quinta-feira, 31 de março de 2016

CUIDADO COM O QUE VOCÊ CARREGA

Dois monges vinham andando por uma estrada barrenta, e após algumas horas caminhando, avistaram uma mulher, que estava vestindo um vestido de seda lindo, parada de frente para uma grande poça de lama que pegava de um lado à outro da rua.

Um dos monges se aproximou dela e perguntou:
- Bom dia linda mulher, posso ajudá-la?

A mulher respondeu-lhe em prantos:
- Sim, eu tenho que ir a uma festa e não posso me sujar.

O monge olhando para ela lhe disse:
- Isso não é problema eu levo você até o outro lado. E o monge colocou a mulher envolta de seu pescoço e à carregou até o outro lado, chegando lá ela agradeceu e os monges seguiram viagem.

Em um momento o outro monge olha para o amigo e lhe diz:
- Amigo você sabe que a nossa religião proíbe chegarmos perto de uma mulher, quanto mais manter um contato como você manteve.

O monge que tinha ajudado a mulher olha para o amigo com um olhar de espanto, e continua a viagem... mais na frente o monge pára o amigo e exclama:
- Imagina a reação do mestre ao saber que você tocou em uma mulher...

Mais uma vez o monge olha para ele e continua a viagem. Mais na frente mais uma vez o monge para o amigo e diz: 
- Amigo... não creio que você tocou naquela mulher... nossa! Não posso nem pensar na reação dos outros monges ao saber disto!

O monge já demonstrando em sua face que não estava gostando daquela pressão, olha nos olhos do amigo e continua a viagem.

Sem perceber isto mais uma vez ele é parado pelo seu companheiro que diz:
- Você sabe que...

O outro monge interrompe dizendo:
- Amigo... eu peguei a mulher de um lado da lama, a carreguei e a deixei do outro lado, mas você vem trazendo ela desde de lá...

Transcrito Por Litrazini


Graça e Paz

quarta-feira, 30 de março de 2016

LIBERDADE E LIBERTINAGEM

Temos liberdade naquilo que o Senhor não fala na Palavra, porém até essa liberdade tem limites. Se eu não aplico a seguinte regra, incorro na libertinagem:

A FÉ LIMITA A MINHA LIBERDADE. O AMOR LIMITA MINHA CONDUTA.

Veja que nas coisas que o Senhor não dá mandamentos, ou seja, onde Ele não legisla, nós não podemos legislar. Podemos ter opiniões sobre essas coisas, mas nunca podemos dar mandamentos que Deus nunca deu.

Se eu tenho fé, eu posso ter liberdade nas coisas que o Senhor não ordena (bebidas, futebol, televisão, cinema e etc.). Se tenho plena convicção e nenhuma dúvida eu não peco, porém se tenho dúvidas não devo fazê-lo.

Um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come só legumes. Quem come não despreze a quem não come; e quem não come não julgue a quem come; pois Deus o acolheu. Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias.

Cada um esteja inteiramente convicto em sua própria mente. Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz. E quem come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e quem não come, para o Senhor não come, e dá graças a Deus.

Mas tu, por que julgas teu irmão? Ou tu, também, por que desprezas teu irmão? Pois todos havemos de comparecer ante o tribunal de Deus. Porque está escrito: Por minha vida, diz o Senhor, diante de mim se dobrará todo joelho, e toda língua louvará a Deus. Assim, pois, cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus.

Portanto não nos julguemos mais uns aos outros; antes o seja o vosso propósito não pôr tropeço ou escândalo ao vosso irmão. Eu sei, e estou certo no Senhor Jesus, que nada é de si mesmo imundo a não ser para aquele que assim o considera; para esse é imundo. Pois, se pela tua comida se entristece teu irmão, já não andas segundo o amor.

Não faças perecer por causa da tua comida aquele por quem Cristo morreu. Não seja pois censurado o vosso bem; A fé que tens, guarda-a contigo mesmo diante de Deus. Bem-aventurado aquele que não se condena a si mesmo naquilo que aprova. Mas aquele que tem dúvidas, se come está condenado, porque o que faz não provém da fé; e tudo o que não provém da fé é pecado.  Romanos 14:3,5,6,10-16,22,23

Portanto se eu tenho fé eu tenho liberdade, porém se eu amo eu limito a minha liberdade por amor aos irmãos. Portanto em Romanos 14 Paulo fala de opiniões e não entra no conselho de Deus.

Nessas questões de usos e costumes não há legislação bíblica estabelecida. A única regra é o amor. Não devo julgar o meu irmão que faz uso de algo que para mim é inconcebível, e nem devo rejeitar aquele que não usa. Minha atitude deve ser de amor.

PERGUNTAS PARA FAZERMOS A NÓS MESMOS ANTES DE USAR DE ALGUMA LIBERDADE.
ISTO É LÍCITO? I Coríntios 10:23
ISTO EDIFICA? I Corintios 10:23b
ISTO ESTÁ ME DOMINANDO? I Coríntios 6:12b
ISTO GLORIFICA A DEUS? I Coríntios 10:31
ESTOU BUSCANDO MEU PRÓPRIO INTERESSE? I Coríntios 10:32,33
PROVÉM DE FÉ? Romanos 14:23
PROVÉM DE AMOR? Romanos 14:21

JESUS ESCANDALIZOU?
Não! Escandalizar é levar alguém a fazer algo sem ter fé. II Coríntios 6:1-4.

Devemos manter uma postura madura de ambos os lados: Quem come não despreze a quem não come; e quem não come não julgue a quem come; pois Deus o acolheu. Romanos 14:3

Transcrito Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz

terça-feira, 29 de março de 2016

CONVERSÃO – VOLTANDO-SE PARA DEUS

Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos fizerdes como crianças, de modo algum entrareis no Reino dos céus (Mateus 18:3).

A Bíblia nos mostra que a condição do homem após a queda de Adão é o oposto de seu estado original. O dia se tornou noite para ele; seu senso de moralidade foi obscurecido. Ele agora considera seus inimigos como amigos, e seus amigos como inimigos. Ele chama o bom de ruim, e o ruim de bom. Ele se considera livre e justo; só que na verdade ele é escravizado e perverso.

A única coisa que, de acordo com as palavras da Bíblia, pode ajudá-lo, a redenção através da fé em Jesus Cristo, lhe parece totalmente desnecessário. Ele pensa em Deus como seu inimigo contínuo em vez de aceitá-Lo como seu Pai. Este é o resultado de um impulso maligno interior que o homem não pode vencer sozinho. Isso torna-o cego e conduz sua vontade a uma direção errada que leva à destruição.

Por isso, é necessário que o homem permita que Deus trabalhe em seu coração e o reforme completamente. Quem quiser ser libertado do poder do pecado e salvo da condenação eterna deve reconhecer-se moralmente falido e se render a Deus.

Isso é “conversão”, declarando-se impotente diante de Deus, que pode mudar o seu modo pecaminoso e confiando a si mesmo a Deus, para que tudo possa ser feito novo. A criatura caída deve retornar ao Criador, o filho perdido para a casa do Pai.

A conversão abre o caminho para a salvação. Deus responde a esta confissão de culpa e fraqueza perdoando o crente de seus pecados e tornando-o Seu filho.

Mas, se o ímpio se converter de todos os seus pecados que cometeu, e guardar todos os meus estatutos, e fizer juízo e justiça, certamente viverá; não morrerá.Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti (Ezequiel 18:21; Lucas 15:18).

Temos ido na direção errada e nos encontramos em um beco sem saída. Estamos perdidos; quanto mais rápido mudamos de direção, menos tempo é desperdiçado.

MUDAR O RUMO: esse é o significado da palavra “conversão”. Esta não é uma mera teoria, nenhuma restauração externa, mas uma mudança interna completa. Qualquer um que busca melhorar a sua conduta externa não é de forma alguma um convertido. A conversão é uma cura radical das nossas maneiras morais. Ela tem, naturalmente, um efeito sobre a forma de conduzir a nossa vida.

Conversão não consiste em mudar de religião, mas aceitar um padrão novo de valores, tornando-se naquilo que não era antes, ter uma nova fonte de energia e diferentes esperanças e amigos. Isso significa escolher outro caminho, colocar o olhar sobre outros objetivos, e trabalhar para um novo Mestre.

Antes eu vivia para mim, agora eu vivo para Deus. Eu costumava estar satisfeito comigo mesmo, agora eu tenho reconhecido meu antigo e triste estado moral. Ontem Deus teve que condenar-me; hoje Ele me vê como justificado pela obra redentora de Cristo na cruz.

A conversão é uma mudança total na forma de pensar e viver. Um novo convertido colocou assim: “Até agora eu pensava que eu vivia; agora eu realmente vivo”

Extraído do devocional BOA SEMENTE

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz

segunda-feira, 28 de março de 2016

O TRABALHO

Para um discípulo, o poder trabalhar é um dom de Deus. O trabalho não é um mal necessário como pensam alguns, e tão pouco é tudo na vida, como falam outros. As Escrituras trazem ensinamento claro, positivo e equilibrado sobre a dignidade do trabalho.

O TRABALHO FOI ORDENADO NA CRIAÇÃO
O trabalho não é uma maldição ou um castigo imposto ao homem por causa do pecado. A terra, de fato, foi amaldiçoada por causa do pecado do homem dificultando o seu trabalho e exigindo dele esforço para conseguir sustento (Gênesis 3:17-19). Todavia o trabalho antecede o pecado.

Deus não fez chover sobre a terra senão depois da criação do homem, para que este pudesse cultivá-la (Gênesis 2:5). Depois que o homem foi criado Deus o colocou a trabalhar cultivando e guardando o jardim. A natureza, por si só, não produzia adequadamente para o sustento do homem. Ele precisava cultivá-la.

Desde o princípio, além de exercer domínio sobre todos os animais e multiplicar-se a si mesmo para cumprir o propósito de Deus (Gênesis 1:26-28), o homem também cumpria vontade de Deus trabalhando a terra.

O TRABALHO COMO OBRIGAÇÃO MORAL
O trabalho não é um impulso. É um exercício das vontade. É um esforço consciente, direcionado e planejado. Muitas vezes será em detrimento de outras atividades legítimas (leitura, lazer, devoção...). A regra bíblica é se alguém não quer trabalhar, também não coma ( I Tessalonicenses 3:10). No tempo dos primeiros apóstolos os discípulos que não queiram trabalhar, vivendo desornedamente, eram notados na igreja e afastados dos demais irmãos (II Tessalonicenses 3:6-15). Isso também praticamos hoje em dia.

O PECADO DA PREGUIÇA E INDOLÊNCIA
Sai o homem para o seu trabalho e para o seu encargo até a tarde Salmo 104:3. A preguiça leva à ociosidade e esta aos vícios, aos falatórios profanos, fantasias, leviandades, murmuração, ciúmes, invejas, pobreza, etc. (Provérbios 6:6-11; 12:9,11; Tito 1:10-13; I Timóteo 5:13). O preguiçoso morre desejando porque as suas mãos recusam a trabalhar (Provérbios 21:25)

O TRABALHO É UM SERVIÇO
Trabalhando servimos ao próximo. Não trabalhamos apenas para suprir as nossas necessidades (ITs 4:11,12). Isso é legítimo, bom e necessário, mas nosso trabalho deve visar também, o suprimento de outros (Efésios 4:28). Também nisso Jesus é nosso exemplo (II Co 8:9). Importante é a leitura dos capítulos 8 e 9 de segunda Coríntios.

O TRABALHO DIGNIFICA
O Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida...   Mateus 20:28. Nenhum trabalho deve ser considerado humilhante. O Verbo Eterno assumiu a forma de servo e, uma vez encarnado, serviu aos homens em uma profissão simples e honrosa (Filipenses 2:5-8; Marcos 6:3). No reino de Deus não há espaço para orgulho de qualquer espécie (Lucas 22:24-27; João 13:1-17). Tudo quanto te vier a mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças Eclesiastes 9:10

A CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL E A PROSPERIDADE
Vês um homem perito em sua obra? Perante reis será posto não entre a plebe.  Provérbios 22:29. Deus honra aquele que busca se esmerar em seu trabalho. Muitas dificuldades encontradas em muitos irmãos é fruto da falta de habilitação profissional (Gálatas 6:7).

A prosperidade na Bíblia é apresentada sempre como resultado de generosidade, fidelidade a Deus e diligência no trabalho.

Deus quer um povo que viva nesse presente século não somente de modo piedoso e justo, mas também sensato (Tito 2:12; Eclesiastes 11:4-6; Provérbios 12:24; 13:11; 14:23; 21:5).

Ao que bem ordena seu caminho eu lhe mostrarei a salvação de Deus. Salmo 50:23

Tudo é do Senhor e para Ele devemos executar o que nos foi confiado, Porque dEle e por meio dEle e para Ele são todas as coisas. A Ele, pois, a glória eternamente. Romanos 11:36

Transcrito Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz

domingo, 27 de março de 2016

O QUE É O DOMINGO DE PÁSCOA?

Há muita confusão sobre o que o Domingo de Páscoa significa. Para alguns, o domingo de Páscoa é sobre o Coelhinho da Páscoa, ovos de Páscoa coloridos e caça ao ovo.

A maioria das pessoas compreende que o Domingo de Páscoa tem algo a ver com a ressurreição de Jesus, mas está confusa quanto à forma em que a ressurreição se relaciona com os ovos e o Coelhinho da Páscoa.

Biblicamente falando, não há nenhuma conexão entre a ressurreição de Jesus Cristo e as tradições modernas relacionadas com o Domingo de Páscoa.

Essencialmente, o que ocorreu é que, a fim de tornar o Cristianismo mais atraente para os não-Cristãos, a antiga Igreja Católica Romana misturou a celebração da ressurreição de Jesus com as celebrações dos rituais da fertilidade que ocorriam na primavera. Estes rituais de fertilidade são a origem do ovo e das tradições do coelho.

A Bíblia deixa claro que Jesus ressuscitou no primeiro dia da semana, domingo (Mateus 28:1, Marcos 16:2,9; Lucas 24:1, João 20:1,19). A ressurreição de Jesus é o evento mais digno de ser comemorado (veja 1 Coríntios 15).

Embora seja adequado que a ressurreição de Jesus seja comemorada em um domingo, não devemos nos referir ao dia em que a ressurreição de Jesus é celebrada como “a Páscoa”. Páscoa não tem nada a ver com a ressurreição de Jesus em um domingo.

Como resultado, muitos Cristãos defendem fortemente que o dia em que celebramos a ressurreição de Jesus não deve ser conhecido como o "Domingo de Páscoa". Em vez disso, algo como "domingo da Ressurreição" seria muito mais apropriado e bíblico. Para o Cristão, é impensável permitir que a bobagem de ovos e coelhinho de Páscoa sejam o foco do dia, em vez da ressurreição de Jesus.

De todo jeito, sinta-se à vontade para celebrar a ressurreição de Cristo no domingo de Páscoa.

A ressurreição de Cristo é algo que deve ser comemorada todos os dias, e não apenas uma vez por ano. Ao mesmo tempo, se optarmos por celebrar o Domingo de Páscoa, não devemos permitir que os jogos e diversão distraiam a nossa atenção do verdadeiro significado desse dia: o fato de que Jesus ressuscitou dentre os mortos e que a Sua ressurreição mostra que podemos ter a promessa de um lar eterno no céu ao recebê-lO como nosso Salvador.

Fonte:GotQuestion

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz

sábado, 26 de março de 2016

LUTANDO CONTRA AS NOSSAS FRAQUEZAS

Jacó chamou àquele lugar Peniel, pois disse: “Vi a Deus face a face e, todavia, minha vida foi poupada”. — Gênesis 32.30. Jacó proporcionou à Igreja um lindo exemplo de fé ao lutar contra a sua fraqueza.

Isso nos mostra que os ancestrais e os profetas hebreus não eram como rochas, que não mostram sinais de fragilidade.

Se fosse assim, nós iríamos nos desesperar por causa das fraquezas que sentimos em nós mesmos.

Frequentemente nossos corpos reclamam que estamos sendo tratados injustamente. Não queremos sofrer e ser maltratados por outros. Mas o exemplo dos ancestrais hebreus nos conforta, pois eles também não eram sempre firmes e fortes em sua fé.

Jacó foi confortado por chuvas de bênçãos vindas de Deus. Ele também recebeu os benefícios das bênçãos que foram dadas a seu pai, Isaque, e a seu avô, Abraão. No entanto, ele precisou lutar contra as suas fraquezas.

Você deve dizer para si mesmo: “Eu não estou sozinho quando temo a ira de Deus, quando imagino se Deus realmente me escolheu e quando fico preocupado, com medo de perder a minha fé. Eu não estou sozinho!”.

Todos os cristãos – do passado e do presente, todos que já creram no Filho de Deus – passam pela mesma luta.

Deus usa essas experiências para nos refinar.

No final, como Jacó, você poderá se erguer e proclamar alegremente: “Eu vi Deus face a face, todavia minha vida foi poupada”.

Retirado de Somente a Fé – Um Ano com Lutero. Editora Ultimato.

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz

sexta-feira, 25 de março de 2016

CRISTO COMO A PÁSCOA

Cristo, nosso Cordeiro Pascal, foi imolado (1Co 5:7) “Alimpai-vos, pois, do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós”. Cristo fez o seu grande e eterno sacrifício, que é o nosso agente de nossa purificação moral. Cumpri-nos abandonar nossa velha maneira de viver.

PÁSCOA, OU A CEIA DO SENHOR?
O próprio Senhor Jesus, quando instituiu a Santa Ceia, que se deu no dia da páscoa “No primeiro dia da festa dos pães asmos, os discípulos se aproximaram de Jesus e lhe perguntaram: Onde queres que façamos os preparativos para comeres a páscoa? Respondeu-lhes ele: Ide a cidade ter com certo homem, e dizei-lhe: O Mestre diz: O meu tempo está próximo. Em tua casa celebrarei a páscoa com os meus discípulos. Os discípulos fizeram como Jesus lhes ordenara, e prepararam a páscoa” Mt 26:17-19; e não foi pela Sua ressurreição que Ele a instituiu, e sim, em memorial a Ele, e anunciando a Sua morte, até que Ele venha a nos buscar  “Pois todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice, anunciais a morte do Senhor, até que ele venha”I Co. 11:26. 

Isto é, a Ceia do Senhor se deu justamente na páscoa porque, a verdadeira páscoa era Ele (I Co.5:7), que estava preparado para morrer pelos nossos pecados - a de ser crucificado. Por isso que foi chamado de Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo: “No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” João 1:29, porque Ele é o Cordeiro a ser sacrificado, a páscoa, para derramar o Seu sangue pelos nossos pecados; pois, sem tal sacrifício, nenhum homem poderia aproximar de Deus, e entrar em comunhão com Ele, ganhando assim a vida eterna.

Razão pelo qual, uma vez feito tal sacrifício, o único verdadeiro e perfeito, deixaria de ter sentido a páscoa, uma vez que o antigo pacto foi consumado. Foi por essa razão que o Senhor Jesus se reuniu com os seus discípulos, para realizar a última páscoa - a válida - e estabelecer o novo pacto, mais abrangente, e debaixo da graça: a Ceia do Senhor.

A IMPORTÂNCIA DA PÁSCOA PARA NOSSOS DIAS

O cordeiro imolado para libertação do povo representa Cristo que foi morto por nossos pecados para nos livrar da escravidão do pecado e da morte.

-  Deveria ser um cordeiro sem nenhum defeito: “Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós, para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” II Co. 5:21; “Mas com o precioso sangue de Cristo, como um cordeiro sem defeito e sem mancha” I Pedro 1:19.

- O cordeiro deveria morrer para que os homens pudessem viver “Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas, cada um se desviava pelo seu caminho; e o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos. Ele foi oprimido e humilhado, mas não abriu a sua boca; como cordeiro foi levado ao matadouro, e como ovelha muda perante os tosquiadores, ele não abriu a sua boca” Isaías 53.6,7

Páscoa é a comemoração do livramento da morte e da escravidão.

Se a morte de Cristo não for uma realidade em sua vida de que adianta sua comemoração neste dia?

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz


quinta-feira, 24 de março de 2016

O QUE É ORAÇÃO E QUAL A SUA IMPORTÂNCIA?

Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças. (Filipenses 4.6)

Deus conhece todas as coisas, mas ele quer que lhe peçamos. Deus não quer agir sozinho. Ele quer que seus filhos trabalhem com ele através da oração. PELA ORAÇÃO TRABALHAMOS COM DEUS PELO CUMPRIMENTO DE SUA VONTADE.

Este é um princípio que Deus estabeleceu para cumprir sua vontade. Ele espera que seus filhos lhe peçam, do contrário a vontade de Deus não se cumprirá (Isaías 45.11; Ezequiel 36.37). Devemos pedir em nome de Jesus (João 14.13,14; 16.23-24).  Pedir no nome de Jesus é pedir em lugar dele, isto é, de acordo com os interesses dele; pedir o que ele pediria porque é da sua vontade.

JESUS ENSINOU A ORAR COM:
SINCERIDADE (Mt. 6.5,6); SIMPLICIDADE;  HUMILDADE (Lc. 18.9-14);  PERSISTÊNCIA (Lc. 11.5-8);  INTENSIDADE  (Lc. 11.9-10), isto é, com desejo intenso.

CONSELHOS PRÁTICOS

ORAÇÃO SOZINHO ‘… Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente. (Mateus 6.5-6). 

Tenha um tempo específico para oração (Salmo 5.1-3). O melhor horário para a maioria das pessoas é pela manhã quando existe silêncio e não se começou nenhuma atividade (Levítico 6:12; Salmo 5:3; 30:5; 59:16; 90:14; Lamentações 3:25).

Antes de orar por qualquer assunto trate com o coração (Salmo 17:3; 19:14: 26:2; 66:18). Nossa consciência tem que estar completamente limpa.

Faça uma lista de oração prática e específica, incluindo os familiares, contatos, líderes da Igreja, governantes, inimigos (aqueles que te perseguem por causa da justiça) e irmãos perseguidos ao redor do mundo.

ORAÇÃO JUNTO COM OS IRMÃOS (Mateus 18.19-20; Atos 2.42; 4.23-31).  
Devemos ficar sensíveis para perceber a direção e a carga do Espírito Santo. Todos podemos orar por um mesmo assunto, até que tenhamos coberto todos os detalhes. Todos devemos participar. Esse aspecto é importante porque a oração da Igreja é primordial para o cumprimento do propósito de Deus. Coisas importantes aconteceram quando a Igreja orava. Veja só:

Receberam o batismo com o Espírito Santo (Atos 2:1-4); O lugar onde oravam tremeu durante a oração e todos foram cheios do Espírito (Atos 4:31); Pedro foi libertado da prisão (Atos 12:5-9); Paulo e Barnabé são chamados para o apostolado (Atos 13:1-4)

Quando nos reunimos com outros irmãos para orar se dá oportunidade para a operação dos dons do Espírito.

ORAI SEM CESSAR (I Tessalonicenses 5:17)
Não andeis ansiosos por coisa alguma; antes em tudo sejam os vossos pedidos conhecidos diante de Deus pela oração e súplica com ações de graças; e a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus. (Filipenses 4:6,7)

Transcrito Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz

quarta-feira, 23 de março de 2016

PREGANDO O EVANGELHO CORRETO

Quando Jesus colocava as condições do reino, Ele sempre começava com “se alguém quer ser meu discípulo…”, e logo a seguir vinham as condições. Estas eram condições para ser um discípulo, para ser um convertido, um salvo. Eram condições para entrar no reino de Deus. Não era uma opção para ser mais consagrado, para crescer na fé, ou para se tornar pastor. 

O arrependimento, com tudo o que ele significa e produz, está na Porta de Entrada e não no caminho. Muitos estão pregando um evangelho “fofinho” (creia e mais nada), e depois querem estreitar o caminho. Mas quem vai querer perder a vida se na entrada já lhe prometeram salvação e vida eterna sem condição nenhuma? Esta pregação tem enchido a igreja de religiosos que não estão submissos a autoridade de Jesus. Devemos mudar esta situação, e o principal para isto é entender que:

A Submissão Total a Autoridade de Jesus não é uma Opção para o Salvo, mas uma Condição para Ser Salvo

Em face desta verdade podemos observar que hoje há no mundo três tipos de homem. O primeiro não quer saber de Deus. O segundo está muito interessado em Deus. O terceiro vive para Deus. São eles:

O INCRÉDULO: Não quer dizer necessariamente ateu. É alguém que não tem interesse em Deus. Qual é o seu problema? É que governa a sua vida. Controla todas as áreas de sua vida conforme a sua vontade e para seu próprio prazer. Tem o EU no centro de sua vida. Ele vive para si mesmo.

O RELIGIOSO: É muito diferente do incrédulo. Acredita em Deus, lê a Bíblia, ora, canta, vai a reuniões, chama Jesus de Senhor, etc. Mas qual o seu problema? O mesmo do incrédulo. Tem o EU no centro. Vive para si mesmo. E Deus? Deus existe para abençoá-lo, curá-lo, servi-lo e salvá-lo. É um quebra-galho. Este está pior que o incrédulo porque está se enganando.

O DISCÍPULO: Não vive mais para si mesmo. Vive para Deus. Toda sua vida está estruturada em função da vontade de Deus. Jesus é o seu Senhor. Este experimentou um verdadeiro arrependimento. Que diferença entre um discípulo e um religioso! Que amor! Que prontidão! Que docilidade! Como cresce e frutifica! Graças a Deus pela revelação do seu reino!

O verdadeiro arrependimento tira o homem do centro e coloca  Jesus no centro de tudo. Que benção é quando uma pessoa compreende o reino de Deus em sua vida. Está sempre pronta para servir, disposta, alegre , tem um coração grato, é submissa.

Esta pessoa tem problemas ? Tem !

Ela passa por dificuldades ? Passa !

Ela pode vir a pecar ?  Pode !

Ela passa por tribulações ?  Sim !

Mas em todas estas áreas ela tem vitoria completa , pois sua vida esta edificada sobre a pessoa de Jesus. Ele é o centro. Ele é o Senhor.

Transcrito Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz

terça-feira, 22 de março de 2016

MAIS QUE FELIZ!

“Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a DEUS” (Mt 5:8).

Hoje é mais um dia que temos a oportunidade e privilégio de passar na presença do Senhor!

Felicidade é um estado de espírito em que há completa satisfação, contentamento e onde não existe nenhum sentimento de tristeza na vida de uma pessoa. Mas até quando pode durar uma felicidade plena? Difícil dizer, não?

A Bíblia, Palavra de Deus, nos orienta a respeito das bem aventuranças e o que elas irão nos oferecer se, firmes e até o fim, seguirmos Jesus fazendo a vontade do Pai. A bem-aventurança significa o estado abençoado daquele que, por seu relacionamento com Jesus e Sua Palavra, receberam de Deus o amor, o cuidado, a salvação e Sua presença diária.

Há certas condições necessárias para recebermos as bênçãos do Reino de Deus e devemos viver de acordo com os padrões revelados por DEUS na Sua Palavra. Existem alguns adjetivos inerentes à bem-aventurança, que indicam o caráter do bem-aventurado e demonstram uma mudança de comportamento e atitude por parte de alguém. E JESUS falou sobre isso quando subiu ao monte, ensinando os seus discípulos (Mt 5:1-12).

– HÁ DE SER HUMILDE. A humildade é uma característica do bem-aventurado. Humilde aqui significa despir-se (no sentido de tirar do corpo) do orgulho e ser sensível ao ministério de Deus para o seu bem e receber do Senhor a bem-aventurança: “Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus” (Mt 5:3).

– DEVE SER SENSÍVEL. “Chorar” no sentido de contristar-se com as nossas fraquezas, quando as medimos com o padrão divino de justiça. É sentir pesar por aquilo que entristece a Deus. É sentir aflição em nosso espírito por causa do pecado, da imoralidade e da crueldade que prevalecem no mundo: “Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados” (Mt 5:4).

– O MANSO, REFERE-SE À SUBMISSÃO DIANTE DE DEUS. É aquele que acha em Deus um refúgio e lhe consagra todo o seu ser. Preocupa-se mais com a obra e o povo de Deus do que com aquilo que lhe possa acontecer pessoalmente: “Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra” (Mt 5:5).

– FOME E SEDE DE JUSTIÇA, DESEJO DE OUVIR E FAZER A VONTADE DE DEUS. É uma condição primordial para ter uma vida santa e estar na presença do Senhor. O estado espiritual do crente durante toda sua vida depende da sua fome e sede da presença de Deus, da Sua Palavra, da comunhão com Cristo, da justiça e da volta do Senhor. “Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos” (Mt 5:6). Quando a fome de Deus cessa no crente, este morre espiritualmente.

– A COMPAIXÃO TAMBÉM FAZ PARTE DA VIDA DO CRENTE, QUE PRATICA A FÉ INDO DE ENCONTRO ÀS NECESSIDADES DOS OUTROS. Os misericordiosos estão cheios de compaixão e dó para com os que sofrem por causa do pecado e desejam minorar os sofrimentos, conduzindo os aflitos à graça de Deus através de Jesus. “Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia” (Mt 5:7).

– OS LIMPOS DE CORAÇÃO E SEPARADOS PARA DEUS SÃO OS QUE FORAM LIBERTOS DO PODER DO PECADO MEDIANTE A GRAÇA DE DEUS, E QUE AGORA SE ESFORÇAM PARA AGRADAR E GLORIFICAR A DEUS. Procuram ter amor à justiça e ódio ao mal. Seu coração está em harmonia com o coração de Deus. “Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus” (Mt 5:8).

– OS PACIFICADORES DEIXAM PASSAR, AO INVÉS DE VINGAR E PROCURA A RESTAURAÇÃO DA COMUNHÃO. Eles já se reconciliaram com Deus e tem paz com Ele mediante a cruz. E agora se esforçam, por meio de seu testemunho e sua vida, para levarem outras pessoas, inclusive seus inimigos, à paz com Deus. “Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus” (Mt 5:9).

– OS PERSEGUIDOS POR CAUSA DA JUSTIÇA SÃO AQUELES QUE PROCURAM VIVER DE ACORDO COM A PALAVRA DE DEUS E AMAM A SUA JUSTIÇA. Esses serão impopulares, rejeitados e criticados porque se recusam a concordar com o pecado no mundo e, por isso, sofrerão oposição e perseguição. “Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus” (Mt 5:10).

Amados, por causa de Cristo seremos perseguidos, maltratados, desprezados e, muitos, até mortos. Mas não podemos deixar de pregar a Palavra de Deus e o que ela representa para todos que aceitam a Jesus como salvador e Senhor. O próprio Jesus nos garantiu as bem-aventuranças e as recompensas que virão delas. Só nos resta, então, continuar por este poderoso e brilhante caminho chamado Jesus.

Um forte abraço aos bem-aventurados do SENHOR JESUS.

Pb Sidney Moreira

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz

segunda-feira, 21 de março de 2016

O QUE É O BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO?


Na Bíblia esta experiência é apresentada através de vários termos diferentes:

BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO - Mt 3:11  At 1:5; Receber o Dom do Espírito Santo - At 2:38  At 10:35; A promessa do Pai  - Lc 24:49  At 1:4  At 2:33,39; Ficar cheio do Espírito Santo - At 2:4; Receber o Espírito Santo - At 8:17  At 10:47; Caiu o Espírito Santo sobre ….  - At 10:44 At 11:15; Derramar do Espírito Santo - At 2:17,18,33  At 10:45

Todos estes termos se referem a uma mesma experiência: O batismo no Espírito Santo. Mas afinal, o que é ?

É UM DOM , UMA PROMESSA E UM MANDAMENTO. “...recebereis o dom do Espírito Santo.” (At 2:38)
O que é um dom? Dom é um presente, dádiva, algo que foi dado. Não é um prêmio : um prêmio é uma recompensa dada pelo esforço ou mérito de alguém. Não é uma conquista, algo que adquirimos depois de caminhar anos com o Senhor. Não está ligado ao que eu faço ou a merecimento. ( Ex.: corrida , se eu não merecer eu não ganho )

Jesus é o doador e Ele dá o Espírito Santo a todos. (a virtude está em quem dá) Isto significa que não depende do caráter da pessoa nem de sua santidade. Em qualquer momento, seja qual for a situação que você estiver atravessando, você pode se colocar diante de Deus e ser batizado no Espírito.

É o Espírito que nos leva a uma vida santa e não uma vida santa que nos leva ao Espírito. É o Espírito que irá transformar o nosso caráter.  (At 3:12  - ...como se pela nossa própria santidade ... ) Temos que crer na promessa do Pai. Ele prometeu e cumpriu, e receber a promessa depende apenas de crer na fidelidade do Pai.

Aquele que recebe fica consciente que recebeu. É uma experiência porque nós experimentamos algo diferente. É definida porque quando experimentamos somem as dúvidas e é pessoal porque com cada um de nós pode ser diferente. Uns podem profetizar, outros rir, chorar , orar , falar em outras línguas.

Aquele que creu, se arrependeu e foi batizado tem o espírito santo morando dentro de si. Mas o dom é uma experiência definida que o manifesta. Tomamos posse da promessa de uma maneira evidente, consciente e NÃO TEMOS MAIS DÚVIDA se temos o Espírito de Deus.

At 19:2-6 - “Perguntou-lhes: Recebestes vós o Espírito Santo quando crestes? Responderam-lhe eles: Não, nem sequer ouvimos que haja Espírito Santo. Tornou-lhes ele: Em que fostes batizados então? E eles disseram: No batismo de João. Mas Paulo respondeu: João administrou o batismo do arrependimento, dizendo ao povo que cresse naquele que após ele havia de vir, isto é, em Jesus. Quando ouviram isso, foram batizados em nome do Senhor Jesus. Havendo-lhes Paulo imposto as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo, e falavam em línguas e profetizavam.”

É UM REVESTIMENTO DE PODER. - Lc 24:49 - “E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai porém, na cidade, até que do alto sejais revestidos de poder.”

É poder espiritual.  Você é revestido com o poder de Deus. E você pode curar enfermos, operar milagres, profetizar, falar em outras línguas, ter revelação da Palavra de Deus, etc.

É A CAPACITAÇÃO PARA SERMOS TESTEMUNHAS DE CRISTO. - At 1:8 - Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samária, e até os confins da terra.”

Um dos significados da palavra poder é “capacidade para fazer”. É a nossa capacitação para:

Fazer discípulos; Ser testemunhas de Cristo; Anunciar o Evangelho do Reino; Falar com autoridade e poder.

I Co 2:4 - “A minha linguagem e a minha pregação não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria, mas em demonstração do Espírito de poder.”

Se estamos cheios do Espírito seremos testemunhas eficientes de Cristo e manifestaremos o Senhor Jesus não apenas com palavras, mas com poder, pelo Espírito Santo que habita em nós.

Transcrito Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz

domingo, 20 de março de 2016

O QUE É A SEMANA SANTA / SEMANA DA PAIXÃO?

A Semana da Paixão (também conhecida como Semana Santa) é o tempo desde o Domingo de Ramos até o Domingo de Páscoa (domingo da Ressurreição).

Semana Santa é assim chamada por causa da paixão com que Jesus voluntariamente foi à cruz para pagar pelos pecados de Seu povo.

Semana Santa é descrita em Mateus capítulos 21-27; Marcos capítulos 11-15; Lucas capítulos 19-23 e João capítulos 12-19.

A Semana Santa começa com a entrada triunfal de Jesus no Domingo de Ramos, montado em um jumento, assim como profetizado em Zacarias 9:9.

A Semana da Paixão continha vários eventos memoráveis. Jesus purificou o Templo pela segunda vez (Lucas 19:45-46), então disputou com os fariseus a respeito de Sua autoridade. Depois disso, Ele fez o Seu Discurso das Oliveiras sobre o fim dos tempos e ensinou muitas coisas, incluindo os sinais de Sua segunda vinda.

Jesus comeu a sua Última Ceia com os discípulos no Cenáculo (Lucas 22:7-38), depois foi para o jardim de Getsêmani para orar enquanto esperava que a Sua hora chegasse. Foi aqui que Jesus, depois de ter sido traído por Judas, foi preso e levado para os julgamentos diante de vários sacerdotes, Pôncio Pilatos e Herodes (Lucas 22:54-23:25).

Após os julgamentos, Jesus foi açoitado nas mãos dos soldados romanos. Em seguida, foi forçado a carregar o Seu próprio instrumento de execução (Cruz) pelas ruas de Jerusalém, ao longo do que é conhecido como a Via Dolorosa (caminho das Dores).

Jesus foi então crucificado no Gólgota no dia antes do sábado, foi sepultado e permaneceu no sepulcro até domingo, um dia depois do sábado, e, em seguida, gloriosamente ressuscitou.

Esse tempo é conhecido como Semana Santa porque foi quando Jesus Cristo realmente revelou a Sua paixão por nós através do sofrimento pelo qual voluntariamente passou a nosso favor.

Qual deve ser a nossa atitude durante a Semana Santa?

Devemos ser fervorosos em nossa adoração a Jesus e em nossa proclamação de Seu Evangelho!

Assim como Ele sofreu por nós, igualmente devemos estar dispostos a sofrer para poder segui-Lo e proclamar a mensagem de Sua morte e ressurreição.

Fonte: GotQuestion

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz

sábado, 19 de março de 2016

A MENSAGEM DA CRUZ

“Se alguém quiser vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me” (Mateus 16:24).

O poder do cristianismo se encontra na mensagem da cruz, que se opõe aos processos da mente não regenerada. Ela é loucura para os que se perdem.

Não há ponto em comum entre a mensagem da cruz e o raciocínio do homem decaído. Aqueles que insistem, carregam um crucifixo como amuleto. Assim, perde o significado, pois se torna um mero objeto desprovido de poder sobrenatural.

O inimigo não suporta a cruz, pois ela é o sinal de sua derrota, de sua humilhação, como Paulo nos ensinou: “Despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz” (Colossenses 2:15).

Por isso, o inimigo tenta, com toda sua força, descaracterizar a obra redentora de Cristo, através de celebrações que não se baseiam na Bíblia e, por isso, não carregam a força espiritual que nos foi dada após a morte e ressurreição de Jesus.

A cruz é um processo pelo qual todos os filhos de Deus precisam passar. É como um curso preparatório que leva o cristão à plenitude de sua maturidade espiritual.

Jesus nos ensinou que, se o grão de trigo não morrer, ele não pode frutificar (João 12:24). Em outra passagem, Cristo foi ainda mais claro: “Se alguém quiser vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me” (Mateus 16:24).

A cruz simboliza uma mudança de caminho, um desvio no percurso anterior. Nela, a história foi mudada, e tudo se fez novo.

O que dá sentido à cruz é a morte e ressurreição de Cristo, o túmulo vazio em Jerusalém e o sangue que ali foi derramado. Essa é a nossa conquista: a celebração da vitória de Jesus sobre a morte.

Não perca tempo procurando por Deus de forma errada. Busque diretamente a Jesus, que venceu a morte e assentou-se à destra do Pai.

A Cristo pertence o domínio e o poder, o governo e a majestade, de hoje para todo sempre. Amém

Apóstolo Rina

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz