terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

A PLENITUDE DE CRISTO, O TESOURO DOS SANTOS

Porque aprouve a Deus que nele residisse toda a plenitude.” (Colossenses 1.19)

“E da sua plenitude todos temos recebido, e graça sobre graça.” (João 1.16)

Estes dois textos compõem um belo esboço do plano de salvação. Coloque diante dos olhos de sua mente o pecador, vazio de toda a santidade, de toda a esperança, desesperado e pronto para morrer.

Coloque, também, diante de sua mente, Deus, cheio de misericórdia, disposto a vir e preencher o vazio do pecador, para trazer todos os seus atributos transmissíveis, habitar naquele pecador e dar-lhe, primeiro, a misericórdia que pode apagar o seu pecado, e em seguida, a santidade, que pode levantá-lo de sua condição arruinada.

Depois observe a dificuldade no caminho – Deus não pode vir como meio Deus – todos os seus atributos devem vir juntos. E se o justo Deus viesse a este pecador culpado para preencher seu vazio, a chama da Justiça iria destruí-lo.

Não é possível para Deus, o nosso Deus, que é “um fogo consumidor”, entrar em contacto com aquilo que é pecaminoso, sem destruí-lo. E depois? O pecador deve permanecer vazio e a plenitude de Deus permanecer incomunicável?

Eis o plano que a Sabedoria infinita preparou! O Filho Eterno de Deus torna-se Homem! A natureza divina vem em toda a sua plenitude e habita no Mediador Cristo Jesus! Vindo nEle, Aquele que foi feito para sentir a poderosa queima de Justiça, que lhe causou agonia, mas não poderia consumi-lo, pois nele não há pecado.

A Justiça queimava e ardia dentro dele e o lança em um sangrento suor, sim, trouxe-o à cruz e à morte porque Ele ficou no lugar do pecador. Mas este navio de ouro, apesar de aquecido, não foi derretido! Poderia conter o fogo divino e ainda não ser destruído, e agora em Cristo Jesus habita corporalmente toda a plenitude da divindade e, além disso, a natureza divina está nele de tal forma para ser capaz de ser comunicada aos filhos dos homens.

Claro que a essência da divindade não é comunicada, pois isso seria fazer dos homens deuses, mas nós somos “feitos participantes da natureza divina”, no sentido de receber o mesmo caráter e nos tornarmos filhos de Deus. Aquilo que Deus não poderia trazer a nós diretamente por causa da nossa incapacidade de recebê-lo, Ele já nos trouxe através de um Mediador, por colocá-lo no Homem, Cristo Jesus, que, vindo a Ele, pode receber livremente tal plenitude.

O próximo passo no plano de salvação é este – que, depois que a plenitude de Deus veio ao homem na pessoa de Seu Filho, todos que vêm a Ele pela fé recebem a Sua Graça Divina. A salvação não é pelo que você traz a Cristo, mas pelo que você recebe dEle. Você deve ser primeiro receptor, e depois, passo a passo, através do poder da Graça, deve ir adiante de você rios de água viva para os outros.


Em sua primeira vinda você vem vazio, não tendo nada, mas o seu pecado e miséria, é como vazio, pecador indigno que você recebe da sua plenitude e por toda a sua vida continuará a fazer o mesmo.

A Graça já dada não é o clímax ou a conclusão, você vai recebê-la mais e mais! A Graça aumenta a sua capacidade de receber Graça e para que esta capacidade ampliada se encha! E assim a plenitude de Deus entra em você até que você esteja cheio com a mesma e cresça da Graça à Glória, sendo feito semelhante a Deus e habilitado a habitar onde Ele está sempre e sempre.

Agora, os não convertidos, tomem nota que este é o plano de salvação, e o único plano. Você deve obter amor, misericórdia e santidade de Deus, recebendo através do Mediador, Jesus Cristo! Você ainda não recebeu, eu lhe pergunto, quanto tempo tardará sem isto? Você está, em algum grau, ciente de sua necessidade, pois não é ignorante do Evangelho. Muitas vezes você já ouviu a voz de seu convite e foi quase persuadido a receber a plenitude revelada em Cristo Jesus. Quanto tempo você vacilará entre dois pensamentos? Quanto tempo você vai hesitar?

Este é o caminho, o caminho seguro, o caminho adequado, o único caminho que está aberto para você, e é aberto para você neste momento – seus pés nunca irão percorrê-lo? Será que seus passos desobedientes sempre vagarão, até que, finalmente, você afunde em desespero e morra eternamente? Deus tenha misericórdia de você e traga-o para receber a plenitude que o Pai estocou em Seu Filho, Jesus Cristo!

Pecadores necessitados, eu lhes advirto, não insultem a plenitude de Cristo, pensando que vocês são suficientemente completos em si mesmos! Nunca pensem em se colocar lado a lado com a justiça Divina, nem pensem em misturar suas lágrimas com o sangue de Jesus, nem façam as suas orações e sua fé para aumentar a auto-suficiência do sacrifício expiatório de Cristo! Ele não precisa de nada de vocês! Venha tirar tudo dele, porque toda a plenitude habita nele. Como você não pode insultar a Sua plenitude, por isso peço-vos, para não negligenciá-la.

Não fique perto desta fonte e se recusando a beber. Não passe pelas riquezas da sua graça, como se fossem nada para você. “Como escaparemos se negligenciarmos tão grande salvação?”

Além disso, como eu lhe rogo para não negligenciar a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, por isso eu lhe encorajo a não desconfiar. Toda a plenitude habita em Jesus, uma plenitude que se destina a ser dada a todos os que o recebem como dom da graça divina! Acredite nesta plenitude e, vazio como você é, não se desespere mais quando se lembrar que Jesus tem uma oferta para cada necessidade possível.

Venha, embora sua cabeça esteja inclinada com tristeza, pois Jesus nunca rejeita um pecador. É o seu ofício e chamada limpar os culpados e receber os perdidos.

Citações de um sermão de C. H. Spurgeon, traduzidas e adaptadas por Silvio Dutra.

Por Litrazini
Graça e Paz