quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Dominando o Medo


E, atemorizado, escondi na terra o teu talento... (Mt. 25.25) 

Por vezes, deixamos de fazer muitas coisas importantes por causa do medo. O medo silencia nosso testemunho, anestesia nossa consciência e enfraquece nossa fé. Ele nos impede de produzir... 

A possibilidade de algum acontecimento ruim tolhe a nossa liberdade, inibe o nosso potencial, tirando-nos o sono e a nossa paz. 

Sentir medo é normal, mas ser dominado por ele é desastroso. Por isso a ordem bíblica mais repetida é não temas . 

A Bíblia cita várias pessoas fracas e limitadas como Josué e Calebe, todavia por serem decididas e corajosas, foram vencedoras. 

Davi venceu Golias, (1 Sm. 17.41-49). 

Gideão, com apenas trezentos homens, derrotou um exército de cento e trinta e cinco mil midianitas armados, (jz. 7.20-25). 

Elias derrotou, sozinho, quatrocentos profetas de Baal no alto do monte Carmelo, (l Rs. 18.20-39) . 

Daniel, na cova dos leões, ficou toda a noite no meio das feras, mas saiu ileso (Dn. 6.16-23).

Pedro, um humilde pescador, enfrentou os membros do Sinédrio dos judeus, que tinha o poder de entregá-lo à morte como antes fizeram com o seu Senhor. (At. 4.1-13). 

Paulo testemunhou diante de reis e governadores (At. 24.22-27). 

Homens, como nós, sujeitos às mesmas paixões e problemas, fizeram coisas extraordinária; foram mais do que vencedores; realizaram grandes feitos, deixaram seus nomes registrados nas páginas da História. 

Pessoas controladas, impulsionados ou paralisados pelo medo, agem com a motivação errada e, produzem resultados desastrosos.. Tornarmo-nos acuados, inseguros, agressivos. 

Para Deus, pessoas com medo excessivo, demonstram falta de confiança nele. “Eu, eu sou aquele que vos consola; quem, pois, és tu, para que temas o homem, que é mortal, ou filho do homem, que não passa de erva? Quem és tu que te esqueces do Senhor que te criou, que estendeu os céus e fundou a terra, e temes continuamente todo o dia o furor do tirano, que se prepara para destruir? Onde está o furor do tirano?” (Is. 51.12,13). 

O segredo do sucesso dos heróis bíblicos não estava na falta de medo, eles conheciam muito bem as suas fraquezas e, ficavam mais próximo de si mesmo e do Deus todo poderoso. “Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo. Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte. (2 Co. 12.9,10). 

O Antídoto: o amor “No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo. Ora, o medo produz tormento; logo aquele que teme não é aperfeiçoado no amor” (1 Jo. 4.18). 

O medo nos fecha dentro de nós mesmos, o amor nos move na direção de Deus e do próximo. 

O medo nos faz recuar diante das ameaças, o amor nos faz enfrentar qualquer perigo, para proteger ou ajudar aos que amamos. 

O medo nos torna egoístas, o amor nos faz úteis. 

O medo frusta, o amor realiza. 

O medo escraviza, o amor liberta. 

O amor e o medo lutam um contra o outro, mas o amor é mais forte. O amor lança fora o medo, portanto, o remédio para quem quer amar e tem medo é não amar menos, e, sim, amar mais. 

Se olharmos para nós mesmos, ficaremos desanimados com nossas limitações, se fixarmos os olhos no inimigo, ficaremos amedrontados com sua força. A vitória é sempre daqueles que contemplam o Senhor. 

No dia em que eu temer, hei de confiar em ti (Sl. 56.3). Se confiarmos em Deus como nosso Salvador, protetor e provedor, só a ele temeremos. Mas se nos rendermos às ameaças, estaremos dando ao inimigo uma posição que só a Deus é devida, estaremos destronizando-o do nosso coração. Assim, afirmemos confiadamente: O Senhor é o meu auxílio, não temerei; que me poderá fazer o homem? (Hb. 13.6). 

Lidiomar T. Granatti 

Graça e Paz