segunda-feira, 26 de outubro de 2015

PROSTITUIÇÃO ESPIRITUAL

Grego pomeia: relação sexual ilícita, incluindo prostituição, devassidão, incesto, libertinagem, adultério e imoralidade habitual. A palavra descreve tanto imoralidade física quanto espiritual.

O sentido que comumente se atribui a palavra é como sinônimo de fornicação, isto é, a prática sexual pré matrimonial. Isto é prostituição, sim, mas prostituição não é somente isto, pois engloba todos os atos de imoralidade.

Essa palavra pode adquirir outros sentidos, de acordo com o sentido que o autor quiser lhe emprestar. No mundo, a palavra prostituição pode ser relativo a uma troca imoral, pessoas que dão coisas para receber outras coisas, prática esta que ofende a moral e ética. Mulheres e homens que alugam seus corpos por dinheiro, bens, necessidades. Isto é uma forma de prostituição (Ex.23.32 e II Reis 17.17).

Prostituir é vender a própria honra, a própria dignidade, é sacrificar o amor-próprio e a auto-valorização em troca de alguma outra coisa = prostituição espiritual. Nós freqüentemente somos forçados a escolher entre o que é reto aos olhos de Deus, aquilo que Deus quer e exige de nós, e aquilo que é melhor (pelo menos aparentemente) aos nossos olhos. Como ocorreu em Números 25.1,20: Para possuírem as mulheres moabitas, os hebreus adoraram os deuses estranhos, e se inclinaram diante de ídolos feitos por mãos humanas.

Nesse sentido, Adão e Eva se prostituíram quando desobedeceram a Deus para poder saborear o fruto da árvore da vida. Abraão prostituiu-se quando mentiu para não correr o risco de ser morto por causa de sua linda mulher (Gn.12.12,13 e 20.2). Isaque repetiu o mesmo erro (Gn.26.7). Jacó mentiu para obter a benção de seu pai (Gn.27.6 a 29).

Ocorre a prostituição quando as pessoas cristãs se vendem para obter o que desejam ou almejam. Negam a sua fé em Cristo, jogam para fora a honestidade e a pureza de suas mãos por dinheiro, por prazer, pela fama, pela diversão. E isto, infelizmente, é comum e rotineiro em nossas igrejas: pessoas que vendem a própria fé, a própria paz, a comunhão com o Espírito de Deus por dinheiro, por prazer e por uma qualquer outra mórbida forma de satisfação.

Pedro prostituiu-se para não ser capturado e morto com Jesus, mas depois de revestido com o poder do Espírito Santo, recusou-se a prostituir por dinheiro oferecido por Simão, o mágico (Atos.8.18 a 20).  É preciso que fique claro: toda vez que alguém que se diz cristão, deliberada e espontaneamente faz qualquer coisa contrária à palavra de Deus, para ganhar algo ou não perder algo que tem, está se prostituindo espiritualmente.

Jesus tem que valer mais do que tudo em nossas vidas, e por ele temos que renunciar a tudo. Enquanto houver alguma coisa no mundo, neste mundo, que valha tanto ou tão mais do que Jesus, estamos sujeitos a nos prostituir para tê-lo ou não perde-lo.

Toda vez que você faz alguma coisa, qualquer coisa, de forma consciente e deliberada, que venha a magoar, entristecer o coração de Deus para conseguir satisfazer uma necessidade, um desejo, um capricho, uma "inclinação da carne" (concupiscência), você estará vendendo a sua fé, sacrificando a sua comunhão e comunicação com Deus. A carne estará se manifestando e dominando a sua vida, a sua alma, o seu espírito.

Transcrito Por Litrazini


Graça e Paz