quinta-feira, 13 de setembro de 2012

“E se” e “Como posso” - O Fardo da Preocupação


Guia-me mansamente a águas tranquilas. SALMO 23.2

A preocupação é o fardo de aniagem da carga. Ele transborda com "E se" e "Como posso". "E se chover em meu casamen­to?" "Como posso saber quando disciplinar meus filhos" "E se eu me casar com um sujeito que ronca?" "Como pode­remos bancar a educação de nosso bebê?" "E se depois de toda a minha dieta, eles descobrirem que alface engorda, e chocolate não?"

O saco de estopa da preocupação. Incômodo. Grossei­ro. Sem atrativos. Rangente. Difícil de manusear. Irritante de se carregar, e impossível de se largar. Ninguém quer as suas preocupações. Verdade seja dita, nem você as quer. Ninguém tem de lembrar-lhe o alto custo da ansiedade. (Mas o farei de qual­quer modo). A preocupação divide a mente. O termo bí­blico para preocupação (merimnas) é um composto de duas palavras gregas: merizo, "divide", e nous, "a mente".

A ansiedade reparte a nossa energia entre prioridades de hoje e problemas de amanhã. Parte de nossa mente está no ago­ra; o restante, no ainda não. O resultado é meia mente vi­vendo.

E esta não é a única consequência. Preocupação não é uma doença, mas causa enfermidades. Ela tem sido associada à pressão alta, problemas cardíacos, cegueira, enxaquecas, mau funcionamento da tireóide e inúmeras perturbações estoma­cais.

Ansiedade é um hábito dispendioso. Claro, poderia valer o custo, se funcionasse. Mas não funciona. Nossas inquietações são vãs. Jesus indagou: "E qual de vós poderá, com todos os seus cuidados, acrescentar um côvado à sua estatura?" (Mt 6.27). A preocupação nunca clareou um dia, nunca resolveu um problema, ou curou uma enfermidade.

Lamentavelmente, preocupação não é uma tarefa que você pode repassar a outrem. Contudo, você pode superá-la. E não há lugar melhor para começar que no verso 2 do salmo do pastor. "Guia-me mansamente a águas tranquilas", declara Davi. E, caso percamos o ponto, ele repete a frase no versículo se­guinte: "Guia-me pelas veredas da justiça".

Deus nos guia. Diz-nos o que precisamos saber, quando pre­cisamos sabê-lo. Como afirmaria um escritor do Novo Testa­mento: "Encontraremos graça sempre que precisarmos de ajuda" (Hb 4.16, NTLH, ênfase minha).

Ouça uma versão diferente: "Cheguemos, pois, com confi­ança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericór­dia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportu­no" (Hb.4.\6, ênfase minha).

Deus se Interpõe entre você e a necessidade. E na hora certa, dá a você a passagem. Não foi esta a promessa que Ele fez aos seus dis­cípulos? "Quando, pois, vos conduzirem para vos entregarem, não estejais solícitos de antemão pelo que haveis de dizer; mas o que vos for dado naquela hora, isso falai; porque não sois vós os que falais, mas o Espírito Santo" (Mc 13.11, ênfase minha).

Não é esta a mensagem dada por Deus aos filhos de Israel? Ele prometeu supri-los de maná a cada dia. Aqueles que deso­bedeceram, e colheram maná para dois, acharam-se depois com maná apodrecido. A única exceção à regra era a véspera do sábado. Na sexta-feira, eles podiam colher o dobro. Por outro lado, Deus lhes daria o que eles necessitassem, na hora de sua necessidade.

Deus nos guia. Deus fará a coisa certa na hora certa. E que diferença isto faz! Desde que sei que a sua provisão é oportuna, posso desfru­tar o presente.

"Dê sua total atenção ao que Deus está fazendo agora, e não se preocupe com o que poderá ou não acontecer amanhã. Deus ajudará você a lidar com qualquer dificuldade que sur­gir, quando chegar a hora" (Mt 6.34, traduzido da versão in­glesa MSG).

Esta última frase é digna de um marcador de texto: "Quan­do chegar a hora".


 "Eu não sei o que faria se o meu marido morresse". Você saberá, quando chegar a hora. "Quando os meus filhos saírem de casa, penso que não su­portarei". Não será fácil, mas a força virá quando chegar a hora.

A chave é esta: Encare os problemas de hoje com a força de hoje. Não comece a atacar os problemas de amanhã, até que o amanhã chegue. Você ainda não tem a força de amanhã. Você só tem o suficiente para hoje.

"Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de ama­nhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal" (Mt 6.34). Fácil falar. Nem sempre é fácil fazer, certo? Somos dema­siadamente propensos a nos preocupar.

Não pre­cisamos saber o que acontecerá amanhã. Precisamos saber apenas que Ele nos guia, e que "acharemos graça a fim de sermos ajudados em tempo oportuno" (Hb 4.16).

Extraído do livro Aliviando a Bagagem para as mães de Max Lucado

Adaptado por Litrazini

Graça e Paz