quarta-feira, 17 de junho de 2015

BEM-VINDOS À PEDRA VIVA!

Cheguem perto dele, a pedra viva que os seres humanos rejeitaram como inútil. (1Pe 2.4)

É para chegar perto de Jesus. Quem? Os seres humanos que o rejeitaram ou os crentes da Ásia Menor que o receberam?

Os não crentes estão a uma distância muito grande e os crentes a uma distância muito pequena. A diferença entre uns e outros é que os primeiros precisam começar a chegar e os outros, acabar de chegar.

Está muito claro que Pedro separa um grupo do outro. Ele se dirige a um deles e refere-se ao outro apenas de passagem: “Cheguem [vocês para os quais eu endereço esta carta] perto dele [Jesus Cristo], a pedra viva que os seres humanos [os outros] rejeitaram como inútil, mas que Deus escolheu como de grande valor”.

Quem rejeita a Pedra Viva não são os leitores da carta, mas os seres humanos, a humanidade de modo geral, os pecadores resistentes, os céticos, os incrédulos, aqueles que até hoje não tiveram o menor contato com o evangelho (os chamados “não alcançados”).

Podem ser também os paladinos de outra religião ou de outro evangelho, aqueles que a versão em linguagem contemporânea chama curiosamente de “pedreiros”, porque eles estão construindo o edifício da fé sem se importar com o alicerce (a Pedra Viva), necessário para sustentar todo o peso da construção.

O foco da mensagem são os crentes. Eles não devem ficar a meia distância da Pedra Viva. Precisam chegar perto, aproximar-se, acabar de chegar, aumentar a adesão que fizeram por Jesus Cristo e aumentar as convicções e o entusiasmo cristocêntricos.

A carta aos Hebreus faz o mesmo apelo: “Vamos para perto de Jesus” (Hb 13.13).

O alvo a percorrer é aproximar-se de Jesus e permanecer unido a ele para chegar ao ponto mencionado por Paulo: “Agora, unidos com Cristo Jesus, vocês, que estavam longe de Deus [como a humanidade ainda se encontra], foram trazidos para perto dele pela morte de Cristo na cruz” (Ef 2.13).

Mais e mais perto de meu Rei quero estar, preciso estar, devo estar!

Retirado de Refeições Diárias com os Discípulos. Editora Ultimato.

Por Litrazini

Graça e Paz