segunda-feira, 18 de junho de 2012

Por que esperar e ver?


E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. (Romanos 8.28)

Apenas afirmar que todas as coisas contribuem para o bem, não é totalmente fidedigno. Contudo, é uma afirmação real e verdadeira para os que amam a Deus. Amar a Deus, significa obedecer seus mandamentos.

Nosso amor por Deus fará com que jamais duvidemos dEle.

Enfermidade, desemprego, pobreza, defeitos físicos, acidentes, mortes entre outras coisas, é utilizado por Deus para que olhemos para Ele. “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais” (Jr 29.11). 

Conheço uma ilustração sobre José que pode explicar melhor o texto acima, embora desconheça o autor, confira:

José era jovem e bonito. Fruto de uma longa espera por um grande amor, o favorito de seu pai. Sonhou que seria grande, mas foi humilhado quando compartilhou seu sonho com aqueles a quem amava. Então perguntou:

- Por que, Senhor? E o Senhor respondeu:
- Espere... e verás.

Os dias se passaram. Um novo sonho foi o bastante para que tentassem calar a sua voz, matar suas ambições. Vendido como escravo, levado para uma terra desconhecida, afastado de seu lar, ele perguntou mais uma vez:

- Por que, Senhor? E mais uma vez o Senhor respondeu:
- Espere... e verás. 

Adquirindo a confiança de seu senhor, tudo pareceu melhorar. Afinal, mesmo em terra estranha, ele havia prosperado. Mas ele não sabia que seus encantos iriam levá-lo a uma nova humilhação. Assediado por sua senhora, recusou-se a pecar contra Deus e pagou alto preço. Desta vez, a prisão. Sem direito a nada, nem ao menos defender-se, ele não se desespera, mas pergunta:

- Por que, Senhor? A resposta ainda é a mesma:
- Espere... e verás.

Seu dom de interpretar sonhos é o instrumento que Deus usa para livrá-lo daquela situação. Frente a frente com o rei, ele é então promovido a governador, como prova de confiança e agradecimento pelos serviços prestados. Mas, mesmo diante de tanta glória, não se envaidece, e humildemente muda a pergunta:

- Para que, Senhor? Só para ouvir ainda mais uma vez:
- Espere... e verás.

Chega o dia do confronto: de um lado, aqueles que o desprezaram e humilharam, do outro ele, jovem bonito, homem feito, com o poder nas mãos. Nada mais importa. O passado é esquecido, a outra face é dada. A esperança renasce com a alegria da reconciliação. Os questionamentos têm fim com uma única certeza:

- Foi para salvar vidas que o Senhor me enviou...

José tinha um propósito: agradar a Deus, não importa o que acontecesse. Ele não sabia do propósito de Deus, mas descansava nEle, confiando sempre que o Senhor o estava direcionando para o cumprimento desse propósito.

Muitas vezes (ou, quase sempre), nós nos desesperamos, queremos respostas imediatas, soluções "pra ontem".

Descarregamos em Deus toda nossa frustração por não obter tudo no tempo que é hoje, agora. Mas Deus, pacientemente, nos responde:

- Espere... e verás.

Essa espera depende de confiança plena. Crer que o Senhor usará tudo para o nosso bem, muito embora as circunstâncias provem o contrário.

Que o exemplo de José nos inspire a confiar em Deus todo o tempo, certos de que Ele sempre nos ouve e responde, seja SIM, ou NÃO, ou, simplesmente... ESPERE!!!  

Lidiomar T. Granatti (Litrazini)

Graça e Paz