segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

AMOR E PROTEÇÃO

Aqueles a quem Deus, o Pai, ama e a quem Jesus Cristo protege. (Jd 1a)

A certeza do amor de Deus precisa impregnar os cristãos. O amor de Deus é mais perceptível no Novo testamento, mas aparece também no Antigo Testamento. Deus ordenou que Oseias voltasse a amar sua mulher adúltera: “Ame-a assim como eu amo o povo de Israel, embora eles adorem outros deuses” (Os 3.1).

Por intermédio de Malaquias, Deus faz uma declaração de amor: “Eu sempre amei vocês” (Ml 1.2).

O auge do amor de Deus está contido na passagem mais conhecida da Bíblia: “Deus amou o mundo tanto que deu o seu único Filho, para que todo aquele que nele crer não morra, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).

A mais evidente prova do amor de Deus é que Cristo morreu por nós, “quando ainda vivíamos no pecado” (Rm 5.8). João explica que antes de nós amarmos a Deus, ele nos amou primeiro “e mandou o seu Filho para que, por meio dele, os nossos pecados fossem perdoados” (1Jo 4.10).

A certeza da proteção de Jesus também precisa impregnar os cristãos. Uma das últimas palavras de Jesus antes de ser assunto aos céus foi a divina promessa: “E lembrem disto: Eu estou com vocês todos os dias, até o fim dos tempos” (Mt 28.20).

Jesus é o bom pastor que nos faz descansar em verdes pastos, nos leva a águas tranquilas, nos guia por caminhos certos, nos acompanha no vale escuro da morte, nos orienta e nos protege (Sl 23).

Judas não quer dizer que o amor pertence exclusivamente a Deus, o Pai, e a proteção pertence exclusivamente a Jesus Cristo, o Filho. Nem que eles se revezam nessas atribuições. Na verdade, o Pai ama e o Filho ama, o Pai protege e o Filho protege.

É Deus, nosso Pai, e Jesus, nosso Senhor, que “nos [dão] uma coragem que nunca acaba e uma esperança firme” (2Ts 2.16).

O Pai e o Filho me amam e me protegem!

Retirado de Refeições Diárias com os Discípulos. Editora Ultimato.

Por Litrazini


Graça e Paz