quarta-feira, 27 de julho de 2016

TOMANDO A CRUZ

Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. (Marcos 8.34)

Parece-me extraordinário que Jesus deixasse de se referir à sua cruz para se referir à nossa cruz. De algum modo, ele já sabia que seria crucificado. Ele agora diz que, se alguém quer segui-lo, deve tomar a sua cruz. Não podemos deixar de observar o mesmo sinal de necessidade imperiosa.

O que Jesus quis dizer?

De acordo com H. B. Swete, em seu comentário sobre o Evangelho de Marcos, tomar a cruz é “colocar-se na posição de um homem condenado a caminho de sua execução”.

Se tivéssemos vivido na Palestina ocupada por Roma naqueles dias e víssemos um homem carregando uma trave transversal ou patibulum, não precisaríamos correr até ele e perguntar: “Com licença, mas o que você está fazendo?” Não, nós o teríamos reconhecido de imediato como um criminoso condenado, porque os romanos forçavam seus condenados à morte a carregar a própria cruz até o lugar da crucificação.

Essa foi a imagem que Jesus escolheu para ilustrar o significado da autonegação.

Precisamos resgatar esse vocabulário para que ele não seja adulterado. Não devemos supor que a autonegação seja abrir mão de luxos durante a Quaresma ou que “a minha cruz” seja uma provação pessoal e dolorosa.

Sempre corremos o risco de desvalorizar o discipulado cristão, como se ele nada mais fosse que acrescentar uma camada fina de piedade à vida secular. Fure a camada e lá estará, debaixo dela, o velho e mesmo pagão.

Não, tornar-se e ser um cristão envolve uma mudança tão radical que nenhuma imagem pode ilustrá-la à altura, exceto a morte e a ressurreição – morrer para a velha vida, ou para o egoísmo, e ressuscitar para uma nova vida de santidade e de amor.

Paulo estava adaptando o vocabulário de Jesus quando escreveu: “Fui crucificado com Cristo” (Gl 2.20) e: “Os que pertencem a Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e os seus desejos” (Gl 5.24).

Um último pensamento: Lucas acrescentou o advérbio diariamente à declaração de Jesus: “Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-me” (Lc 9.23, grifo do autor).

De maneira que, irmãos, somos devedores, não à carne para viver segundo a carne. Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis. Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus esses são filhos de Deus. Romanos 8.12-14

Retirado de A Bíblia Toda, o Ano Todo [John Stott]. Editora Ultimato

Por Litrazini

Graça e Paz