domingo, 2 de dezembro de 2012

Administradores do presente e do futuro


Seja o mundo, seja a vida, seja a morte, seja o presente, seja o futuro, tudo é vosso (1 Co 3.22b)

O apóstolo Paulo disse que duas coisas em particular nos pertencem: o presente e o futuro. Portanto, até certo limite, podemos fazer aquilo que queremos. Somos donos do nosso presente e do nosso futuro. Que responsabilidade! Mas Paulo acrescenta: Tudo é vosso; e vós, de Cristo, e Cristo de Deus (1 Co 22b,23a). 

Neste trecho, percebemos que somos propriedade de Deus, daquele que nos dá um presente e um futuro para administrar. E cabe a cada um de nós usar o tempo da melhor maneira possível, dando sempre o nosso melhor nas áreas espiritual, emocional, física e material, para que possamos produzir frutos notáveis. 

Certamente, o presente é o mais importante para nós porque o futuro ainda não chegou. No entanto, devemos construir o nosso amanhã desde já, pois nossa vida se assemelha a uma seara: colheremos o que tivermos semeado (Gl 6.7). 

Nunca se esqueça de que o seu futuro está implícito no seu dia-a-dia. O que você semear hoje, seja bom ou ruim, vai interferir no seu futuro. Contudo, ainda há cristãos que se surpreendem quando colhem fracassos no seu amanhã, pois se esquecem de que semearam tudo o que era necessário para colher a derrota.

Alguém já disse: “Nossa vida, com seu passado e seu futuro, para Deus, é sempre presente”. O dia de hoje é o mais importante. É neste dia que Deus nos espera de braços abertos para intervir em nossa vida. 

Tudo que aconteceu ontem e ocorrerá amanhã pertencem ao nosso agora. Mesmo cientes disso, temos muita dificuldade de viver o hoje! Não sabemos usufruir do tempo que vivemos, sendo que a melhor maneira de aproveitar o nosso hoje é simplesmente estar em comunhão com Aquele que disse: Eu sou o que sou, e vive um eterno presente. 

Eis algumas questões que todo cristão espiritualmente vigilante deve colocar para Deus:
O que o Senhor está preste a fazer? O que vai me dizer? O que deseja dar-me e pedir a mim? O que quer que eu faça?

É assim que deve ser. Nosso viver diário tem de estar em sintonia com o Espírito Santo. Em Hebreus 3.15, está escrito: Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais o vosso coração. Nosso coração se endurece quando não bate no ritmo do Deus vivo, quando vive ruminando o passado, ou ansioso com o futuro. Com isso não desfrutamos das promessas de Deus em nosso presente. 

Pergunte ao Senhor: “Pai, qual é a palavra que o Senhor tem para o tempo em que vivo? Para o lugar no qual eu me encontro? Para minha vida sentimental? Para minha área profissional? Para o ministério em que atuo?” E não se esqueça do que alerta em Eclesiastes 3.4: há tempo de chorar e tempo de rir; tempo de prantear e tempo de saltar... Há tempo para tudo!

Você consegue compreender o tempo em que vive? Pois é tempo de ação, de buscar a Deus, de dar testemunho com a sua vida! Existem muitas pessoas sofrendo porque não param para analisar, entender e mudar o seu estilo de vida. Ainda não se deram conta de que os tempos mudaram e vão continuar mudando.

Que possamos pedir a Deus discernimento espiritual e sabedoria (Tg 1.5,6). E que sejamos também como os homens de Issacar, que tinham entendimento para saberem o que Israel deveria fazer (1 Cr 12.32) em qualquer circunstância. Que o Senhor aguce os nossos ouvidos a cada manhã para que ouçamos Sua voz.

Como diz C. S. Lewis: “Os homens vivem dentro do tempo, mas Deus os destinou para a eternidade. É essa a razão pela qual Ele deseja vê-los se aplicar às duas coisas ao mesmo tempo: à eternidade de um lado, e, de outro, a este ponto do tempo que é o momento presente, que é o instante em que o tempo toca a eternidade. Não é noutro tempo senão no presente que os homens têm uma experiência parcial da realidade, comparável àquela que Deus abraça constantemente na sua totalidade. E é a única ocasião em que eles dispõem ao mesmo tempo da atualidade e da liberdade!”

Isto nos leva a refletir que precisamos servir a Deus no nosso tempo. A Bíblia nos dá exemplos de homens e mulheres que entenderam os momentos de sua vida e fizeram o melhor em prol do Reino de Deus e das pessoas. Daniel, Davi, Ester, Maria, os discípulos, entre outros, souberam servir aos desígnios do Senhor na época em que viveram. 

Outro ponto a ser levado em consideração é que a adaptação às novas situações faz parte da pedagogia de Deus para nos fazer crescer. O Senhor nos deu dons e talentos. Cabe a você e a mim entendermos isso e frutificarmos onde Ele nos tem colocado. Aliás, os psicólogos dizem que a inteligência é a capacidade de adaptar-se facilmente às novas conjunturas.

Por outro lado, quando nos recusamos a aceitar o momento presente em que vivemos, enfrentamos conflitos, dilemas, frustrações, paixões, desentendimentos, remorsos, tristezas e ansiedades. Precisamos, então, aprender a alegrar-nos mesmo nas adversidades, pois neste mundo estamos sendo testados a todo instante. Ao provar a nossa fé, Deus nos capacita e traz à luz os desejos mais secretos do nosso coração. Ele aperfeiçoa e firma a nossa fé. 

Entendamos o segredo do contentamento no nosso dia-a-dia. Quando reconhecermos que Deus faz belas todas as coisas no seu devido tempo, viveremos em plena comunhão com Ele. 

Paulo conhecia o segredo da felicidade:
Sei estar abatido e sei também ter abundância; em toda a maneira e em todas as coisas, estou instruído, tanto a ter fartura como a ter fome, tanto a ter abundância como a padecer necessidade. Posso todas as coisas naquele que me fortalece (Fp 4.12,13). Este deve ser o segredo de todo cristão. 

Aprenda a estar contente, sem murmurar, seja qual for a situação. Creia que Deus está no controle. Viva cada etapa de sua existência. Não tente abreviar ou adiar os momentos de dificuldades. A natureza tem suas estações, seus ritmos e suas leis — de nascimento, crescimento, maturidade e envelhecimento. Devemos respeitá-los.

À medida que avançamos na idade, a vida nos leva cada vez mais a valorizar o ser do que o ter ou o fazer. E, então, na terceira ou quarta idade não restam senão a fé, a esperança e o amor. Portanto, permanecem apenas algumas oportunidades e certos encontros importantes e, por trás destes, ao fundo, o encontro com Deus, o maior acontecimento humano possível. 

Paul Tournier escreveu: “O que conta para os idosos não é o que eles ainda fazem, nem o que eles acumularam e não levarão, mas sim o que eles são. Todas as concepções, doutrinas e fórmulas que os homens inventam passam; por sua vez, todo ideal também envelhece. Somente o verdadeiro Deus permanece. Com Ele, sei que, para além do inverno e da morte, eu o verei face a face como Ele me viu antes mesmo que eu nascesse”.

Que você possa entender que seu presente deve ser vivido da melhor maneira possível, priorizando sempre Deus como o Senhor da sua vida. 

Autoria: Prª Elizete Malafaia

Por Litrazini:

Graça e Paz