terça-feira, 14 de julho de 2015

A IMPUREZA E O POVO DE DEUS

Impureza é sujeira, é escória, é o que atrapalha, é o que está destoando do conjunto. Impureza é imundice, manchado, contaminado, poluído, sujo, sórdido e imoral.

Os sacerdotes tinham que aprender a distinguir entre o puro e o impuro e deveriam ensinar essa diferença para todo o povo de Israel (Lv.10.10,11). Isso se aplica hoje a cada um de nós, como podemos ver em Ap.1.5,6: “..Àquele que nos ama, e pelo seu sangue nos libertou dos nossos pecados, e nos fez reino, sacerdotes para Deus, seu Pai, a ele seja glória e domínio pelos séculos dos séculos”.

Impureza no sentido bíblico, normalmente, é relacionado ao mau uso da sexualidade humana. E isto é uma coisa, infelizmente, comum e até normal nos dias atuais

Os seres humanos (inclusive, talvez, eu e você) tem sido transformados em objetos, em coisas, em brinquedos sem alma, sem aspirações, com o único propósito de satisfazer nossos desejos e caprichos e também desejos e caprichos alheios. Homens com olhos cheios de impureza, olham apenas seios, nádegas e coxas das mulheres que incentivam essa prática insinuando-se com roupas que mostram "porções generosas" de seus corpos. Se por um lado tem se tornado comum que homens vejam mulheres como brinquedos sexuais, de outro, mulheres tem se reduzido a tais objetos quando incentivam tais práticas.

Com a liberação sexual, a quebra de tabus, e a diminuição da repressão sexual, um fenômeno inverso tem ocorrido: homens que se sujeitam a se rebaixam também à condição de brinquedos sexuais das mulheres. Às vezes, por dinheiro, o que se classifica como prostituição. Objeto de uma mensagem desta série: homens e mulheres são despidos, seviciados, abusados, usados, explorados com os olhos da imaginação.

Quais as imagens que vem a tua mente quando estás deitado? Quais são os sonhos e os desejos secretos e inconfessáveis que te assaltam na tua solidão enquanto esperas o teu sono? No secreto de teu coração, no esconderijo de tua mente, o que vês? Para o que olhas? Quais os atos que aspiras praticar? São santos? São agradáveis a Deus? São louváveis? Podem ser conhecidos e confidenciados?

Nossos olhos são a janela de nossa alma. Se nosso interior for limpo, tudo o mais será limpo. Mas se nosso interior for impuro, tudo nos será impuro.

O mau uso de nossa sexualidade só nos traz conseqüências destrutivas. Somente dor e tristeza. "Ainda que o pecado lhe seja doce na boca, ainda que ele o esconda debaixo da sua língua, ainda que não o queira largar, antes o retenha na sua boca, contudo a sua comida se transforma nas suas entranhas; dentro dele se torna em fel de áspides." Jó 20.12 a 14

Evite e rejeite qualquer discurso ou comportamento impuro ou imoral, tenha certeza que contradiz sua profissão de fé em Cristo.

Precisamos evitar qualquer apelo da carne e não sucumbir aos desejos carnais como diz em 2 Tm.2.21,22: “Se, pois, alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e útil ao Senhor, preparado para toda boa obra. Foge também das paixões da mocidade, e segue a justiça, a fé, o amor, a paz com os que, de coração puro, invocam o Senhor”.

 

PECADORES SALVOS E PECADORES PERDIDOS

Certa mocinha, sentindo que era crente no Senhor Jesus Cristo, apresentou-se a seu pastor a quem pediu para ser batizada e recebida como membro da Igreja Militante.
– Já experimentaste alguma mudança em teu coração? Perguntou-lhe o pastor. – Já, sim senhor.
– Reconheces que antes foste pecadora? – Reconheço, sim senhor.
– És presentemente pecadora? – Sou, sim senhor.
– Então, se tudo isto é verdade, como ousas dizer que estás agora mudada?

A mocinha refletiu um pouco, respondendo, depois, com o rosto saturado da mais santa alegria:
- Antes de me converter a Cristo, eu era uma pecadora que corria, procurando o pecado. Presentemente, depois que fui mudada pelo Espírito Santo, continuo a ser uma pecadora, fugindo sempre do pecado.

Vivemos num mundo de pecados, mas não devemos nos manchar com práticas pecaminosas. Cristo na oração sacerdotal rogou a Deus: “Eu não te peço que os tires do mundo, mas, sim, que os livres do mal.” (Jo.17.15)

Lidiomar Trazini Granatti

Por Litrazini

Graça e Paz