quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

OS GRANDES EFEITOS DO PECADO

Vendo os irmãos de José que seu pai havia morrido, disseram: “E se José guardar rancor contra nós e resolver retribuir todo o mal que lhe causamos?”. — Gênesis 50.15

A Bíblia nos conta como foi fácil para Simeão, Levi e os outros irmãos de José pecarem. Porém ela nos diz também como foi difícil para que eles fossem reconciliados com José novamente e fossem curados.

Essa é a razão por que muitas pessoas que não ouvem a mensagem da bondade de Deus caem no desespero. Algumas até cometem suicídio, afogando-se ou enforcando-se.

Elas não conseguem lidar com o poder do pecado que sentem atuar dentro delas. Quando “o pecado ameaça à porta” (Gn 4.7), as pessoas o negligenciam. Então ele se acomoda e uma ofensa leva à próxima – cada uma mais ultrajante que a anterior. Quando o pecado ganha forças para viver, o precioso sangue do Filho de Deus é aquele remédio caro, o qual é necessário para removê-lo

Precisamos nos afastar do pecado se pudermos. Porém, se temos caído em pecado, devemos aprender a nos levantar novamente e voltar a ganhar uma fé firme. Essas lutas nos mostram o que significa realmente crer.

Precisamos entender que o pecado é um mal terrível. Isso não parece ser verdade quando pecamos. Temos prazer nele enquanto o praticamos.

Contudo, depois, as leis de Deus nos tornam cônscios do nosso pecado, então entendemos que o pecado é o próprio inferno e é muito mais poderoso do que o céu ou a terra.

Depois disso, não podemos entender a graça de Deus sem fazer um grande esforço.

Mas um coração sobrecarregado de pecados pode dizer: “Pois Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar o mundo, mas para que este fosse salvo por meio dele” (Jo 3.17).

Sem esse conforto, não teríamos remédio nem defesa contra o pecado e a sua ferroada.

Retirado de Somente a Fé – Um Ano com Lutero. Editora Ultimato.

Por Litrazini


Graça e Paz