quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

UMA NECESSIDADE CONTÍNUA


"Cristãos necessitam do evangelho porque nossos corações estão sempre propensos a se desviarem"

A história de Jonas nos mostra que o evangelho – as boas novas de que Deus busca os pecadores sem medir esforços para salvá-los – é tanto para cristãos como para não cristãos. A vida de Jonas é uma prova disso, pois Jonas, que conhece a Deus, obviamente necessita tanto de salvação quanto qualquer outro personagem da história.

De fato, sua necessidade de resgate acaba ganhando muito mais ênfase do que a dos outros. É a história dele, não a dos Ninivitas, que aparece mais. Só isso já deveria ser suficiente para nos convencer de que o resgate de Deus é uma necessidade contínua para cristãos e não cristãos.

Os evangelhos não são simplesmente um conjunto de verdades que os não cristãos devem acreditar para se tornarem salvos. É uma realidade que os cristãos devem abraçar diariamente para experimentarem a salvação.

O evangelho não apenas nos salva da penalidade do pecado (pela justificação), mas também nos salva do poder do pecado (pela santificação) dia após dia. Ou, como John Piper disse certa vez, “A cruz não é só um lugar passado de substituição objetiva; é um lugar presente de execução subjetiva”.

Nosso pecado diário requer a graça diária de Deus – a graça que vem a nós através da obra completa de Jesus Cristo.

A igreja tem estado em conflito por anos a respeito de se os cultos devem ser voltados aos cristãos (para encorajá-los e fortalecê-los) ou aos não cristãos (para atraí-los e conquistá-los). Mas esse debate e o conflito sobre ele é uma perda de foco. Estamos fazendo as perguntas erradas e assumindo conceitos errados.

A verdade é que nossos cultos devem ser voltados a pecadores em necessidade do resgate de Deus – e isso inclui tanto cristãos quanto não cristãos.

Já que os dois grupos precisam da intervenção de Deus, ambos precisam do evangelho.

Cristãos necessitam do evangelho porque nossos corações estão sempre propensos a se desviarem; somos sempre tentados a fugir de Deus. É preciso o poder do evangelho para nos direcional de volta ao primeiro amor. Caminhar conscientemente em direção ao evangelho deve ser uma realidade e uma experiência diária para todos nós. Isso significa, como Jerry Bridges nos lembra, “pregar o evangelho para nós mesmos todos os dias”.

Devemos permitir que Deus nos lembre todos os dias, através de sua Palavra, sobre a obra completa de Cristo em favor dos pecadores para continuarmos convencidos de que o evangelho é relevante.

Eu vejo que sou especialmente necessitado de um ajuste de foco, por meio do evangelho, para me manter longe de uma constante tendência de caminhar em direção à um relacionamento de barganha com Deus. Não estou sozinho nesse caminho; Jerry Bridges observa o quão comum é isso em nosso meio:

Minha observação sobre o cristianismo me revela que a maioria de nós tende a basear nosso relacionamento com Deus em nossas atitudes ao invés da graça. Se agirmos bem – seja lá o que “bem” significa para cada um de nós – então esperamos que Deus nos abençoe. Se não agirmos tão bem, nossas expectativas diminuem na mesma proporção. Nesse sentido, vivemos pelas nossas obras, ao invés de vivermos pela graça. Somos salvos pela graça, mas ainda vivemos pelo “suor” de nossas próprias obras.

Mais ainda, estamos sempre nos desafiando e desafiando uns aos outros a “tentar um pouco mais”.

Parece que acreditamos que o sucesso da vida cristã (seja lá como definimos “sucessos”) depende basicamente de nós: nosso comprometimento, nossa disciplina e nosso zelo, com alguma ajuda de Deus ao longo do caminho. Falamos da boca para fora que somos como o apóstolo Paulo, “Mas, pela graça de Deus, sou o que sou” (1 Coríntios 15:10), mas nosso lema velado é “Deus ajuda quem se ajuda”.

O reconhecimento de que meu relacionamento diário com Deus é baseado nos méritos infinitos de Cristo, ao invés das minhas obras, é uma experiência muito libertadora e confortante.

A diferença entre viver para Deus e viver para qualquer outra coisa é que quando nós vivemos para qualquer outra coisa, o fazemos para sermos aceitos, mas quando vivemos para Deus, o fazemos porque já fomos aceitos.

Verdadeira liberdade (a liberdade que apenas o evangelho garante) é viver para algo que já nos favoreceu ao invés de viver por algo em troca de favorecimento.

Traduzido por Filipe Schulz

Por Litrazini
Graça e Paz

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

QUEM TEM GOVERNADO SUA VIDA, LUZ OU TREVAS?


E esta é a mensagem que dele ouvimos, e vos anunciamos: que Deus é luz, e não há nele trevas nenhuma. Se dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos em trevas, mentimos e, não praticamos a verdade. Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado. (I João 1.5-7)


As trevas cegam, não conseguimos ver no escuro, portanto quando andamos nas trevas (pecado) estamos cegos para as coisas de Deus e do seu Reino.

O que tem no mundo? Trevas!!

A Bíblia é clara, quem anda no mundo o amor do Pai não está nele (1João 2.15), pois, está envolvido com os valores e costumes do mundo terreno e não há comunhão entre a luz e as trevas. Mesmo no mundo físico, aonde a luz chega, as trevas vão embora.

Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não são do Pai, mas do mundo. (1João 2.16)

Tudo isso é passageiro, por isso precisamos buscar as coisas do alto, essas sim são eternas.

Quando buscamos as coisas do alto, dedicando tempo à oração, à leitura da Palavra, passamos a gostar das coisas que Deus gosta; a própria Palavra é clara em dizer que ao conhecermos a verdade ela nos liberta. Passamos a valorizar o que Deus valoriza, os valores do Senhor passam a ser os nossos valores.

Ao colocar o nosso coração nas coisas do alto, o fruto do Espírito Santo é gerado em nosso interior pelo seu agir.

As tribulações, aflições e perseguições continuam a acontecer em nossas vidas, porém a nossa reação a elas são totalmente diferenciadas de antes. Nos entristece sim, não ficamos insensíveis, todavia não nos abate mais, porque passamos a ver a dimensão dos fatos no mundo espiritual, as escamas caem e nossos olhos são abertos. E a unção que vós recebestes dele, fica em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina todas as coisas, e é verdadeira, e não é mentira, como ela vos ensinou, assim nele permanecereis.(1João 2.27)

A alegria e prazer que sentíamos antes pelas coisas e prazeres mundanos passam e a alegria em servir ao Senhor dos Senhores sem tornam o novo foco dos nossos desejos.

Todavia a maior recompensa de todas é uma vida na eternidade com alegria, regozijo e paz.

Somos limitados e falhos, por isso pecamos todos os dias, mas o nosso consolo e conforto é citado pelo apóstolo João em 1João 1.8 e 9 que diz: Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.

Acenda a luz e fique limpo.

Lidiomar T. Granatti / Litrazini
Graça e Paz

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

UM ALERTA DE DEUS AO SEU POVO


É Deus quem está falando e falando desde os céus. Salomão está consagrando o templo de Jerusalém, quando escuta este alerta de Deus: “Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e me buscar, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra” (2Cr 7.14).

Destacamos, aqui, algumas importantes lições:

1. O POVO DE DEUS PRECISA SE HUMILHAR.
A restauração que vem de Deus e emana dos céus começa quando o povo de Deus se humilha. O mundo é impactado e os corações são alcançados quando o povo de Deus se prostra e se humilha sob a mão do Altíssimo. Antes da igreja chamar o mundo ao arrependimento, ela precisa se humilhar diante de Deus.

O juízo começa pela Casa de Deus. A igreja só pode levantar-se diante dos homens quando primeiro se prostra diante de Deus. Nada pode ser mais contraditório que um crente soberbo. A soberba é a porta de entrada da ruína. Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.

2. O POVO DE DEUS PRECISA BUSCAR A DEUS EM ORAÇÃO.
Quando o homem reconhece sua fraqueza ele confessa a onipotência divina. Só quando nos humilhamos diante de Deus é que aprendemos a verdadeira essência da oração. É o reconhecimento da nossa fragilidade que nos impulsiona a orar.

Aqueles que se humilham diante Deus, também o buscam de todo o coração.

Aqueles que choram pelos seus pecados, também oram com fervor.

A restauração divina vem dos céus sobre uma igreja que ora. A oração abre o caminho da cura, pavimenta a estrada do avivamento e abre as comportas da restauração.

Os avivamentos sempre foram precedidos por oração.

Mas, que tipo de oração?

Não uma oração centrada no homem. Oração não é prioritariamente buscar as bênçãos de Deus, é buscar o Deus das bênçãos.

Orar é deleitar-se em Deus por quem ele é mais do que buscá-lo pelo que ele dá.

O alvo principal da oração é comunhão com Deus. É deleite em Deus. Orar é intimidade com Deus.

É na presença de Deus que existe plenitude de alegria e só na sua destra há delícias perpetuamente.

3. O POVO DE DEUS PRECISA SE CONVERTER DOS SEUS MAUS CAMINHOS.
Não poucas vezes o povo de Deus envereda-se por atalhos perigosos, por descaminhos escabrosos e desvia-se das veredas da justiça.

Quando aqueles que conhecem a Deus desviam-se da verdade, caem na iniquidade, e praticam os mesmos pecados daqueles que não o conhecem, tornam-se pedra de tropeço, embaraço para os incrédulos e motivo de escândalo no mundo.

A igreja de Deus é convocada pelo próprio Deus a voltar suas costas para o pecado e converter-se dos seus maus caminhos.

Como resultado do arrependimento da igreja, Deus promete ouvir seu clamor e sarar a sua terra. A santidade é o segredo da vitória na oração e a vitória na oração é o segredo do avivamento e, o avivamento traz restauração para a igreja e salvação para o mundo.

Hernandes Dias Lopes

Por Litrazini
Graça e Paz

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

CONSOLO PARA O AFLITO


Muitas são as aflições do ser humano; todos, passaram, estão passando ou, passarão por elas. Várias são as necessidades: alimento, água, ar, amor, companhia, realização, esperança, consolo; Por vezes o desânimo e a tristeza, teimam em nos dominar, chegamos às raias do desespero, procuramos socorro por todo lado, família, amigos, conhecidos, líderes espirituais e nada de luz no fim do túnel.

A Bíblia nos encoraja a permanecer firmes e a perseverar na fé: Através de muitas tribulações, nos importa entrar no Reino de Deus: At. 14.22.

A tribulação faz parte da vida do servo do Senhor, mas, o consolo também, Deus não perdeu o controle da situação, Ele não nos esqueceu, veja o que ele diz em Isaias 49.13-15: Exultai, ó céus, e alegra-te, ó terra, e vós, montes, estalai com júbilo, porque o SENHOR consolou o seu povo, e dos seus aflitos se compadecerá. Porém Sião diz: Já me desamparou o SENHOR, e o meu Senhor se esqueceu de mim. Porventura pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas ainda que esta se esquecesse dele, contudo eu não me esquecerei de ti.

Pode confiar, Deus é fiel à sua Palavra

O propósito do consolo celestial é inspirar-nos a dirigir e olhar para o que Deus ainda vai realizar

O apóstolo João, com mais de 90 anos, no fim da vida, ainda olhou para o futuro, quando estava na ilha de Patmos, escrevendo o livro de Apocalipse. Foi arrebato no espírito e teve visões fantásticas do que iria acontecer no fim dos tempos. Com elas, recheou as páginas do mais extraordinário livro das Escrituras; ele se interessava pelo que Deus ia fazer e, ainda acreditava nos dias que viriam, ainda esperava algo da vida, apesar das muitas aflições, tribulações e sofrimentos

O consolo celestial não é um conforto qualquer, não foi feito de promessas vazias. Ele é dado pelo próprio Rei da glória que nos dá toda a garantia, pois controla todo o universo e, vela por fazer cumprir a sua Palavra: E disse-me o SENHOR: Viste bem; porque eu velo sobre a minha palavra para cumpri-la.(Jr. 1.12)

Por vezes, deixamos de ver a mão de Jesus nos acontecimentos, vítimas de uma verdadeira miopia espiritual, Ficamos assustados com os fatos e, desanimados entregamos os pontos, nem percebemos que mão do Senhor está operando por trás de tudo, promovendo restauração, cura, libertação e socorro em meio às aflições.

Jesus disse á João em Apocalipse 1.18: Sou aquele que vive.Estive morto mas, agora estou vivo para todo o sempre! Ele diz também a mim e a você: Não temas!! Ele manda o consolo e livramento, pois sabe o que sentimos

Onde houver uma pessoa precisando de Jesus, passando por aflição, Ele estará ali, independente do lugar; O Senhor dará conforto, enxugará dos olhos toda a lágrima.

Só precisamos permitir que o cuidado, a promessa e a presença de Cristo consolem o nosso coração.

Lembre-se Jesus não mostra a luz no fim do túnel. ELE É A LUZ NO TÚNEL OU EM QUALQUER LUGAR.

Lidiomar T. Granatti/ Por Litrazini
Graça e Paz

domingo, 24 de fevereiro de 2019

O QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE O ABORTO?

A Bíblia nunca trata especificamente sobre a questão do aborto. No entanto, há inúmeros ensinamentos nas Escrituras que deixam muitíssimo clara qual é a visão de Deus sobre o aborto. Jeremias 1:5 nos diz que Deus nos conhece antes de nos formar no útero. Êxodo 21:22-25 dá a mesma pena a alguém que comete um homicídio e para quem causa a morte de um bebê no útero. Isto indica claramente que Deus considera um bebê no útero como um ser humano tanto quanto um adulto.

Para o cristão, o aborto não é uma questão sobre a qual a mulher tem o direito de escolher. É uma questão de vida ou morte de um ser humano feito à imagem de Deus (Gênesis 1:26-27; 9:6).

O primeiro argumento que sempre surge contra a opinião cristã sobre o aborto é: “E no caso de estupro e/ou incesto?”. Por mais horrível que fosse ficar grávida como resultado de um estupro e/ou incesto, isto torna o assassinato de um bebê a resposta?

Dois erros não fazem um acerto. A criança resultante de estupro/incesto pode ser dada para adoção por uma família amável incapaz de ter filhos por conta própria – ou a criança pode ser criada pela mãe. Mais uma vez, o bebê não deve ser punido pelos atos malignos do seu pai.

O segundo argumento que surge contra a opinião cristã sobre o aborto é: “E quando a vida da mãe está em risco?”.

Honestamente, esta é a pergunta mais difícil de ser respondida quanto ao aborto.

Primeiro, vamos lembrar que esta situação é a razão por trás de menos de um décimo dos abortos realizados hoje em dia. Muito mais mulheres realizam um aborto porque elas não querem “arruinar o seu corpo” do que aquelas que realizam um aborto para salvar as suas próprias vidas.
Segundo, devemos lembrar que Deus é um Deus de milagres. Ele pode preservar as vidas de uma mãe e da sua criança, apesar de todos os indícios médicos contra isso. Porém, no fim das contas, esta questão só pode ser resolvida entre o marido, a mulher e Deus.

Qualquer casal encarando esta situação extremamente difícil deve orar ao Senhor pedindo sabedoria (Tiago 1:5) para saber o que Ele quer que eles façam.

94% dos abortos realizados hoje em dia são por razões diferentes da vida da mãe estar em risco. A vasta maioria das situações pode ser qualificada como “Uma mulher e/ou seu parceiro decidindo que não querem o bebê que eles conceberam”. Isto é um terrível mal. Mesmo nos outros 6%, onde há situações mais difíceis, o aborto jamais deve ser a primeira opção.

A vida de um ser humano no útero é digna de todo o esforço necessário para permitir um processo de concepção completo.

Para aquelas que fizeram um aborto – o pecado do aborto não é menos perdoável do que qualquer outro pecado. Através da fé em Cristo, todos e quaisquer pecados podem ser perdoados (João 3:16; Romanos 8:1; Colossenses 1:14). Uma mulher que fez um aborto, ou um homem que encorajou um aborto, ou mesmo um médico que realizou um – todos podem ser perdoados pela fé em Cristo.

Fonte: GotQuestion

Por Litrazini
Graça e Paz

sábado, 23 de fevereiro de 2019

JESUS CRISTO É O MESMO ONTEM E HOJE


Daniel: 10:10-13: Eis que certa mão me tocou, sacudiu-me e me pôs sobre os meus joelhos e as palmas das minhas mãos. Ele me disse: Daniel, homem muito amado, está atento às palavras que te vou dizer; levanta-te sobre os pés, porque eis que te sou enviado. Ao falar ele comigo esta palavra, eu me pus em pé, tremendo. Então, me disse: Não temas, Daniel, porque, desde o primeiro dia em que aplicaste o coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, foram ouvidas as tuas palavras; e, por causa das tuas palavras, é que eu vim. Mas o príncipe do reino da Pérsia me resistiu por vinte e um dias; porém Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu obtive vitória sobre os reis da Pérsia.

De joelhos estava Daniel estarrecido pela visão que tivera em seu encontro com o Senhor bem pessoal, embora estivesse junto a outras pessoas. Suas declarações foram: “Fiquei, pois, eu só e contemplei esta grande visão, e não restou força em mim; o meu rosto mudou de cor e se desfigurou, e não retive força alguma. Contudo, ouvi a voz das suas palavras; e, ouvindo-a, caí sem sentidos, rosto em terra.” (Vers. 8,9)

Que experiência fantástica Daniel teve com Deus. Foram momentos tão especiais e arrebatadores que não somente sua alma e espírito receberam abalos sísmicos, mas também todo o seu corpo. Ele ouve a voz e sente o toque da mão do mestre sobre si dizendo-lhe:“Daniel, homem mui amado.”

A seguir se coloca de pé tremendo para ouvir o restante da declaração: "Não temas, Daniel, porque, desde o primeiro dia em que aplicaste o coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, foram ouvidas as tuas palavras; e, por causa das tuas palavras, é que eu vim. Mas o príncipe do reino da Pérsia me resistiu por vinte e um dias; porém Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu obtive vitória sobre os reis da Pérsia.”

Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e eternamente. Ele é atual e presente a cada instante de nossa vida. Agora mesmo aí no seu setor de trabalho, ou numa cama hospitalar, ou no volante do seu carro em meio ao trânsito, em sua casa em meio aos seus afazeres domésticos ou em frente a um computador, podemos ouvir a voz do Mestre: “Eu estou aqui, não temas... Eu vim por causa das tuas palavras. Apesar dos impedimentos, estou aqui para lhe abençoar, para lhe fortalecer.

O diabo bem que tentou atrapalhar a nossa comunhão, mas ele já é de natureza um derrotado. Não temas, paz seja contigo; sê forte, e têm bom ânimo. As suas lutas são minhas. Os seus ideais são meus, bem como os seus sonhos. Eu lhe conheço pelo nome. Eu lhe escolhi e lhe designei o caminho para que dês fruto.

As tuas orações estão sendo respondidas no meu tempo e não no seu. Apenas procure estar em minha presença. Busque-me e você me encontrará bem próximo, porque habito contigo. Nada de temores, nada de receios do que possa lhe fazer o homem. Eu sou o seu protetor e tomo as tuas dores, os seus problemas, as suas inquietações e lhe mostro um caminho sobremodo excelente.

Lança sobre mim a sua ansiedade porque eu tenho cuidado da sua vida e de sua família. Levante a cabeça e enxugue as lágrimas pois a vitória se aproxima.

Coloque isto firmemente no seu coração. Creia no Poder e na força que tenho. Pare de ouvir outras vozes para ouvir somente a minha voz. Abra o seu coração pra mim e eu me revelarei a você e estarei contigo todos os dias até a consumação de tudo.

O Senhor abençoe a sua vida e a sua família.

Vale a pena servir o Senhor. Entrega a tua vida a Ele e o mais Ele fará por você.

Pr. Nélson R. Gouvêa

Por Litrazini
Graça e Paz

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

DEUS SE IMPORTA COM SUA VIDA


"QUAL, DENTRE VÓS, É O HOMEM QUE, POSSUINDO CEM OVELHAS E PERDENDO UMA DELAS, NÃO DEIXA NO DESERTO AS NOVENTA E NOVE E VAI A BUSCA DA QUE SE PERDEU, ATÉ ENCONTRÁ-LA?"(Lc. 15:4).

O infinito valor da alma que seria salva

Na Palestina dos dias de JESUS, um rebanho de cem ovelhas seria um rebanho considerável, pelo que temos aqui a descrição de um proprietário bastante rico. No entanto, segundo diz JESUS, até mesmo um proprietário desses sentiria a falta de uma ovelha que fosse. É possível que tal homem não sentisse qualquer emoção particular a respeito, mas tão-somente o senso da perda financeira.

Não obstante, lemos que havia certa forma de simpatia entre o pastor e as ovelhas, e que, em alguns casos, o pastor dava nomes a cada uma das suas ovelhas.

Se este tivesse sido o caso, então a perda teria sido muito mais séria do que um débito financeiro. O pastor não perderia todo interesse pelas demais noventa e nove ovelhas, mas, apesar disso, pensaria em deixá-las temporariamente a fim de procurar a ovelha perdida e trazê-la à segurança.

O número de ovelhas perdidas foi o mínimo possível, mas o pastor não deixou de interessar-se por isso.

Tudo isso serve para mostrar-nos o grande amor de DEUS, um amor que JESUS compartilhou em seu ministério.

É por essa razão que JESUS acolhia os odiados publicanos ou coletores de impostos, e também as prostitutas.

Tomamos conhecimento que a literatura rabínica, algumas vezes, declara que os publicanos estavam fora do alcance da chamada ao arrependimento, mas JESUS não compartilhava dessa opinião, e também asseverou, acerca das prostitutas, que algumas delas entrariam no reino dos céus antes das orgulhosas autoridades religiosas de seus dias.

JESUS usou, nesta parábola, uma ilustração comum, porquanto os seus ouvintes estavam bem familiarizados com a vida pastoril. Mostrou ele que um proprietário de ovelhas, apesar de rico, deixaria noventa e nove ovelhas a fim de procurar a única ovelha que se perdera. E mostrou que aquilo que qualquer homem faria em prol de uma ovelha, ele mesmo, em seu ministério, estava fazendo em favor das almas dos homens.

Assim, mostrou ele o grande valor que atribuía a uma única alma, atitude perfeitamente característica em JESUS, que nunca deixou de dar elevado valor ao homem.

E esse valor se deriva do fato de que DEUS está transformando homens cristãos segundo a própria imagem e substância da natureza moral de CRISTO, conduzindo dessa forma muitos filhos à glória e elevando-os bem acima da posição dos anjos. A criatura que tem esse tipo de potencial é infinitamente valiosa.

"SABEMOS QUE TODAS AS COISAS COOPERAM PARA O BEM DAQUELES QUE AMAM A DEUS,DAQUELES QUE SÃO CHAMADOS SEGUNDO O SEU PROPÓSITO, PORQUANTO AOS QUE DE ANTEMÃO CONHECEU, TAMBÉM OS PREDESTINOU PARA SEREM CONFORME A IMAGEM DE SEU FILHO, A FIM DE QUE ELE SEJA O PRIMOGÊNITO ENTRE MUITOS IRMÃOS". (Rm. 8:28-29).

Não há qualquer indício sobre o motivo pelo qual a ovelha se desviou e se perdeu. JESUS não estava examinando as razões por que as pessoas se afastam do caminho certo - por que as prostitutas assim se tornaram, por que os coletores de impostos enganavam em suas cobranças, furtavam e matavam. Mas preocupava-se aqui com o arrependimento, que é uma modificação uma reforma, uma vida nova, e ao quais todos os pecadores são candidatos.

É de supor que o trabalho de procura do pastor deve ter sido extenuante, pois arriscou tudo quanto era necessário, sofreram calor da viagem, os perigos dos assaltantes, os rigores de uma jornada dificílima, mas tudo isso estava plenamente justificado porquanto representava o infinito valor da alma que seria salva.

Não podemos negar que o simbolismo das "ovelhas" é uma representação da humanidade toda, e ilustra a intenção do Pai, em conduzir todos os homens até ele mesmo.

Assim sendo, o texto em foco simplesmente nos permite subentender a capacidade de todos os homens de se achegarem a CRISTO,

"O QUAL DESEJA QUE TODOS OS HOMENS SEJAM SALVOS E CHEGUEM AO PLENO CONHECIMENTO DA VERDADE"(1 Tim. 2; 4).

Wilson de Oliveira Carvalho

Por Litrazini
Graça e Paz

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

AJUDANDO OUTROS A CRESCER


É importante estarmos sempre prontos a ajudar o nosso próximo a crescer. Contudo, para isto, é fundamental que a pessoa a ser ajudada tenha força de vontade e permita-se ser ajudada.

Em Isaías 41.6, há incentivo à solidariedade: Um ao outro ajudou e ao seu companheiro disse: esforça-te e tem bom ânimo (adaptação da autora).

Embora o profeta se referisse à formação de alianças para o cumprimento dos propósitos de Deus na vida do povo judeu, este texto será usado como base para o tema que abordaremos nessa seção, incentivando-nos a compreender, acreditar e ajudar as pessoas a tornarem-se especiais e serem tudo aquilo que realmente gostariam de ser.

Não há homem ou mulher que seja bem-sucedido sozinho. Todos nós precisamos de amizade, encorajamento, ajuda e intercessão. O que as pessoas podem conquistar sozinhas para si é quase nada se comparado ao que poderiam alcançar quando trabalham em equipe, seja na família, no trabalho ou na igreja.

Salomão, um dos mais sábios reis de Israel, declarou o valor do trabalho em equipe desse modo:

É melhor ter companhia do que estar sozinho; porque maior é a recompensa do trabalho de duas pessoas. Se um cair, o amigo pode ajudá-lo a levantar-se. Mas pobre do homem que cai e não tem quem o ajude a levantar-se! E se dois dormirem juntos, vão manter-se aquecidos. Como, porém, manter-se aquecido sozinho? Um homem sozinho pode ser vencido, mas dois conseguem defender-se. Um cordão de três dobras não se rompe com facilidade (Eclesiastes 4.9-12).

Infelizmente, o individualismo tem direcionado muitas pessoas, principalmente no mundo capitalista e competitivo em que vivemos.

Hoje muitas pessoas apregoam que o individualismo assegura-lhes independência e autonomia. Pregam que podem atingir suas metas sozinhas, desde que sejam disciplinadas. Por outro lado, aumentam as queixas de falta de amor e interesse nos relacionamentos.

Quem é individualista pensa que não precisa de ninguém, porém é comum queixar-se de não conseguir sentir-se feliz sozinho. Ele tem de conscientizar-se de que ele não poderá crescer nas áreas: espiritual, emocional, física e material sozinho.

É fundamental ter boas companhias, aprender a relacionar-se melhor e fazer parte do Corpo de Cristo, a Igreja.

Deus nos deu o maior exemplo de doação, para um relacionamento sólido, feliz e abençoador.

O Pai fez o maior investimento em nós ao enviar ao mundo o Seu amado Unigênito, Jesus Cristo, porque nos ama e tem prazer em relacionar-se conosco.

Quando duas pessoas se amam é impossível não se envolverem com a vida uma da outra, apoiando-se ou desafiando-se, conforme a necessidade, a fim de que possam crescer juntas. Trata-se, é claro, de um processo de mão dupla, que não pode ser visto como invasão ou cobrança. Afinal, quem ama tem prazer de fazer a diferença na vida do outro (seu cônjuge, dos seus filhos, amigos, pais, parentes e/ou irmãos em Cristo).

Ora, se uma pessoa se envolve com outra é porque deseja fazer a diferença na vida dela. Embora “batida”, essa frase traduz bem o que várias pesquisas apontam: acrescentar valor e influenciar para melhor a vida de alguém são fatores cruciais para a felicidade.

Acredito que essa deve ser a principal razão para a união das pessoas. No entanto, para ajudar alguém a crescer, é preciso tirá-lo da zona de conforto, do lugar comum que o leva a acomodar-se ao que é, ao que faz e ao que tem. Assim, muitas pessoas não se permitem serem desafiadas para o novo, preferindo a “segurança” da acomodação. Elas resistem às mudanças, consideram uma cobrança o que lhes é proposto, e acabam evitando o compromisso do desafio e desistindo de lutar por seus objetivos e sonhos.

É difícil e doloroso crescer nos dias de hoje, ainda mais sozinho. No entanto, com força de vontade, confiança em Deus e em si mesmo, você irá superar limites e acomodações.

Em momentos de crises — e Jesus nos alertou em João 16.33 que passaríamos por eles — , não desanime. E lembre-se: todos nós precisamos de alguém que caminhe ao nosso lado. Tenha sempre ao seu lado pessoas que possam animá-lo e que se comprometam com o seu crescimento em todas as áreas.

Se você estiver aberto para o agir de Deus e mantiver a motivação correta, tendo o Pai como prioridade, a sua vida não somente mudará para melhor como também a de outros próximos a você.

Quando suas palavras e ações forem coerentes com aquilo que afirma crer, as pessoas irão confiar em você.

Que Deus o abençoe! Seja bênção!

Dra. Elizete Malafaia

Por Litrazini
Graça e Paz

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

ALGUMAS GOTAS DE ÓLEO LUBRIFICANTE


Num quarto modesto, o doente grave pedia silêncio. Mas a velha porta rangia nas dobradiças cada vez que alguém a abria ou fechava. O momento solicitava quietude, mas não era oportuno para a reparação adequada.

Com a passagem do médico, a porta rangia, nas idas e vindas do enfermeiro, no trânsito dos familiares e amigos, eis a porta a chiar, estridente. Aquela circunstância trazia, ao enfermo e a todos que lhe prestavam assistência e carinho, verdadeira guerra de nervos.

Contudo, depois de várias horas de incômodo, chegou um vizinho e colocou algumas gotas de óleo lubrificante na antiga engrenagem e a porta silenciou, tranqüila e obediente.

A lição é singela, mas muito expressiva.

Em muitas ocasiões há tumulto dentro de nossos lares, no ambiente de trabalho, numa reunião qualquer. São as dobradiças das relações fazendo barulho inconveniente. São problemas complexos, conflitos, inquietações, abalos...

Entretanto, na maioria dos casos nós podemos apresentar a cooperação definitiva para a extinção das discórdias. Basta que lembremos do recurso infalível de algumas gotas de compreensão e a situação muda.

Algumas gotas de perdão acabam de imediato com o chiado das discussões mais calorosas.

Gotas de paciência no momento oportuno podem evitar grandes dissabores.

Poucas gotas de carinho, penetram as barreiras mais sólidas e produzem efeitos duradouros e salutares.

Algumas gotas de solidariedade e fraternidade podem conter uma guerra de muitos anos.

É com algumas gotas de amor que as mães dedicadas abrem as portas mais emperradas dos corações confiados à sua guarda.

São as gotas de puro afeto que penetram e dulcificam as almas ressecadas de esposas e esposos, ajudando na manutenção da convivência duradoura.

Nas relações de amizade, por vezes, algumas gotas de afeição são suficientes para lubrificar as engrenagens e evitar os ruídos estridentes da discórdia e da intolerância.

Dessa forma, quando você perceber que as dobradiças das relações estão fazendo barulho inconveniente, não espere que o vizinho venha solucionar o problema.

Lembre-se que você poderá silenciar qualquer discórdia lançando mão do óleo lubrificante do amor, útil em qualquer circunstância, e sem contra-indicação.

Não é preciso grandes virtudes para lograr êxito nessa empreitada. Basta agir com sabedoria e bom senso. Às vezes, são necessárias apenas algumas gotas de silêncio para conter o ruído desagradável de uma discussão infeliz.

Se você é daqueles que pensa que os pequenos gestos nada significam, lembre-se de que as grandes montanhas são constituídas de pequenos grãos de areia.

Transcrito Por Litrazini
Graça e Paz