segunda-feira, 31 de agosto de 2015

'SUPER LUA' IMPRESSIONA POR SUA BELEZA E ANTECEDE 'LUA DE SANGUE', PREVISTA PARA SETEMBRO

Fenômeno é registrado na cidade de Novogrudok, em Belarus (Foto: Sergei Grits / AFP)

No último sábado (29), pessoas em diversas partes do mundo puderam admirar a beleza da Lua do perigeu-sizígia ou 'Super Lua' - como é popularmente conhecida por aparentar ser maior e estar mais próxima da Terra. Esta foi a primeira de uma série outros fenômenos, semelhantes a este, previstos para este ano.

A 'Super Lua' acontece quando uma Lua Cheia atinge o perigeu de sua órbita. Este fenômeno está previsto para acontecer três vezes neste ano de 2015, ainda nos meses de setembro e outubro.

Segundo o astrônomo Cássio Barbosa, "toda vez que a Lua fica cheia perto do perigeu, ela parece 14% maior e até 30% mais brilhante. A diferença de tamanho não é tão perceptível, pois quando ela está alta no céu, não há nenhuma estrutura para comparação. Já a diferença de brilho é mais fácil de se notar".

A primeira 'Super Lua' do ano antecede um eclipese solar parcial (previsto para 13 de setembro) e mais uma das chamadas 'Luas de Sangue' - a segunda 'Super Lua' - que está prevista para acontecer ainda na noite de 27 de setembro deste ano (2015) no formato de um eclipse lunar.

Segundo estudiosos, nesta segunda 'Super Lua', o corpo celeste estará ainda mais perto da Terra.

"O perigeu acontece às 22:47 do dia 27 de setembro, enquanto o ápice do eclipse ocorrerá às 23:47. Será um grande espetáculo, com a Lua avermelhada pelo eclipse, ela vai parecer maior e mais brilhante que o usual", explicou Cássio.

SINAIS
Segundo estudantes de escatologia, as 'Quatro Luas de Sangue' são alguns dos sinais de que o fim dos tempos está ainda mais próximo.

Fundador da igreja Cornerstone, no Texas, John Hagge lembra que o acontecimento é citado como profecia no livro de Joel, capítulo 2, versículo 31.

O acontecimento das 'Quatro Luas de Sangue' têm entre elas, um eclipse solar total (que já aconteceu no dia 20 de março de 2015), somando assim, cinco fenômenos no total - os quais são considerados proféticos e estão sempre associadas a datas bíblicas marcantes.

A primeira 'Lua de Sangue' aconteceu na Páscoa, em 15 de abril de 2014. A segunda, durante a festa judaica chamada 'Sukkot' (conhecida no Brasil como 'Festa dos Tabernáculos'), em 08 de outubro de 2014. O eclipse solar total ocorreu em março de 2015. A terceira 'Lua de Sangue', na páscoa de 2015.

Sendo assim, Ainda resta a última das 'Luas de Sangue' para acontecer - o que provavelmente deve ser aguardado ansiosamente, seja por astrônomos ou estudiosos da Bíblia

Fonte: Guiame, com informações do G1

Por Litrazini

Graça e Paz

domingo, 30 de agosto de 2015

ROCHA E PÓ

Entra nas rochas, e esconde-te no pó, de diante da espantosa presença do Senhor e da glória da sua majestade (Isaías 2:10).

O Dia do Senhor está próximo. A espantosa presença do Senhor está prestes a cair repentinamente sobre um mundo ímpio e adormecido.

Isaías falou disso há muitos séculos e advertiu Israel sobre o terror desse dia. Mas hoje os sinais de sua proximidade abundam por todos os lados. Quanto mais o tempo passa, mais sério se torna essa advertência!

Existe algum lugar absolutamente seguro e uma proteção eficaz em vista do holocausto global que irá abalar as estruturas do mundo quando Deus fizer conhecida a glória de sua majestade?
Sim, existe. E podemos nos refugiar nele agora mesmo.

“Entra nas rochas.” Por fim, Israel irá descobrir que essa rocha é Cristo (1 Coríntios 10:4), o Salvador, o Senhor Jesus a quem desprezaram e crucificaram.

COMO ENTRAMOS NESTA ROCHA?
“Mas, a todos quantos o receberam, aos que creem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus” (João 1:12). Ele mesmo é o lugar de absoluta segurança, a inabalável Rocha, contra a qual todas as tempestades dos tempos não podem nada.

A fé no Senhor Jesus é o único abrigo que nos protege da culpa dos pecados dos homens e do justo terror do julgamento de Deus.

Não fique incredulamente do lado de fora, mas entre agora com uma fé firme, confiando no Senhor Jesus como seu eterno Salvador!

“Esconde-te no pó.” Se a Rocha fala de uma fortaleza de segurança e proteção, o pó é um lugar de total contraste, de humilhação e de insignificância.

O orgulho humano tem de ser aniquilado para que saibamos que somos apenas pecadores, dependentes da pura graça de Deus para nos salvar pela virtude da redenção que há em Cristo Jesus.

Entrar na rocha, portanto, é dar a Cristo seu verdadeiro lugar; esconder-se no pó é tomar o lugar que nos é devido!

Extraído do devocional BOA SEMENTE

Por Litrazini

Graça e Paz


sábado, 29 de agosto de 2015

ESCRAVOS DE HÁBITOS ESTRANHOS

Cada pessoa é escrava daquilo que a domina. (2Pe 2.19)

Como ninguém gosta de ser chamado de escravo, a linguagem de Pedro é dura. Todavia, a verdade é esta mesmo: somos escravos daquilo que não conseguimos dominar.

Quando dizemos que tal pessoa é dependente do álcool, por exemplo, queremos dizer que ela é escrava do álcool ou, em outras palavras, ela não é independente da bebida.

Se deixarmos o sol se pôr antes de nos livrarmos da ira, somos escravos da ira (Ef 4.26).

Se só pensarmos em aumentar os ganhos, somos escravos do dinheiro.

Se nos deleitarmos em falar mal de uma pessoa, somos escravos do mexerico.

Se mancharmos costumeiramente o nome de uma pessoa atribuindo a ela coisas que ela nunca fez, somos escravos da calúnia.

Os que não conseguem deixar de roer as unhas, deixar de ranger os dentes, deixar de espremer cascas das espinhas são escravos dessas coisas.

Por causa do contexto da carta, é possível que Pedro esteja se referindo a “hábitos imorais”. Ele tinha acabado de fazer uma denúncia séria quanto aos falsos profetas (“Não podem ver uma mulher sem a desejarem”). Deve ser exatamente nessa área que muitos são escravos de seus impulsos.

Tim Challies, autor de Desintoxicação Sexual, afirma que “a pornografia é tão predominante, que é praticamente certo que todo jovem vai se deparar com ela, e, depois de a experimentar, é difícil não se entregar”.

Jesus surpreendeu os mestres da lei e os fariseus declarando: “Quem peca é escravo do pecado” (Jo 8.34).

Eles não gostaram dessa palavra e responderam soberbamente: “Nós somos descendentes de Abraão e nunca fomos escravos de ninguém!” (Jo 8.33).

Se o Senhor pôde quebrar o bastão dos poderosos que oprimiam o povo de Israel, ele pode nos libertar do bastão daquilo que nos domina!

Enquanto não localizar a sua dependência, o crente jamais será libertado!

Retirado de Refeições Diárias com os Discípulos. Editora Ultimato.

Por Litrazini

Graça e Paz

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

PERDÃO E PAZ

Eis que a mão do SENHOR não está encolhida, para que não possa salvar; nem agravado o seu ouvido, para não poder ouvir. Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça. (Isaías 59:1,2)

Se a oração não é respondida, e as bênçãos que almejo não estão sendo derramadas, não é porque Deus não quer abençoar-me, deixou de amar-me, se fez ausente ou não mais se importa comigo.

Deus é bom e deseja que eu seja abençoado e feliz. O problema não está em Deus.

Meus atos pecaminosos criaram uma barreira que bloqueia o agir de Deus a meu favor.

Sou excessivamente pecador; afastei-me de Deus e do Seu divino propósito. Por isso, estou colhendo as consequências dos atos que pratico.

O pecado separa, não somente do que é bom, mas aprisiona junto a tudo o que é mau e diabólico.

Pecar leva a destruição; me escraviza a sistemas corrompidos, maldosos e impiedosos.

Como a aranha tece a teia, amarrando a vítima até à morte, o pecado também tece laços ao meu redor.

Nenhuma habilidade, esquema, ou esperteza pode livrar ou salvar do poder destruidor do pecado. A única saída é confessar, abandonar o pecado, clamar pela graça imerecida, e pedir socorro a Deus.

Somente em Deus há a paz que preciso; só Deus pode iluminar a noite escura; não existe outro lugar onde encontrar felicidade.

Quando todo refúgio falha; quando nenhum descanso pode ser encontrado para o coração atribulado, posso ir a Jesus, Ele me promete alívio e descanso.

"Enquanto calei os meus pecados, meus ossos envelheceram pelos meus constantes gemidos todo o dia. Porque a tua mão pesava dia e noite sobre mim, e o meu vigor secou. Confessei ao Senhor o meu pecado e as minhas transgressões, não mais ocultei; e Ele me perdoou" (Salmos 32:3-5).

Dr.Silmar Coelho

Por Litrazini

Graça e Paz

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

DAVI DANÇOU, QUAL O PROBLEMA?

Muito se tem ouvido essa expressão. Pra variar, na maioria das vezes, em igrejas de orientação pentecostal. Por que isso acontece? Porque muitas vezes nessas igrejas as coisas saem do controle. As pessoas pulam, correm, gritam e aqui e ali dançam. Como estão descontroladas e quase sempre em transe, a explicação dos presentes é sempre a mesma: “pulou no espírito!”, “gritou no espírito!” e, é claro, “dançou no espírito!”.

O tema é controverso. Os fundamentalistas, que praticamente são contra tudo e todos, alegam que o templo não é lugar de dança. Que não há nenhuma orientação bíblica para se dançar, quer no templo, na sinagoga ou na própria igreja primitiva.

Os pentecostais mais tradicionais são preconceituosos em relação a coreografias, principalmente as mais modernas que envolvem ritmos contemporâneos, como rock e rap, por exemplo. Como sempre, extremismos podem ser perigosos. Convém analisar a Escritura.

Em primeiro lugar, ‘gregos e troianos’ dançaram nas Escrituras. Tantos bons quanto maus, em determinado momento, executaram seus movimentos ritmados. Assim como Miriã e as mulheres dançaram (Êxodo 15:20), o povo rebelado dançou aos pés do Sinai, em volta do bezerro de ouro (Êxodo 32:19).

Argumentar que não há orientação para se dançar na Casa de Deus é ambíguo. Onde está a orientação bíblica para que se tenha uma Escola Bíblica Dominical?

As igrejas mais tradicionais, fundamentalistas, deveriam então eliminar de suas práticas os jograis irritantes que fazem sempre no dia das mães e os teatros infantis que entretém as crianças para que não atrapalhem o culto domingo à noite. Nada disso era feito no templo, na sinagoga ou na igreja primitiva.

Ninguém dança no Espírito. Não há uma só passagem bíblica que traga essa expressão. No Espírito se dá frutos e se exercita dons. E dançar não tem nada a ver com isso.

As questões básicas aqui são: Dançar é pecado? Quando dançar? Onde fazê-lo? Respostas, à luz da Escritura.

Pais dançam com filhas em aniversários de quinze anos. Maridos dançam com esposas em festas de casamento. O povo de Israel celebra suas festas anuais há milênios com muita dança. Jesus participava de todas elas. A Bíblia não diz em nenhum momento que ele dançou. Mas também em nenhum momento diz o contrário. Se o tivesse feito, estaria cumprindo um costume seu e de seu povo, como sempre fazia (Lucas 4:16). Radicais podem se horrorizar com a simples hipótese do Cristo dançando junto com sua família na festa das primícias. E daí?

Logo, não. Dançar não é pecado. O que é pecado é lascívia e sensualidade, como demonstrou Herodias (Mateus 14:6). Aí nesse caso a culpa não é da dança, mas sim da forma como ela é utilizada. Uma faca pode servir para salvar a vida de uma pessoa, mas também pode tirar a vida de outra. Tem ela culpa do mau uso que é feito dela. Tem culpa Jesus de tantos terem matado em seu nome?

QUANDO DANÇAR?
Não existe uma regra específica. Em todos os casos listados no Antigo Testamento, a dança está relacionada, para o bem ou para o mal, com momentos de alegria, celebração. O texto emJeremias 31:13 ilustra bem essa realidade.

Dançar na presença de Deus, nesse caso, pode ser um termo mais adequado do que ‘dançar no Espírito’. Nos alegramos na presença de Deus. Nos sentimos felizes com suas maravilhas. Não foi o que sentiram Miriã e Davi? Alegria? Júbilo?

ONDE DANÇAR?
Aqui é o problema principal. Dançar na igreja: sim ou não?
O que nós temos na Bíblia, em seqüência é: Tabernáculo, Templo de Salomão, Sinagoga. No fechamento do Apocalipse a igreja cristã ainda não havia sido contaminada com a cultura romana do mega templo e as igrejas de reuniam em casas.

No Tabernáculo era impossível dançar, pela sua estrutura, simbolismo e função. No Templo de Salomão não há referências. E por que não há? Porque antes do Templo as festas já vigoraram e funcionavam fora dele. E como o Templo é o sucessor legal do tabernáculo, era normal que não abrigasse as celebrações.

E HOJE, DENTRO DA IGREJA?
A igreja cristã não é herdeira do Templo de Salomão, mas sim das igrejas nos lares que funcionaram do primeiro ao quarto século da Era Cristã, até serem cooptadas pelo Império Romano e se corromperem. Isso, no entanto, não impedia que os judeus convertidos celebrassem suas festividades anuais. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Paulo de Tarso, o maior combatente das práticas judaizantes (como, por exemplo, a circuncisão), não deixou de ir às festas (Atos 20:16 e I Coríntios 16:8). Jesus, como já citamos anteriormente frequentava as celebrações anuais de Israel.

Quando os fundamentalistas alegam que não se dançava no Templo nem na sinagoga, e usam esse argumento contra a dança, cometem um erro crasso. Essas organizações não são parâmetros pra a igreja cristã, mas sim as igrejas familiares amplamente citadas no Novo Testamento.

Lá se dançava? Lá se alegravam? Louvavam com alegria e Júbilo? Quem pode provar que sim ou que não?

A igreja cristã é uma grande família e as pessoas têm direito de se alegrarem na presença de Deus. A dança, como qualquer outra coisa, pode ser subvertida. Usada de uma forma inadequada. Não é o que vemos todos os dias com o dom de línguas usado de forma equivocada nas igrejas? Ou com a exploração financeira absurda do rebanho do Senhor onde se manipula textos para proveito próprio?

No meio de tudo isso, fico com o Salmo 150:4 que diz “Louvai-o com o tamborim e a dança, louvai-o com instrumentos de cordas e com órgãos.”.

É uma ação nossa. Dançamos alegres pelas maravilhas de Deus. É algo racional, não descontrolado. Sabemos por que estamos dançando. Não usamos o Espírito como desculpa para o descontrole.

É possível, sim, com decência e ordem, cumprir o texto acima.

Neto Curvina

Por Litrazini

Graça e Paz

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

COMO POSSO SABER QUAL A VONTADE DE DEUS PARA MINHA VIDA?

Há duas chaves para se conhecer a vontade de Deus para uma dada situação:

(1) Certifique-se de que o que você está pedindo ou pensando em fazer não é algo que a Bíblia proíbe.

(2) Certifique-se de que o que você está pedindo ou pensando em fazer irá glorificar a Deus e ajudá-lo a crescer espiritualmente.

Se estas duas coisas forem verdade e Deus, ainda assim, não está dando o que você está pedindo – então provavelmente não é da vontade de Deus que você tenha o que está pedindo. Ou, talvez, você somente precise esperar um pouco mais por isso.

Conhecer a vontade de Deus é, às vezes, difícil. As pessoas querem que Deus, basicamente, diga a elas o que fazer – onde trabalhar, onde morar, com quem se casar, etc.

Romanos 12:2 nos diz: “E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.”

Deus raramente dá às pessoas informações assim tão diretas e específicas.

Deus permite que façamos escolhas em relação a estas coisas.

A única decisão que Deus não quer que tomemos é a decisão de pecar ou resistir à Sua vontade.

Deus quer que façamos escolhas que estejam em conformidade com sua vontade.

ENTÃO, COMO SABER QUAL A VONTADE DE DEUS PARA VOCÊ?

Se você estiver caminhando junto ao Senhor e verdadeiramente desejar a vontade dEle para sua vida – Deus colocará Sua vontade em seu coração.

A chave é desejar a vontade de Deus, não a sua própria. “Deleita-te também no SENHOR, e ele te concederá o que deseja o teu coração” (Salmos 37:4).

Se a Bíblia não se coloca contra algo, e este algo pode verdadeiramente beneficiá-lo espiritualmente – então a Bíblia dá a você a “permissão” de tomar decisões e seguir seu coração.

Fonte: GotQuestion

Por Litrazini

Graça e Paz

terça-feira, 25 de agosto de 2015

CABEÇA DO CORPO

Cristo é a cabeça da igreja (Efésios 5:23).

O Senhor Jesus é a Cabeça do Corpo – assim é seu relacionamento com a Igreja.

E como ele é a Cabeça do Corpo? Não simplesmente por ser o Primogênito de toda a criação, nem por ser ele o Criador de tudo. Nem o fato de ser o Sustentador de tudo que existe, ou o Herdeiro de todas as coisas, tudo isso não lhe dá condições suficientes de ser chamado a Cabeça do Corpo.

A marca distintiva é que o Senhor Jesus é “o princípio e o primogênito dentre os mortos” (Colossenses 1:18). Ele não é apenas o Primogênito dos mortos, mas dentre eles. Ele é o Primogênito tirado de entre os mortos, bem como a Cabeça e o Herdeiro de toda a criação subsistente.

Portanto, ele ressuscitou estabelecendo um novo estado de coisas, abolindo o que havia sido destruído pela vaidade e pela morte através do primeiro pecador, Adão.

O Senhor Jesus aniquilou o poder daquele que tinha o poder da morte – palavra tão terrível para o coração humano, certamente estranha à mente e ao coração de nosso Pai, mas uma inflexível necessidade que sobreveio por causa da rebelião.

Onde o pecado conduziu o homem, a graça conduziu o Senhor Jesus. E a glória de sua Pessoa O capacitou em graça e obediência a descer aos abismos jamais penetrados antes; e a sair vitorioso não somente de um mundo culpado e hostil, mas dos domínios da própria morte (e que morte)!

E ressuscitou dos mortos, e é o Início de uma nova ordem como a Cabeça, assim a Igreja é seu Corpo – fundamentado no Senhor Jesus, morto e ressurreto.

Tudo o que existiu antes de sua morte e ressurreição foi definitivamente cumprido nele.

Aqueles que creem nisso podem entender o que permanecia como um segredo selado nos tempos do Antigo Testamento.

Extraído do devocional BOA SEMENTE

Por Litrazini

Graça e Paz

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

CANSADO, ESTRESSADO, ATRIBULADO E SOBRECARREGADO

Se a carga que você esta levando sobre sua vida ta parecendo muito pesada, é porque você esta lutando sozinho, e vencê-la, está parecendo totalmente fora do alcance.

O estresse esta totalmente corroendo até mesmo a sua habilidade de lutar, e parece que nunca vai chegar o fim de tanta tribulação.

Muitas pessoas sentem a necessidade de buscar ajuda em meio a esta sobrecarga da vida, mesmo que seja anos de batalha pelo tempo que já passou, estão cansadas e feridas pela luta do dia a dia.

Sabemos que quando isso esta acontecendo, devemos buscar ajuda, esta só vamos encontrar em uma palavra de alivio que Jesus nos deixou em Mateus 11:28, ” Vinde a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei “.

O alivio para toda sobrecarga encontramos em Cristo.

Quando nós entendemos esta mensagem, nos tornamos fortes e não sentimos mais cansaços, estresses, tribulações e sobrecargas, pois Jesus, já nos mostrou como tirar este fardo pesado, mesmo que ele seja de máxima urgência.

Lançando nosso fardo pesado em Jesus, Ele nos alivia, sentimos muita Paz vinda Dele, os vendavais do estresse quando entregamos para Jesus, não nos abatem, e sim, nos traz a Paz que tantas pessoas procuram e não acham.

Quando descobrimos que em Cristo somos mais que vencedores, o pesadelo do cansaço sobrecarregado vai embora, e sentimos Paz interior dentro do nosso coração, e já não nos encontramos lutando sozinhos, poia Jesus esta conosco em todo tempo, nos aliviando, e tirando toda a sobrecarga da vida.

Procure a Cristo, lance sobre Ele todos os teus fardos, e você verá que vale a pena Crer e acreditar Nele.

Pr. Marcos Monte

Por Litrazini

Graça e Paz

sábado, 22 de agosto de 2015

ANTES QUE A LÂMPADA SE APAGUE – CANDEIAS ACESAS

Lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o meu caminho.(Sl 119:105)

Existe uma frase que diz que “ninguém é insubstituível”. E no reino de Deus isso também é uma verdade, não existe pessoa que não possa ser substituída, nem instituição ou mesma uma igreja que que não possa ser removida.

Olha o que diz o Senhor a igreja de Éfeso:
Lembra-te, pois, donde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; e se não, brevemente virei a ti, e removerei do seu lugar o teu candeeiro, se não te arrependeres.(Ap 2:5).

Infelizmente tem muita gente “brincando com Deus”. Nosso Deus é soberano e sua palavra não volta vazia. A palavra de Deus diz que “antes que a lâmpada se apagasse”, Deus chamou Samuel.Isto significa de uma forma espiritual que Deus nunca deixa que a lâmpada do templo se apague.

O Senhor sempre chama pessoas que não apaguem Seu Espírito (1 TS 5:19). O Senhor chama pessoas que valorizem sua presença, que temam a Ele, que obedeçam a sua voz. Deus chama pessoas que queiram servir a Ele, em espírito e em verdade (Jo 4:24). Hoje nós somos o “TEMPLO DO ESPÍRITO”, nosso corpo é o SANTUÁRIO DO ESPÍRITO SANTO, que provém de Deus, por isso devemos estar sempre com nossas candeias acesas.

Mas para que as candeias fiquem acesas é necessário “azeite puro”, ou seja, uma vida de santidade na “unção de Deus”.

Os Filhos de Eli já haviam desprezado a unção de Deus e mal sabiam o que era viver em santidade, quando se prostituíram.

Toda prostituição e impureza impedem que sejamos usados “como o Senhor deseja”. (1 Cor 6:13-18-19).


Eli também deixou que a lâmpada de Deus se apagasse em sua vida, quando desobedeço a Deus.

Diz a palavra de Deus: “Lâmpada para os meus pés e luz para os meus caminhos são a tua palavra (Sl 119:105).

Todo aquele que não observa a palavra de Deus pode ter ser candeeiro removido. A Bíblia relata no livro de apocalipse na carta a igreja de Éfeso um aviso importante para esta igreja e a de nossos dias. “Tenho contra ti que deixaste teu primeiro amor, lembra-te, pois de onde caíste.. arrepende-te e volta a prática das primeiras obras..” (Ap 2:4-5).

Na verdade o Senhor agiu mais uma vez com misericórdia, dando oportunidade a Igreja que se concertasse. O Senhor nunca sentencia um juízo sem que haja chance ao arrependimento. Só após a negligência desta admoestação que o Senhor removeria o candeeiro (Ap 2:5b). Os crentes de Éfeso havia abandonado seu Deus( O Espírito do Senhor).

Aqueles cristãos perderam a motivação de servir a Deus, o seu amor para com o Senhor que era a adoração a Ele. O pecado apaga a chama do amor de Deus em nossas vidas e acabamos vivendo como crentes religiosos, conformados a servir a Deus por obrigação a Deus e status.

A igreja de Éfeso havia deixado de se relacionar com Deus como outrora, por isso que foi preciso tal exortação. Um relacionamento que se esfria aos poucos só pode ser “incendiado” novamente pelo verdadeiro perdão e pelo resgate da paixão inicial. Para Éfeso só havia uma solução o arrependimento.

Era preciso para Éfeso, lembrar do pecado, arrepender-se dele e “praticar” as primeiras obras. Tirar o castiçal significava que aquela igreja havia “deixado de iluminar” e ser luz para os outros. A palavra diz que se “andarmos na luz”, como Cristo na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Cisto nos purifica de todo pecado”(1 Jo 1:7). Andai como filhos na luz, pois somos luz no Senhor (Ef 5:8). Somente “no Senhor” somos luz.

Disse-lhes, pois, Jesus: A luz ainda está convosco por um pouco de tempo. Andai enquanto tendes luz, para que as trevas não vos apanhem; pois quem anda nas trevas não sabe para onde vai. Enquanto tendes luz, crede na luz, para que sejais filhos da luz. (Jo 12:35-36).

Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida.(Jo 8:12)

O candeeiro removido demonstrava inoperância desta igreja. Ela deixou de ser diligente em suas obras para viver apenas de “ser chamada de igreja de Deus”.

E assim como todos castiçais do templo com os sete braços iluminaram o templo para o serviço, a Igreja de Deus deve iluminar os outros ao seu redor com a luz de Jesus. Apesar de ser um livro profético a história nos relata que por mais de mil anos, não tem havido igreja em Éfeso, ou seja, seu candeeiro realmente foi removido, porque não se arrependeu. A luz própria de Éfeso foi apagada por não ouvir o que o Espírito de Deus disse a seu respeito (Ap 2:7).

Não seja como a Igreja de Éfeso que não se arrependeu e teve seu candeeiro removido, por isso é hora de “acender suas candeias” arrependendo-se e voltando a Deus, ao primeiro amor.

Anderson Cassio Oliveira

Por Litrazini

Graça e Paz

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

O QUE QUERO FAZER NÃO FAÇO E QUE DETESTO AÍ EU FAÇO

Título meio confuso né? Pois é, e não é assim que pensamos de vez enquanto? Quantas e quantas vezes já nos questionamos: “O que eu fiz?” ou “Por que eu não fiz?”

É complicada essa nossa luta interior, parece que realmente às vezes temos um diabinho e um anjinho em cada lado, cada um mandando fazer uma coisa diferente. Isso parece mais complicado para nós que somos Cristãos que temos um desejo em nosso íntimo de fazer o que é certo e quando nos damos por conta fizemos tudo ao contrário.

Em outras situações nos motivamos, prometemos a nós mesmo fazer algo bom, uma boa ação ajudar alguém e aí chega na hora acabamos desistindo e não fazemos nada.

Quem não se sente frustrado assim né? Quem não sente um lixo em olhar pra sua vida e ver que fazemos tanta coisa errada que no fundo não queríamos. Mas sabe de uma coisa, tem uma saída, e tem uma explicação.

Você Sabia que o grande apóstolo Paulo, um grande evangelista muito usado por Deus, o cara que escreveu quase que a maior parte do novo testamento, você sabia que esse grande servo de Deus se viu apavorado nessas perguntas? Olha só:

“Sabemos que a lei é divina; mas eu sou humano e fraco e fui vendido ao pecado para ser seu escravo. Eu não entendo o que faço, pois não faço o que gostaria de fazer. Pelo contrário, faço justamente aquilo que odeio. Se faço o que não quero, isso prova que reconheço que a lei diz o que é certo. E isso mostra que, de fato, já não sou eu quem faz isso, mas o pecado que vive em mim é que faz. Pois eu sei que aquilo que é bom não vive em mim, isto é, na minha natureza humana. Porque, mesmo tendo dentro de mim a vontade de fazer o bem, eu não consigo fazê-lo. Pois não faço o bem que quero, mas justamente o mal que não quero fazer é que eu faço. Mas, se faço o que não quero, já não sou eu quem faz isso, mas o pecado que vive em mim é que faz. Assim eu sei que o que acontece comigo é isto: quando quero fazer o que é bom, só consigo fazer o que é mau. Dentro de mim eu sei que gosto da lei de Deus.” Romanos 7: 14-22

Quem escreveu isso foi o apóstolo Paulo, ele se via nesta mesma situação. Quem diária né? Esses versículos rendem inúmeras páginas de estudo, mas o que quero objetivamente passar pra você é que não adianta. Todos nós somos pecadores e pior ainda, temos uma natureza maldosa. Mas se você analisou bem o que Paulo escreveu, o X da questão é que o fato de odiarmos o que fazemos prova que sabemos que estamos indo contra a lei divina, e reconhecemos o que é o certo fazer, porém o que habita dentro de nós não é o bem, mas sim o pecado que faz eu fazer o que não quero.

Talvez você esteja lutando contra o pecado, está lutando contra hábitos horríveis que existe dentro de você. Você conhece a palavra, sabe o que certo, mas mesmo assim não consegue vencer.  Entenda quanto mais você conhecer a vontade perfeita de Deus, mais você vai descobri que não faz nada direito.

Aí você me pergunta: Qual a solução? Desistir? Eu respondo que sim. Desista de lutar com suas forças, porque você vai sempre perder. Paulo chegou a seguinte conclusão, talvez a mesma de você:

“Como sou infeliz! Quem me livrará deste corpo que me leva para a morte? Que Deus seja louvado, pois ele fará isso por meio do nosso Senhor Jesus Cristo! Portanto, esta é a minha situação: no meu pensamento eu sirvo à lei de Deus, mas na prática sirvo à lei do pecado.” Romanos 7: 24-25(NTLH)

Eis a resposta: Jesus! Sangue! Cruz! Graça! Somente pela graça de Cristo é que conseguiremos viver com Cristo. Desista de tentar ser o cara o santarrão, pela mente você pode ser escravo da lei divina saber tudo o que certo, mas pelo corpo você é escravo do pecado.

Somente Jesus vai te capacitar e te fortalecer. Se fosse por mérito nosso a vitória contra o pecado, então iríamos nos gloriarmos em nós mesmo, por isso somente por intermédio de Jesus pra sermos purificados libertados do jugo do pecado.

Não se desespere se você cair, Cristo está com você olhe sempre para aquela Cruz, veja o sangue derramado por você. A graça e o amor de Cristo são mais poderosos, e é através dele que você vai vencer, é pela fé. “O justo viverá pela fé” (Hb. 10: 38).

Não entenda o que falei até agora para justificar o vicio do pecado, Paulo foi bem claro: “Que diremos pois? Permaneceremos no pecado, para que a graça abunde? De modo nenhum. Nós, que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele”? Romanos 6:1-2

O que quero lhe fazer refletir é que temos uma luta, e precisamos ter essa luta, mas a vitória não é mérito nosso e não vai ser por suas próprias forças. Reduza seu corpo a nada, morra com Cristo, sepulte a velha criatura em Cristo, dependa em tudo dele, busque a ele, se entregue a Ele, crucifique o seu “eu” todos os dias, e Jesus, somente Ele irá ser capaz de livrar seu corpo da morte.

Guarde essas apalavra no seu coração, veja bem, o apóstolo Paulo também enfrentou essa luta, ela não é exclusividade sua. Mas sempre que o diabo vier te acusar das suas quedas, lembre ele que o Sangue de Jesus é maior e a graça de Cristo vai sempre abundar mais que o pecado. Você é joia rara e Deus te ama incondicionalmente, “Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós”.(Tg 4:7).

Confie na Garça de Cristo. É por intermédio de dEle que você irá vencer a luta!

Maicon Oliviera

Por Litrazini

Graça e Paz

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

VOCÊ CRÊ OU ACREDITA?

A fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não veem (Hebreus 11:1).

Ainda posso ouvir meu professor me perguntando: “Onde fica Nápoles?”. Como não estava bem certo, respondi hesitante: “Acredito que fica na Itália”. A resposta foi contundente: “Acreditar é para questões de igreja; você tem de saber”.

De certa forma ele estava correto. Acreditar obviamente está relacionado a questões religiosas, mas não se resume apenas a isso.

Quem crê tem de agir e viver na fé em todos os lugares e em todo tempo, não somente quando está na igreja, mas também em casa, no trabalho, no cotidiano.

Quem limita a crença à igreja torna sua fé inútil e morta. Uma fé viva é o poder dinâmico que envolve todos os aspectos da vida de um crente.

Contudo, meu professor quis dizer algo diferente. Quis enfatizar a diferença entre crer e saber de fato. Ele deduziu a partir da minha resposta o quão inseguro eu estava.

Geralmente usamos as palavras “crer” ou “acreditar” quando expressamos incerteza. “Será que vai fazer sol hoje?” – “Ah, eu creio que sim.” Existe claramente uma dúvida nessa resposta.

O uso bíblico da palavra “crer” expressa exatamente o oposto: uma confiança firme e inabalável.

Quando dizemos que cremos em Deus e em sua Palavra, a dúvida está fora de questão. Porque confiamos nele, sabemos com certeza que ele cumpre suas promessas e que o que ele diz é verdadeiro. Deus jamais decepcionou ou enganou alguém.

Se você tem dúvidas, incertezas ou inquietações em seu coração, você deve se refugiar em Deus e em sua Palavra.

Crer em Deus é abrir mão de nossas próprias crenças e inseguranças e confiar nele inteiramente.

Extraído do devocional BOA SEMENTE

Por Litrazini

Graça e Paz

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

SATANÁS TEM ACESSO À NOSSA MENTE?

Embora superestimemos muito o poder de Satanás, ao acharmos que ele pode interagir diretamente conosco em um sentido físico, um erro semelhante e oposto seria supor que ele não tem acesso à nossa mente.

Primeiro, embora Satanás não possa ler nossa mente, ele pode influenciar nossos pensamentos.

Portanto, a Bíblia nos instrui a “nos revestirmos de toda a armadura de Deus, para que possamos estar firmes contra as astutas ciladas do diabo” (Efésios 6.11). Sem ela, você é uma vítima garantida na guerra invisível; com ela, você é invencível.

A batalha espiritual é travada contra seres invisíveis que personificam o mal. E suas armas são espirituais, não físicas. Embora eles não possam nos ferir fisicamente, nos violentar sexualmente ou nos fazer levitar, podem nos tentar a trair, roubar e mentir.

Além disso, é crucial observar que se abrirmos a porta para Satanás, ao falharmos em nos revestir da completa armadura de Deus, o Inimigo age como se estivesse sentado em nosso ombro sussurrando em nosso ouvido. Esse sussurro não pode ser percebido com o ouvido físico, porém pode penetrar no “ouvido” da mente. Não podemos explicar como tal comunicação acontece, tanto quanto de que forma nossa mente pode produzir sinapses físicas do cérebro. Mas que essa comunicação mente a mente acontece é incontestável.

Se não fosse, o Diabo não poderia ter tentado Judas a trair seu Mestre, não teria seduzido Ananias e Safira a enganar Pedro ou incitado Davi a fazer o censo.

Finalmente, embora os anjos caídos não sejam seres materiais, e portanto não possam interagir conosco diretamente no sentido físico, são tão reais quanto à carne sobre nossos ossos.

Sem dúvida, para alegria do Diabo, muitos o descrevem com frequência como uma caricatura cultural, com uma longa cauda, roupa vermelha e um garfo. Longe de ser tolo ou estúpido, porém, Satanás aparece como um anjo de iluminação cosmopolita. Ele sabe muito bem, que sem nossa armadura espiritual somos presas fáceis no jogo do Inimigo.

Em última análise, toda a Escritura nos informa que a batalha espiritual é a batalha pela mente. “Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus, para destruição das fortalezas: destruindo os conselhos e toda altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo entendimento à obediência de Cristo” (2Coríntios 10.4-5).

“Porque não temos que lutar contra carne e sangue, mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau, e havendo feito tudo, ficar firmes” (Efésios 6.12-13).

SATANÁS TEM ACESSO À NOSSA MENTE POR MEIO DO QUE COLOCAMOS EM NOSSA MENTE.
“Não estejais inquietos por coisa alguma; antes, as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus, pela oração e súplicas, com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus. Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, NISSO PENSAI. O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes e vistes em mim, isso fazei, e o Deus de paz será convosco” (Filipenses 4.6-9).

HANK HANEGRAAFF

Por Litrazini

Graça e Paz

terça-feira, 18 de agosto de 2015

A CRUZ E MISSÕES


Digo-lhes verdadeiramente que, se o grão de trigo não cair na terra e não morrer, continuará ele só. Mas se morrer, dará muito fruto. (João 12.24)

Entre os peregrinos em Jerusalém havia alguns gregos. Evidentemente, nem a filosofia grega nem a religião judaica os havia satisfeito. Eles estavam espiritualmente famintos.

Assim, vieram a Filipe (talvez por causa de seu nome grego) e lhe disseram: “Senhor, queremos ver Jesus” (v. 21). A resposta de Jesus ao pedido deles foi indireta, porém clara em suas implicações: “Chegou a hora de ser glorificado o Filho do Homem” (v. 23).

Em outras palavras, eles haviam feito o pedido na hora certa, pois Jesus estava para ser glorificado, ou seja, revelado em toda a sua glória. Aquela hora, sabemos de outro lugar, era a hora de sua morte.

Jesus continuou desenvolvendo uma metáfora agrícola. Se uma semente permanece na segurança aquecida e seca de um celeiro, nunca irá germinar. Ela tem de ser enterrada na sepultura fria e escura do solo. Ali ela tem de morrer. Então, dessa sepultura gélida o grão, no tempo da primavera, brota.

Poderíamos resumir isso em uma simples frase: “Se ela agarrar-se a si mesma, permanecerá só, mas se morrer, se multiplicará”.

A cruz de Cristo é o exemplo supremo desse princípio fundamental. Se ele tivesse se apegado à sua vida, o mundo teria morrido. Mas porque ele morreu na escuridão do esquecimento de Deus, há vida para o mundo.

Tony Lambert, em seu livro The Ressurrection of the Chinese Church [A ressurreição da igreja chinesa], escreveu: “A razão do crescimento da igreja na China… está intimamente ligada à teologia da cruz como um todo. A mensagem completa da igreja na China é que Deus usa o sofrimento… para derramar reavivamento e edificar a sua igreja”.

Outra ligação entre a cruz e missões foi a seguinte declaração de Jesus: “Mas eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim” (v. 32).

Sua promessa parece ter um sentido figurado e outro literal. A referência principal é, claro, ao fato de ele ser erguido na cruz (v. 33), e na verdade a cruz exerce o seu próprio magnetismo. Mas ele é erguido também de modo figurado, toda vez que é fielmente proclamado.

Regozijamo-nos no apelo universal do Cristo crucificado, um apelo que independe de etnia, nacionalidade, classe, gênero e idade.

Ora, havia alguns gregos, entre os que tinham subido a adorar no dia da festa. Estes, pois, dirigiram-se a Filipe, que era de Betsaida da Galiléia, e rogaram-lhe, dizendo: Senhor, queríamos ver a Jesus.Filipe foi dizê-lo a André, e então André e Filipe o disseram a Jesus. E Jesus lhes respondeu, dizendo: É chegada a hora em que o Filho do homem há de ser glorificado. Na verdade, na verdade vos digo que, se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto. Quem ama a sua vida perdê-la-á, e quem neste mundo odeia a sua vida, guardá-la-á para a vida eterna. Se alguém me serve, siga-me, e onde eu estiver, ali estará também o meu servo. E, se alguém me servir, meu Pai o honrará. Agora a minha alma está perturbada; e que direi eu? Pai, salva-me desta hora; mas para isto vim a esta hora. Pai, glorifica o teu nome. Então veio uma voz do céu que dizia: Já o tenho glorificado, e outra vez o glorificarei. Ora, a multidão que ali estava, e que a ouvira, dizia que havia sido um trovão. Outros diziam: Um anjo lhe falou. Respondeu Jesus, e disse: Não veio esta voz por amor de mim, mas por amor de vós. Agora é o juízo deste mundo; agora será expulso o príncipe deste mundo. E eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a mim. E dizia isto, significando de que morte havia de morrer. João 12.20-33

Retirado de A Bíblia Toda, o Ano Todo [John Stott]. Editora Ultimato.

Por Litrazini


Graça e Paz