terça-feira, 3 de outubro de 2017

AGINDO CONTRA OS ATAQUES DAS TREVAS

"Vai, ajunta todos os judeus que se acham em Susã, e jejuai por mim, e não comais nem bebais por três dias, nem de noite nem de dia; e eu e as minhas moças também assim jejuaremos. Depois irei ter com o rei, ainda que isso não é segundo a lei; e se eu perecer, pereci." (Et 4:16.)

Nós sabemos que Satanás não veio para outra coisa, senão para matar, roubar e destruir. E ele tentou fazer isto com o povo de Deus usando um homem chamado Hamã. Mas, ao ser comunicada sobre o plano de destruição do seu povo, Ester não perdeu tempo. Como boa valente, bus­cou logo uma estratégia para vencer: ela destruiria as for­ças espirituais

Ester agiu, apresentando-se ao rei. Colocou em risco a própria vida. "Depois irei ter com o rei, ainda que seja con­tra a lei. E se eu perecer, pereci." (Et 4:16c.)

Quando guerreamos, colocamos em risco a nossa própria vida para vencermos a guerra. Os covardes não fazem isso, porque são passivos, neutros. Entretanto, essa nunca foi a postura de Deus. O Senhor sempre mostrou, para o povo, que eles deveriam ser guerreiros com base nas estra­tégias dadas por Ele (Et 5). Ester não se acovardou e por esta causa foi recebida pelo rei.

Podemos nos lembrar do exemplo de Jonas: ele se aco­vardou. Os covardes são tomados pelo sentimento do medo. Sabemos que o medo nos paralisa diante da situação. Mas, temos uma arma para vencer o medo: a fé.

Conseguimos vencer pela fé, porque ela não se paralisa diante da cir­cunstância nem em meio à situação. A dimensão da fé está acima da dimensão humana. Ela tem sua própria visão e esperança. Ela não se firma no aparente, naquilo que a circunstância apresenta, mas está firme no propósito.

Jonas teve medo do poder pecaminoso que atuava em Nínive. Mas vemos que Ester não teve medo da estratégia maligna de morte, pois ela buscou a estratégia de Deus.

Jonas sofreu muito pela sua covardia; teve de arrepen­der-se e clamar a Deus, por misericórdia, em meio a cir­cunstâncias nada agradáveis. Muitos estão no abismo por­que são covardes, fujões, passivos, e não querem assumir responsabilidades.

Reconhecemos que é difícil enfrentar uma guerra; não é fácil para ninguém. Mas, a única coisa que você não pode fazer é se acovardar e fugir.

O medo paralisa a fé e estanca a ação. E muitos, por causa disso, se escondem. Não se es­conda no meio da guerra, porque do esconderijo você irá para o ventre do peixe, que significa um lugar de abismo, angústias e escuridão (Jn 2).

Não se esconda e nem busque desculpas para não ir à guerra. Ore, jejue e aja. Não fique como que se balançando numa rede, mas trabalhe pelas suas vitórias. Siga o exemplo da valente Ester: enfrente logo e guerreie, porque a vi­tória é certa.

Transcrito Por Litrazini

Graça e Paz