domingo, 24 de julho de 2016

FERIDAS QUE NÃO CICATRIZAM

Andei procurando por fósseis da nostalgia. Encontrei preservado o que deveria ter sido destruído no passado, e destruído o que poderia ter ficado preservado até agora"(Mery Medeiros).

Existem feridas, ou seja, dores que carregamos em nossos corações daquilo que vivenciamos em nossa infância, lembranças do que poderia ter sido melhor ou diferente e sentimentos de impotência pelo que foi perdido no passado.

O QUE SÃO OS TRAUMAS DE INFÂNCIA?
Segundo Alexandre Salvador, membro da Sociedade Paulista de Psicanálise, o trauma é a incapacidade do sujeito de superar determinados acontecimentos de sua vida, pois as cargas que foram impostas em certos eventos causaram impactos emocionais mais intensos do que o indivíduo poderia suportar.

Esses traumas podem impedir o crescimento da pessoa em muitos sentidos da vida, devido ao fato de inibir as energias para se viver uma vida plena.
Exemplos de traumas:
1. Morte repentina do pai, mãe ou algum parente muito próximo à criança;
2. Acidentes de trânsito intensos com pessoas feridas;
3. Separação dos pais;
4. Brigas e xingamentos constantes dos pais;
5. Afastamento dos pais, ou seja, falta de afeto de um ou de ambos os pais;
6. Surras ou gritos constantes com a criança;
7. Ofensas de colegas da escola e/ou professores;
Entre outros tipos de acontecimentos que podem ter ocorrido na infância e desencadeiam "travas" ou insegurança no indivíduo.

O enfraquecimento do EU
Os conflitos internos que podem acontecer a pessoas com traumas, muitas vezes podem passar despercebidos até mesmo pela própria pessoa que está vivenciando o trauma, dessa forma, a observação e conversa de alguém muito próximo a essa pessoa pode ajudar muito nessa percepção.

A neurose causada por essa ferida, gera um enfraquecimento do EU nas pessoas, ou seja, uma desordem de autocensura entre os desejos próprios e as ideias colocadas pelas pessoas externas (família, amigos, colegas).
Essas "travas" aparecem nos momentos mais inesperados do dia a dia, e questiona-se: Por quê? De onde vem esses medos e receios? Medo de ser feliz, medo de amar, medo de se entregar, medo de ceder, entre outros.

Alguns comportamentos presenciados na infância pela criança podem sim determinar as escolhas que ela fará no futuro, especialmente no que se refere ao seu cônjuge.

Mas podemos escolher ficar presos e amarrados ao passado, ou redescobrir um futuro muito mais iluminado, mais bonito, mais paciente, com um amor verdadeiro e puro, aquele amor sincero que nos permite crescer juntos, o amor doação.

PLANTANDO NOVAS SEMENTES
Precisamos recriar momentos, compreender as circunstâncias já passadas, esquecer alguns fatos, perdoar algumas falhas, redescobrir novas possibilidades, enfrentar os medos e anseios.

Para que tenhamos a capacidade de fazer essas coisas, não podemos lidar com os problemas de forma superficial, apenas fingindo que não estão ali, ou então mascarando nossas dores com medicações. Se os problemas são profundos nossa intervenção precisa ser tão ou mais profunda.

Uma pessoa com medo de aranhas, precisa aprender a matá-las para que esse medo desapareça. Alguém com medo de amar, precisa se entregar de corpo e alma para outra pessoa. Corre-se o risco da aranha picar, mas a vida é para ser vivida.

O AMOR TUDO CRÊ
Conforme ensina Alexandre Salvador, as sequelas mais comuns que permanecem em adultos com traumas são: achar que está sempre desamparado; medo de ser abandonado; medo de ficar sozinho; torna-se uma pessoa insegura; tímida e com medo de arriscar.

Se você ama alguém que sente algum desses tipos de traumas, ajude-o a ser mais resiliente, ou seja, a recuperar sua capacidade de vencer obstáculos, de lidar com seus problemas e encontrar soluções saudáveis. O amor, o carinho e a atenção da família e amigos é essencial para o fortalecimento do EU.

Normalmente surge-se a necessidade de terapia para que o indivíduo consiga organizar aquilo que ficou enfraquecido no decorrer da vida.

JOSUÉ GONÇALVES

Por Litrazini

Graça e Paz