quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Luz na escuridão


Disse Deus: "Haja luz", e houve luz. Gênesis 1.3

O pequeno território de Israel ficava espremido entre os poderosos impérios da Babilônia, ao norte, e do Egito, ao sul. Ambos praticavam alguma forma de adoração ao sol, à lua e às estrelas.

No Egito, o centro da adoração ao sol era a cidade de On, cujo nome grego era Heliópolis, “a cidade do sol”, a poucas milhas de distância da cidade do Cairo.

Na Babilônia, os astrônomos já haviam desenvolvido elaborados cálculos dos movimentos dos cinco planetas conhecidos por eles e tinham começado a mapear os céus.

Não é de todo surpreendente, portanto, que muitos líderes israelitas tenham se deixado contaminar por esse tipo de culto praticado pelos povos que viviam ao seu redor.

Ezequiel ficou horrorizado ao ver uns vinte e cinco homens “com as costas para o templo do Senhor e os rostos voltados para o oriente [...] se prostrando na direção do sol” (Ez 8.16).

Jeremias também condenou os líderes da nação que amaram e prestaram culto “ao sol e à lua e a todos os astros do céu” (Jr 8.2).


É neste contexto de idolatria que Gênesis 1 deve ser lido e compreendido. Enquanto que os egípcios e os babilônios adoravam o sol, a lua e as estrelas, o autor do Gênesis insiste que esses elementos não são deuses para serem adorados, mas a criação do único e verdadeiro Deus. 

Deus prometeu a Abraão que seus descendentes seriam “tão numerosos como as estrelas do céu e como a areia das praias do mar” (Gn 22.17).

É extraordinário que, sabendo hoje que há cerca de um trilhão de estrelas em nossa galáxia e outros bilhões de galáxias a bilhões de anos luz de distância daqui, a equivalência entre areia e estrelas possa ser bastante acurada. 

O apóstolo Paulo usou o majestoso decreto de Deus ordenando: “Que se faça a luz” como um modelo do que acontece na nova criação. Ele comparou o coração humano não regenerado ao escuro caos primitivo e o novo nascimento à ordem criativa de Deus “Que se faça a luz”.

Esta certamente havia sido a experiência dele. “Pois Deus, que disse: ‘Das trevas resplandeça a luz’, ele mesmo brilhou em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus na face de Cristo” (2Co 4.6).

Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto, para os que se perdem está encoberto.

Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus.
Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus, o Senhor; e nós mesmos somos vossos servos por amor de Jesus. Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo. 2 Coríntios 4:3-6 


Retirado de A Bíblia Toda, O Ano Todo (Editora Ultimato, 2007)


Por Litrazini

Graça e Paz