terça-feira, 17 de julho de 2018

PERSEGUIDO E ABENÇOADO


De todos os lados somos pressionados, mas não desanimados; ficamos perplexos, mas não desesperados; somos perseguidos, mas não abandonados; abatidos, mas não destruídos. (2 Coríntios 4.8-9)

Se o mundo não pode nos cativar com seus prazeres e nos atrair para os seus pecados, então ele tenta nos desviar com sofrimento e tormentos.

Todo o tempo em que estamos na terra, o mundo tenta nos enganar, mostrando-nos exemplos de pecado ou nos torturando cruelmente. É como um monstro mítico com a cabeça de uma linda donzela, o corpo de leão e a cauda de serpente venenosa.

O destino final do mundo, com seus prazeres e crueldade, é veneno e morte eterna.

Portanto, Deus ordenou as questões de tal maneira que os pecados do mundo acabam nos trazendo bênçãos. Assim, as perseguições do mundo não são inúteis, pois Deus pretende que elas aumentem as nossas bênçãos.

Quando o mundo tenta nos prejudicar, acaba servindo-nos e nos tornando pessoas melhores.

Assim, vemos que toda a Bíblia e todos os antigos pais da igreja concordam que aqueles que tentam nos causar danos acabam nos sendo muito úteis se resistirmos pacientemente ao sofrimento. Essa é a razão pela qual Pedro diz: “Quem há de maltratá-los, se vocês forem zelosos na prática do bem?” (1Pe 3.13). E lemos nos Salmos: “Nenhum inimigo o sujeitará a tributos; nenhum injusto o oprimirá” (Sl 89.22).

Mas, como nossos inimigos podem não nos ofender, quando tentam, com tanto afinco, nos matar e, às vezes, até têm sucesso?

É exatamente quando eles nos prejudicam que nos fazem o maior bem. Se formos sábios, entenderemos que vivemos no meio de bênçãos e do mal ao mesmo tempo.

É espantoso como Deus, em sua bondade, dirige tudo isso!

Retirado de Somente a Fé – Um Qno com Lutero. Editora Ultimato.

Por Litrazini
Graça e Paz