domingo, 1 de novembro de 2015

SOCORRO NA TRIBULAÇÃO

A compaixão é o manto com o qual todo cristão deve se revestir para cultivar e desenvolver relacionamentos saudáveis, sendo um imitador do caráter de Cristo nesta terra. 

Revesti-vs, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade (Colossenses 3.12-14). Essas são virtudes que nós, cristãos, precisamos ter em nossos relacionamentos com o próximo. Porém, somente desenvolveremos essas qualidades morais se Cristo estiver no centro de nossa vida.

Mas, o que significa ser uma pessoa compassiva?
É aquela que é sensível ao sofrimento alheio; que se compadece do problema do outro e sofre com ele; que é solícita diante das necessidades do próximo e cuida dele; e demonstra empatia e consideração. 

A pessoa compassiva procura aliviar a carga do próximo, sua dor, suas frustrações e sua vergonha. Quanto mais exercemos a compaixão, mais nos libertamos do egocentrismo ou do individualismo, que são inerentes ao ser humano.


Deus é o nosso maior exemplo. Ele teve compaixão do ser humano pecador e, por amor a nós, enviou o que tinha de mais precioso, o Seu filho, Jesus Cristo, para redimir o ser humano do pecado e nos garantir uma vida abundante e eterna. 

Mas tu, Senhor, és um Deus cheio de compaixão, e piedoso, e sofredor, e grande em benignidade e em verdade (Salmos 86.15). Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e o Deus de toda consolação (2 Coríntios 1.3). 

Nosso Deus não é indiferente às nossas necessidades. Ele não nos abandona nem nos decepciona. Ao contrário, manifesta Sua misericórdia e compaixão diariamente.

Quando compartilhamos a dor dos outros manifestamos o caráter de Cristo, sendo um canal de bênção nesta terra. E a lei da semeadura sempre irá operar em nosso favor.

O apóstolo Paulo, em suas últimas exortações à igreja da Galácia, deixa bem claro a importância da compaixão: Levai as cargas uns dos outros e assim cumprireis a lei de Cristo. Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará (Gálatas 6.2,7). 

Infelizmente, a postura de muitos cristãos tem sido de indiferença e não de compaixão. Agem como se dissessem: "Não me importo com o que você passa, porque não tenho nada a ver com o seu problema” e “Cada um por si, e Deus por todos”.

Quando compreendemos o quanto Deus se compadece de nós, o quanto recebemos Sua graça e misericórdia a cada manhã, exercitamos essa compaixão através de nossas ações, e demonstramos maturidade espiritual e emocional.

Seja uma pessoa de ação. Não apenas de palavras, pois nossa vida cristã é feita do que fazemos e não do que falamos.


Dra. Elizete Malafaia

Litrazini

Graça e Paz