quarta-feira, 8 de junho de 2016

SANTIDADE - SEM SANTIFICAÇÃO NINGUÉM VERÁ A DEUS

SANTIDADE – Perfeição moral. Estado de quem se destaca pela pureza. Nas Sagradas Escrituras, a santidade tem dois sentidos distintos:
1) É a separação do mal e do pecado; e
2) É a dedicação completa ao serviço do Reino de Deus.

SANTIFICAÇÃO – Separação do mal e do pecado, e dedicação ao serviço do Reino de Deus. É desta forma que o filho de Deus [os que são de Cristo – Jo 1.12] aperfeiçoa-se à semelhança do Pai Celeste. A santificação só é possível através as Palavra de Deus (v. Jo 17.17).

SANTO – Aquele que se separa do mal, e dedica-se ao serviço divino. O processo de santificação do crente tem como base a Palavra de Deus (Fonte: Dicionário Teológico – Claudionor Corrêa de Andrade).

A SANTIDADE DO CRENTE - Você se considera santo? Como crescer em santidade?

A santidade para aquele que crê é um imperativo, uma ordem divina, uma necessidade. Sem santidade, a salvação se torna inviável. Vejam: “Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá ao Senhor” (Hb 12.14).

A ordem do Senhor é para que vivamos em santidade e sejamos santos irrepreensíveis (1 Pe 1.16; v. 1 Co 1.2; Ef 1.4; 4.12; 1 Ts 3.13; Ap 22.11). O processo da santificação do crente deve ser sem interrupção, contínuo e regular (2 Co 6.17). A obediência à Palavra e o temor a Deus são caminhos, dentre outros, que aperfeiçoam a fazem progredir nossa santificação.

Por que existem crentes que não se consideram santos? Eles alegam que são pecadores, e apresentam Romanos 3.23: “Todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”; e Romanos 3.10: “Não há um justo, nem um sequer”.

Esquecem-se de que tais versículos dizem respeito às pessoas em estado natural, que ainda não experimentaram o “novo nascimento” (Jo 3). Nenhum crente está “destituído da glória de Deus” (Jo 3.18; Rm 10.9, Ef 2.7-9).

Observem o que diz o versículo seguinte, Rm 3.24: “Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em cristo Jesus”. A condição para recebermos o perdão divino e escaparmos da condenação eterna é reconhecermos que somos pecadores, nos arrepender de nossos pecados e aceitarmos como nosso Senhor e exclusivo Salvador.

Outros ainda apresentam Romanos 3.10: “Não há um justo, nem um sequer”. Não atentam para os versículos seguintes: “Não há ninguém que busque a Deus”. Nós buscamos a Deus. “Não há quem faça o bem”. Nós fazemos o bem. “Cuja boca está cheia de maldição; em seus caminhos há destruição e miséria, e não conhecem o caminho da paz”. Ora, tais descaminhos não nos dizem respeito. Como em Romanos 3.23, tais verdades expressam a situação dos que ainda não aceitaram a oferta divina de salvação e, portanto, não são novas criaturas.

Em algumas cartas paulinas somos chamados “santos”. Exemplo: “A todos os que estais em Roma, amados de Deus, chamados santos” (Rm 1.7; ver Fp 1.15).

Pr. Airton Evangelista da Costa

Por Litrazini

Graça e Paz