quinta-feira, 12 de julho de 2012

O DOM DE DEUS PARA VOCÊ



A cruz. Pode dirigir o olhar a qualquer parte sem ver uma?
Colocada no alto de uma capela. Esculpida em uma lápide no cemitério. Gravada em um anel ou suspensa em uma cadeia, a cruz é o símbolo universal do Cristianismo.

Estranha decisão, não é? Estranho que um instrumento de tortura represente um movimento de esperança. Os símbolos de outras religiões são mais otimistas: a estrela de seis pontas do David, a lua em quarto crescente do Islã, a flor de lótus do Budismo. Mas uma cruz para o Cristianismo? Um instrumento de execução?

Você penduraria uma pequena cadeira elétrica no pescoço? Prenderia uma forca folhada a ouro na parede? Imprimiria uma foto de um pelotão de fuzilamento em um cartão de visita? Entretanto, é isso o que fazemos com a cruz. Muitos até fazem o sinal da cruz quando oram. Por que não fazem o sinal da guilhotina? Em lugar do sinal triangular que as pessoas fazem na testa e no peito, por que não um golpe de karatê na palma da mão? Não seria o mesmo?

Por que a cruz é o símbolo de nossa fé? Para achar a resposta não precisa ir além da própria cruz. Seu desenho não poderia ser mais singelo. Um madeiro horizontal e o outro vertical. Um se estendendo para fora. O outro para cima. Um representa a largura de seu amor, o outro reflete a altura de sua santidade. A cruz é a intercessão de ambos. A cruz é o lugar onde Deus perdoou seus filhos, sem baixar suas normas de santidade.

Como Ele pôde fazer isto?
Em uma frase: Deus pôs nossos pecados sobre seu Filho e o castigou ali.

 “Ao que não conheceu pecado, Deus o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” 2 Coríntios 5.21

Ou como diz outra versão: “Cristo não cometeu pecado algum, mas, por nossa causa, Deus o tratou como ao próprio pecado, para assim, por meio de Cristo, nos libertar da culpa” (2 Coríntios 5.21 , VP).


Visualize o momento. Deus em seu trono. Você na terra. E entre você e Deus, suspenso entre você e o céu, está Cristo sobre sua cruz. Seus pecados foram postos sobre Jesus. Deus, que castiga o pecado, descarrega sua justa ira sobre suas faltas. Jesus recebe o golpe. Como Cristo está entre você e Deus, você não o recebe. O pecado é castigado, mas você está a salvo, salvo à sombra da cruz.

Isto é o que Deus fez, mas, por que? Por que o fez? Por um dever moral? Por uma obrigação celestial? Por um requerimento paternal?

Não. Deus não foi obrigado a fazer nada. Além disso, considere o que fez. Deu o seu Filho, seu único Filho.

Você faria isso? Ofereceria a vida de seu filho pela de alguma outra pessoa? Eu não. Há alguns por quem daria minha vida, mas me peça para fazer uma lista daqueles por quem eu mataria a minha filha, e a folha ficaria em branco. Nem preciso de um lápis. A lista não teria nenhum nome.

Mas a lista de Deus contém os nomes de todas as pessoas que viveram em todos os tempos.

Porque este é o alcance de seu amor. E esta é a razão para a cruz. Ele ama ao mundo. “Porque amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito”João 3.16

Tão forte como o madeiro vertical proclama a santidade de Deus, o madeiro horizontal declara seu amor. Ah, e que largura infinita tem seu amor!

Você não se alegra de que o versículo não diga: “Porque de tal maneira Deus amou aos ricos…”  ou, “Porque de tal maneira Deus amou aos famosos…” ou, “Porque de tal maneira Deus amou aos magros…”? 

Não o diz. Tampouco diz:

“Porque de tal maneira amou aos europeus ou africanos…” “…aos sóbrios ou aos triunfadores…” “…aos jovens ou aos velhos…”

Quando lemos João 3.16, simples (e felizmente) lemos: “Porque amou o mundo de tal maneira”.

O quanto largo é o amor de Deus?
O suficientemente largo para alcançar o mundo todo. Você está incluído no mundo? Então está incluído no amor de Deus.

É formoso estar incluído em algo. Mas nem sempre o estamos.
As universidades o excluem se não for suficientemente inteligente. O mundo dos negócios o exclui se não estiver suficientemente qualificado e, infelizmente, algumas Igrejas o excluem se não for suficientemente bom. Mas embora todos eles o excluam, Cristo o inclui.

Quando lhe pediram que descrevesse a largura de seu amor, estendeu tudo o que pôde uma mão à direita, e outra à esquerda, e pediu que seus verdugos as cravassem nessa posição sobre a cruz, para que você soubesse que Ele morreu lhe amando.

Extraído do Livro Ele Escolheu Você de Max Lucado

Por Litrazini

Graça e Paz