quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

MEDO DA CALAMIDADE GLOBAL

“Cuidado, que ninguém os engane. Pois muitos virão em meu nome, dizendo: ´Eu sou o Cristo!´ e enganarão a muitos. Vocês ouvirão falar de guerras e rumores de guerras, mas não tenham medo. É necessário que tais coisas aconteçam, mas ainda não é o fim. Nação se levantará contra nação, e reino contra reino. Haverá fomes e terremotos em vários lugares. Tudo isso será o início das dores” (Mateus 24:4-8). 

As coisas ficarão ruins, realmente ruins, antes de melhorarem. E quando as circunstânicas piorarem, “não tenham medo” (versículo 6). Jesus escolheu um termo forte para medo que ele não usou em nenhuma outra ocasião. Significa “gritar, chorar em voz alta”, como se Jesus aconselhasse os discípulos, “Não percam a cabeça quando coisas ruins acontecerem”. 

Jesus equipou seus discípulos com uma coragem perspicaz. Ele listou os furacões da vida e então os apontou “para o fim”.

A confiança na vitória definitiva proporciona coragem definitiva. O autor Jim Collins faz referência a esta perspectiva em seu livro Empresas Feitas para Vencer. Collins conta a história do Almirante James Stockdale, que foi um prisioneiro de guerra por oito anos durante a Guerra do Vietnã. Depois da libertação de Stockdale, Collins lhe perguntou como ele sobreviveu oito anos em um campo de prisioneiros de guerra. 

Ele respondeu, “Eu nunca perdi a fé no final da história. Nunca duvidei não apenas que eu sairia, mas também de que eu prevaleceria no final e transformaria a experiência no acontecimento marcante da minha vida, o que, retrospectivamente, eu não negociaria”. 

Collins então perguntou, “Quem não conseguiu sair?” O Almeirante Stockdale respondeu, “Ah, essa é fácil. Os otimistas... eles eram aqueles que falavam, ‘Nós sairemos até o Natal’. E o Natal chegava, e o Natal ia embora. Então eles falavam, ‘Nós sairemos até a Páscoa’. E a Páscoa chegava, e a Páscoa ia embora. E então Ação de Graças, e então seria Natal novamente. E eles morreram de coração partido”. 

A verdadeira coragem inclui as realidades gêmeas da dificuldade atual e do triunfo final. Sim, a vida é uma droga. Mas não será assim para sempre.

Como um dos meus amigos gosta de dizer, “Tudo dará certo no fim. Se não está dando certo, não é o fim”. 

Apesar de a igreja estar sendo passada pelo crivo como o exército de Gideão, apesar de a terra de Deus estar sendo esbofeteada por mudanças climáticas e estar sangrando por desastres, apesar de a própria criação parecer encalhada nos mares árticos, não reaja exageradamente

“Descanse no Senhor e aguarde por ele com paciência; não se aborreça com o sucesso dos outros, nem com aqueles que maquinam o mal” (Salmos 37:7).

Max Lucado

Por Litrazini
Graça e Paz