segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

SE DEUS QUISER O QUE EU QUISER...

Todas as pessoas, conscientes ou inconscientemente, procuram fazer a vontade de Deus, ainda que seguindo na contramão. Sempre que perguntamos a alguém se ela fará algo ou irá a algum lugar, a resposta é: "Se Deus quiser." Mas, como sabem se Ele quer ou não? Qual é o critério usado na decisão? Muitos não saem de casa sem consultar o horóscopo, outros procuram videntes, vão ler a mão, não faltam os que abrem a Bíblia, colocam o dedo num versículo, lêem, e pensam, esta é a vontade de Deus para aquele dia ou para aquela decisão.

Disse alguém muito acertadamente que: "Como a lei natural, a espiritual está destinada por Deus a cumprir aquilo para qual foi criada. A ignorância não faz cessar sua operação. Se alguém desconhece a lei da gravidade e salta de uma janela, cairá e se espatifará no chão. Esse pode ser um caso de destruição por falta de conhecimento." E Oséias 4:6 diz: "O meu povo é destruído porque lhe falta o conhecimento."

Como explicado, o fato de você não conhecer a vontade de Deus, não será razão para livrá-lo do castigo. E pior ainda será conhecer a vontade de Deus e não se submeter a ela. Esta afirmação pode ser confirmada na parábola do servo vigilante registrada em Lucas 12:47-48 que diz: "O servo que soube a vontade de seu senhor, e não se aprontou, nem fez conforme a sua vontade, será castigado com muitos açoites. Mas o que não a soube, e fez coisas dignas de açoites, com poucos açoites será castigado. A qualquer que muito for dado, muito se lhe pedirá, e ao que muito se lhe confiou muito mais se lhe pedirá."

Parece mesmo que o melhor, é conhecer a vontade de Deus e submeter-se a ela. Um fato, porém que chama a atenção é que na maior parte das vezes, nós até queremos conhecer a vontade de Deus para certas situações, mas quando descobrimos, não a aceitamos e decidimos fazer a nossa própria vontade. Há o que chamo de um desejo receoso em se conhecer a vontade de Deus. Quando vamos buscar a Sua vontade, já vamos com a predisposição em fazer a nossa própria vontade.

O texto de Jeremias 42:1-6 é a ilustração perfeita, pois além de ser muito curioso e engraçado, mostra com perfeição o que acontece conosco quando buscarmos conhecer a vontade de Deus

Por desobedecer à vontade de Deus, que conheciam bem, e apesar das oportunidades e solenes avisos dados por Deus através dos profetas (que em sua maioria foram ignorados, desprezados e mortos), é que o povo de Israel fora derrotado e se tornara cativo da Babilônia.  Muitos foram mortos, outros levados como escravos para Babilônia. A cidade, os muros, o Templo, foram destruídos, saqueados e incendiados (Jeremias 39 e 40). Somente os mais pobres foram deixados pelo rei Nabucodonosor na terra de Judá, sob o governo de Gedalias, para cultivar a terra e viver nela. 

Algum tempo depois houve uma rebelião, e Gedalias, com diversos soldados babilônicos, que haviam sido deixados lá pelo rei, bem como várias outras pessoas, foram cruelmente assassinados. Após o fim da rebelião o medo tomou conta dos que sobraram, eles não sabiam qual seria a reação do rei ao saber do massacre de seus soldados e do governador que ele havia designado. Ficaram sem saber o que fazer: Se deviam ficar e tudo seria esclarecido; ou, se fugiam para o Egito em busca de proteção.

Então, procuraram Jeremias e pediram que orasse a Deus e lhes informasse qual era a melhor decisão a tomar na atual situação, e afirmaram que, ainda que não gostassem da resposta, obedeceriam. Parecia tudo perfeito, agora era só esperar e confiar em Deus. Jeremias faz o que lhe pediram. Consulta a Deus, Deus responde, e ele vai dar a resposta ao povo. 

Qual não foi sua surpresa. Eles não acreditaram em Jeremias e ainda o acusaram de mentiroso e trapaceiro. Não aceitaram a vontade de Deus e decidiram o que já estavam mesmo querendo fazer, fugir para o Egito em busca de proteção. 

O fim da história é completamente trágico. Eles dão com os burros n'água. Se tão somente tivessem aceitado a vontade de Deus teriam sido poupados. O rei entenderia a sua situação, veria que eram inocentes e não os castigaria. Indo para o Egito, inflamaram ainda mais a fúria do rei, que entendeu isto como sendo uma rebelião, e sendo mais poderoso, invadiria o Egito e destruiria a todos que lá estivessem (Jeremias 42 e 43)

Ficam aqui algumas interrogações que se aplicam perfeitamente bem a cada um de nós hoje: Eles realmente queriam saber qual era a vontade de Deus? Se estavam se dando mal por causa da sua infidelidade e desobediência a Deus, não estava na hora de aprender com o erro e demonstrar arrependimento e desejo de acertar?

O Senhor certamente lhes perdoaria e os faria prosperar. Por que persistir e insistir no erro da desobediência? Por que insistir em fazer a própria vontade se a de Deus era a melhor para eles mesmos? É muito diferente hoje?

Alguns princípios aqui se destacam:
Primeiro, diante da trágica situação e da difícil decisão, eles precisavam crer que a vontade de Deus era a melhor, ainda que a deles parecesse mais razoável.

Segundo, Deus revela a sua vontade, mas nós devemos estar dispostos a aceitá-la e a querer cumpri-la.

Terceiro, deixar de fazer a vontade de Deus é fazer mal para si mesmo.

Quase somos levados a crer que, toda vez que temos de escolher entre dois caminhos, o que mais nos agrada; o que mais nos parece aprazível; o que mais nos atrai; é sempre o errado e o contrário à vontade de Deus. Seria este um princípio bíblico? A vontade de Deus é sempre inversa à nossa? A vontade de Deus é sempre a mais dolorosa, a menos atrativa, a mais difícil? Você está disposto a descobrir? Uma coisa eu te garanto e posso afirmar, ela será sempre a melhor.

Jair Souza Leal

Por Litrazini

Graça e Paz