosa, ele deve simples e completamente confiar a si mesmo à providência e ao cuidado de Deus. 

Bendita tempestade que destrói um homem em tal rocha como esta! Bendito furacão que leva a alma a Deus e somente a Deus!

Não há como chegar, por vezes, ao nosso Deus, por causa da multidão de nossos amigos; mas quando um homem é tão pobre, tão sem amigos, tão impotente que ele não tem a quem recorrer, ele voa para os braços do seu Pai, e é abençoadamente abraçado por Ele!

Quando ele está sobrecarregado com problemas tão urgentes e tão peculiares, que não pode contar a ninguém, senão somente ao seu Deus, ele pode ser grato por eles, porque vai aprender então, mais do seu Senhor, do que em qualquer outra ocasião. Oh, crente aflingido, é um abençoado problema que te conduz a teu Pai!

Agora que tens apenas teu Deus para confiar, veja que coloques a tua plena confiança nele.

Não desonre teu Senhor e Mestre por dúvidas e medos inúteis, mas seja forte na fé, dando glória a Deus.

Mostre ao mundo que o teu Deus vale dez mil mundos para ti. Mostre aos ricos quão rico tu és em tua pobreza, quando o Senhor Deus é o teu ajudador. Mostre ao homem forte quão forte és na tua fraqueza, quando debaixo de ti estão os braços eternos.

Agora é o tempo para proezas de fé e corajosas façanhas. Seja forte e muito corajoso, e certamente, o Senhor, teu Deus, tão certo como ele criou os céus e a terra, glorificará a Si mesmo na tua fraqueza, e magnificará o Seu poder em meio à tua angústia.

A grandeza do arco do céu estaria arruinada se o céu fosse apoiado por uma única coluna visível, e sua fé perderia a sua glória, se ela repousasse em qualquer coisa perceptível pelo olho carnal.

Que o Espírito Santo lhe faça descansar em Jesus neste dia.

Texto de autoria de Charles Haddon Spurgeon, traduzido e adaptado pelo Pr Silvio Dutra.

Por Litrazini

Graça e Paz