quarta-feira, 5 de junho de 2013

Se festa junina é pagã, por que algumas igrejas promovem festas jesuínas?

A realização de festas jesuínas ainda divide opiniões, pelo fato de a festa junina, que as inspirou, estar relacionada à festa pagã do solstício de verão. Essa festa foi reeditada pelos católicos na Idade Média, passando a ser conhecida primeiro como festa joanina, por comemorar São João, o apóstolo João, e posteriormente como junina, por ser celebrada no mês de junho.

Essa festa entrou em nosso folclore por influência dos portugueses, nossos colonizadores. As comidas típicas, as canções e as roupas caipiras são uma clara referência ao povo campestre, que povoou principalmente o nordeste do Brasil.

Os enfeites de papel, os balões de ar quente e a bombinhas de pólvora apontam para as novidades que os portugueses descobriam nos continentes que visitavam e exploravam.

Essas festas folclóricas foram reeditadas pelos evangélicos para fins evangelísticos; para atrair as pessoas que vão a festas juninas tradicionais. O foco não são as comidas típicas nem promover cantores de “forró gospel”, e sim Jesus.

Por meio dessa estratégia, muitas pessoas que não conhecem o evangelho podem ouvir canções que falam do amor de Deus, receber uma oração e ter a oportunidade de entregar sua vida a Cristo.
No mínimo, ela terá a oportunidade de travar contato com os cristãos, constatar sua alegria saudável e despertar para o fato de que Deus está de braços abertos para ela também experimentar novidade de vida.

Isso porque, nos eventos realizados pelas igrejas evangélicas, não há bebidas alcoólicas, drogas, brigas nem idolatria. Esse diferencial chama a atenção dos que não conhecem Cristo. Para isso, é claro, todos os que estão envolvidos com a festa jesuína precisam ser sábios em suas atitudes e comportar-se com cordialidade e simpatia, sem deixar de ser sal da terra e luz do mundo, a fim de atrair os pecadores a Cristo.

Sendo assim, respeite aqueles que são mais tradicionais e não apoiam de maneira alguma as festas jesuínas. Mas não critique os que aproveitam essa festividade.

Autoria: Pr. Silas Malafaia

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz