sábado, 6 de fevereiro de 2016

ISAÍAS E O NASCIMENTO VIRGINAL DE JESUS

ISAÍAS ESTAVA PENSANDO EM JESUS QUANDO PROFETIZOU SOBRE O NASCIMENTO VIRGINAL?

Rememorando o Antigo Testamento pelas lentes do Novo, é fácil afirmar que Isaías entendia o significado messiânico de sua profecia. Contudo, aqueles que creem na Bíblia como o infalível repositório da revelação redentora devem estar dispostos a examinar todas as coisas segundo as Escrituras e reter o que é bom (1Tessalonicenses 5.21).

Primeiro, a profecia no capítulo 7 de Isaías — “eis que uma virgem conceberá, e dará à luz um filho, e será o seu nome Emanuel” — cumpriu-se no capítulo 8. Como Isaías deixa claro, essa profecia se cumpriu quando ele “[foi] ter com a profetisa; e ela concebeu e deu à luz um filho” (8.3).

No contexto, Judá foi agitada quando dois reinos poderosos procuraram o fim das nações (veja Isaías 7.1-2). No entanto, Deus prometeu que o nascimento de Maer-Salal-Has-Baz era um sinal de que Judá seria poupada. Nas palavras de Isaías “antes que este menino saiba rejeitar o mal e escolher o bem, a terra de que te enfadas será desamparada dos seus dois reis” (7.16; cf. 8.4).

Além disso, embora a esposa de Isaías, diferente de Maria, não fosse virgem quando deu à luz, ela foi o cumprimento em um futuro próximo da profecia de Isaías. “Virgem” (ahnah) foi apenas um termo usado para referir-se à profetisa antes de sua união com Isaías, não para indicar que ela daria à luz um filho sendo virgem. Por analogia, teria sido verdade dizer em 1999 que “o governador do Texas um dia governará seu país”, mas isso não significa que George W. Bush governaria os Estados Unidos como governador do Texas.

Finalmente, embora o Espírito Santo possa ter revelado a Isaías que sua profecia apontava para Jesus “Isaías disse isto quando viu a sua glória e falou dele” João 12.41, só depois da miraculosa concepção virginal e nascimento de Jesus, mais de seis séculos depois, que se tornou completamente claro que o futuro próximo do cumprimento da profecia de Isaías era um tipo, o arquétipo de que Jesus é o Messias (Mateus 1.22-23). Enquanto Maer-Salal-Has-Baz significava a salvação temporária para Judá, Jesus Cristo — o “Emanuel” literal — personificou a salvação eterna para o verdadeiro Israel.

“Tudo isso aconteceu para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor pelo profeta, que diz: Eis que a virgem conceberá e dará a luz um filho, e ele será chamado pelo nome de Emanuel” (Mateus 1.22-23).

“Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos” (Gálatas 4.4-5).

Pr. Hank Hanegraaff

Por Litrazini


Graça e Paz