segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

ARREPENDIMENTO

Se o homem não se arrepende, Deus afia a sua espada, arma o seu arco e o aponta. (Sl 7.12.)

Uma vez cometido, o pecado exige arrependimento. É assim que se expressa o salmista: já que Deus é um juiz justo e cada dia manifesta o seu furor contra o pecado, “se o homem não se arrepende, Deus afia a sua espada, arma o seu arco e o aponta, prepara as suas armas mortais e faz de suas setas flechas flamejantes” (Sl 7.12,13).

O arrependimento antecede o perdão e a conversão. É aquele tremendo mal-estar, aquela tristeza mística, aquele intenso pesar pela falta cometida.

É uma tristeza que provoca choro e lágrimas.

Como as de Davi, depois do adultério e do assassinato de Urias: “De tanto chorar inundo de noite a minha cama e de lágrimas encharco o meu leito” (Sl 6.6).

Como as de Pedro, depois da tríplice negação: “Saindo dali [da casa do sumo sacerdote], chorou amargamente” (Lc 22.62).

O arrependimento situa-se entre o pecado e o perdão, entre a conduta imprópria e a conduta própria, entre a vigência da carne e a vigência do Espírito, entre as trevas e a luz, entre o velho estilo de vida e o novo estilo de vida.

É aquele processo que abre caminho para a ruptura com o pecado e para a adesão à santidade.

O arrependimento é tão importante, que os profetas, o Senhor Jesus Cristo e o apóstolos pregavam sem cessar: “Arrependam-se” (Mt 3.2; 4.17; At 2.38).

Não existe um arrependimento só. Naturalmente o primeiro arrependimento celebra o novo nascimento, a mudança de vida. Mas, além desse arrependimento inicial, há outros arrependimentos.

Todas as vezes que agimos de modo incorreto ou impróprio, precisamos sentir a dor do arrependimento para sair da crise e obter o perdão de Deus. 

Retirado de Refeições Diárias com o Sabor dos Salmos. Editora Ultimato.

Por Litrazini

Graça e Paz