quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

A FONTE DAS BÊNÇÃOS

[Abraão] recuperou todos os bens e trouxe de volta seu parente Ló com tudo o que possuía, com as mulheres e o restante dos prisioneiros. (Gênesis 14.16) 

Ló e seu povo foram capturados e levados pelos inimigos. Contudo, depois de sofrer essa grande derrota, Ló teve suas terras e posses restauradas por meio dos esforços de Abraão. Isso foi muito mais do que ele poderia esperar.

De modo semelhante, as pessoas hoje recebem boas coisas porque os cristãos estão vivendo fielmente na terra.

Portanto, devemos nos sentir encorajados e confortados quando vemos as bênçãos de Deus, pois elas são uma prova de que a igreja ainda está presente e de que o povo de Deus, apesar de pequeno em número, não desapareceu completamente.

É por amor aos cristãos que Deus mostra sua graça a todos no mundo.

Entretanto, não é isso que os não cristãos pensam. Eles acham que são responsáveis pelas bênçãos que recebem, atribuindo-as à sua própria sabedoria e esforços. Em sua autoconfiança inapropriada, eles cedem aos seus prazeres, embriagando-se e fartando-se tão arrogantemente como as pessoas de Sodoma.

No final, eles receberão o castigo que merecem, enquanto o povo de Deus permanecerá seguro sob os cuidados divinos.

Além disso, essa passagem nos revela que os cristãos devotos sempre sofrerão neste mundo. Suas vidas são cheias de problemas. Porém, são exatamente esses problemas que os ajudam a se tornarem mais santos e justos.

Afinal, “sabemos que Deus age em todas as coisas [inclusive nos problemas e aborrecimentos] para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito” (Rm 8.28).

O sofrimento mata a natureza pecaminosa, fortalece a fé e permite que os dons do Espírito Santo se multipliquem. 

Retirado de Somente a Fé – Um Ano com Lutero. Editora Ultimato.

Por Litrazini
Graça e Paz