sábado, 25 de junho de 2016

OS ÚLTIMOS SERÃO OS PRIMEIROS

O Reino de Deus é como o administrador de uma propriedade rural que saiu bem cedo de manhã a fim de contratar pessoas para trabalhar em sua vinha. Eles concordaram em receber uma moeda de prata por dia, e foram trabalhar.

Mais tarde, por volta das nove da manhã, o administrador viu alguns desempregados andando pela praça da cidade. Ele lhes propôs que fossem trabalhar em sua vinha a um preço justo. E assim foram.

O administrador fez o mesmo por volta do meio-dia e de novo às três da tarde. Às cinco horas, ele saiu e ainda encontrou homens desocupados. E perguntou a eles: “Por que estão aí o dia inteiro, sem fazer nada?”. Eles responderam: “Porque ninguém nos contratou”. Então, ele os contratou também para trabalhar na vinha.

Quando o expediente terminou, o proprietário da vinha instruiu seu capataz: “Chame os trabalhadores e pague o salário deles. Comece com os que foram contratados por último e prossiga até os primeiros”.

Os que foram contratados às cinco horas da tarde vieram e cada um deles recebeu o mesmo valor acertado com os primeiros.

Quando os que foram contratados primeiro viram isso, imaginaram que iriam ganhar mais. Contudo, receberam o mesmo valor.

Revoltados, reclamaram com o administrador: “O último grupo trabalhou apenas uma hora, e você pagou a eles o mesmo que nós, que trabalhamos como escravos o dia inteiro debaixo de um sol escaldante”.

Ele respondeu ao que falava em nome de todos: “Amigo, não fui injusto. Nós concordamos com esse valor, não concordamos? Então, pegue seu dinheiro e vá embora.

Decidi dar ao último grupo o mesmo que daria a você. Será que não posso fazer o que quero com meu dinheiro? Você vai se mostrar mesquinho por eu ter sido generoso?”. Aí está, mais uma vez, a Grande Inversão: os primeiros terminando por último, e os últimos terminando primeiro. Mateus 20.1-16

Cristo não administra o mundo consultando-nos, perguntando o que julgamos ser correto ou adequado. Naturalmente, fazemos nossa quota de queixas contra sua administração. Mas grande parte de nosso descontentamento, expresso como uma preocupação com a justiça, consiste somente em uma inveja desprezível e ciúme mesquinho.

Do que você não gosta em se tratando do modo como Deus administra as coisas?

Tu és preciso, Senhor, quando me perguntas: “Você se ressente de minha generosidade?”.

Não é fácil me acostumar com uma vida de misericórdia extravagante quando cresci em meio a cálculos meticulosos de direitos e benefícios. Amém.

Retirado de Um Ano com Jesus [Eugene H. Peterson]. Editora Ultimato

Por Litrazini

Graça e Paz